sexta-feira, 29 de março de 2013

Uma foto e uma saudação

Deixo a vcs uma foto, para montarem uma legenda. Pelo tumblr que resgatei a foto é de antes da classificação na Malásia.
Amanhã, deixo a minha ideia da legenda e publicarei a que vcs comentarem junto.


Desejo a todos um bom feriado. \o/ Boa Páscoa e lembrem-se: o de menos é o chocolate! :)
Abraços afáveis!

terça-feira, 26 de março de 2013

Sobre as "polêmicas" da F1

Felizmente (ou infelizmente - depende do ponto de vista) decidi fazer uma postagem específica sobre a agora inventada polêmica a respeito da Red Bull e da Mercedes, e a relação equipe e suas duplas de pilotos, na Malásia, segunda etapa da F1 2013.
Tentei ao máximo não ler colunas que não são de hábito antes de construir meu próprio texto. Tentarei ser clara e objetiva a respeito de toda essa novelinha montada já no começo dessa temporada (o que agita nossos dedinhos a escrever opiniões - furadas ou não - nos blogs e redes sociais da vida).
Se é novela, vou dividir entre vilões e mocinhos. Quanto a isso, me desejem sorte!



O núcleo da dona Mercedes, subdivide opiniões daqueles que assistiram a novela "O Dono do Mundo" no capítulo de domingo. Os que gostam do personagem Hamilton obviamente vibram com a proteção da dona Mercedes em deixá-lo em situação mais confortável e com pontos de pódio. Este é um lado do Ibope. O outro são daqueles que leram as críticas e sabem que Rosberg é o verdadeiro "filho" da Mercedes.
Mas o lance não é de brincadeira, de novela, nem entretenimento. O lance era para ser sério, mas pelo visto, não é assim que é encarado pelos frequentadores da F1, nem mesmo seus fãs e admiradores.

Você tem dois pilotos em uma equipe. Dois corpos não ocupam o mesmo lugar. O máximo e mais lógico que uma equipe pode fazer é dar carros iguais para cada um, e estratégias de paradas e ajustes de carros discutidos individualmente. Na pista é o famoso: se vira, você não é quadrado. 
Sutilmente, Rosberg requisitou ultrapassagem sob o colega via rádio. Na famosa categoria de Ross, o chefe, era para manter a linha e lhe foi negado que ele fizesse exatamente aquilo pela qual é pago: ultrapassar.
Estava instaurada a proteção, por mais que digam que tratam ambos os pilotos de forma igual.
Se é igual, me expliquem porque quando Hamilton mal chegou e veio com a pompa de salvador da pátria? 
"Ah, mas ele tem um título mundial..."
Porque que existe, então, equipes tipo a Ferrari que dispensa serviços de piloto campeão mundial, quando o melhor é que tivessem dois? Explique mais ainda o porque que certas equipes não defenderem o campeão mundial, e sim o mais novo, como é o caso da Lotus?
Algumas respostas não fazem sentido, outras são discrepantes. Na verdade, nada tem lógica, conforme o mundo todo parece caminhar neste sentido.

Minha opinião é que sim, Hamilton é o meio vilão da vez, assim como também era um pouco naquele grande caso da McLaren. 
Recebe mais e quis estar na frente. Por isso saiu da equipe que passava a mão na cabeça, e não mais, depois de alguma coisa estranha ter rolado. Provavelmente, uma delas foi ser superado pelo companheiro, outra seria a queda de rendimento do carro. Talvez algumas razões pessoais e comportamento inadequado,  fez com que o ambiente e as pessoas perdessem a fé e o encanto nele. Daí a Mercedes parece ter comprado a ideia da (ainda que falsa) liderança do piloto inglês, que ainda precisa muito para se estabilizar e ser considerado grande piloto. 
Ser rápido não basta, falta inteligência.

E é exatamente por isso que Alonso é e será por um bom tempo considerado um dos melhores pilotos do grid, o melhor desse tempo. Ele anda com carros ruins ou bons, é inteligente pois além de arquitetar estratégias antes das corridas ele as faz funcionar na pista. "Sou mais rápido, tenho que passar" e passa, em pelo menos 90% das circunstâncias.
Neste caso, sim, com toda certeza, apoiaria Rosberg ultrapassando Hamilton. É pra isso que esses caras são pagos são pagos. É por isso que eu (e acredito que muitos), assistem às corridas de F1. Queremos um jogo limpo de ultrapassagens incríveis e/ou bem feitas. Rosberg não seria imprudente, já Hamilton não se sabe. Se estava mesmo poupando combustível e pneus, duvido que teriam problemas. Até porque reclamar dramaticamente depois da ultrapassagem do companheiro, seria muito mais a tônica do inglês do que causar acidentes logo na segunda corrida da nova equipe.
O supremo vilão aqui é ela, a Mercedes. Que bobagem é essa de travar as ultrapassagens? Impedir que façam aquilo pelas quais os pilotos são pagos? 
Sério, com essas equipes assim tão hipócritas, que depois discursam igualdade, que pensaram no campeonato ou que os carros venham inteiros para os boxes e com pontos, ao invés de nenhum, é simplesmente uma babaquice. 
Querem menos problemas? Estipulem um piloto por equipe, porque assim você pode deixar que os seus pilotos passem em cima dos outros, só porque são de equipes rivais. Simples.

Nesse caso, a outra vilã da outra polêmica é também a Red Bull. Mancada dizer que eram para trazer os carrinhos de volta. Meu, a Ferrari pouco se lixa pra isso. Tudo bem que não rende muito bem, mas esse lance, de carros nos boxes bonitinhos, cansa. O campeonato está no começo. Não há necessidade de jogos de equipe. RBR, vilã como a Mercedes. E claro, o meio vilão aqui é o Webber. 
Qualquer um dirá, "como assim?"
Explico: mesmo que por um milagre Webber tenha feito uma boa largada, mesmo que ele tenha feito tudo certo em 70% da corrida, nada tira de Vettel o direito de não ultrapassá-lo. Apenas substituam Webber por Alonso, o cara pela qual é possível que Vettel volte a travar batalhas nas próximas corridas. Ele hesitaria? Ele deveria hesitar? É claro que não!! Ele não hesitaria com nenhum outro, sendo pragmática.
Os pontos garantidos por Vettel podem lhe custar um tetra. Com Alonso, seu principal rival, (como tem sido nos dois últimos anos, pelo menos) fora da corrida, chegar em primeiro abre a vantagem que pode ser importante lá no somatório final. Porque arriscar deixar um Webber, mesmo sendo companheiro de equipe, na frente de cara pro vento, quando a chance é de ultrapassar, garantir vantagem?
Mais ainda: quantas vezes Webber largou mal, classificou mal? Ano passado mesmo, foi deveras inconstante. Por mais que muitos ainda não gostem de Vettel, ele ainda é mais constante que o australiano. Sim, afoito muitas vezes, esperto outras tantas. Assim todo e qualquer ponto que ele garantir pode ser arma contra o espanhol, e consequentemente, contra qualquer outro do grid, inclusive Webber.
Mas o Webber assim como Hamilton é meio vilão. Da mesma forma que Hamilton manteve a frente, fazendo-se de bom moço depois com desculpas, Webber não facilitou para Vettel a ultrapassagem. Ali teve  um certo profissionalismo. Ambos querem o primeiro lugar, ambos que se virem para conseguir ou para manter.
Além disso, ao contrário de Rosberg, Vettel não foi cordeirinho. Porém, enquanto na Mercedes, Rosberg não esquecerá fácil, Vettel foi desobediente e egoísta, deixando um ar de "não preciso de vcs" na equipe. O egoísmo dele, seria a coragem que falta em muitos de mostrar o valor que tem independente de o quanto recebem ou o quanto pagam. 
Se na Mercedes, Rosberg ouviu uma falsa desculpa de Hamilton e provavelmente não engoliu bem, mas a boa educação lhe deu crédito ao velado "forgive and forget". Rosberg fez bem. Obedeceu e escancarou o problema. Agora as críticas caem mais violentas no companheiro. Pode ser que, para amenizar, a equipe faça com que ele tenha prioridade em um próxima oportunidade. No que depender dele, virá logo.
Essa é a vantagem do Rosberg, o fala pouco, mas fala certo. Ele fará, sem que deem empurrões falsos a ele. E se não vier, ele não ficará omisso. E nem deve. De bundão, já bastam os brasileiros segundões.
Agora Webber realmente não precisava receber bem as desculpas de Vettel, mas apontar a proteção dentro da equipe foi ridícula. Quem não sabe que é assim? E meus queridos, porque teria assinado  o contrato novamente, depois de três anos de proteção ao Vettel? Já houveram brigas assim, quase iguais antes, ele contra Vettel, e nada foi feito pela equipe para ajudar a ele. Em tese, pareciam não proteger, mas o não ajudar dava uma clara ideia de quem confiavam mais. 
A equipe diz que Vettel foi errado, e deixa que Webber fale tudo que pode na imprensa, transparecendo uma infantilidade tamanha que nem parece ele ser o mais velho do grid. Idade realmente não significa maturidade.

O que mais ainda intriga, não é necessariamente a confusão montada. Me intriga perceber que muitos fãs da F1, entre críticos, jornalistas e esporádicos comentaristas parecem comprar a polêmica. Ainda não vi reportagem que não dissesse as aspas de cada um, botando fogo na lenha. 
Se põe fogo na lenha há quem queria se esquentar na lareira. Assim, penso que, se tratássemos melhor como algo natural, diria: "eles que são brancos que se entendam".
Mas não. Há pessoas pelo visto julgando a atitude de Vettel e tratando-o como ele mesmo se definiu: uma ovelha negra. 
Eu pergunto: porque assistimos a corrida, se não queremos que as posições mudem? Quantas vezes me revoltei com um certo cara que se diz grande piloto tirar gente boa da briga por mera barbeiragem e ser tratado como gênio? Não esqueço jamais Spa 2008, nem Canadá do mesmo ano. 
Quantas vezes houveram discursos inflamados sobre o pobre Massa subordinado pelo maldoso Alonso. Porque muita gente arrumou desculpa para que ele não negasse a ordem da equipe de "deixar passar" e lutasse para que mantivesse à frente? Porque mesmo sabendo que ele tem um possível contrato que deixa claro que ele deve ser o segundo, ainda há fãs por todos os lados babando ovo?!
Porque, quando um cara é corajoso em fazer alguma coisa mostrando a hipocrisia das suas equipes, de uma forma ou outra, ele é o egoísta ou o chorão?!
Apesar de achar que Rosberg deveria ter ultrapassado Hamilton, acho que deixar a situação como estava seria melhor, pois agora, pelo visto, todos estão questionando mais e acarinhando menos Hamilton. 
Se isso mudará em algo, pouco acredito. Ele já fez muita bobagem e falou muita porcaria na imprensa, duvido que cada vez mais ele não se supere. 
O acontecido em pista foi limpo, entre Webber e Vettel. Se o australiano não se conforma e até charme faz em dizer que reavaliará sua carreira, eu só lamento. Isso me parece muito "mimimi", ao meu ver.
Daí vem todos aqueles textos enormes sobre ética e blábláblá... 
Mas, sério, será que depois de tanto tempo, ainda dá para considerar ética na Fórmula 1?
Ninguém é dono do mundo.

É o que posso pensar de tudo isso. Se discordam, concordam, sabem que os comentários estão sempre às ordens!
Abraços afáveis!

domingo, 24 de março de 2013

E na Malásia, temos até suor de telespectador!

Sei que prometi minha coluna apenas na terça-feira, mas, não me contive.
Prometo ser breve e imparcial.
Naqueles que terminaram a corrida, Alonso abandonou primeiro. Largou bem, e foi esperto, mas no sanduíche de carros e pista molhada, se viu tocar na traseira de Vettel, que largou na frente e se manteve. Alonso levou o carro com asa quebrada até a volta seguinte, segurando o máximo que podia, e mesmo perdendo a posição para Webber, ainda poderia conseguir se recuperar depois da troca. Mas a Ferrari não chamou o piloto espanhol, que abriu a segunda volta com a asa toda fincada abaixo do carro, terminando assim a corrida de número 200 dele.
Com a equipe escolhendo a estratégia errada, só Massa poderia ter forças e razões de garantir alguns pontos, quiçá lutar por pódio. Não foi o que aconteceu, terminando apenas em quinto, e atrasando a vida das Lotus.
Falando neles, Grosjean pode ter algumas coisas melhores que Kimi, mas terminar em sexto foi e não foi um grande trabalho. Kimi nesse caso, teve uma corrida apagada, com alguns erros e escapadas de pista. Mas confesso que mesmo custoso, ri mundo de sua briga com Hulkenberg. Principalmente quando o Homem de Gelo reclamou no rádio das jogadas estranhas de Hulk. O alemão da Sauber parecia possuído, rsrsrs...
Se falo de possessão, a "zica" também se instaurou na Force India: primeiro os pitstops atrasados com problemas para trocar pneus. Novos pitstops e tanto Di Resta quanto Sutil ficaram tempo demais esperando que a equipe resolvesse a situação. Nenhum terminou a corrida.
Sobre a Williams, Maldonado abandonou novamente, e mesmo que os resultados não sejam de pontuação, Bottas se manteve na pista tanto na Austrália, quanto agora na Malásia. Nada contra Bruno Senna, mas Bottas veio com pompa de ser protegido, mas está sendo mais consistente que o companheiro experiente de equipe, coisa que Senna não conseguiu com tanta facilidade.
Das equipes pequenas, STR teve o primeiro ponto com Vergne, mas o segundo abandono de Ricciardo. As demais, Caterham e Marussia, a primeira com problemas de boxes com a STR e a segunda sendo o de sempre, pouco causam impacto. 
Sobrou a McLaren, que parecia ter achado o ponto do trabalho, com Button em quinto, mas um erro de pitstop causou o não marcar de pontos. Maré ruim neles, Perez não sustentou pneus, e marcou apenas dois pontos. A bruxa estava à solta.


Eis os três primeiros da Malásia. Três figurões da discórdia que mostrava uma corrida atípica, dos boxes à pista.
Primeiro quero deixar claro que não gosto do Webber, acho-o muito bruto para comentar as coisas.
A corrida estava chinfrim, com ele (que por um milagre largou bem) e depois de algum pitstop tomou a liderança. Vettel, em um dado momento era mais rápido que ele e questionou a equipe a chance de ultrapassa-lo. A equipe pediu paciência e a corrida seguiu. Pensei: se ele é mais rápido, que passe!
Mais tarde, foi isso que aconteceu, na volta 45. No custo, e brigando muito, Vettel tomou a liderança.
Em tempo, Rosberg trocava de posição com Hamilton e Hamilton retornava à terceira posição. Em um dado momento, Rosberg questionou a equipe dizendo estar mais rápido. Na mesma postura que a RBR, Ross Brawn negou a ultrapassagem, alegando Hamilton estar fazendo um bom trabalho.
No fim, Rosberg até ameaçou, mas na lógica da equipe optou por ser capacho. Percebia-se um certo privilégio no caso da Mercedes, sim. Hamilton não tinha tanto pneu e precisava poupar combustível. Mesmo assim Rosberg teve que ouvir um não e ficar quieto. Cobrou da equipe, que tudo fosse diferente em uma próxima chance. Digo a Rosberg que não será assim. Hamilton será protegido nas próximas, sempre que tiver mais pontos, e porque é a estrela.
Na Red Bull, apesar de ser a mesma coisa, eu fiquei pesarosa pelo Webber afinal ele lutou pelo primeiro lugar que lhe foi tirado mesmo depois da equipe dizer a Vettel que mantivesse assim. 
Vettel pensou nele, assim como acho que Rosberg deveria ter feito o mesmo. No caso da Mercedes, Rosberg e Hamilton estavam muito parecidos e de fato, um tinha problemas enquanto o outro era mais rápido. Foi fato, pelo menos, pra mim, a abertura de Hamilton e Rosberg merecia o pódio.
No caso da Red Bull, a luta de Webber para ser líder, era mais intrigante e por isso, talvez Vettel precisasse ficar mesmo onde estava.
Porém a polêmica é: o piloto não pode mais ser radical e querer arriscar? Não pode desobedecer a equipe, enquanto muitos dizem que deveria? Quando Massa precisa ceder ao Alonso, o comentário é que ele não deveria obedecer, mas quando alguém desobedece aí é polêmica?
Quem está certo, quem está errado? 
Afinal, o que se quer de uma corrida da F1?

São coisas que pensarei melhor, e discutirei na terça com vcs. Os comentários estão às ordens.
Abraços afáveis!

sábado, 23 de março de 2013

Na Malásia...

... tudo parecia igual a Austrália, mas por obra da chuva ou por algum outro motivo desconhecido, parece que não será bem assim que a página da etapa malaia será escrita.
Novamente, pole position Vettel, parecendo que caminha para a primeira vitória do ano.




Com chuva, pode ser que tudo mude. Nada é muito certo na Malásia. Mas ao mesmo tempo, pode ser que a chuva não venha e pouco de surpreendente aconteça. (Eu pelo menos já suspendi minhas "comemorações prévias e óbvias" do almoço de domingo...)
A mudança de grid veio para uma primeira punição. Rosberg foi atrapalhado em sua volta por Kimi. Assim, o finlandês perde 3 posições. Justo, está na regra, mas eu queria entender porque que com alguns pilotos, nunca punições como essa, acontecem. ¬¬' Ainda mais que a punição não beneficia em absolutamente nada Rosberg, que fica a largar em sexto do mesmo jeito. Os beneficiados são Button, Sutil e Perez, que largam em sétimo, oitavo e nono respectivamente. Kimi virá só em décimo. 

Sejamos práticos, enche um pouco o saco ter uma só opção de transmissão nesse país tropical que vivemos. É "soda" assistir a um treino narrado por gente que filosofa sobre cor de capacete e cor de carro. Mais "soda" ainda é repórter de pista falar abobrinha óbvia, do tipo: "quem sai do Q2 disputa a pole" ou "Monisha é a primeira dirigente mulher da F1"...
Mais (e mais ainda) é gente que comemora Massa na frente do Alonso. Na boa; eu pensei que a gente havia evoluído... No Q1 ele ficou bem atrás e ninguém abriu a boca, mas bastou ficar à frente e "puff" apareceu a margarida. Que falta de assunto meu, será que não enche?
Hoje eu estava sapeando no Esporte Interativo, e fiquei naquela que, se fosse a F1 narrada pelo André Henning, pelo menos eu riria muito, assim como foi bem divertido jogos de futebol ou mesmo os jogos da NFL que acompanhei com ele ou outro narrador. Sinto falta de narração, e não comentários recalcados, ou específicos, focados em uma pessoa. Há 22 caras na pista. Quero saber sobre os 22.
Mas o fatídico ditado, "querer não é poder", está mais do que na cara.

Também, quando procurei formas nas minhas finanças de ir esse ano à Interlagos acompanhar minha primeira corrida ao vivo, à cores, em carne e osso, percebi que deveria ter nascido rica. Tenho duas possibilidades: ou ganho na loteria, ou vou estudar. No caso, está mais fácil estudar.
E nem posso cogitar ir no setor A, sendo o mais provável de eu ter grana para pagar. Só não posso sequer ouvir gente mal educada xingando e mexendo com os outros, como sei que acontece por ali. Sinceramente, não vejo futuro em gastar uma certa quantia para passar raiva. Outros setores só se eu ganhar muito o que é uma perspectiva remota sendo estudante.
Para isso, só resta correr atrás das vontades, com o tempo que nos é dado.

Para os navegantes, um aviso importante: não devo fazer minha coluna sobre o GP da Malásia na segunda, pois a tarde estarei em uma longa reunião. Mas na manhã de terça, farei alguma publicação sobre.
Desejo uma boa corrida a todo!! Aos que vão ficar como corujas assistindo logo cedo  e outros que (como eu), vão dormir até mais tarde, deixando gravar e assistir na manhã de domingo, logo depois do café: uma excelente corrida e bom divertimento!
Deixo-os com uma música: Gone Sovereign ("Soberano Desaparecido") do Stone Sour, com o grande Corey Taylor (vocalista também do Slipknot). Algumas partes da letra faz todo o sentido no momento.


♫ No one's laughing now
No one's laughing now
I’m sullen and sated
And you can’t put a price on me

I won’t share this disarray
I won’t pull these hands away
I need to be chosen and my god don’t pray for me!

So scatter all my ashes when I’m dead
And shatter every legend in my head
If only the committed will survive
Is anybody here still left alive!? ... ♫




Abraços afáveis!

quinta-feira, 21 de março de 2013

Qual era o papo?

Da última postagem sobrou essa foto:


As expressões de Kimi e Felipe sugerem um papo legal, interessante... Mas qual seria?

São muito, muito bem vindas as sugestões de vcs nos comentários! \o/

Abraços afáveis!

terça-feira, 19 de março de 2013

Legendando fotos na Austrália

Começo de temporada 2013 e aquele costumeiro momento da "foto de formatura de 8ª série" foi feita normalmente. Mas, espera...







Webber espremendo joelho do Button e o Button revidando?! 
... A F1 já começou saliente...

Quase uma foto de tapete vermelho do Oscar. 
Vettel faz a total pose de foto e Webber faz cara de "não olhem para a minha bunda"...
E eu pergunto: "Onde, cadê?"

O que imaginar Massa pensando a respeito do Kimi? Isso:


Na vida a gente tem que jurar que é mesmo o último bombom da caixa...
Mas jurar que é, não significa a verdade.

Com essas mãos agarradas assim, por um beiço de pulga não imaginamos Alonso laçando o braço na cintura de Kimi e comemorando com uns passos de lambada...

Mexicano e Venezuelano fazendo bullying com um Brasileiro.
Só posso fazer uma coisa ao ver isso:


Aquele momento, que por um beiço de pulga, Vettel não recebeu uns bons petelecos de Räikkönen:

take 1: "ok, já está bom..."
take 2: "pelo menos, mude de ouvido..."
take 3: "muda um pouco, joga no Alonso tbm..."
take 4: "chega de banho, isso aqui é pra beber!!!"

Abraços afáveis!

segunda-feira, 18 de março de 2013

GP da Austrália 2013: Heart Full of Fire

Depois de uma quase longa espera, finalmente o GP da Austrália saiu. Se não bastasse a off season, o treino oficial foi uma água, com o perdão do trocadilho.
Quem ficou acordado na madrugada de sexta para sábado foi dormir com a sensação de falta. O treino oficial marcado para as 3 da manhã ( horário de Brasília) acabou sendo adiado pela chuva intensa na Austrália. Logo tivemos um pequeno Q1, muita água e um monte de blábláblá sem fim.
A classificação foi o esperado, mais tarde e dividida, mas com os nomes que já poderíamos imaginar.
Mesmo assim não foi assim tão ruim, em vista da falta que eu sentia de assistir as corridas. 
Durante ela, muita coisa podia acontecer e sim, aconteceu coisas boas.
Os pneus são um problema. Nas primeiras voltas já haviam pit stops, o que mostrou que quem souber administrar os tais pode ter mais vantagens. Era premeditado três paradas, mas quem conseguisse a proeza das duas trocas, poderia ter lucros maiores.

Pudemos (felizmente ou infelizmente, dependendo do ponto de vista) ver o rendimento da Mercedes. Rosberg parecia muito além no carro que o novato na equipe, Hamilton. E pra mim ele é novato, e mesmo que tenha chegado em quinto, acho que ali vai rolar muito mais trabalho do que havia na McLaren. Rosberg acabou ficando só na promessa de ser uma daqueles que estariam no pódio, apesar do ritmo um pouco melhor, ninguém sabia ao certo como os pneus se comportariam e ele em si teve de abandonar.

Certas coisas não mudam, como por exemplo, Webber largando mal e querendo fazer algo só no fim da corrida. Uma pena, a RBR com a ajuda dele poderia ser mais uma equipe imbatível, se ele não errasse tanto.

A Ferrari já arquitetou seus pauzinhos. Com as duas Ferraris muito coladas em Vettel, mas sem sucesso de ultrapassar, era preciso uma mudança na estratégia da troca de pneus (que caminhavam para as premeditadas três trocas). Chamaram Alonso primeiro, que atrás de Massa teria possibilidade de saltar na frente de ambos. E como se tratava de Alonso, o plano deu certo: na segunda parada Alonso costurou para estar à frente de Vettel e Massa. 
Mesmo que alguém diga que isso é o que prejudicou Massa em terminar a corrida na frente de Alonso, (o que parece ser a premissa do ano, e eu acho uma bobagem, afinal ele tem é que vencer e assumir a própria insuficiência de vez em quando). Mesmo que ele mesmo tenha dito ao fim da corrida que foi esse o problema dele... eu digo uma coisa só: Quando chegou a vez da terceira parada, o mesmo esquema de antecipar paradas foi feito com ele. E ele não veio à frente nem do Vettel, que dirá de Alonso. Então, se não sabe superar isso, assuma. 
No fim de tudo, "mimimi" não é nem aconselhável nem plausível: largou em quarto e chegou em quarto. Isso, no ano passado, era milagre. Está de bom tamanho. Se quer provar que é bom é só gradativamente ir superando isso.

O que dizer então das McLaren? Meu Deus, não ouvi o nome de Button, e algumas vezes vi Perez sendo ultrapassado. Isso mostra que a equipe está em um patamar desfavorável, e de fato cometeu erros em ter Perez ainda verde, por ali. Este, quase se comportou como uma corrida qualquer na Sauber, ano passado. Primeira corrida do ano sim, mas muito aquém do esperado, embora eu mesma não tivesse muita expectativa.

Das equipes pequenas pouco pode-se comentar, como sempre. Pena que não pudemos ver como a Sauber se comporta esse ano, com Hulkenberg pelo menos, já que o novato Gutierrez ainda parece verdinho.
Delas se destaca a Force India. Sutil pode ser um cara rápido, mas suas façanhas minguaram ao fim da corrida. Foi feito muito, fez apenas duas paradas, mas ele não largou de pneus soft, que ao fim foi usado e não rendeu como deveria, de fato, desgastando rápido. Já seu companheiro, se manteve pelo menos, linear da classificação à  corrida.

Engraçado que se nos treinos quase não se ouvia falar das Lotus. Na corrida, se dependesse de Grosjean, realmente não ouviríamos. O "coitado" classificou bem,  mas largou muito mal, aprendendo ser quase como Webber. Só que ao contrário do australiano, ele não evoluiu no fim.
É por isso que ler que a Lotus entendeu como funcionam os pneus soa meia verdade. Ela entendeu, mas seus pilotos, aparentemente só um somou A +B.
Kimi Räkkönen é daqueles que muita gente tem muito o que dizer. A maioria constrói piadas sobre a personalidade, outras provocam aqueles que gostam dele, outros se acham conhecedores de sua vida. Outros ainda detonam quando vê que todos estão detonando, e estes mesmos, exaltam quando ele vence uma corrida.
No quebrar os ovos, fazer o omelete foi muito fácil. Kimi saiu da sétima colocação para a quinta e logo mostrou um carro melhor que o da Mercedes, já que não admitirão que eu diga que ele é melhor que Hamilton. As Ferraris estavam empacadas atrás de Vettel, mas ele não se precipitou. Levou os pneus soft à décima volta e esse foi o pulo do gato. Pois sua segunda parada foi quando os outros planejavam a terceira e de cara, só Sutil parecia ameaçar sua liderança em algumas partes da corrida. Mas antes mesmo da segunda troca do alemão chiliquento (vide o porquê ficou fora da F1 por um ano), lá estava Kimi deixando ele pra trás.
Um pouco mais e talvez Alonso o ameaçasse, de fato. Porém parece que o dia era mesmo do Kimi:


As manchetes falam em surpresa da vitória do "Homem de Gelo". Podem até atribuir às duas únicas paradas, o bom desempenho da corrida, mas alguns fizeram o mesmo número de paradas e a coisa não engrenou.  Outros fizeram mais e estavam no pódio com ele. A razão de tudo foi um pouco mais do que isso. E acho mais: o homem pode até ser de gelo, mas o coração ficou cheio de fogo.


Abraços afáveis!!!

*PS: A tv Globo já começou com seus fuzuês. Apresentou um novo repórter que se mostrou "o" babaca, cheio de gracinhas e um jeito de falar totalmente irritante. Fora a péssima dicção. Fonoaudióloga nele!!! Ou melhor, façam um novo teste, pois o retardado não conhece de F1. No treino oficial ele conseguiu falar alguns nomes de pilotos totalmente errados, e na corrida mostrou os pneus em um link e não conseguiu pronunciar a palavra "deterioração" de forma correta (falando "deteriorazação" ou algo parecido) e ao invés do tal "macarrãozinho" ele disse "camarão"!!!! Pô meu, está de sacanagem, ou o quê? Já não basta o Galvão e o Reginaldo acharem que quem está desse lado da tv é um débil mental!...
Agora, a transmissão tbm, pra variar tinha que deixar marca. Com a definição da organização da prova em adiar o treino para às 9 da noite aqui, quem só tinha a opção da Globo, ficou vendo Salve Jorge mesmo, porque "ai deles mudaram a tão importante programação!"... ¬¬' Fora isso, o bocoió do novo repórter foi falar com Felipe Massa na hora da entrega dos prêmios do Alonso e do Vettel e cortaram a imagem dos dois pra mostrar a belezura do "reclamão". Eles não conhecem a divisão de tela não?! 
E pelo visto vai ser assim todo o ano, porque o novo abestado repórter só encara o Massa para entrevistar, e no mais os latinos do paddock (diga-se de passagem, que horror de espanhol, hein amigo?!) 
Fiquei pensando: será que a Globo aceita curriculum? o.O

sexta-feira, 15 de março de 2013

Abertura da F1 na Austrália (1ª etapa)

Abrimos oficialmente a Temporada de F1 2013 aqui no I Love It Loud.
Sobre a programação das postagens, a coluna sobre as corridas serão postadas todas as segundas-feiras. Nas terças ou quartas virá o legendando fotos do GP. Nas quintas-feiras provavelmente publicarei comentários de  manchetes selecionadas, ou um comentário de uma notícia específica, deixando as sextas e sábados para alguma coisa aleatória. 
Tentarei seguir esse padrão para quem acompanhem como se fosse um calendário, ficando mais fácil assim de organizar minhas ideias e vcs de acompanharem.

Minhas expectativas para a temporada da F1 são sempre para mais: que seja mais interessante, mais empolgante e mais alucinante que 2012!
Em 5 anos de blog, acompanhei as temporadas e sempre vim dizendo que quem vencia na Austrália - sendo esta a primeira corrida do ano - nas últimas temporadas, havia levado o título. Pois bem, 2012 houve uma renovada de forças pessoais, pistas altamente chatas se transformaram em grandiosos espetáculos emocionantes e o vencedor da Austrália não foi o que venceu o campeonato.
Com tudo zerado, ainda assim é sabido que Sebastian Vettel é o favorito. Não por não atribuir talento ao jovem alemão, mas sim por esperar surpresas, torço para que as competições sejam acirradas, com chances para outros personagens. É o máximo que posso dizer sem uma bola de cristal eficaz.


E para abrir temporada, uma musiquinha básica, cujo o contexto do vídeo ao mesmo tempo que tem a ver, não tem, se é que me entendem. Sabemos que os pilotos tem suas esposas muito bonitinhas, grande maioria modelo, mas o propósito mesmo é a letra da música hehehehe:



Comentários dos primeiros treinos livres de sexta:

Aparentemente pouca coisa mudou, vide a tabela de voltas rápidas do segundo treino livre de hoje:


RBR na frente, uma Mercedes tentando mostrar mesmo que pode ser forte, uma Lotus esforçada, uma Ferrari não tão rápida, Force India e Sauber nas mediações e McLaren "voando" e o pelotão lá de trás de sempre. Mas treino ajuda em apostas, em previsões e ajustes. É amanhã que tudo é oficial e pra valer. Mas que não mudou muito, não mudou, mesmo sendo muito cedo para reclamar.
E além disso, há uma competição no Uol Esportes para a escolha do capacete mais bonito da temporada.
(Quem ainda não viu, clicar aqui) E, porque não me espanta que o pior capacete, mas o mais óbvio está ganhando? Espero que até a hora que clicarem no link já tenha mudando. Ou ficarei convicta que o cordão dos puxa-sacos realmente aumenta cada vez mais.

Abraços afáveis!

quinta-feira, 14 de março de 2013

Começou hoje, oficialmente a nova temporada da F1

Enquanto um bom pedaço do mundo só fala do novo Papa, pelo menos 2/3 desse pedaço procura coisas a respeito de alguma polêmica sobre Jorge Mario Bergoglio, "Francisco I". Para esses dois terços, aviso que há terrenos próximo à minha casa precisando de capinar, caso eles não tenham mais o que fazer, fica a dica.
Como boa católica que sou (e como historiadora), acompanhei o conclave e me simpatizei com Francisco I.  Se cometeu erros no passado, logo saberemos. Como pessoa sensata que tento ser, acho que escolheram um representante máximo da Igreja Católica, não um santo. Se ainda não entendemos que todo ser humano é passível de erros então acho que o mundo está mais complicado do que jamais esteve.
Francisco I me lembrou uma pessoa que gosto muito. E não me importou se ele é argentino. Até ri, quando as bandeirinhas brasileiras sumiram ao saber quem ele era.
Em conversas sensatas com quem vistou a Argentina, essas pessoas comentam com gosto sobre as livrarias de Buenos Aires. Já foram muitas as que conheci, que visitaram os "hermanos" e nos assuntos sobre essas terras sempre vem à tona as tais livrarias. Quando conheci estrangeiros e falei do Brasil, só vieram comentários sobre "samba" e "futebol".
Com todo carinho, troco as duas coisas por uma livraria de Buenos Aires.

Mas hoje, o assunto aqui deve ser outro. Não mais importante, mas menos polêmico e mais habitual. Começou já a nova temporada da F1. Digamos que, eu não senti que dessa vez demorou muito. Mas fico extremamente feliz que agora, alguns domingos do ano tenham corridas para contemplar.
Amanhã devo fazer uma postagem de abertura da temporada 2013, com foto dos carros e pilotos e uma música para começar com o pé direito, torcendo - antes de mais nada - que as competições esse ano sejam altamente empolgantes.

Hoje, quinta-feira, 14 de março de 2013, tivemos a primeira coletiva de imprensa na Austrália, país cede da primeira das 19 etapas do campeonato. A coletiva completa, para quem se interessa em ver o que Lewis Hamilton (agora na Mercedes), Mark Webber (RBR), Daniel Ricciard (STR), e os três primeiros colocados do ano passado: Sebastian Vettel (RBR), Fernando Alonso (Ferrari) e Kimi Räikkönen (Lotus) responderam, basta clicar aqui
Quem fez o povo rir na coletiva não poderia ser ninguém mais do que Kimi. Com uma suspeita cara shakesperiana: "Meu reino pelo fim dessa coletiva", e de bônus, uma costumeira resposta sincera do fundo do seu ser. Reparem na reação dos outros pilotos: Lewis rindo contido, Mark nem se esforça muito, mas sabia que dalí viria bomba, Ricciardo observando, Vettel sabendo que Kimi não se importa e já preparou uma olhadela e Alonso definitivamente fazendo o que eu fazia ao ver a cena: rindo litros.
Seja bem vindo, Kimi! :D


Abraços afáveis!

terça-feira, 12 de março de 2013

Com a palavra: Montezemolo


Presidente da Ferrari cobra título mundial de Alonso e diz que Massa voltará a ser útil (Fonte: Folha de São Paulo)

O presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, disse que o piloto espanhol Fernando Alonso deve ganhar pelo menos um título Mundial de F-1 pela Ferrari, após estar a três anos na equipe italiana.
"Alonso sabe que tem que ganhar conosco e nós queremos ganhar com ele", disse Montezemolo em uma entrevista ao jornal italiano "Gazzetta dello Sport", na qual assegura que o espanhol irá cumprir seu contrato até 2015, mas que em 2011 foi prorrogado para 2016.
"[Alonso] está tranquilo e confiante. Fez bem em pular [os testes de] Jerez para se preparar o melhor possível e agora está no melhor momento. Estamos prontos", afirmou Montezemolo.
O presidente explicou que não falou com a imprensa nos primeiros testes "porque tinha que ver o potencial do F138 [novo carro da equipe]". Sobre o futuro do outro piloto da equipe, Felipe Massa, Montezemolo disse que "voltará a ser útil a Ferrari" e deixou aberta a possibilidade de renovar seu contrato até 2014.

Está aí quase meia dúzia de linhas nem um pouco úteis para quem gosta de F1, na verdade.
Sejamos pragmáticos. Quem curte F1, acompanhando corrida à corrida (e mesmo que não leia muitos jornais e notícias a respeito), sabe, sem ter que falar pessoalmente com Fernando Alonso, que o espanhol quer ganhar um mundial com a Ferrari. 
Ele mesmo vem falando isso desde 2010, quando pisou os pés na Maranello. 
Porém, se não é uma razão óbvia, partindo do pressuposto que todo piloto sempre bate nessa tecla toda temporada, mesmo defendendo mais remota equipe propícia a vencer, mudo os comentários.
A reportagem diz claramente: o presidente da Ferrari disse que Alonso DEVE ganhar pelo menos um título mundial pela Ferrari.
No meu planeta, "deve" está no vocabulário dos chefes. Se houvesse um dicionário de chefia, o "deve" e o "se vira" seriam as palavras chaves mais ditas pelos chefes por aí. O "deve" para aquele mais polido, e o "se vira" para aqueles grosseiros. 
Já a expressão "pelo menos um" é baseado na pressão feita. Eu, tenho aquela que Montezemolo implicante como é pensou: se Kimi foi aquele água com essência de limão na equipe e venceu uma vez, Alonso tira de letra um título também.
Só que agora é que os meros mortais tem ferramentas para perceber, que o problema da Ferrari não são os defensores de seus carros. Não há falta de motivação que justifique mal rendimento. O problema é interno, fora do alcance do piloto. 
Mesmo assim, como um bom chefe ele manda. E aquela história de "obedece quem tem juízo" acontece. Só que os que tem juízo pelo visto são poucos. Ainda é cedo para dizer, porém a Ferrari tem o mesmo papo retardado de estar projetando o carro do ano seguinte, enquanto os anos seguintes chegam e eles prometem para o próximo virando bola de neve sem solução. Estou errada? Acho que não: ALONSO: "NÃO DÁ PARA DISPUTAR O TÍTULO DE 2013 FOCANDO APENAS EM 2014"
O problema é que eles vem prometendo o carro do ano seguinte desde antes das mudanças.

Sobre a frase "Estamos prontos", reitero como o comentário acima: Será?
E sobre o futuro do Felipe Massa, é claro que estaria aberto! Depois dos dois últimos anos (sendo boazinha, porque eu contaria pelo menos cinco anos de serviço mal prestado) o que queriam? Contrato vitalício? 
Sinceramente, qual chefe ou, presidente protege quem só faz pequenas lambanças ou as grandes? 
Só o pessoal da Lotus consegue fazer na cara-de-pau, protegendo Grosjean. (Assim, cada equipe com a sua loucura não é? Depois não adianta chorar o leite derramado...)

Abraços afáveis!

sábado, 9 de março de 2013

Uma semana...


Se formos pensar, nem demorou tanto assim.
Agora que estamos prestes a acabar com a off-season é preciso ter mais consistência nos posts.



Como na Globo, a gente se vê por aqui! ^^
Abraços afáveis!

quinta-feira, 7 de março de 2013

Música do dia

Andei meio ausente, mas por um bom motivo. Estou tocando alguns projetos para que 2013 não seja uma perda total. Mesmo que as pessoas prometam coisas para vc, é preciso ter planos B, C...

A música do dia é de uma banda sueca que conheci por acaso via youtube.




♫ ... And you learn
Like a shadow flows in the rain
Like a foreign flame in the dark
Showing you the way
And you learn
What we feel now isn't pain
Just a scent of it is enough
Blinding me with grace ... ♫

Abraços afáveis!!

sexta-feira, 1 de março de 2013

Luiz Razia Não está na Marussia

Peço por favor para que leiam a minha postagem anterior, caso contrario não entenderão o porque do meu comentário, que já aviso antes: não é pessoal.
(Acabo de ver no facebook, então espero não ser zuação, para não dizerem que estou já maltratando o Razia antes de estréia.)



Luiz Razia não estreará na Fórmula 1 em 2013. Nesta sexta-feira, a Marussia revelou que o francês Jules Bianchi fará a dupla titular no Mundial ao lado do britânico Max Chilton.

O piloto brasileiro estava com os dias contados depois de um de seus patrocinadores não ter pago parte do dinheiro que devia à equipe anglo-russa. Anunciado em 6 de fevereiro, Razia não participou dos testes coletivos em Barcelona nem na última semana e nem na atual.

“Nós nos encontramos em uma situação onde tínhamos que encerrar nosso contrato com Luiz Razia", afirmou o chefe da Marussia, John Booth, no comunicado oficial.

Desta forma, Felipe Massa será o único brasileiro no grid da F-1 no GP da Austrália, em 17 de março.

Jules Bianchi, de 23 anos, foi piloto de testes da Ferrari (2011) e da Force India (2012). O francês participou no ano passado da Fórmula Renault 3.5 e terminou na segunda colocação.
***

No post passado, eu citei Jules Bianchi. E citei quem deu emprego pra ele. Acho que até ouvi uns elogios do pseudo narrador e seu ajudante... 
Quero ver agora se terá os mesmos elogios:


Nem vou começar a discutir aquela ladainha do piloto pagante, porque cansa e dá cabelo branco (e estes já tenho muitos, obrigada!)
Mas se Razia ficasse, ele não seria pagante, seria patrocinado. 


Abraços afáveis!