segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Diário de Bordo (parte 2)



Sexta feira, dia 07 de novembro. Cheguei da faculdade por volta da 13:00 horas.
Meu programa do dia era:
- chegar antes da 13 horas e 10 minutos;
- almoçar até pelo menos 14:00 horas;
- ter aulas de guitarra das 14:30 às 15:30;
- não mais do que às 16:00 horas arrumar minhas coisas para viagem;

Nesse meio tempo de meia hora tinha pausa para lavar um cabelo grande (até a cintura quase) e enquanto arrumava minhas "trouxas" (XD) o cabelo ia secando aos poucos naturalmente.
Começou então a jornada quando soube que não teria aula de guitarra. Usei minha uma hora extra para entrar na internet e avisar quem deveria avisar da minha ida à São Paulo.

15:00 hs e estava eu com cabelo lavado em frente o meu armário pegando as roupas da minha irmã e botando na mini-mala. E eu? Ok:
- uma roupa para dormir;
- uma para voltar para casa;
- roupas de baixo para 2 dias;
- kit maquiagem, kit limpesa (desodorante, perfume, sabonete, escova de dentes...) e kit acessórios(brincos, anéis, pulseiras);
- um sapato para o show;
- e a roupa do show...
A última a mais difícil! O povo gosta de se enfeitar. Eu queria ser fã. Queria ir com minha blusa da banda. Mas queria ir com as roupas de roqueira que tenho...

Decidi lá pelas 18 horas que eu devia ser fã. Arrumei minha camiseta com escrito NIGHTWISH passadinha, uma saia e calçado.

Hora de arrumar a bolsa:
- 8 pilhas (minha máquina descarrega pilhas fácil - devia ter comprado máquina à bateria!!!);
- máquina fotográfica indispensável (memória de peixe - preciso registrar o momento!!!);
- ingressos, passagens, documentos da reserva do hotel num envelope seguro;
- lanche para a viagem (XD);
Eram 18:30 e estava tudo pronto. Bastava outro banho e arrumar para jantar e rumar para rodoviária. Olhei para as malinhas... "Como mulher carrega coisa inútil!" pensei... Por mim, bastava ingressos e roupas limpas. Mas enfim...

21:15 Rodoviária de Araguari, Minas Gerais (foto da cidade no mapa). Minha pretenção era tirar foto da rodoviária mas... Em vista da de São Paulo seria motivo de piada. XD
O ônibus vinha de Brasília - DF e seus destino era São Paulo. Parada de 15 minutos para embarque e desembarque em Araguari. Chamado ônibus em trânsito.
Estava eu e minha irmã. Descemos do carro e falamos "tchau" para nosso pai. Nossa mãe foi junto até a plataforma com cara de preocupada, mas estava tudo bem. Tudo daria certo. 9 horas de viagem pela frente. Respirei fundo, falei tchau para Mamis e entrei no ônibus.

Agora sem volta. Roteiro era, dali parada em Uberaba - MG, Pirassununga - SP, Ribeirão Preto - SP e Campinas - SP. No ônibus mal dormi. O banco me deixou torta e meus joelhos latejavam um pouco. Devo ter dormido umas 4 horas tirando quando despertava nas paradas.

Tensa e esfomeada às 6:00 hs entrávamos em São Paulo. Olhei tudo a volta. Me parecia uma cidade comum até que começamos a ver grandes indústrias e empresas e foi. Demorou exatos 30 minutos até a chegada no Teminal Tietê.
Dali mesmo, peguei meu celular e liguei para meu amigo, de Uberlândia - MG que tinha pegado um ônibus mais tarde e de outra empresa, mas que chegaria no mesmo instante. Liguei e uma moça atendeu. "_ Alô, quem fala??" "_ Emanuelle, preciso falar com &%$*@#..." "_ Quem?", responde a menina... Retruquei meio nervosa: "_ &%$*@#" "_ Ainda não entendi... " Desisti e desliguei. Fiquei atônita. O menino não conhecia São Paulo assim como eu. Minha irmã conhece a rodoviária mas como procuraríamos ele com tanta gente ali? Mandei uma mensagem no celular dele avisando em que plataforma estávamos. Esperei um pouco. Vi coisas estranhas nessa hora. Em poucos minutos desceu um cara de um ônibus com uma mochila e uma prancha de surf. Vai surfar onde meu bem? No Tietê? Logo desceu um casalzinho bem gordinhos, de outro "busão", trajando roupas góticas. Eles deviam ser do meu tamanho e a moça tinha o cabelo pink. Normal, pensei. "Estou em São Paulo". Sairam também de outro ônibus (param ônibus a cada 5 segundos lá) freiras beneditinas com enormes malas! ^^

Era hora então de procurar o "&%$*@#", meu amigo. Liguei novamente mudando de código de operadora. E... VIVA! Eram 7:00horas da manhã e ele desembarcava numa plataforma próximo a onde eu e minha irmã estávamos. Rapidamente nos encontramos, fomos no banheiro (R$1,00 o banheirinho...) que estava lotado de peruas e criaturas vaidosas... Custamos a sair. Queria comer...Um leite com achocolatado cairia bem. E foi isso mesmo. Em menos de meia hora já estávamos os 3 mosqueteiros a bordo de um táxi. Rumo a Rua Funchal número 281. Hotel Estamplaza.

É duro ser caipira. Ainda mais ser caipira que detesta cidade grande. Foi 26 minutos do Terminal Tietê até a Rua Funchal. E minha cara era a mesma em todo o caminho. Boca aberta e cara de "ããh"... O pensamento era: "eu sobrevivo até domingo?" Depois de passar pelo túnel Ayrton Senna eu mudei meu pensamento: "será que chego viva no hotel?"... Pode parecer piada mas aqui só se anda a mais de 80 km por hora em estrada. E no táxi em cheguei a mais de 100 km.

Enfim eram pouco mais de 8 horas quando já haviámos feito o check-in no hotel. Décimo terceiro andar do prédio. Subimos e exploramos o território. XD

Foi uma bela sensação quando cheguei na sacada. Tudo parecia enorme e minúsculo ao mesmo tempo. Uma suposta sensação ruim que se tem em lugares altos sumiu. Era mesmo uma visõa bonita. Eis as vistas do décimo terceiro andar:



Saimos então as 8 horas e 40 minutos. Vamos procurar uma lugar para almoçar e ver onde era o Via Funchal - local do show. Andamos por alguns minutos na rua contrária ao Via Funchal. Encontramos inúmeros condomínios. Não poderia ser uma bairro comum. Nele encontramos algumas lanchonetes e um restaurante japonês. Voltamos e pouco antes de passar pelo hotel, num dos prédios havia um cara agachado no chão de costas... Meu amigo então chamou a atenção minha e de minha irmã para um "cofrinho" amostra que ele denominou de "cofrinho moicano"... O tio estava a pagar o "cofrinho" em frente uma rua bem movimentada. E não era um mero cofre. Era um cofre traumatizante. XD

Durante o tempo que se seguiu ele seria lembrado mais vezes durante o dia. Meu amigo ainda sugeriu uma perda de apetite para um almoço que estaria prestes a acontecer mais tarde. Encontramos passando pela porta do hotel 5 mocinhos com a camiseta do Nightwish. "E aí amigos, o Via Funchal é pra lá?" ... "_ É sim!"

Dobramos a esquinha e umas 30 pessoas estavam numa suposta fila em frente ao Via Funchal. Fomos até a esquina, voltamos e sentamos em frente o Hotel Mercure. Nesse hotel estava o Nightwish. Olhei lá pra cima a procura de um fio de cabelo hahahahaha... Nada. Um cara que vendia bandanas e munhequeiras sentou do lado ao conversar com um outro que vendia camisetas e comentou que hoje entraria no show para ver Nightwish. Soube que no show do dia 07/11 Anette tinha cantado a música"Wishmaster" muito bem e ele achava que aquela música era a prova de fogo dela para mostrar-se melhor que a antiga vocal. Fiquei bem empolgada ao ouvir isso, embora eu ache a música legal não amo de paixão como a maioria.

Logo o segurança do hotel veio e pediu educadamente que a gente não se sentasse na porta. Aceitamos e minha irmã perguntou de bons restaurantes por ali perto. Ele foi educado e respondeu mais ou menos o que queríamos. Meu amigo perguntou: "_ A banda está aqui no hotel?" E o cara, respirou fundo e disse um "Não sei..." mais cheio de SIM que já tinha ouvido na vida! XD


Voltamos para o hotel. Estava muito cansada. Era pouco mais de 9:30... Procuramos coisas nos canais. Nada de bom... E eu cansada. Cochilei até 11:40 numa cama macia...
(continua parte 3)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Diário de Bordo (parte 1)

Pretendo, hoje, começar a fazer um relato sobre meu último fim de semana dias 07, 08 e 09 de novembro de 2008.

Para não parecer muito sem sentido vamos começar no ano de 2002. Foi exatamente nesse ano que tomei por completo conhecimento de uma banda finlandesa chamada Nightwish. Antes disso sabia única e exclusivamente o nome da banda e algumas músicas. Em 2002 pude ver a cara de seus músicos e junto passei a ter acesso a mais músicas deles.
Nunca fui muito fã de vocal feminino no quesito metal. Mas o som da banda pra mim era muito intenso e procurando mais sobre, atenção me provocou uma reação mais intensa em relação às letras do compositor e tecladista Tuomas Holopainen. Em 2003 comprei o primeiro dvd gravado pela banda e no ano seguinte outro dvd também estava em mãos junto com o cd Once, lançado no mesmo ano. Logo antes do fim do ano tratei de completar minha discografia. Era então em 2003 assumidamente fã de Nightwish.

Infelizmente depois do álbum Once ser lançado em 2004 e depois do Evanescence surgir do nada fazendo Nightwish parecer cópia (tremendo absurdo por sinal) , Nightwish tornou-se moda entre os jovens. Coisa que até hoje me irrita tanto quanto dizer que a banda se encaixa no estilo "gotic metal". É metal sinfônico. E era com vocal lírico. Só.

Em 2005 a banda completaria 10 anos de estrada. Com isso, teria um dvd comemorativo em outubro. Na época vieram ao Brasil no início do mesmo mês, no festival Live 'n' Louder, que contou, entre muitas bandas, com a presença da banda alemã Scorpions.
Eu não fui. E semanas depois, logo no fim do show do dvd End of An Era na capital Helsinque, saia no site oficial uma carta de demissão direcionada a vocalista lírica Tarja Turunen. Foi entregada à ela ao fim do show pelo "dono" da banda Tuomas e assinada pelo baterista Jukka, guitarrista Emppu e pelo baixista e segundo vocal Marco. Era o fim de uma era, como o título do dvd sugeria. Tarja estava fora (foto abaixo).
A banda estava no auge do sucesso. Muita coisa podia ter ocorrido para que levassem à essa decisão. Perderiam muitos fãs fanáticos pela vocalista, que não pestanejavam em tratá-la como deusa. Eles arriscaram porque realmente não aguentaram mais os problemas com ela. Eu arrependi de nunca ter ido à um show.
Assumi a idéia de que poderia ser o fim da banda. Anunciaram que estavam a procura de uma nova vocal. Mesmo assim preferiria que eles continuassem com Marco como vocalista. Definitivamente sou apaixonada pela voz dele. Mas eles, especialmente Tuomas, queriam vocal feminino. A banda teria então uma nova cara... Mas quando? Mudaria o estilo? Até que ponto?
Foi um ano e meio se notícias grandes deles. Apenas um novo cd saindo ainda sem vocalista definida. Recebiam mil demos com vocais de todo o mundo. A nova banda teria nova cara em 2007 (foto acima).
A sortuda (se é que pode chamá-la assim - foto abaixo -) nova vocalista foi anunciada em 2007 quando lançou o single Eva para o álbum Dark Passion Play. A vocal seria uma sueca de nome Anette Olzon.
Diferente da Tarja, Anette conquistou-me pela simpatia. Parecia-me muito simpática, mas em suma precisava vê-la ao vivo. Adorei o álbum novo, mas nem tudo poderia ser encarado tão sem crítica assim. Era o mesmo som metálico e sinfônico, as mesmas belas letras de Tuomas, e com uma voz feminina mais limpa. Mais à tom hard rock.

2008 então e é dada a notícia que Brasil teria uma mega turnê. Conversei com um amigo e as coisas caminharam de forma rápida para que eu fosse no show. Combinamos e mandei uma colega de minha irmã comprar os ingressos em São Paulo para o show do dia 08-11.

Em junho eu tinha recebido meus ingressos de camarote (comprei contando com o $ de poupança), meu e da minha irmã e um de pista de meu amigo.
Os meses que se seguiram foi só por conta de organizar o hotel, e as passagens e combinar com minha irmã e com meu amigo a ida à cidade de SP.
Fiz a reserva no hotel Estamplaza na rua do Via Funchal, sete minutos de lá. Uma semana antes do show comprei passagens de ônibus (meio falida para pegar avião).

Definitivamente estava a caminho de ir no show. Feliz, mas receosa por algo dar errado não consegui empolgar muito até o dia 07-11. O dia da viagem.
*Continua parte 2...*

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Responder o quê?


Eu não sei quanto aos homens, mas as mulheres tem uma mania irritante de pedir conselhos.

Ok. Confesso que conheço homens que pedem conselhos também. Alguns até já me pediram, mas ainda assim foi mais fácil responder algo do que quando MULHERES pediram conselhos.

Tenho 21 anos. Pela minha concepção, são muito pouco para me tornar uma criatura propícia para "dar" conselhos. 21 anos não significam experiência. Não no meu caso.

Temas variaram em relação as coisas que tive que ouvir e opinar. Prefiro dizer que é "opinar" até mesmo porque conselho só se encaixa por determinada ocasião igual ou apenas semelhante a qual passou.

Seria constrangedor relatar os temas que já tive que dar uma resposta seguida da apocalíptica pergunta: "_ O que você acha???"Mas posso dizer que eu já ouvia coisas que eu nem pensava que alguém ia me perguntar...

O que passa em minha cabeça é sempre a mesma coisa, quando o tema é cruel: "_Sei lá!!" Outros eu visualizo a cena e mando ver na resposta com início de "eu acho...".

E lá se vai a mania de dizer a melhor coisa que pode, porque o "sei lá" é um tanto mal educado.

Algum tempo perguntei à minha irmã do porquê as pessoas gostam de me contar certas coisas.

Primeiro ela disse que acha que sei ouví-las bem e por isso me procuram. E eu sei dizer, quando acabam de contar, o que elas querem ouvir.

Aí que está. Concordo que sei ouvir, mas quanto a saber o que a pessoa quer que eu fale, é difícil. Consegui isso umas duas vezes quando amigas ( já as conhecia a algum tempo), tiveram problemas com seus relacionamentos. Resolveu? Sim, com uma delas. A outra, muito orgulhosa, me fez falar as coisas sinceramente e daí acabei, no fim, não falando o que ela queria ouvir exatamente. Ela saiu do relacionamento, arrumou um novo namorado e até hoje não solucionamos o passado com o ex. Acertei num ponto: falei que o problema era com ele e não saberíamo solucionar se ele não se abrisse. Ele não conversou com nenhuma de nós e deu no que deu.

Obviamente não sou um ser sábio que tem frases lindas daquelas de colocar no diário, agendas e afins, e ainda com uma moral como contos de história.

Outro ponto que acho que sou procurada é que me preocupo com a vida dos que me cercam. Daí perguntar: "Oi, como vai a vida?"; desencadeia uma série de: "nada bem!". Meu segundo erro: não fugir do assunto e ficar preocupada com a gravidade do "nada bem!"...

Hoje foi isso. Mais uma vez a Manu foi procurada para resolver a vida difícil amorosa de alguém. Hoje um relato sobre relacionamento recente (muito recente) se seguiu e sobrou a mim dar uma resposta para resolver o impasse.

E respondi "não sei"pela primeira vez, talvez. Não conheço a garota tão bem a ponto de saber o que ela quer ouvir. Ela entendeu o meu lado e perguntou outra questão: se fosse o mesmo cara só que se declarando para mim, o que eu diria?

Queria que minha mãe não tivesse me educado. Nessa hora queria ser uma estúpida mesmo. Vejam bem... Devem fazer pelo menos 11 anos que ouço: "o que você acha???" E lá foi eu pensar e na cabeça aparecer os letreiros: "olha minha filha, se um cara desse me coagisse dessa forma, de duas uma - ou eu saia correndo ou responderia não!" Desculpe mas não fui com a cara do menino. O argumento dela foi "entenda meu lado: eu estava carente!E agora ele parece querer algo sério..." Como então, eu responderia que ela merecia algo melhor sendo que com isso ela se sentiria um zero à esquerda? E como eu falaria: "Carente? Olha nem se eu tivesse subindo nas paredes..." Apenas perguntei: "você gosta dele?" E a resposta imediata foi: "não, acho que não!"

Ora, porque deu esperanças ao indivíduo? Mas não perguntei. Preferi dizer: "conheça-o melhor e deixe que o tempo responda sua incógnita..."

Se fosse o contrário, eu aceitaria essa resposta? Definitivamente não.

O tempo tem sido cruel em certas partes. Se a palavra fosse "circunstâncias" daí declararia guerra mesmo. As circunstâncias propícias aparecem para os outros. O tempo anda ao meu lado, mas sempre que pode, põe o pé na minha frente para tropeços. Nem por isso perco a lógica. Levanto e sigo. Uma hora ele vai errar e vai voltar a ser um amigo menos sacana.

Mesmo assim. Se eu soubesse uma resposta boa para ela, acho que eu teria uma situação melhor pois teria resolvido as minhas dúvidas também, não??

O pensamento que fica? "Querida: deixa acontecer... Minha bola de cristal quebrou! E não encontro quem conserte!"


Bjos a todos!

sábado, 1 de novembro de 2008

Snuff

Essa semana era para ser diferente. E foi. Mas não no sentido positivo. Uma semana antecedente à decisão de Fórmula 1(ano passado no GP do Brasil eu estava mais empolgada com esse evento, hoje assistirei treino e amanhã corrida porque será a última do ano mesmo).
Não tive aula na segunda, nem na quinta. Uma semana atípica.
Nada diretamente comigo aconteceu. Aconteceu com uma pessoa que definitivamente é uma das minhas melhores amigas. Estou confiante que seja só uma maré de azar (se é que isso existe), ou porque ontem foi dia das Bruxas e daí a "bruxa" estava solta. Mas quero muito que as coisas resolvam o mais rápido possível para ela. Ela merece muito.
Meu sábado estava condicionado a ser um razoável sábado, mesmo com uma coisa chata acontecida ontem. E fiz as visitas de sites rotineiras para que eu pudesse dar continuidade à um trabalho que tenho para quarta que vem.
Fiquei muito chateada ao que li num blog que gosto muito de comentar lá. Eu já relatei aqui que detesto injustiças e ressalto: detesto que falem mal de pessoas cujas quais mal se conhece. Muita gente mal tem o privilégio de conhecer a si mesmo, quanto mais conhecer o outro!
Fiquei chateada. Por mim. Pela humilhação indireta por ter sido tratada com descaso. Por pensar que estou a defender pessoas que não sabem da minha existência, mas faço isso em nome do altruísmo e em base aos meus ideais.
Eu tenho opiniões diversas sobre muita coisa. Eu poderia me rebaixar ao nível de muitos e apontar os defeitos que eu vejo como discurso, lá nesse blog. Mas eu sempre fui a favor de ponderar palavras e parecer amigável. Levei uma rasteira. Brincar é muito saudável, ofender requer desculpa.
Muita gente sempre diz que se eu continuar na bondade que eu sempre sigo como meta eu vou sofrer a vida toda.
Fico ainda mais pesarosa ao ver que no caso talvez eu seja estúpida mesmo em querer definir e apresentar meus pontos de vista. Não vou mudar as mentalidades por aí. Quero só definir o que tenho de melhor: adoro o pessoal do blog. É só isso.

Como prometi queria deixar aqui a música da qual comentei do novo álbum do Slipknot. É uma bela junção de bela voz com boa melodia. É bem mais calma que as demais postadas antes. ^^ Aqui vai o vídeo com a letra e em baixo segue a tradução.
Ainda não li muita coisa sobre a letra em si. Sei que o vocalista Corey Taylor, é o autor. Pela minha vã interpretação ele relata sobre sua ex-esposa, que parece ter um significado amplo na vida dele, mas hoje já não estão mais juntos pelo que dizem.

Enfim a música:

Snuff - Slipknot


Tradução:
Enterre todos os seus segredos na minha pele
Desapareça com inocência, e me deixe com os meus pecados
O ar ao meu redor ainda me parece como uma gaiola
E o amor é apenas uma camuflagem para o que parece ser raiva novamente...

Então se você me ama, deixe-me ir.
E corra para longe antes que eu saiba.
Meu coração está escuro demais para se importar.
Não posso destruir o que não está lá.
Me entregue para dentro do meu destino -
Se estou só, não posso odiar
Eu não mereço ter você...
Meu sorriso foi tomado há muito tempo atrás
Se eu posso mudar, Eu espero que eu nunca saiba

Eu ainda pressiono suas cartas junto aos meus lábios
E as mantenho em partes de mim, partes que aproveitaram cada beijo
Eu não pude encarar a vida sem a sua luz
Mas tudo isso foi tirado... quando você se recusou a lutar

Então poupe o seu folêgo, eu não irei escutar.
Eu acho que fui bem claro.
Você não poderia odiar o suficiente para amar.
Isso deveria ser suficiente?
Eu apenas desejo que você não fosse minha amiga, então eu poderia te machucar no final
Eu nunca declarei ser santo...
Meu interior foi banido tempos atrás
Isso custou a Morte da Esperança para deixar você ir

Então se quebre contra as minhas pedras
E cuspa sua empatia na minha alma
Você nunca precisou de nenhuma ajuda
Você me vendeu por inteiro para se salvar
E eu não ouvirei a sua vergonha
Você fugiu... São todas iguais...
Anjos mentem para manter o controle...
Meu amor foi punido tempos atrás
Se você ainda se importa, nunca me deixe saber
Se você ainda se importa, nunca me deixe saber...

Deixem suas opiniões (que serão sempre bem-vindas!).
Abraços e até a próxima!