quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Postagem especial: 11 anos do Blog

Salve amigos e amigas,

Acho... Não. Tenho certeza que fui negligente com esse blog nos primeiros 15 dias do ano. Tanto que dia 7 de janeiro, esse humilde blog fez 11 anos de atividade e não soltei sequer uma notinha...
O último ano, pobrezito, ficou mequetrefe em questões de postagens. As atividades acadêmicas me tomaram tempo. Até pareceu que eu estava fazendo uma nova graduação. Mas não. Apenas ocupei meu ano com muito estudo. Tá certo que em casos cruciais, foi em vão, mas só no imediato. Conhecimento adquirido ainda pode ser útil algum dia.

2019 começou diferente de 2018. Enquanto eu esperei que alguma coisa viesse ao meu encontro, dessa vez decidi precaver-me de possibilidades para, quando as oportunidades surgirem, eu não ficar pensando muito nelas e agir. 
O fato de querer fazer o que me faz feliz, me fez perder um ano inteiro. Não sou nenhuma planta para ficar plantada. E não tenho mais idade para ficar esperando algo descente. Ainda mais nesse país de .... Bem, vocês entenderam.

Essa foi a única mudança em 2019 na minha vida. De resto, tudo conforme o de sempre. 
Ao contrário do que a histeria ensurdecedora de um pessoal por aí, meus amigos mais "vermelhos" não foram presos injustamente ou torturados por alguma razão considerada amoral pelos reaças. 
Bom sinal. Já estava começando a acreditar... 


Brincadeiras ácidas (ou não...) à parte, a questão de 2019 passou a ser que nem uma professora minha do ensino fundamental dizia. Em sala de aula, ela dava um exercício - de português geralmente de sintaxe (algo que a geração de hoje, nem sabe o que é) e depois  de um tempo, de redação e interpretação de texto (quando isso ainda era levado a sério nas escolas) - e dizia:  "Mexam o doce!" e ia de carteira em carteira falando algumas dicas e relembrando pontos cruciais da matéria, em voz alta.
Então, junto com os playoffs da NFL comecei a "mexer meu doce". Se vai dar resultado positivo ou não, meus queridos, o que importa é que eu fiz o que a dona Maria do Carmo também dizia (e ainda deve dizer, para seus alunos): "Cola a bunda na cadeira e vai estudar".

Orações ajudam. Mas só para pedir forças e paciência. Nos livrar das interrupções por distração. Ou negociar uma chuva para refrescar o clima e nos tornar mais dispostos. Sem esforço, nada cai do céu. Só para quem tem o rabicó virado para a Lua.


Não é meu caso. Parece que quanto mais eu observo o sucesso dos outros, muitas vezes obtusos demais para perceberem o quanto deveriam ser gratos pelo que tem, mais eu encontro o chamado fundo do poço. 


Até poderia aqui, soltar meus cachorros em alguns seres que, por sinal, reclamaram o ano todo, em especial nos meses eleitorais, sofridos com "vamos morrer, vão nos matar" e estão todos pimpões curtindo viagens caríssimas. Crise, né? Vamos morrer, sim?
Não percebem o quão ofensivos são. Assim, eu percebo, e sigo magoada, pois eu leio tudo isso num sentimento de ser tão inútil que não posso ter essa vida boa... Por isso, não vou soltar os cachorros. Vou só "deixar estar"...

No fim das contas 2019 parece que vai correr mais rápido que 2018. Se der tudo errado (de novo!), ao menos, passará rápido. Se algo der certo, é lucro. Sim, "tudo" na primeira sentença de cunho negativo, e "algo" na segunda, positiva. Já disse para vocês que 2019 não será ano de planos, mas já entrei nele com a cabeça aberta de que, se surgir 10 oportunidades de dar uma virada na minha vida, serão 10 possíveis coisas que darão errado. 
Se uma der certo, aí sim é novidade. As 10, é milagre.
E não é pessimismo, é realismo. 


Sem mais delongas, creio que todos estão curtindo férias ou momentos de ócio saudáveis. E isso é formidável. Apesar da minha correria, estou tirando minutinhos para dedicar recadinhos ou respostas à quem merece. Nem sempre obtenho retorno, mas estou evitando de achar que possa ser pessoal. 

Tirei uns minutinhos da manhã para fazer a nota de aniversário do blog. São 11 anos, 1387 postagens publicadas 316.217 visualizações. E tudo, para quem acompanha as minhas loucuras e palpites (muito provavelmente) infundados sobre F1, música, e em menor escala, NFL, filmes e livros. Obrigada pela paciência de todos vocês!!! É sempre formidável poder compartilhar umas (ainda que bestas) opiniões em forma de texto e ter um feedback positivo. Não imaginei que chegaria aos 11 anos desse espaço.

Abraços afáveis! (Prometo voltar, e será logo, podem acreditar em mim, rsrsrsrs...)