sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Diário de Bordo (parte 4): O Show!


Enfim Libra estava no palco. A banda de abertura mandou bem durante sua pequena apresentação. Queria muito reproduzir aqui as músicas cantadas lá, mas eu não conhecia a banda, a seqüência das músicas aqui não poderão ser comentadas. Havia algumas que as pessoas até cantavam, mas eu, na verdade, não conhecia (o que na verdade era uma pena, mas apreciei e gostei). O que sei foi que o álbum de divulgação do Libra era "Até Que a Morte Nos Separe" e me lembro do vocalista, que usa o nome Libra, ter comentado os nomes das músicas "Na Minha Pele", "Ninguém Ama Ninguém" e "Eletricidade".

São bons músicos. Libra é um projeto do vocalista e os demais músicos são contratados apenas para shows. O único por menor de tudo é letras em português. Metal condiz com a língua inglesa em suma, e cantar em português deu um ar estranho, mas confesso que a falta de costume é o maior pecado nesse ponto, afinal eu não acho estranho um metal cantado em finlandês ou alemão. Ouvindo o cd com mais calma depois pude ver que tudo se refletia numa simples falta de costume, mas ainda sim em inglês ficaria próximo e mais acessível.

A última canção do Libra na apresentação foi o cover de "Enjoy The Silence" do Depeche Mode. Particularmente melhor que a original, sem teclados frenéticos do Depeche e apenas com guitarras pesadas e a excelente voz do Libra, pude enfim cantar algo que sabia a letra e ficar mais a vontade.

A banda então se despediu e agradeceu. Eu lá do camarote senti que as pessoas aprovaram. Eu aprovei. Embora não seja a melhor banda do mundo, tem tudo para ser uma das melhores do Brasil. *Aviso aos headbangers brasucas que apoiam o metal nacional!!!!*

Eram pouco mais de 21:20hs da noite e estavam empurrando a bateria do Libra para fora do palco e tirando o grande pano com o escrito LIBRA para dar lugar a um maior ainda com NIGHTWISH - Brasilian Dark Passion Tour.

A bateria do Nightwish (bem maior que a do Libra) já estava montada. Alguns reparos até as 22:oohs precisavam ser feitas: foi colocado dois pedestais de microfone, dois murinhos à esquerda e direita da bateria onde ficariam, suponho eu, as toalhas e as garrafas de água e de cerveja e também onde esconderiam as guitarras e baixos.
Essa correria acontecia no palco enquanto eu e minha irmã pedíamos saquinho de batata frita (ok, era Ruffles!) e uma coca-cola para mim já que a minha irmã não bebe refri. Eu olhava para o palco, procurava alguma figura conhecida... Olhos tamanho G parecendo criança em primeiro dia de aula. (Minha irmã bateu algumas fotos minhas, maaaaaaaaas é melhor nem mostrar!!)

O teclado de Tuomas (líder e compositor da banda) foi disposto de acordo com a vontade dele: o que ficava de frente para o público tinha um boneco do personagem Jack Sparrow (o capitão pirata de Piratas do Caribe) e no teclado da lateral outro personagem, o Edward (do filme Edward - Mãos de Tesoura). Ambos interpretados pelo Johnny Depp, pra quem não sabe ou não lembra. Ora... Cada dia que passa sempre há algo que me iguala a Tuomas. Quisera eu escrever belas letras e composições como ele. ^^ Ele é um grande talento que por muito tempo terei como dizer (sem ser fã elouquecida e piegas, apenas justa) que é um cara admirável. Tem lá seus defeitos e fraquesas humanas, mas tudo é esquecido quando se ouve qualquer composição sua.

Uma moça entrou no palco para varrer e o público gritou para a coitada que saiu logo muito sem graça... (fãs... ¬¬*). Pregaram papéis com o Set List no chão. O técnico da guitarra, do baixo e dos teclados testou tudo mais ambos os microfones. Antes havia o teste com o técnico da bateria (não me cobre o nome... Eu não me lembro! :( Eu não vi muito bem e pode ser que não seja o mesmo). O teste dos microfones foi peculiar: palavras desordenadas em finlandês fez com que muito ser sub-humana chamada fãs loucos gritaaaaaar como se fosse alguém da banda. Empolgados... no mínimo.

Eu lá, no camarote, com cara de nada, sentada, olhando tudo. O camarote e mezanino estava pouco a pouco lotando até ficar completo. Lá em baixo, na pista mal dava para achar um buraquinho que fosse. Achar o meu amigo em meio a um monte de morceguinhos (criaturas de preto), seria sumariamente impossível. Levantei, comi, sentei, ri da minha irmã, testamos a máquina (nada de foto boa nessa hora...pouca luz!).

22 horas em ponto. Tudo escuro no palco. Começava um Intro. Eu senti um leve arrepio (quem ligou ar condicionaaaado??) O telão ligou e por ele vi o baterista Jukka Nevalainen a postos na bateria. Marco Hietala (baixista e vocal), Emppu Vuorinen (guitarrista) e Tuomas Holopainen entraram ligo em seguida. Tuomas começou os primeiros acordes no teclado de "Bye Bye Beautiful"(faixa do novo disco Dark Passion Play com a nova vocal Anette Olzon).

E lá estava Anette de regata e calça preta e um belo cinto. Nada de roupas bem elaboradas como da antiga vocal Tarja. Era Anette e sua voz.
Não era preciso ser gênio para saber que ela sairia bem numa música que ela interpretou em estúdio. A prova de fogo dela seria: música da antiga vocal, e qualquer falha na voz, fosse a música que fosse. A antiga vocalista tinha um grande lírico voizeirão. Falhar era sinônimo de nunca, faltar fôlego? Digamos que as vezes, mas eu se digo isso aqui serei crucuficada pelos fãs da mesma. Mas ultimamente ela cantava com pouco caso. Pra mim isso é fato.

Anette: voz limpa e mais hard rock tendendo ao pop, algo no ar soava como Abba (tá...deve ser porque ela é sueca como as moças do Abba)... A tia Anette tinha uma energia contagiante no palco. Empolgada e cantando feliz. Uma bela introdução de show.
Seguia-se "Whoever Brings the Night" também do álbum Dark Passion Play e composta por Tuomas (como sempre!) e melodia do meu querido Emppu, guitarrista pulguinha do metal, meu hobbit metaleiro. Pulguinha; pois ele não sossega no palco, anda e corre e pula para todo canto. Hobbit; porque ele é pequeno como essa que voz escreve. Minha grande inspiração em muuuitas coisas. ^^
A música é ótima, Anette mostra um lado menos meiguinho e mais uma vez se saiu absurdamente bem.

Cumprimenta o público. Anette, simpática, fala "Obrigada" sem absoluto sotaque. Anuncia "The Siren" do álbum Once (cantada pela vocal Tarja) composta por Tuomas e melodia de Emppu novamente. Amo essa música! Diferente em sua estrutura, com solos de guitarra intrigantes como "Whoever Brings The Night". Deveria ter um ar místico e Tarja dava um tom, à Sereia, meio intrigante, meio poderosa. Anette deu o ar místico ao seu jeito, sem copiar Tarja em nenhuma passagem. Encaixou como se ela fosse a protagonista, a Sereia. Ficou melhor que a original. Com perdão da Tarja, mas ficou muito mais arrepiante. (Um dia mostrarei a diferença aqui entre as tais versões.) Marco divide o vocal com Anette em "The Siren", mas ele dispensava apresentações ao vivo. Marco é sempre Marco!^^

Depois seguiu-se mais um dueto entre eles agora com uma do cd Century Child "Dead To The World". A música em si é boa mesmo por Marco que canta mais passagens e bota toda sua vontade nos refrães que eu, um pouco longe do palco, cantava como hino, assim como todo o resto que assistia. A multidão pulava e cantava junto desde o início, mas nada como uma música antiga para um fã.

Voltávamos a Dark Passion Play agora com "Amaranth", primeiro vídeo a ser lançado pela banda como divulgação de cd. Simples e singela. Marca de Tuomas. Mais uma vez Anette bela e simpática. De som até aquela hora Jukka mandava ver ( e muito bem como sempre) na bateria, Emppu corria de uma lado a outro dividindo as corridas com Marco. Tuomas era mal mostrado no telão, mas de onde eu estava via que ele se mantinha no seu cantinho fazendo o Show acontecer.

Numa dessas pausas Anette brincou com o público. Emppu ofereceu cerveja para ela e ela virou de costas para beber explicando que isso não podia ser feito na visão do público (risadas! - quem veria a dona Tarja fazer isso hã?Não não...). Em meio a brincadeira Anette ressaltou que houve pouco tempo para saber como se dizia coisas em português. "Obrigada" ela repetia e dizia que os meninos aprenderam uma coisa a mais que ela. Marco então "cuspiu" a frase o que causou um abertura de boca do tipo "aaaah" de susto e uma risada junto com minha irmã. Ok Marco, valeu! Nojento... mas valeu!^^ *Quem quizer postarei a frase num vídeo na próxima*

Após Amaranth, "Ever Dream" do Century Child vinha à tona. Anette se saiu impecável. Uma música sentimental que ela começou olhando para Tuomas à frente do teclado dele.

Um descanso rápido e banquinhos e violão. Marco cantaria "The Islander" do Dark Passion Play composta por Tuomas e melodia do próprio Marco. *Aqui ao lado no set list desse blog pode-se ouvir esta canção.* Um dos pontos altos do show.

O ponto mais supra sumo viria logo em seguida. O épico "The Poet And The Pendulum" de Dark Passion Play de míseros 14 minutos estava vindo. A música é do tipo que tem orquestra, bela letra, belas vozes, corais e momentos pesados também. A mais bela composição de Tuomas. A obra prima. Ele se superou mais uma vez. As lágrimas quando se ouve uma bela orquestra estavam em mim. Era muito bom ouvi-la ao vivo. Ainda mais sabendo a natureza de sua letra.
Empolgante.

"Come Cover Me" do álbum Wishmaster dado comoum dos melhores discos da banda e por muito headbangers veio para acalmar um pouco e exaltar o público. Anette se saiu bem mesmo, mas era uma melodia fácil.

Hora de descanso da Anette, e hora dos meninos tocarem sozinhos. Eu preferiria "Master passion Greed" a música mais pesada de Dark Passion Play e seria a que eu fosse bater cabelo, hahahaha!
Mas a opção foi o cover do Megadeth "Symphony of Destruction" com Marco cantando. Marco é tudo. O "tio viking" que eu adoro. Mas o destaque era de Emppu! Tocar Symphony of Destruction sendo ele só um, sendo que a orginal conta com outro guitarrista além do Dave Mustaine, ora ora?!... E ele se saiu mega bem!!! Fecha a boca de quem fala que ele não dá conta do recado. Com estudo e diversão simples, gostando do que faz, se chega lá. E como chega!
(Mais perto do palco meu amigo tirava melhores fotos! *abaixo*)


Anette volta(com a mesma roupa viu dona Tarja!) e canta "Sahara" outra de Dark Passion Play que Anette canta de modo não muito convencional, mas te transporta à um verdadeiro deserto. Ali eu estava convencida. Anette é uma grande intérprete.

Saída de todos do palco e o povo pede bis. O retorno é triunfal. O público gritava "Wishmaster" a principal música entre os fãs ("Nemo" é coisa de modistas e emos!). E de volta tocariam "Wishmaster" . Tuomas provocava o público com os acordes da mesma. O povo gritava!!!!!!! E mais uma vez Anette triunfou. Wishmaster era o divisor de águas para ela como vocalista. Ela foi ela mesma e foi agradável. Ali marcava para mim defitivamente: Anette era simpática e era do Nightwish.
Estava no fim, tudo excelente, som e vocais. Anette oferecia "a angel!" e começava "Wish I Had an Angel" de Once. Eles se despediram, alguns gritavam "Anette". Eu estava feliz. Tirei algumas fotos finais deles enquanto saíam.

Saí de lá deslumbrada. Até minha irmã que não é fã, saiu empolgada e dizendo que tinha sido bom.

Talvez não tenha sido o melhor show da minha vida. Fui à poucos, à dois grandes. Da banda Angra e agora do Nightwish. Saí com a sensação de dever cumprido. De emoção recompensada. De dinheiro de ingresso bem gasto. De certeza que sou fã de uma excelente banda. E de certeza que volto na próxima: CUSTE O QUE CUSTAR! ^^

"Once I had a dream... And this is it!"

*continua parte 5 - a volta para casa!







quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Diário de Bordo (parte 3)

Começo pedindo perdão pela demora. Muita coisa precisava ser adiantada antes que acumulasse e me deixasse doida.
Hoje tenho considerável tempo e continuarei com o diário de bordo.



Enfim, chegando de volta ao hotel, cochilei consideravelmente bem na cama do hotel com um traviseiro MARA. Confesso que estava cansada, mas não aparentava.

Dormi, acordei como se tivesse dado uma renovada do pique.
Levantei e então eu minha irmã e meu amigo decidimos que devíamos sair para procurar algum lugar para almoçar.
Antes de sair olhei para o espelho. Na hora pensei: "Não entendo porque ainda não consigo ficar empolgada"... E até agora eu não entendo. Algo me travava e o show parecia uma coisa que eu fazia todo dia, ou seja: algo sem importância.
Arrumeio o cabelo, peguei a bolsa e rumamos à caça de comida.


Optamos por almoçar num lugar que mair parecia uma lanchonete grande. Na rua detrás do Via Funchal, quase seguindo reto. Não guardei o nome do lugar nem realmente prestei atenção nisso. Deixei a máquina fotográfica no hotel e quando pedi minha comida, lembrei que poderia tirar foto daquele sanduíche natural.
Tudo no cardápio vinha em graaaaaaande quantidade. Eu estava convicta que deveria comer algo que sustentasse, mas que não corresse o risco de passar mal.
Minha irmã e eu pedimos um sanduíche natural com pão integral, alface, queijo minas (em São Paulo mineiro come queijo siiiiiiiiiiiiiiiiiim!^^), peito de peru e fatias de tomate.
Meu amigo foi de salada (que tinha muita coisa) afinal ele é vegetariano.
Rachamos de rir quando recebemos nossos pratos: O sanduíche era enorme, mal cabia na boca. A salada do #$%&*@ dava para umas 3 pessoas. Comíamos e ríamos porque literalmente iriamos voltar para o hotel rolando de tão cheios.
Aí que está: em São Paulo come-se muito ou come-se bem?

Durante o almoço falamos sobre tudo. A lançonete estava lotada de homens tomando chops. Eu e minha irmã éramos as únicas mulheres num raio de 50 metros. A tv passava Globo Esporte.
Ao lado de nós apareceu o casal "ruivo viking". Eram dois adolescentes, creio que mais novos que eu talvez, ambos tinham o cabelo compridos e vermelhos, e trancinhas laterais à estilo viking. O garoto encontrou-nos entre o Via Funchal e esse restaurante e nos comprimentou com um aceno. Fãs de Nightwish se reconhecem de longe, pensei.


Voltamos cheios e estufaaaaaaados para o hotel.
Eu e #$%&*@ conversamos todo o tempo até hora de nos arrumarmos. Vimos tv, rimos de muita coisa e enfim a até as 16:00hs tudo foi bem legal.


Meu ingresso era de camarote, de minha irmã também. De meu amigo era pista.
Não era para esnobar, mas eu num show e com ingresso de pista era fato para assinar atestado de óbito. Tenho 1,50m e peso menos do que deveria. Não sou esquelética, mas magra. (Se alguém quiser doar gordurinhas extras estou aceitando, porque engordar está difícil!)


Criaturas insanas pulando, dançando, batendo cabelo e cantando era sinônimo de acidente. Optei por camarote. Boa visão e ninguém me pisaria. Quase fali pelo preço dele, maaas... o.O
Meu amigo, mais alto que eu e sendo homem poderia ir de pista. Por ele, nos arrumamos mais cedo para irmos para fila, mesmo que o hotel fosse à 5 minutos do local a pé. Poderíamos ficar lá conversando e assim ele pegaria um lugar legal...

Arrumei as coisas, e comecei o ritual feminino: tomar banho, arrumar a roupa, vestir, arrumar cabelo e maquiagem. Comecei as 15:15 horas e eram 15:50 estava pronta.


Tirei foto na sacada do hotel. Priorizando apenas minha roupa, pode ser? XD

Saimos pouco mais de 16 horas do hotel. A fila já estava grandinha. Sentamos num degrauzinho e mandamos ver na conversa.
Aconteceu de tudo nesse período. Quase dei um murro nos vendedores de camiseta, adesivos, bebidas, e afins... Toda hora era "vai uma camiseta aí?" e "não, obrigada..."
Capa de chuva?? Eu olhava o céu e tinha nuvens e tal mas se eu comprasse aposto que não choveria. E não choveu.
Ofereceram um arquinho com chifrinhos que brilham para por na cabeça. Rolei de rir do #$%&*@: "Oô moça, isso não é micareta não, qualé!"


O ponto alto da fila foi as duas fotos que ele tirou de mim, que não postarei aqui. Eu com uma garrafa de água vazia e coloquei na orelha e falei "Alô mãe?!" E ele bateu a foto... Infeliz! "Calma, Manu, estou testando meu celular!!!" Daí lá se foi e ele bateu outra. Saí olhando de lado como se diz: "Pára com isso aí pô!". Então era hora de bater foto do trecho da fila:


Depois de sofrermos com cinzas de cigarro do tio que estava do nosso lado, fumava mais que tudo e toda a cinza vinha na gente, rimos de um tiozinho que vendia camisetas, ficar olhando e fazendo comentários de algumas moças que passaram de saias curtíssimas pela rua do outro lado.

Figuraças dos mais diferentes tipos que chegavam à fila ou andavam pra lá e pra cá. Dois caras, um muito simpático, pedia dinheiro para seu amigo que nem abriu a boca e apenas mostrou uma tatuagem no tornozelo que era a capa do Century Child, quinto álbum da banda (turnê do show é do sétimo disco). Não demos nada a ele, embora o amigo fosse muito simpático, o que precisava do dindin mesmo, parecia que nem queria a grana e deixamos passar. Pouco passou e uma moça andava um por um na fila com outro cara, estava pedindo também grana para o ingresso. Ela cantava qualquer música que a pessoa escolhesse, se ela agradasse, você entregava qualquer quantia à ela. Ela chegou até nós, muito simpática, e meu amigo pediu "Dark Chest of Wonders" uma das músicas do Nightwish. Ela contou legal um trecho e nós 3 devemos ter contribuído com R$5,00 ao todo pelo ingresso dela, se é que ela conseguiu. Não a vi depois. Espero que tenha conseguido sim. Enfim era hora de ficar em pé, muita gente andou e não havia lugar para sentar mais a frente. Pouco mais de 18:00hs e o Via Funchal abriria as 20horas...

Durante a estada em pé, vi um dos caras que arruma algo referente ao som do Nightwish. Vi ele no último dvd lançado pela banda e quando ele passou com outro cara que não reparei, demorei um tanto de tempo para lembrar. Depois já era!Já tinha passado!... Ok... não me importei...

Passou um clone do Marco (baixista) também. O cara tinha o cabelo parecido, a mesma barba e usou trajes idênticos. Só não tinha altura de Tio Marco (E provavelmente nem a voz!).

Meu amigo começou lá pelas tantas a contar coisas, depois de ficarmos 15 minutos em pé parados e andávamos dois passos e ficávamos mais 15 parados (e assim foi). O assunto mais louco foi a experiência dele com pombos e suas artes. Foi hilário. Minha irmã ria tanto e ficava tão vermelha (como é de praxe) que achei que ela ia desmoronar. Calor e a gente ria muuuuuito. O tiozinho do cigarro estava a olharnos o tempo todo, até ele num momento prestou anteção nos fatos dos pombos. Depois se não bastasse a história dos pombos meu amigo começou a fazer uma brincadeira muita estranha com um dos dedos da mão, claro, que não dá para explicar em palavras. XD Lembrei quase todo o tempo do cofrinho do moço que traumatizou ele e fui ameaçada se voltasse a falar do assunto. Foi mais uma vez uma loucura.

A hora estava chegando e o povo andava um pouquinho. Alguns cantavam na porta do hotel que a banda estava hospedada. Outros passavam com cartaz escrito "play The Escapist" (toque The Escapist - uma música bonus do novo álbum, muito boa). Um cara passou por mim dizendo "eu sei que isso é feio mas..." e atrás de um matinho perto do hotel se aliviou. "Ok. Fique a vontade!"


Era pouco mais de 19:40 que a fila começou a andar um pouco mais rápido.

Entreguei o ingresso do meu amigo para ele. Os seguranças dividiram as filas entre fila de mulher e de homem. Aquela era a hora. E só naquela hora comecei a ficar empolgada. Passei pelo primeiro segurança: "suba a rampa à direita", andei calmamente. Meninas a minha volta davam gritinhos de excitação, os meninos passavam meio que correndo. Cheguei ao meio da rampa e mais um segurança pediu "siga em frente para vistoria". Cheguei na vistoria, minha irmã estava de bolsa ficou com uma fiscal, eu com outra. Ela mal passou a mão na minha cintura e pediu para eu pegar documentos e entregar ao moço que estava na entrada, junto com o ingresso. Lógico: eu com cara de 12 anos teria que apresentar documentos já que a censura era de 16 anos. Olhei para minha irmã, ela já tinha sido liberada depois da vistoria da bolsa. Entreguei meu ingresso e meu documento. O segurança enooooorme colocou a mão no meu ombro e disse: "suba as escadas e lá, outro assistente indicará o camarote para você: bom show!" Agradeci. Eu e minha irmã subimos as escadas e o povo corria enlouquecido em volta. Não chegava a ser tumulto, mas havia uma atmosfera de excitação em volta.

Chegamos no palco. Ele estava montado para a banda de abertura. Libra - uma banda do Rio de Janeiro - apresentaria às 20 horas. Antes disso, fomos até uma porta que havia outro segurança, olhou nossos ingressos e disse: "vocês podem subir, lá é o camarote. Uma moça indicará seus lugares. Vocês podem ficar aqui até o início do show e depois subir, se quizerem, apenas não perca esse ingresso antes de entrar." Agradecemos e ele indicou banheiros e afins.

Esperamos meu amigo ainda na pista. Ele apareceu, eu fui no banheiro enquanto ele tirou foto de costar para o palco. Voltei e tiramos fotos juntos...

Deixamos ele lá. Desejei bom show e subimos as escadas.

Realmente uma moça nos levou ao nossos lugares. Fiquei bem próxima ao telão direito. O palco era um tanto longe, mas dava para ver quem era quem daquela distância. O telão ajudaria de toda forma a ver detalhes.

Eu fiquei um tempo calada. Minha irmã testava a máquina fotográfica no escuro. Falava comigo, ela estava empolgada mesmo não sendo fã. Estava quieta pois enquanto o show não acabasse não estaria em paz. Era uma excitação que senti pela última vez na estréia do filme "O Senhor do Anéis e o Retorno do Rei", da qual sou grande fã. A expectativa me deixa com cara de tensa, esperando que nada dê errado. Antes teríamos que ver a banda de abertura. E eu me sentia leve, porém com os olhos em movimentos rápidos registrando cada segundo, desde a hora que sentei na cadeira.

Minha irmã e eu pedimos Ruffles e uma coca-cola (só para mim pois ela não toma refrigerante). Entendi porque camarote é para poucos. Gastamos R$12 reais em um saquinho de batata pequeno e uma coca lata?... Meu Deus!! o.O

Eram 20 horas em ponto quando Libra entrou no palco... Ali eram os minutos de contagem até ás 22 horas - hora do show do Nightwish...

*...continua parte 4 "o show"...*

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Diário de Bordo (parte 2)



Sexta feira, dia 07 de novembro. Cheguei da faculdade por volta da 13:00 horas.
Meu programa do dia era:
- chegar antes da 13 horas e 10 minutos;
- almoçar até pelo menos 14:00 horas;
- ter aulas de guitarra das 14:30 às 15:30;
- não mais do que às 16:00 horas arrumar minhas coisas para viagem;

Nesse meio tempo de meia hora tinha pausa para lavar um cabelo grande (até a cintura quase) e enquanto arrumava minhas "trouxas" (XD) o cabelo ia secando aos poucos naturalmente.
Começou então a jornada quando soube que não teria aula de guitarra. Usei minha uma hora extra para entrar na internet e avisar quem deveria avisar da minha ida à São Paulo.

15:00 hs e estava eu com cabelo lavado em frente o meu armário pegando as roupas da minha irmã e botando na mini-mala. E eu? Ok:
- uma roupa para dormir;
- uma para voltar para casa;
- roupas de baixo para 2 dias;
- kit maquiagem, kit limpesa (desodorante, perfume, sabonete, escova de dentes...) e kit acessórios(brincos, anéis, pulseiras);
- um sapato para o show;
- e a roupa do show...
A última a mais difícil! O povo gosta de se enfeitar. Eu queria ser fã. Queria ir com minha blusa da banda. Mas queria ir com as roupas de roqueira que tenho...

Decidi lá pelas 18 horas que eu devia ser fã. Arrumei minha camiseta com escrito NIGHTWISH passadinha, uma saia e calçado.

Hora de arrumar a bolsa:
- 8 pilhas (minha máquina descarrega pilhas fácil - devia ter comprado máquina à bateria!!!);
- máquina fotográfica indispensável (memória de peixe - preciso registrar o momento!!!);
- ingressos, passagens, documentos da reserva do hotel num envelope seguro;
- lanche para a viagem (XD);
Eram 18:30 e estava tudo pronto. Bastava outro banho e arrumar para jantar e rumar para rodoviária. Olhei para as malinhas... "Como mulher carrega coisa inútil!" pensei... Por mim, bastava ingressos e roupas limpas. Mas enfim...

21:15 Rodoviária de Araguari, Minas Gerais (foto da cidade no mapa). Minha pretenção era tirar foto da rodoviária mas... Em vista da de São Paulo seria motivo de piada. XD
O ônibus vinha de Brasília - DF e seus destino era São Paulo. Parada de 15 minutos para embarque e desembarque em Araguari. Chamado ônibus em trânsito.
Estava eu e minha irmã. Descemos do carro e falamos "tchau" para nosso pai. Nossa mãe foi junto até a plataforma com cara de preocupada, mas estava tudo bem. Tudo daria certo. 9 horas de viagem pela frente. Respirei fundo, falei tchau para Mamis e entrei no ônibus.

Agora sem volta. Roteiro era, dali parada em Uberaba - MG, Pirassununga - SP, Ribeirão Preto - SP e Campinas - SP. No ônibus mal dormi. O banco me deixou torta e meus joelhos latejavam um pouco. Devo ter dormido umas 4 horas tirando quando despertava nas paradas.

Tensa e esfomeada às 6:00 hs entrávamos em São Paulo. Olhei tudo a volta. Me parecia uma cidade comum até que começamos a ver grandes indústrias e empresas e foi. Demorou exatos 30 minutos até a chegada no Teminal Tietê.
Dali mesmo, peguei meu celular e liguei para meu amigo, de Uberlândia - MG que tinha pegado um ônibus mais tarde e de outra empresa, mas que chegaria no mesmo instante. Liguei e uma moça atendeu. "_ Alô, quem fala??" "_ Emanuelle, preciso falar com &%$*@#..." "_ Quem?", responde a menina... Retruquei meio nervosa: "_ &%$*@#" "_ Ainda não entendi... " Desisti e desliguei. Fiquei atônita. O menino não conhecia São Paulo assim como eu. Minha irmã conhece a rodoviária mas como procuraríamos ele com tanta gente ali? Mandei uma mensagem no celular dele avisando em que plataforma estávamos. Esperei um pouco. Vi coisas estranhas nessa hora. Em poucos minutos desceu um cara de um ônibus com uma mochila e uma prancha de surf. Vai surfar onde meu bem? No Tietê? Logo desceu um casalzinho bem gordinhos, de outro "busão", trajando roupas góticas. Eles deviam ser do meu tamanho e a moça tinha o cabelo pink. Normal, pensei. "Estou em São Paulo". Sairam também de outro ônibus (param ônibus a cada 5 segundos lá) freiras beneditinas com enormes malas! ^^

Era hora então de procurar o "&%$*@#", meu amigo. Liguei novamente mudando de código de operadora. E... VIVA! Eram 7:00horas da manhã e ele desembarcava numa plataforma próximo a onde eu e minha irmã estávamos. Rapidamente nos encontramos, fomos no banheiro (R$1,00 o banheirinho...) que estava lotado de peruas e criaturas vaidosas... Custamos a sair. Queria comer...Um leite com achocolatado cairia bem. E foi isso mesmo. Em menos de meia hora já estávamos os 3 mosqueteiros a bordo de um táxi. Rumo a Rua Funchal número 281. Hotel Estamplaza.

É duro ser caipira. Ainda mais ser caipira que detesta cidade grande. Foi 26 minutos do Terminal Tietê até a Rua Funchal. E minha cara era a mesma em todo o caminho. Boca aberta e cara de "ããh"... O pensamento era: "eu sobrevivo até domingo?" Depois de passar pelo túnel Ayrton Senna eu mudei meu pensamento: "será que chego viva no hotel?"... Pode parecer piada mas aqui só se anda a mais de 80 km por hora em estrada. E no táxi em cheguei a mais de 100 km.

Enfim eram pouco mais de 8 horas quando já haviámos feito o check-in no hotel. Décimo terceiro andar do prédio. Subimos e exploramos o território. XD

Foi uma bela sensação quando cheguei na sacada. Tudo parecia enorme e minúsculo ao mesmo tempo. Uma suposta sensação ruim que se tem em lugares altos sumiu. Era mesmo uma visõa bonita. Eis as vistas do décimo terceiro andar:



Saimos então as 8 horas e 40 minutos. Vamos procurar uma lugar para almoçar e ver onde era o Via Funchal - local do show. Andamos por alguns minutos na rua contrária ao Via Funchal. Encontramos inúmeros condomínios. Não poderia ser uma bairro comum. Nele encontramos algumas lanchonetes e um restaurante japonês. Voltamos e pouco antes de passar pelo hotel, num dos prédios havia um cara agachado no chão de costas... Meu amigo então chamou a atenção minha e de minha irmã para um "cofrinho" amostra que ele denominou de "cofrinho moicano"... O tio estava a pagar o "cofrinho" em frente uma rua bem movimentada. E não era um mero cofre. Era um cofre traumatizante. XD

Durante o tempo que se seguiu ele seria lembrado mais vezes durante o dia. Meu amigo ainda sugeriu uma perda de apetite para um almoço que estaria prestes a acontecer mais tarde. Encontramos passando pela porta do hotel 5 mocinhos com a camiseta do Nightwish. "E aí amigos, o Via Funchal é pra lá?" ... "_ É sim!"

Dobramos a esquinha e umas 30 pessoas estavam numa suposta fila em frente ao Via Funchal. Fomos até a esquina, voltamos e sentamos em frente o Hotel Mercure. Nesse hotel estava o Nightwish. Olhei lá pra cima a procura de um fio de cabelo hahahahaha... Nada. Um cara que vendia bandanas e munhequeiras sentou do lado ao conversar com um outro que vendia camisetas e comentou que hoje entraria no show para ver Nightwish. Soube que no show do dia 07/11 Anette tinha cantado a música"Wishmaster" muito bem e ele achava que aquela música era a prova de fogo dela para mostrar-se melhor que a antiga vocal. Fiquei bem empolgada ao ouvir isso, embora eu ache a música legal não amo de paixão como a maioria.

Logo o segurança do hotel veio e pediu educadamente que a gente não se sentasse na porta. Aceitamos e minha irmã perguntou de bons restaurantes por ali perto. Ele foi educado e respondeu mais ou menos o que queríamos. Meu amigo perguntou: "_ A banda está aqui no hotel?" E o cara, respirou fundo e disse um "Não sei..." mais cheio de SIM que já tinha ouvido na vida! XD


Voltamos para o hotel. Estava muito cansada. Era pouco mais de 9:30... Procuramos coisas nos canais. Nada de bom... E eu cansada. Cochilei até 11:40 numa cama macia...
(continua parte 3)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Diário de Bordo (parte 1)

Pretendo, hoje, começar a fazer um relato sobre meu último fim de semana dias 07, 08 e 09 de novembro de 2008.

Para não parecer muito sem sentido vamos começar no ano de 2002. Foi exatamente nesse ano que tomei por completo conhecimento de uma banda finlandesa chamada Nightwish. Antes disso sabia única e exclusivamente o nome da banda e algumas músicas. Em 2002 pude ver a cara de seus músicos e junto passei a ter acesso a mais músicas deles.
Nunca fui muito fã de vocal feminino no quesito metal. Mas o som da banda pra mim era muito intenso e procurando mais sobre, atenção me provocou uma reação mais intensa em relação às letras do compositor e tecladista Tuomas Holopainen. Em 2003 comprei o primeiro dvd gravado pela banda e no ano seguinte outro dvd também estava em mãos junto com o cd Once, lançado no mesmo ano. Logo antes do fim do ano tratei de completar minha discografia. Era então em 2003 assumidamente fã de Nightwish.

Infelizmente depois do álbum Once ser lançado em 2004 e depois do Evanescence surgir do nada fazendo Nightwish parecer cópia (tremendo absurdo por sinal) , Nightwish tornou-se moda entre os jovens. Coisa que até hoje me irrita tanto quanto dizer que a banda se encaixa no estilo "gotic metal". É metal sinfônico. E era com vocal lírico. Só.

Em 2005 a banda completaria 10 anos de estrada. Com isso, teria um dvd comemorativo em outubro. Na época vieram ao Brasil no início do mesmo mês, no festival Live 'n' Louder, que contou, entre muitas bandas, com a presença da banda alemã Scorpions.
Eu não fui. E semanas depois, logo no fim do show do dvd End of An Era na capital Helsinque, saia no site oficial uma carta de demissão direcionada a vocalista lírica Tarja Turunen. Foi entregada à ela ao fim do show pelo "dono" da banda Tuomas e assinada pelo baterista Jukka, guitarrista Emppu e pelo baixista e segundo vocal Marco. Era o fim de uma era, como o título do dvd sugeria. Tarja estava fora (foto abaixo).
A banda estava no auge do sucesso. Muita coisa podia ter ocorrido para que levassem à essa decisão. Perderiam muitos fãs fanáticos pela vocalista, que não pestanejavam em tratá-la como deusa. Eles arriscaram porque realmente não aguentaram mais os problemas com ela. Eu arrependi de nunca ter ido à um show.
Assumi a idéia de que poderia ser o fim da banda. Anunciaram que estavam a procura de uma nova vocal. Mesmo assim preferiria que eles continuassem com Marco como vocalista. Definitivamente sou apaixonada pela voz dele. Mas eles, especialmente Tuomas, queriam vocal feminino. A banda teria então uma nova cara... Mas quando? Mudaria o estilo? Até que ponto?
Foi um ano e meio se notícias grandes deles. Apenas um novo cd saindo ainda sem vocalista definida. Recebiam mil demos com vocais de todo o mundo. A nova banda teria nova cara em 2007 (foto acima).
A sortuda (se é que pode chamá-la assim - foto abaixo -) nova vocalista foi anunciada em 2007 quando lançou o single Eva para o álbum Dark Passion Play. A vocal seria uma sueca de nome Anette Olzon.
Diferente da Tarja, Anette conquistou-me pela simpatia. Parecia-me muito simpática, mas em suma precisava vê-la ao vivo. Adorei o álbum novo, mas nem tudo poderia ser encarado tão sem crítica assim. Era o mesmo som metálico e sinfônico, as mesmas belas letras de Tuomas, e com uma voz feminina mais limpa. Mais à tom hard rock.

2008 então e é dada a notícia que Brasil teria uma mega turnê. Conversei com um amigo e as coisas caminharam de forma rápida para que eu fosse no show. Combinamos e mandei uma colega de minha irmã comprar os ingressos em São Paulo para o show do dia 08-11.

Em junho eu tinha recebido meus ingressos de camarote (comprei contando com o $ de poupança), meu e da minha irmã e um de pista de meu amigo.
Os meses que se seguiram foi só por conta de organizar o hotel, e as passagens e combinar com minha irmã e com meu amigo a ida à cidade de SP.
Fiz a reserva no hotel Estamplaza na rua do Via Funchal, sete minutos de lá. Uma semana antes do show comprei passagens de ônibus (meio falida para pegar avião).

Definitivamente estava a caminho de ir no show. Feliz, mas receosa por algo dar errado não consegui empolgar muito até o dia 07-11. O dia da viagem.
*Continua parte 2...*

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Responder o quê?


Eu não sei quanto aos homens, mas as mulheres tem uma mania irritante de pedir conselhos.

Ok. Confesso que conheço homens que pedem conselhos também. Alguns até já me pediram, mas ainda assim foi mais fácil responder algo do que quando MULHERES pediram conselhos.

Tenho 21 anos. Pela minha concepção, são muito pouco para me tornar uma criatura propícia para "dar" conselhos. 21 anos não significam experiência. Não no meu caso.

Temas variaram em relação as coisas que tive que ouvir e opinar. Prefiro dizer que é "opinar" até mesmo porque conselho só se encaixa por determinada ocasião igual ou apenas semelhante a qual passou.

Seria constrangedor relatar os temas que já tive que dar uma resposta seguida da apocalíptica pergunta: "_ O que você acha???"Mas posso dizer que eu já ouvia coisas que eu nem pensava que alguém ia me perguntar...

O que passa em minha cabeça é sempre a mesma coisa, quando o tema é cruel: "_Sei lá!!" Outros eu visualizo a cena e mando ver na resposta com início de "eu acho...".

E lá se vai a mania de dizer a melhor coisa que pode, porque o "sei lá" é um tanto mal educado.

Algum tempo perguntei à minha irmã do porquê as pessoas gostam de me contar certas coisas.

Primeiro ela disse que acha que sei ouví-las bem e por isso me procuram. E eu sei dizer, quando acabam de contar, o que elas querem ouvir.

Aí que está. Concordo que sei ouvir, mas quanto a saber o que a pessoa quer que eu fale, é difícil. Consegui isso umas duas vezes quando amigas ( já as conhecia a algum tempo), tiveram problemas com seus relacionamentos. Resolveu? Sim, com uma delas. A outra, muito orgulhosa, me fez falar as coisas sinceramente e daí acabei, no fim, não falando o que ela queria ouvir exatamente. Ela saiu do relacionamento, arrumou um novo namorado e até hoje não solucionamos o passado com o ex. Acertei num ponto: falei que o problema era com ele e não saberíamo solucionar se ele não se abrisse. Ele não conversou com nenhuma de nós e deu no que deu.

Obviamente não sou um ser sábio que tem frases lindas daquelas de colocar no diário, agendas e afins, e ainda com uma moral como contos de história.

Outro ponto que acho que sou procurada é que me preocupo com a vida dos que me cercam. Daí perguntar: "Oi, como vai a vida?"; desencadeia uma série de: "nada bem!". Meu segundo erro: não fugir do assunto e ficar preocupada com a gravidade do "nada bem!"...

Hoje foi isso. Mais uma vez a Manu foi procurada para resolver a vida difícil amorosa de alguém. Hoje um relato sobre relacionamento recente (muito recente) se seguiu e sobrou a mim dar uma resposta para resolver o impasse.

E respondi "não sei"pela primeira vez, talvez. Não conheço a garota tão bem a ponto de saber o que ela quer ouvir. Ela entendeu o meu lado e perguntou outra questão: se fosse o mesmo cara só que se declarando para mim, o que eu diria?

Queria que minha mãe não tivesse me educado. Nessa hora queria ser uma estúpida mesmo. Vejam bem... Devem fazer pelo menos 11 anos que ouço: "o que você acha???" E lá foi eu pensar e na cabeça aparecer os letreiros: "olha minha filha, se um cara desse me coagisse dessa forma, de duas uma - ou eu saia correndo ou responderia não!" Desculpe mas não fui com a cara do menino. O argumento dela foi "entenda meu lado: eu estava carente!E agora ele parece querer algo sério..." Como então, eu responderia que ela merecia algo melhor sendo que com isso ela se sentiria um zero à esquerda? E como eu falaria: "Carente? Olha nem se eu tivesse subindo nas paredes..." Apenas perguntei: "você gosta dele?" E a resposta imediata foi: "não, acho que não!"

Ora, porque deu esperanças ao indivíduo? Mas não perguntei. Preferi dizer: "conheça-o melhor e deixe que o tempo responda sua incógnita..."

Se fosse o contrário, eu aceitaria essa resposta? Definitivamente não.

O tempo tem sido cruel em certas partes. Se a palavra fosse "circunstâncias" daí declararia guerra mesmo. As circunstâncias propícias aparecem para os outros. O tempo anda ao meu lado, mas sempre que pode, põe o pé na minha frente para tropeços. Nem por isso perco a lógica. Levanto e sigo. Uma hora ele vai errar e vai voltar a ser um amigo menos sacana.

Mesmo assim. Se eu soubesse uma resposta boa para ela, acho que eu teria uma situação melhor pois teria resolvido as minhas dúvidas também, não??

O pensamento que fica? "Querida: deixa acontecer... Minha bola de cristal quebrou! E não encontro quem conserte!"


Bjos a todos!

sábado, 1 de novembro de 2008

Snuff

Essa semana era para ser diferente. E foi. Mas não no sentido positivo. Uma semana antecedente à decisão de Fórmula 1(ano passado no GP do Brasil eu estava mais empolgada com esse evento, hoje assistirei treino e amanhã corrida porque será a última do ano mesmo).
Não tive aula na segunda, nem na quinta. Uma semana atípica.
Nada diretamente comigo aconteceu. Aconteceu com uma pessoa que definitivamente é uma das minhas melhores amigas. Estou confiante que seja só uma maré de azar (se é que isso existe), ou porque ontem foi dia das Bruxas e daí a "bruxa" estava solta. Mas quero muito que as coisas resolvam o mais rápido possível para ela. Ela merece muito.
Meu sábado estava condicionado a ser um razoável sábado, mesmo com uma coisa chata acontecida ontem. E fiz as visitas de sites rotineiras para que eu pudesse dar continuidade à um trabalho que tenho para quarta que vem.
Fiquei muito chateada ao que li num blog que gosto muito de comentar lá. Eu já relatei aqui que detesto injustiças e ressalto: detesto que falem mal de pessoas cujas quais mal se conhece. Muita gente mal tem o privilégio de conhecer a si mesmo, quanto mais conhecer o outro!
Fiquei chateada. Por mim. Pela humilhação indireta por ter sido tratada com descaso. Por pensar que estou a defender pessoas que não sabem da minha existência, mas faço isso em nome do altruísmo e em base aos meus ideais.
Eu tenho opiniões diversas sobre muita coisa. Eu poderia me rebaixar ao nível de muitos e apontar os defeitos que eu vejo como discurso, lá nesse blog. Mas eu sempre fui a favor de ponderar palavras e parecer amigável. Levei uma rasteira. Brincar é muito saudável, ofender requer desculpa.
Muita gente sempre diz que se eu continuar na bondade que eu sempre sigo como meta eu vou sofrer a vida toda.
Fico ainda mais pesarosa ao ver que no caso talvez eu seja estúpida mesmo em querer definir e apresentar meus pontos de vista. Não vou mudar as mentalidades por aí. Quero só definir o que tenho de melhor: adoro o pessoal do blog. É só isso.

Como prometi queria deixar aqui a música da qual comentei do novo álbum do Slipknot. É uma bela junção de bela voz com boa melodia. É bem mais calma que as demais postadas antes. ^^ Aqui vai o vídeo com a letra e em baixo segue a tradução.
Ainda não li muita coisa sobre a letra em si. Sei que o vocalista Corey Taylor, é o autor. Pela minha vã interpretação ele relata sobre sua ex-esposa, que parece ter um significado amplo na vida dele, mas hoje já não estão mais juntos pelo que dizem.

Enfim a música:

Snuff - Slipknot


Tradução:
Enterre todos os seus segredos na minha pele
Desapareça com inocência, e me deixe com os meus pecados
O ar ao meu redor ainda me parece como uma gaiola
E o amor é apenas uma camuflagem para o que parece ser raiva novamente...

Então se você me ama, deixe-me ir.
E corra para longe antes que eu saiba.
Meu coração está escuro demais para se importar.
Não posso destruir o que não está lá.
Me entregue para dentro do meu destino -
Se estou só, não posso odiar
Eu não mereço ter você...
Meu sorriso foi tomado há muito tempo atrás
Se eu posso mudar, Eu espero que eu nunca saiba

Eu ainda pressiono suas cartas junto aos meus lábios
E as mantenho em partes de mim, partes que aproveitaram cada beijo
Eu não pude encarar a vida sem a sua luz
Mas tudo isso foi tirado... quando você se recusou a lutar

Então poupe o seu folêgo, eu não irei escutar.
Eu acho que fui bem claro.
Você não poderia odiar o suficiente para amar.
Isso deveria ser suficiente?
Eu apenas desejo que você não fosse minha amiga, então eu poderia te machucar no final
Eu nunca declarei ser santo...
Meu interior foi banido tempos atrás
Isso custou a Morte da Esperança para deixar você ir

Então se quebre contra as minhas pedras
E cuspa sua empatia na minha alma
Você nunca precisou de nenhuma ajuda
Você me vendeu por inteiro para se salvar
E eu não ouvirei a sua vergonha
Você fugiu... São todas iguais...
Anjos mentem para manter o controle...
Meu amor foi punido tempos atrás
Se você ainda se importa, nunca me deixe saber
Se você ainda se importa, nunca me deixe saber...

Deixem suas opiniões (que serão sempre bem-vindas!).
Abraços e até a próxima!

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Dica...


Oi gente!
Chega de postagens polêmicas né? Vamos à coisas mais agradáveis ou mais fáceis de lidar.
Andei meio sem idéias criativas para postar. Tive algumas hoje mas o tempo não convém com que eu me empenhe em fazer um texto agradável.
Vou à coisas mais fáceis de escrever.

Hoje vou postar uma dica e aceito se alguém quizer postar outra. Por favor, fiquem a vontade!^^
Eu sou uma fã de heavy metal como alguns já sabem. Embora algumas vertentes do metal não me agrade 100%, posso apreciá-los quando necessariamente dão esse espaço. Música boa é música boa independente do estilo. Também não sou assim tão radical né? XD
Enfim, algo que nunca me agradou muito é o chamado Nü Metal (ou new metal). Cito os exemplos de banda com esse tipo de som: Korn, Linkin Park, Limp Bizkit e Slipknot.
Dessas, a única que eu poderia ouvir sem reclamar era Slipknot. Por dois motivos extras: o vocal é mais agressivo tendendo ao metal cru mesmo (além de Corey Taylor ser um grande front man) e por ter dois guitarristas e um baterista de dar inveja à muito músico por aí. Pois bem. Era e é uma banda de Nü Metal de atitude sem medo de serem felizes, criativos acima de tudo.
Mas não era fã. Apenas respeitava. Até numa época achei muito modinha e então comecei e procurar defeitos. Ainda assim não poderia ser totalmente desprezado.
Enfim em agosto saiu novo álbum deles: "All Hope is Gone".
Procurei saber da banda a um tempo atrás pelas máscaras. Na época o cd "Iowa" vendia como água. Máscaras que dão medo, sim. Mas soava como jogada de marketing. E eles mudaram, renovaram e agora depois de quatro anos sem nada novo.
All Hope is Gone: Um álbum que supera espectativas!
Posto enfim dois dos vídeos já lançados por eles para esse álbum: Psychosocial e Dead Memories.


Slipknot - Psychosocial:


Slipknot - Dead Memories:


Há uma música, em todo o cd, particularmente boa. Uma quase balada. Um primor a ser ouvido com muita atenção. Postarei ela em uma outra oportunidade. ^^
Enquanto isso deixo aqui as letras caso alguém queira dar uma olhada:

http://letras.terra.com.br/slipknot/1287891/

http://letras.terra.com.br/slipknot/1311120/

Comentem e tenham uma ótima semana!^^

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Sendo realista...


Eu prezo por respeito mútuo. Até, e principalmente, por rivais.
Uma das coisas que mais me chateava, e hoje me causa ódio e um temperamento beirando ao de um homicida é a injustiça.
Eu poderia ficar horas e horas citando exemplos de injustiças espalhadas pelo mundo. Inúmeros casos detalhados na história desse planeta. Só na rua onde moro encheria uma mão de coisas injustas. Muita gente pode contar fatos recentes injustos vistos pela tv. Uns ligam, outros nem dão importância. É aquele negócio: se não me afeta diretamente, não tem por que me preocupar. Eu brigo. Discuto. Não é comigo?Então defendo pontos de vista para mudar.
Mas o fato é o respeito.
Na madrugada de sábado para domingo eu vi uma cena que eu já saberia que seria tratada como normal, corriqueiro por muitos.
Uma das minhas grandes paixões, em termos de passatempo, é assistir Fórmula 1. Fui fã de Mika Hakkinen. Hoje sou fã de Kimi Räikkönen e Nick Heidfeld. Porém tenho muito respeito por outros demais pilotos que por lá passaram ou por lá competem ainda.
Talvez tenha sido mais ferrenha em termos de torcida por esses dois últimos caras, pois deles sei e acompanhei desde que colocaram os pés estreantes por lá. Mas nunca torci a ponto de ficar saltitando no sofá assistindo a uma corrida. Sempre fui muito tranqüila quanto à torcida, sempre analisei as circunstâncias e preponderei. Só ano passado torci. Torci por justiça, e ela se fez!
Kimi já não tem mais chances no campeonato deste ano. Seu companheiro brasileiro Felipe Massa é o único a “poder” ameaçar o lugar do líder atual Lewis Hamilton.
Não quero comentar da índole de nenhum deles. Não cabe a mim julgar todos os firmamentos que os levaram à suas devidas funções e principalmente se são ou não bons profissionais.
Acho corriqueiro na minha postagem de hoje relatar isso. Cada um com sua especialidade e habilidade em seu dado momento. Não sou fã de nenhum e mal sei falar da carreira do atual líder. Sobre o Massa sei apenas o seu começo apagado até então. Se ele evoluiu não evoluiu, se foi bom ou não foi eu não quero comentar. Não quero parecer injusta pelo fato de estar sobre uma forte emoção ao escrever.
Kimi é um grande homem. Mas eu não o conheço a ponto de defini-lo com certeza sua pessoa. Ele me passa ser um cara de caráter.
Sou boa nisso. Todas as pessoas com que me envolvi e não retribuíram algo positivo tiveram um curso que comprovavam o que eu premeditei. Pessoas que eu “não fui com a cara” comprovei depois sua má fé, magoando pessoas próximas.
Kimi, para mim, não é nem de longe o carinha insensível que é pintado na imprensa. Ele é sim frio, porém nem de longe um robô. Ele apenas é um cara tímido que fala pouco. É tratado assim mesmo. Sou exatamente como ele com pessoas que não conheço. Sou fria e para não parecer totalmente frágil pela timidez tenho como opção a seriedade. Passo por mal humorada em dois tempos. Demora criar intimidade. Sendo ele europeu e finlandês imagino que seja ainda mais difícil.
Foi questionado se, por fim, não podendo mais ser bicampeão nesse campeonato, se ele ajudaria seu companheiro Massa. Ele respondeu como ele deveria: “devemos esperar as circunstâncias”. E assim foi dito em todo lugar que era medíocre e egoísta.
Até aquele dado momento tudo era possível, ele poderia recuperar. E mesmo que não recuperasse, ele devia satisfações a sua equipe Ferrari primeiro e depois à imprensa. Até aquele dado fato a equipe não havia decidido nada.
GP do Japão: Kimi largou na segunda posição no grid, creio eu que ele esperava Massa a sua frente o que não ocorreu. A corrida que se seguiu para mim mostrou apenas quem era decentemente piloto em pista. Os que se “deram bem” eram os nomes que merecem os nomes de PILOTOS. Digo por que: Pilotos são compostos de habilidades, raciocínio rápido, lógico e preciso e psicológico (além do carro que varia de equipe para equipe). Pilotos afoitos são dados como perigosos e com razão. A seqüência de erros dados durante as 67 voltas, pelos líderes do campeonato, foram vergonhosos. Vergonhosos pelo simples fato de não ter uma justificativa aparente para tanta falta de razão. Errar é humano? Sim. Até a FIA analisou um dos erros e puniu o mais fraco (Sebastien Bourdais) injustamente. (Mais uma vez injustiça!) E então errou também!
Águas passadas e ninguém mais se lembra de tudo aquilo. Erros são feitos para esquecer... Discordo! São feitos para se aprender com eles e não os repetir!
GP da China, uma semana depois: Kimi faz o mesmo segundo tempo esperando seu companheiro que fica só em terceiro. Massa vinha bem e não sei por que cargas d’água não havia rendimento na disputa para Pole Position.
O inconseqüente Hamilton foi o primeiro. Na largada não cometeria os mesmos erros do GP do Japão por que se não a vida dele estaria na boca do sapo...
A largada foi o de esperar. Kimi se mostrou em toda a corrida superior a Massa. Todo o tempo. Eu vi a corrida, não é proteção ao Homem de Gelo. Enfim, Kimi fez o inesperado. Vendo que o Massa nem sequer deu-se o trabalho de pisar fundo e lutar para passá-lo logo depois da segunda parada nos boxes, Kimi desacelerou pelo companheiro. Demorou um número razoável de voltas que Massa o alcançasse. Perdeu 15 segundos de desvantagem para o líder Hamilton. Fez, o que talvez nenhum campeão mundial faria pelo companheiro que até então a posição mais favorável que já teve em fim de campeonato na Fórmula 1 foi um terceiro lugar me 2006. Kimi foi duas vezes vice e não tem nenhuma posição abaixo de nono lugar em sua carreira de oito anos na F1. Isso que ficou em nono quando estreou na Sauber em 2001.
Desvio o assunto quanto ao fato da “equipe Ferrari mandou”... Mandou e ele poderia muito bem ter dito que não. Oras, ele não é o Homem de Gelo, o cara insensível???
Eu esperava uma cena mais bonita no fim da corrida, os companheiros se definindo como companheiros antes do pódio. O que vi foi uma cena de “nada x nada” de ambos. Kimi declarou feliz pelo feito, depois em entrevista. Procurei mas Massa nada disse sobre. Houve quem escrevesse que Massa declarou que passou Kimi “no braço!”... Não tenho fontes disso e quero muito que seja uma coisa inventada, pois isso me faria sentir vergonha de ser brasileira como o Massa.
Pergunto-me se Massa vier a ganhar o campeonato aqui no Brasil no próximo mês, dia 2 de novembro e Kimi repetiria a ajuda, se assim as circunstâncias se apresentassem, SE a imprensa brasileira daria o devido valor ao finlandês. Sinceramente? Não. Diriam a maioria de forma estúpida que não fez mais nada mais que a obrigação. Quando era Rubens Barrichello ajudando Michael Schumacher era totalmente absurdo e injusto...
Eu, vendo aquela ajuda, (por que foi uma bela ajuda, pois Massa não chegaria ao Kimi por força própria, teve 56 voltas para isso e não rendeu...) me lembrei de uma cena de um dos filmes quem mais amo: O Senhor dos Anéis e o Retorno do Rei. Os personagens Sam e Frodo precisam chegar até a Montanha da Perdição e jogar o Um Anel no fogo de seu vulcão promovendo sua destruição.
Frodo desmaia pelo fardo que é carregar o Um Anel. Ele foi designado àquela função. Segue-se um diálogo entre Sam com Frodo em seus braços. Sam comenta do Condado (onde vivem) falando se suas belezas, e ele pergunta a Frodo se ele também consegue imaginar como será a primavera lá. Frodo relata que está na plena escuridão e não consegue ver mais nada a não ser as trevas. E Sam olhando para a Montanha sabendo o que é necessário para acabar com o sofrimento, diz: “Se eu não posso carregá-lo para o senhor ( nota: o Um Anel), posso carregar o senhor Frodo”, e assim Sam o carrega até o fogo da Montanha.
Então... O que seria de uma conquista sem as ajudas? E por que afinal de contas gostamos de menos prezar essas ajudas quando conquistamos o esperado e nem sequer deixamos claro que somos gratos? Por que há críticas às coisas que não lhe convém?


segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Querer é poder?


Semana passada fiquei em casa todo o tempo. Recesso na universidade.
Confesso que precisava passar um tempo aqui. "Mamis" precisava de um "help", afinal se nada faço, posso, ou melhor: DEVO ajudar.
Desde o início do semestre na faculdade algo acontece com freqüência.
Devo confessar, demorei para perceber tal coisa. Mas estava lá todo tempo.
Semana passada dos 3 dias restantes antes do recesso, tive contato com a "rotina" apenas em um desses dias. Os posteriores pareceram como que faltava algo.
Minha semana seguinte, depois de eleições, eram dias de descanço em casa como ostra em sua concha. Cumprindo com minha vontade/dever.
Na semana seguinte tudo voltaria a ROTINA.
E hoje a "rotina" não veio. Novamente parecia que faltava algo.
Minha aula acabou muito cedo e meu amigo pediu para que eu fosse esperá-lo para irmos lanchar juntos. Enquanto o esperei, pensei comigo que aquilo era uma espécie de sinal.
Não sou uma criatura mística, embora eu por vezes acredito nessas coisas, mas dentro de seus limites.
Algo "estalou" na minha mente e percebi que mesmo eu me sentindo bem com aquela "rotina" ela não veio para fazer parte da minha vida.
Se existe destino, a estrada dele caminhou por um atalho. Mas não um atalho onde se chega mais rápido e sim um atalho que não leva ao verdadeiro DESTINO. Leva à outro lugar que não sei qual. Não houve curso natural das coisas. Não foi o seu plano. Não foi meu pedido.
Coisas mundanas eu sempre consegui. Era só eu pensar e já estava em minhas mãos. Algumas gastaram tempo e/ou maturidade. Mas todas tiveram valor e conquista. Custaram mas não doeram. Outras nem custaram.
Mas em um ponto específico eu nunca consegui o que queria. E nessa "rotina" de início de semestre vislumbrei uma possível conquista. Mas ela não apareceu hoje e naqueles 3 dias.
E não sei o que foi exatamente, mas isso simbolizou a minha "derrota". Mais uma vez a frase ecoou como em todas outras vezes: "Não era para ser". Tentei mais uma vez dando uma segunda chance mesmo o racional me puxando a perna. Chutei ele longe e corri atrás da "rotina", onde ela poderia estar. E comprovei. "Não era para ser".
Então, querer é poder?...
...Nesse caso, não para mim!

*Construa pontes e não cercas em sua vida!(by Manu)*

Abraços à todos!

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Crying In The Rain





A-Ha é uma banda norueguesa de synthpop (Pop sinfônico) formada em 1982 pelo vocalista Morten Harket, o guitarrista Paul Waaktaar-Savoy e o tecladista Magne Furuholmen.

Quem nasceu na década de 80 sabe bem quem são. Mesmo eu tendo nascido dois anos depois de ter estourado o hit "Take On Me" na Europa, lembro-me pelas minhas irmãs que eram pré adolescentes na época e eram fãs, e até hoje, e mesmo não sendo meu estilo favorito de música, curto muito essa banda em suma suas músicas mais antigas.

Essa postada, embora não seja composição do trio norueguês( a música e a letra são de Carole King e Howie Greenfield) ficou excelente na voz de Morten.
Bons tempos!
*Abaixo a letra!

Crying In The Rain (A-Ha)

I'll never let you see
The way my broken heart is hurting in me
I've got my pride and I know how to hide
All my sorrow and pain
I'll do my crying in the rain

If I wait for stormy skies
You won't know the rain from the tears in my eyes
You'll never know that I still love you so
Only heartaches remain
I'll do my crying in the rain

Raindrops falling from heaven
Could never take away my misery
Since we're not together
I pray for stormy weather
To hide these tears I hope you'll never see

Someday, when my crying is done
I'm gonna wear a smile and walk in the sun
I may be a fool but 'till then
Darling, you'll never see me complain
I'll do my crying in the rain

Since we're not together
I pray for stormy weather
To hide these tears I hope you'll never see

Someday when my crying is done
I'm gonna wear a smile and walk in the sun
I may be a fool but till then
Darling, you never see me complain
I'll do my crying in the rain ...

Grande abraço pessoas!



quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Jogo dos Sete... ^^




Vi esse "jogo" no blog da minha amiga Andie.
O intuito é responder e desafiar outros blogueiros a fazer o mesmo.
Não vou indicar ninguém por que nem sei se realmente têm tempo para isso. Quem quiser responder sinta-se à vontade. Pode usar o blog de vcs ou mesmo os comentários aqui se quiserem.

Por mais bobinho que pareça é relaxante e por incrível que pareça não só outros, mas vc mesmo descobre coisas a respeito de vc.

Estão aí minhas respostas:

Sete coisas que faço bem?

1- fazer as pessoas rirem;2- panquecas e omeletes;3- organizar, seja o que for;
4- ler manuais e fazer algo funcionar;5- ouvir;6- defender argumentos (quando são verdadeiros);
7- formular piadas para zuar com a cara de alguém – sem ser grosseira;

Sete coisas que não faço e não sei fazer?

1- sair puxando conversa com desconhecidos;2- mostrar facilmente meus sentimentos;3- deixar de ficar com vergonha de muita coisa;4- jogar e injustamente perder;5- ficar calada quando não devo;6- não perder a paciência com minha irmã mais velha;7- fazer algo que prejudique alguém, um bicho ou a natureza;

Sete coisas que me atraem no sexo oposto?

1- olhos;2- bom humor com um toque de timidez;3- me compreender e tratar-me como igual;4- inteligência;5- bom gosto;6- otimismo;7- saber falar/conversar bem;
Sete coisas que não suporto no sexo oposto?

1- palavrões em momentos sem necessidade;2- folga;3- risadas escandalosas;4- ser fanático por algo e achar que o mundo gira em torno daquilo;5- promiscuidade;6- ego dilatado;7- falta de senso crítico;

Sete coisas que digo com freqüência?

1- “nó...pior!”2- “gente, que horror!”3- “depois dessa eu posso morrer que já vi de tudo nessa vida!”4- “Deus é pai!” ou “Pai celeste!”5- “aaff...”6- “excelente”;

7- “foi isso mesmo que eu ouvi??”

Sete atores/atrizes que gosto?

1- Jim Carrey;2- Elijah Wood;
3- Viggo Mortensen;4- Johnny Depp;5- Alan Rickman;6- Daniel Day-Lewis;7- Cate Blanchet;

Sete pessoas do meio artístico que detesto?(*Detesto é meio forte, então prefiro dizer que não me simpatizo hahahaha!XD)

1- Débora Secco;
2- Stuart Townsend;3- Sarah Michelle Gellar;4- Xuxa;5- Sandy e Júnior; * tem como separá-los??Não...6- Ivete Sangalo;7- Galvão Bueno;

Sete filmes que eu detestei?

1- Onde os Fracos Não Tem vez;2- Super Bad – É Hoje!;3- American Pie;4- O Apanhador de Sonhos;5- Chicago;6- Jurassic Park 3;7- Segundas Intenções;

Sete filmes que adoro?

1- O Senhor dos Anéis (trilogia);
2- Edward – Mãos de Tesoura;3- Curtindo a Vida Adoidado;4- Á Espera de Um Milagre;5- Senhores do Crime;6- Ace Ventura 1 e 2;7- De Volta para o Futuro (trilogia);
Sete livros favoritos?

1- O Senhor dos Anéis (volume único) – J.R.R.Tolkien;2- Silmarillion – J.R.R. Tolkien;3- Navegando – Rubem Alves;4- Às Margens do Rio Piedra Sentei e Chorei – Paulo Coelho;
5- O Etrusco – Mika Waltari
6- Entrevista com Vampiro – Anne Rice;7- Séries Harry Potter;

Sete bandas/cantores(as) que fazem muito sentido na sua vida?

1- Nightwish;2- Metallica;3- Iron Maiden;4- Helloween (antigo);5- Pearl Jam;6- Stratovarius;7- Blind Guardian;
Sete constatações inúteis pros outros?

1- Se eu ficar uma noite sem dormir vou morrer;2- Kimi Räikkönen não tem mais chances no campeonato de Fórmula 1 desse ano só porque apostei nele;3- Eu preciso mudar as coisas que ando pensando;4- Preciso parar de falar demais;5- Se eu continuar a ficar tensa por qualquer probleminha, terei um treco;6- O show do Nightwish em novembro vai ser magnífico!;7- Preciso de um namorado;
Sete coisas estranhas que eu acho que só eu faço?

1- Assitir Fórmula 1 brigando com o Galvão como se ele me ouvisse;2- Dançar músicas de Heavy Metal;
3- Dormir ao som de músicas pesadas;4- Querer morar na Finlândia e estudar sobre o país;5- Ou namorar um finlandês;6- Achar que tudo tem uma solução p/ os outros, mas quando é comigo eu não vejo nenhuma solução;7- Querer parar de tomar coca-cola, mas não resistir a um copo todo dia depois das refeições;

Grande abraço pessoas!!^^