sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Momentos para compartilhar - Semana 26

Semana 26: Se eu precisasse trocar de profissão, eu seria...

De certa forma, já fiz isso. Mas vamos tentar imaginar o que seria legal...
(Para quem não sabe, sou graduada em História pela Universidade Federal de Uberlândia). 


Engenheira Mecânica

Prestei dois vestibulares para esse curso por pura teimosia. Em um deles, quase passei, mas era porque era muito tranquila quanto a isso também. Fui ficando velha e desesperada. 
Só imaginem, uma figura pequena e magrela, com maquinários enormes? Não ia dar. A prática seria uma verdadeira derrota. Fisicamente impossível. 
Assim, fui fazer matemática, jurando que ia me dar bem, mas não foi bem assim.
Ainda assim seria legal a engenharia. Quem sabe na próxima encarnação? Com melhor cérebro e melhor "corpitcho"? 

Escritora/ Musicista

Se eu tivesse tal talento para algum destes, certamente seriam ofícios interessante. Quem gosta de ler, sempre tem essa vontade de ser escritor (a), e amo música. Entraria fácil em uma banda de Heavy Metal. (hehehehehe...)

Comediante

Ok, nem parece profissão, mas eu gostaria. Apesar de detestar palhaços, eu queria sei lá, ser atriz de comédia. Não quer dizer que eu seja sempre engraçada, mas eu gosto de rir e de fazer brincadeiras. Não sei se seria boa no stand-up (que é mais antigo que andar para frente, mas agora é moda ¬¬' ), até porque é preciso ter muita criatividade para montar textos. Fora que aqui no Brasil, né, enfim... comediante é sinônimo de polêmica. o.O

Comentarista

Ando meio fã de mesa redonda, ficar comentando coisas. Um filme, um álbum, um jogo. 
Se eu ficar chata - o que deve estar perto de acontecer - precisarei parar. xD

PS: Nesse caso, seria uma boa comentar F1 na Globo por um dia, só para dar uns esfregas nos caras sabichões, hahahahaha... #risadamaléfica

Testadora de brinquedos

Que nem Tom Hanks em "Quero ser Grande" \o/


E aí? Vcs também teriam outras opções além do que fazem?

Abraços afáveis!

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Dia de Ação de Graças

Todo mundo já deve ter visto sobre por aí. Thanksgiving e a Black Friday está sendo um dos assuntos mais comentados, a começar pelas redes sociais. (Isso e o tal aplicativo "Lulu" que eu juro, por tudo que é sagrado que eu pensei que estavam falando do disco do Metallica com Lou Reed, de mesmo nome. *Sim, eu tenho problema!*)
O grande clique do momento é que eu lembro da historinha que dizem dos peregrinos, que poderiam ter celebrado com os nativos americanos, os índios, e no fim das contas, os coitados foram dizimados por ali (daí a música do dia). Fatalidade claro, se hoje se arrependem verdadeiramente, não podemos afirmar.
Eis a um trecho que ilustra isso:

"No dia 16 de março de 1621, um índio Abnaki chamado Samoset entrou no povoamento de Plymouth. Ele saudou os peregrinos em inglês e no dia seguinte voltou com um outro nativo norte-americano chamado Squanto, que falava inglês bem. Com a ajuda de Squanto, os peregrinos conseguiram sobreviver no Novo Mundo. Squanto ensinou a eles como extrair seiva das árvores, como evitar plantas que eram venenosas e como plantar milho e outros alimentos.
A colheita de outubro foi muito bem-sucedida, em grande parte graças à ajuda dos nativos norte-americanos. Os peregrinos tiveram comida suficiente para o inverno e tinham aprendido a sobreviver no Novo Mundo. O governador dos peregrinos, William Bradford, decidiu realizar um banquete de celebração e convidou os vizinhos nativos norte-americanos. Os nativos norte-americanos também trouxeram comida, e a celebração durou três dias. Os historiadores acreditam que essa celebração tenha acontecido em algum dia de outubro.
Muitos consideram o primeiro Dia de Ação de Graças como um exemplo de que pode haver grande respeito e cooperação entre duas culturas diferentes. Outros, porém, o consideram um símbolo da perseguição dos nativos norte-americanos pelos colonizadores. Infelizmente, o espírito amigável do primeiro Dia de Ação de Graças foi uma pequena exceção em uma longa história de matança entre as tribos nativas e os colonizadores europeus. Hoje em dia, essa parte da história da nação influencia muitos norte-americanos." (Fonte: aqui)

A música que logo penso é uma muito bonita e triste. Mais em relação a essa consideração do feriado por perseguição aos índios, tenho uma boa sugestão, uma bela música da minha banda favorita (sábio Tuomas!!!!):

(Ver letra aqui)

Se tem gente para comentar, tem gente para criticar. Já há inclusive até o pessoal protestando por "comemoração" de algo que é "coisa de americano"...
Pois bem, gastar um tempinho extra para procurar saber sobre, ninguém quer né? Criticar já basta. ¬¬'
A lembrança da data, bem como a comemoração também é dada por aqui pelas famílias de origem norte americana, e por alguma denominações Cristã Protestantes. Inclusive no link acima mostra que dia de "ação de graças" é agradecimento de colheita não meramente "coisa" de norte americano ou canadense, algo que não sabia e que é legal.

Eu na realidade achava mesmo que era algo ligado à religiões protestantes, como Luteranas e Batistas, muito comuns nos EUA. Até que na escola, se não me engano na sétima série, mudei a ideia do tal feriado. Eu estudava em uma escola católica, com diretoria comandada por freiras, e a professora de geografia decidiu fazer das suas aulas as coisas mais legais daquele meu tempo escolar. Eram dinâmicas, aulas práticas, ao ar livre, no jardim da escola, viagens, jogos, tudo de uma forma que a gente aprendia e se divertia sem ser piegas. Em uma dessas ela juntou a aula dela com uma reflexão cultural. Falando de EUA, ela deu a aula dela no dia de Ação de Graças no pátio. Um pouco antes da aula terminar ela deu à cada aluno uma bexiga branca que não seria enchida com gás hélio, mas sim com nosso sopro, e um barbante. Enquanto enchíamos a bexiga, deveríamos pensar em tudo que éramos gratos por aquele ano que estava passando, assim como fazem os americanos fazem. Amarramos os balões nos barbantes, fomos para a capela da escola, rezamos, e saímos e liberamos as bexigas juntos ao meio do pátio.
Foi ali a primeira vez que ouvi sobre respeito com os outros, independente de suas crenças, de sua etnia, e etc, que de fato fez sentido. Muita gente da minha sala não era a favor de ir à capela, rezar, voltar, cantar o hino nacional, manter a disciplina, fazer aula de religião... Naquele instante, não houve reclamação, não houve risadinhas, nem comentários desmoralizantes ou frustrantes. De fato, estava fazendo sentido olhar para si e agradecer pelas coisas boas. Independentemente. 

Abraços afáveis! Feliz dia de Ação de Graças!

PS: hoje também é dia de Chanucá ;)

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Temporada 2013 da F1


Enfim, no último domingo completaram-se as 19 temporadas pressupostas no calendário da F1.
Por mais otimista que eu possa ser, foi um ano um pouco normal, tumultuado de surpresas (boas e ruins - dependendo do ponto de vista de cada um) e de intrigas.
De forma hegemônica e antecipada tivemos um novo campeão. Sebastian Vettel é inegavelmente um grande piloto, capaz de estar lado a lado com o grandes nomes da categoria. Digo sim, sem medo de errar que ele chegou onde chegou por grande mérito pessoal. Não há como dizer que, vercer quatro vezes seguidas foi mera sorte. Sua equipe a Red Bull trabalhou bem, muito bem, extrapolando e se tornando praticamente imbatível. Em termos físicos, não há carro, se não tiver piloto. Assim, a suprema equipe chegou em um patamar de 200%, a ponto de nos trazer mais um tetra campeonato de equipe (e piloto). Foi histórico, com os muitos recordes batidos pelo garoto de 26 anos. Graças à um excelente carro que corresponde ao seu talento - um dos mais completos da F1 atual - Vettel escreveu seu nome na história, e por mais "chato", "enfadonho" ou "previsível" que a temporada tenha sido, foi épico.
Presenciamos isso. Já é uma grande vantagem para nós fãs do esporte.
Não me esquecendo de nada relevante para falar sobre o ano, seguimos com seu companheiro de equipe Mark Webber. Após uma pequena intriga na Malásia, segunda etapa da temporada a Red Bull parecia ter um criptonita. Vettel ignorou uma orientação da equipe e ultrapassou Mark Webber que era líder da corrida.  Houve briga e o futuro de Webber era incerto. Até que ele decidiu mais ao fim do ano que se aposentaria no fim da temporada.
A justificativa paira naquele momento, foi apenas uma das razões para a decisão. 
O que acho seguramente digno de respeito é que ele decidiu que era hora de parar. E assim, com a cabeça levantada, mesmo com muitas corridas desastrosas nesse ano, terminou bem em todo. Terminou do jeito certo. 
Inevitável que eu passe direto para o segundo colocado no campeonato. Considerando que Vettel praticamente corria em um campeonato paralelo, Fernando Alonso é o vice com orgulho. Há alguns anos, talvez os dois últimos, a Ferrari já não tem um bom carro. Tudo o que eles conquistaram nos últimos quatro anos, parece desmoralizante se comparado à Red Bull ou à Vettel.
O que se aprende disso é que a equipe não trabalha o suficiente. Na mesquinhez acham que tudo se resolve com o piloto mais completo do grid. O problema é quando se luta para que o carro se encaixe nesse piloto. E se a Ferrari teve nesses últimos quatro anos um salvador, ele caminhou quase todo o trilho sozinho. Esse ano, não mais que diferente.
Felipe Massa pode ser o que for. Mas algumas ações e algumas palavras suas o tornam alguém indigno de comentários. 
Seguramente a McLaren deveria ser o nome mais comentado depois dessas duas equipes, mas não foi assim. Esse ano, tivemos uma grande e apática McLaren. Muito se perdeu com saída de Hamilton, poderia ser. Mas fato é que muito se perdeu contratando um imaturo Sérgio Perez. Ainda por cima, um carro mal nascido completou uma má temporada da equipe, tendo que contar com um light Jenson Button, famoso por ter uma pilotagem suave e não intensa de ajustes e batalhas.
Pérez teve uma chance e perdeu. Agora será substituído por Kevin Magnussen. Não sentiria falta se Pérez não retornasse à F1 ano que vem.

Acompanhando isso, Lewis Hamilton deixou a casa que o fez. Foi para Mercedes, e chegou como herói e salvador. Fez, mais ou menos isso. No fim das contas, ainda errando os boxes no começo da temporada, fez muitas boas classificações. Só terminou em terceiro no campeonato porque o detentor da posição meio que se tornou um cara avesso ao que conhecemos.
Seu companheiro de equipe, Nico Rosberg teve a infelicidade, de ter corridas mais substanciais, mais intensas, porém terminou atrás de Hamilton. Em todo caso, ainda deveria ser mais bem tratado pela equipe alemã que sempre promete arrasar, mas nos anos que passa, sempre fica aquém do esperado.
A Lotus foi um grande nome. Venceram a primeira etapa, e foram os primeiros a atazanar a vida da Red Bull. Por algumas etapas Kimi Räikkönen foi primeiro e segundo no campeonato. Foi recordista, marcando pontos e mais pontos a todas as corridas. Até as coisas fora da pista começarem a pipocar. Boatos surgiam de que Kimi estava saindo da equipe. Seu destino era para sera Red Bull.
Por uma surpresa estranha e também ruim, não era Red Bull e Kimi não dividiria atenção com Vettel, mas sim com Alonso em 2014.
Assim como a potência da equipe, veio à tona a crise na Lotus. O piloto "salvador" mostrou a todos sua falta de pagamento. Com esse, a equipe mandou ver na falta de respeito, por puro recalque. 
Ignorados, chutados e maltratados, a equipe se fez de vítima enquanto Kimi foi sempre Kimi: ignorou e deu de ombros. Se decepcionamos com isso, é porque realmente somos apenas fãs e não advogados. 
Terminou o campeonato em quarto, não correndo duas das últimas corridas, Austen e Interlagos, devido uma cirurgia e recuperação das costas. Ano que vem é companheiro de Alonso em um dos ambientes mais podres da F1, a Ferrari. Quer queiramos ou não.
Dela, tiveram Romain Grosjean, bem diferente do ano passado, quase nunca causando problemas tensos. Subitamente se tornou um grande líder, quando a relação da equipe azedou com Räikkönen. Na realidade, sempre foi um protegido. Terminou a temporada em sétimo, relativamente bem. Mas a última corrida foi meio que um reflexo de si mesmo.

Das equipes médias, tivemos poucos impasses.  Tivemos Paul di Resta e Adrian Sutil na Force India. Nada chamativo. Apenas Sutil não é mais líder da equipe, um tempo parado no caso dele fez muita diferença. Enquanto um terminou o campeonato em 48 ponto, Sutil terminou com 29. Rendimento baixo para o tal rápido Sutil.
Na Sauber as coisas pareciam mais promissoras, se não fosse pela tal falta de investimento. Hulkenberg que havia trocado a Force India pela Sauber, acabou quase na mesmo, um ponto atrás de Di Resta. Um bom piloto o garoto. Futuro ainda incerto, merecia carro melhor, para sabermos se é bom mesmo.
E apesar de muito rancor com Esteban Gutierrez, seu companheiro, não achei ele assim tão desastroso.
Em termos de coisas mais ou menos, cabe falar da Toro Rosso. Nem Jean Eric Vergne, nem Daniel Ricciardo, surpreenderam. Talvez só que a Red Bull tenha vetado de vez Kimi e decidido para quê teriam uma equipe subsidiária: se Webber ia se aposentar, pegaram Ricciardo para substituí-lo.
A Williams se mostrou mais fraca ainda que ano passado, porém teve uma revelação: uma constância e boa administração de Valtteri Bottas, ainda incógnita para mim. Foi melhor em boa parte do tempo que Pastor Maldonado, que também estaria de saída, agora confirmado que será substituído por Massa. Maldonado, poderia ser aquele que ocuparia o lugar de Kimi na Lotus, o que mostrou-me duas coisas meio absurdas e arriscadas: juntar Grosjean e Maldonado em uma só equipe, e colocar Massa como líder de um equipe gente boa como a Williams.

Por fim, as nanicas: o que dizer delas se não o maior bullying da F1? Quatro pilotos, quatro carros, duas equipes ruins com força. Disputando quem é o melhor dos piores? Sério, isso é triste.

O melhor da temporada é perceber que se tudo, novamente ficar só nas corridas, é simplesmente mágico. Mas quando envolve homens e dinheiro, e saímos das pistas, é o que tem de pior. Principalmente a tratar daquilo que vem das palavras de um e outro, seja dirigente ou piloto. Isso de fato é sempre o pior de tudo.
Mas fica as boas lembranças de boas corridas, bons pegas, e Vettel fazendo história. Que ano que vem seja legal, apesar da quantidade de mudanças e da imprevisibilidade da temporada.


Ano que vem precisa ser diferente. Se não for - copiando minha amiga Priscylla Queiroz - vou assistir NFL! (rsrsrsrs)

E para vcs? O que foi o melhor e o pior da temporada?

Abraços afáveis!

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Legendando fotos do Brasil

Hamilton numa escola de samba, "turistando". 

"E é assim que se faz o molde de uma mulher brasileira?"

Se tiver ritmo, já entra para bateria da escola. Se não, vira destaque de carro? 
Se fosse o Sutil seria madrinha de bateria. 
(Piadas com Sutil com a namorada aparecendo sempre, quase não tem graça...)

Essas cenas "Webbonso" não teremos mais. 
É afável.

De cara pro vento!
Maneiro Webber, bem maneiro... 

O lance dos bonés - um pra lá e um pra cá - foi uma medida perspicaz.
Agora porque alguém largou o champagne, é uma incógnita.
Será que Alonso levava para Kimi?

Eis o momento mais memorável de todo fim de semana.
Confesso que doeu o coração de rir do tombo do Webber, mas como ele levou na boa (ver no vídeo, aqui), seguramente ele me perdoará pela gargalhada "lavando a alma" que tive no domingo.

  
Se rir do Webber é maldade, eu peço perdão.
Se odiar esse Felipe Massa também for, simplesmente


A temporada mal acabou e esse cara ridículo já voltou a me irritar. Bom né, pelo menos em alguma coisa ele faz bem feito.


Ele então é um idiota, um grande idiota. Que me perdoem os fãs. 
Cheio de "mimimi" até hoje pela punição de domingo. Cheio de mediocridade ao dar declarações (como é em 90% dos casos).


Fãs da Williams, meus pêsames. Por mais que vcs tenham esperança nele, eu acho que é uma derrota das grandes ter que aturar esse "chatonildo".


Encontrei essa agora pouco no tumblr. 
Basta clicar nela para ler as legendinhas melhor.

Emfim, fim de temporada, costumeira foto.
Muita criatura aí muda cor pro ano que vem. Alguns nem imaginávamos que iam mudar, outros ainda nem decidiram. 
Da foto do começo do ano, para essa, do fim, uma coisa só mudou: O piloto finlandês da Lotus.

Depois tento montar um texto sobre essa temporada que passou. Aqui ficamos com a última postagem de fotos legendadas de 2013. E agora, queiramos ou não, vamos ter a off season.

Abraços afáveis!

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Interlagos: fechando a temporada


Com excessivo clima de velório pela saída do Massa da Ferrari; entrevistas mal elaboradas pela televisão detentora dos direitos de transmissão (cinco assuntos, quatro eram Massa e Alonso, Massa e Ferrari, Massa na Williams e Massa vencendo em Interlagos...); com muita chuva nos treinos e quase nada na corrida... Assim chegamos ao fim da temporada. 
Se acabou, acabou em bom estilo. Tivemos despedidas legais. 
Corrida plasticamente moldada para dar emoção com possível chuva (que eu sabia que não viria), tivemos bons e memoráveis momentos. Muitas ultrapassagens, muita coisa legal na corrida. Pena que a transmissão não parecia saber nem onde estavam.

Pole e vitória majestosa de Vettel. Fechando com chave de ouro, nada melhor.
Ainda uma dobradinha da Red Bull se confirmou no domingo. Mark Webber sim merecia uma suposta despedida mais emocionante, afinal vai ficar longe da F1, e alguns nem verão mais os rosto magrelo dele. Nisso a transmissão optou por um forçada emoção na saída do Massa da Ferrari. (Alguém lembra quando Kimi caiu fora em 2009, demitido/dispensado e criticado até as tampas? Claro que não, porque não houve! Enfim...) Não teve graça. Nenhuma. Por mais que não goste do Webber, preferia ele, algo mais elaborado feito na tv para o cara . Encheria menos o saco, e teria plausível justificativa.  Em todo caso, fizeram um pouco (quase nada) e ele teve um pódio. Chegou até a cair de emoção rsrsrsrsrsrs (só o Webber mesmo!) O Massa ainda fica, e ainda veremos ele ser entrevistado, a respeito da competência de campeões mundiais tais como Alonso e Räikkönen muitas vezes, falando do que não sabe, como já estamos acostumados.
Vale um adendo: ainda bem que o Kimi não estava ali. Ser abordado por Mariana Becker ou aquele outro sei lá das quantas, para responder a perguntas sobre o Massa resultaria em respostas divertidíssimas, mas comentários extremamente recalcados e frustrados de algum deles e dos narradores "Nossa, que cara nada simpático" ou ainda "É o Homem de Gelo!!!" ... ¬¬' Certas coisas são feitas do jeito certo.

Enfim, voltamos as coisas legais: excelente e costumeira corrida de Vettel, boa investida de fechar bem o ano de Webber, fim de corrida do Alonso em terceiro - muito bom também, comemorando com orgulho um vice (que era o máximo possível).
Tivemos bobagem do Hamilton - e que bobagem! - que tirou o Bottas da corrida, deixando o cara meio nervoso e com razão. Ainda o inglês questionou o drive through. Colega, nos dê um tempo né?
Momento de drive through foi engraçado com Massa. Ei, está errado, está errado ok? Não adianta reclamar, não tem reticências, é ponto final mesmo. Foi dado a punição, e o aviso estava nos murais. E a transmissão tentado justificar a ação dos comissário. Meu!!! Pra quê????... Se era injusto ou não, "who cares?" 


Vettel com seus recordes batidos, Alonso com seu segundo lugar e Hamilton com seu terceiro providencial, fecham o três mais do ano.
Mas bonito foi e vai deixar saudades. Teremos uns meses de sentimento de órfãos. 
E que  venha logo 2014!


Abraços afáveis!

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Manchetes de antes de cair direto em Interlagos

Faz um tempo que eu não comento as manchetes, ou as reportagens em si sobre a F1.
Nos caminhos finais, vamos sentir aquela imensa falta, com certeza. Mas enquanto não podemos, sejamos justos, irônicos e piadistas com o que temos.

►Duas vezes vencedor, Massa fala do peso de vitória no GP do Brasil para brasileiros: "Como ser campeão" (Fonte: Grande Prêmio

"Como ser campeão"? Pois abram alas para minhas piadinhas:

Piadinha número 1: Em uma das duas vezes, ele quase - QUASE - foi. 


Piadinha número 2: Já que não dá para vencer mesmo, pelo menos a gente crédito para os puxa-sacos.


Piadinha número 3: Peso da vitória para brasileiros sim, porque para o resto - ainda mais com campeonato decidido - é só mais um. 


Chega.

► Presidente da Ferrari dá nota oito para temporada de Alonso: “Um piloto muito, muito bom” (Fonte: Grande Prêmio)

8 pra ele ok. E zero pro carro é isso? Se for, está beleza. Porque só é 8 pro Alonso, porque é Alonso. Caso contrário estavam comendo poeira atrás não só da inconstante Mercedes, mas também da Lotus.


► Webber descarta arrependimento por deixar F1 e admite: "Estou um pouco velho para o esporte" (Fonte: Grande Prêmio)

Só um pouco, né tio?

► Hamilton visita Grande Rio, recebe convite para Sapucaí e afirma: "Adoraria desfilar" (Fonte: Grande Prêmio)


Eu não tenho gif pra isso, mas ia gostar de ver essa. A última lembrança de inglês sambando que tenho na mente é do Rei Charles. Nada boa, como já sabemos.

► Perto de se despedir da Williams, Maldonado fala em GP "emocional" no Brasil: "Espero terminar em alta" (Fonte: Grande Prêmio)

Chances de sentir medo?


► Garantido na Williams, Massa diz que "não quis ser prostituta" apenas para permanecer na F1 (Fonte: Grande Prêmio)

Primeiro, posso?


Não vejo vantagem ainda. 
Não vou entrar na questão da prostituição, da profissão mais antiga do mundo nem defesa feminista (daquelas que vê machismo em tudo)... Só posso dizer que na realidade, recebendo salário ou sendo patrocinado, vc está vendendo alguma coisa,  meu querido. E é seu corpinho! Pois sem ele, os carro não andam. Então, vejo problemas com a colocação aí, meu colega pigmeu.

E no dia seguinte:

► Massa revela ter tido negociação rápida com Williams: "Eles me queriam de qualquer jeito" (Fonte: Grande Prêmio)

Queriam de qualquer jeito? Ei, alguma coisa precisa ser explicada pra mim. 


► Massa revela sentimento de que sairia da Ferrari e diz que terá saudade "do lado humano" (Fonte: Grande Premio)

Ah e tem isso lá? Duvidooooo. Só o lado negro, meu filho. Não é coincidência que os sabres de quem é do lado negro da força, é vermelho.


► Grosjean se diz otimista com chances de vitória no GP do Brasil: “É por isso que estou aqui” (Fonte: Grande Prêmio)

E a alguns da Lotus (será????) pensam: "É o que tem pra hoje, né?" 


► Alonso mostra orgulho por vice em 2013: "Conseguimos isso sem ser segunda força do campeonato" (Fonte: Grande Prêmio)

Podia ser melhor, mas já que não é, enfim, que sejamos pragmáticos. 


Abraços afáveis!

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Momentos para partilhar - semana 25

Semana 25: Tenho aflição de...


Não tenho muitas aflições, uma em específico, vale mais que qualquer coisa que eu coloque aqui como top 5, pois de fato é uma senhora aflição.

Gente que faz barulho comendo

Criança comendo com a boca aberta... Aviso aos pais e mães, ok? Eu tenho aflição. Daí se dá a desculpa "ah, mas é criança...", então se quer manter a minha boa aceitação para com seus pequenos "porquinhos", os mantenham longe de mim, ou dê educação para mastigar de boca fechada. E eu, tento me controlar se escapar um barulhinho ou outro, que pode ser inevitável.
Eis a minha aflição mor. E adultos também fazem isso. Outro dia, em uma aula de Libras uma garota sentou na carteira ao lado comendo pão de queijo. Ainda não sei como não voei no pescoço dela, de tanto barulho. Quem em sã consciência faz barulho comendo pão de queijo? Me digam? ¬¬'
Minha maior tristeza? Pipocas no cinema. Que eu saiba as pipocas estouram, e elas são grãos "inanimados". Mas no cinema elas ganham vida pois, seja pobre ou rico, é unânime comer fazendo o maior barulho, como se travasse uma batalha com cada pipoca que estaria fugindo da sua boca. Repugnante, falo sério. Toda vez eu imagino bando de trogloditas, jogando pipoca pra cima e batendo com ossos na cabeça. E parece que a cena acontece mesmo, dado o número de pipoca no chão dada o fim do filme.
Há outras comidas também que são tensas e eu tenho que me controlar para não olhar feio para a pessoa: cenouras cruas, bacons, alfaces, maçãs, coisas crocantes... Tenso, muito tenso...

► Barba

Descobri que além de não gostar muito das tais, tenho uma aflição. Esses dias, conversando com uma pessoa - que estava com a barba já em estágio avançado, rsrsrsrs - o ser danou a explicar uma situação esfregando a mão no rosto. Pela segunda vez na conversa que ele levou a mão no rosto, eu já estava prestando atenção com o rosto inclinado e uma sobrancelha arqueada. Na terceira vez, "ó Deus, que coisa chata!". Na quarta eu fiquei observando e pensando: "Definitivamente, preciso tratar isso!". O assunto já estava mal, porque eu tinha que ouvir o tempo todo e nem poderia interferir...

► Coisas nos olhos

Só eu sei o quanto é difícil consulta no oftalmologista. Um tanto de exames, coisinhas nos olhos e que não pode piscar, colírios que me deixam enjoada e não consigo recuperar rápido a visão - tudo fica muito claro -  e ainda fico meio tonta. Nada bom. Não gosto também de ver o pessoal ajeitando ou colocando lentes de contato, mas isso já fiquei melhor. 

► Quando alguém fica sem graça

Tenho uma agonia, uma aflição difícil de explicar. Quando alguém fica sem graça ou desata a ser muito educada eu fico agoniada a sair logo do local. Pode ser com outra pessoa, se eu estiver presente, me coloco no lugar dela, e aí fico pensando que a melhor forma era fazer uma brincadeira ou algo que desvirtue do assunto, mas geralmente a pessoa fica naquele impasse eu fico aflita por ela.

► Criança

Ok, essa última é mais ou menos. Fica parecendo que odeio criança, mas não, não. Tenho aflição de criança espoleta que mexe em tudo, que penso que vai quebrar algo, que se machucar. Tenho aflição quando elas penduram em mim e são deveras maiores e mais pesadas que eu e quase me derrubam... Acho que a agitação delas agora depois de velha, me deixou arredia.  Alguns outros seres infantis tem um pouco mais de senso e dá para lidar com mais calma.

E vcs, tem alguma aflição?

Abraços afáveis!

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Legendando fotos no GP dos EUA

Hum. Sei. Coisas mega estranhas nessa foto:
A Palitinha do Alonso do lado do Gerard Butler? 
Abre o olho viu, Alonso? O cara é digamos, famoso por conquistas e destruidor de coraçõezinhos. 
E o Massa cortando a etiqueta, separando o casal Melanie Griffith e Antonio Banderas?... 


Cheerleaders do Dallas Cowboys? 
Coitadas, o time estava de folga, e olha o que sobrou: banho de champanhe do Webber. 
Bem, em um jogo o máximo que aconteceria era levar uma bolada...


Disseram à ele que ele é forte candidato a vencer muitas corridas que nem o Vettel, no ano que vem?
Ah não, é a cara dele mesmo: super sincera #sóquenão


Foto tiete e ainda com legenda: "Antonio Banderas: Big fan"
Ok, Massssssssssa, me diga o seu  filme favorito dele. 
Só um, não peço muito.


Olha, Matt LeBlanc, o eterno Joey do Friends de novo pelo GP (ano passado ele ficou no box da Lotus e fez até vídeo com Kimi - coisa mais amável!).
Esse ano, a Jennifer do Sutil tirou uma de tiete. Na boa, prefiro LeBlanc.

Comentário sem remorsos :D

Ó, o bestão do Grosjean aparecendo!? 
Nada de chapéu de cowboy no pódio, mas ele tratou de ficar pagando mico sozinho. o.O
Isola ele Mario Andretti, isola!!!



Bottas conquistou seus 4 primeiros pontos!
Antes mesmo da corrida, as cheerleaders já premeditavam a conquista, até por que as cores dos pompons já indicavam essa comemoração para a Williams. 



Massa se exibiu e na calma, Bottas só pensou nas repostas que dará ao cara ano que vem.



É, preferiam ficar no jogo assistindo ao Antonio Ramiro (leia-se Tony Romo - quarterback do Dallas Cowboys) jogar mal  do que ter que levar cantada de véio pigmeu.

Coitadas.

E coitadas mesmo!! Precisava? Eu hein...?!
E tira o olho Webber, essa aí é muito jovem pra vc! A da esquerda também. 
Er... todas!


Finalmente, gente bonita e chique na foto. 
A vantagem de corrida no EUA é celebridade de Hollywood circulando. \o/


Abraços afáveis!