sábado, 31 de dezembro de 2016

Feliz 2017

Sendo piegas ou não, resoluções de fim de ano não devem ser apenas promessas da boca para fora, mas objetivos a serem cumpridos. Estou vendo por aí pessoas contando com um pote de vidro e papeis coloridos com metas para cada dia do ano. Na boa? Na hora correria, criatura estressa e joga papel para cima, que eu bem sei.

No ano passado fiz o mesmo discurso.  Mudando só o ano, de 2016 para 2017, as premissas para qualquer ano são as mesmas:

Que em 2017 não tenhamos fanatismos absurdos, nem discussões improdutivas. Silêncio pode ser sua melhor arma. Antes de dizer bobagem, pondere. Acho que todo mundo irá agradecer. Depois de 2016, já dá para acrescentar: vimos bem que, ao agirmos como burros e hipócritas, a circunstância só gera desconforto, quiçá o começo de inimizades. Tenham piedade: parem de ingenuidade, e sejam animais racionais.

Que 2017 a gente vá para as academias para ficar saudável e não com o corpo para exibir-se. Acrescento: o fitness é legal, e tudo. Mas o tal do negócio, "não como isso, nem aquilo" e ainda só falar em dieta e cobrar dos outros que façam exercícios físicos, transforma esse alguém em um totalmente inconveniente, quando não totalmente chato.

Que 2017, tudo que lhe for cobrado no trabalho, fique pronto na hora, bem feito, e entregue com sorriso nos lábios. Se você faz o que não gosta, não desconte nos outros, uma pessoa certamente pagou por isso ou entrou no estabelecimento, precisando dos seus serviços. Não faça pouco caso, só porque seu chefe exigiu que você atendesse tal pessoa, ou está passando por problemas que indicam que você quer só gastar seu tempo, em bares. Acrescento: em tempos de crise política (e financeira, apesar de ver muitos de vcs aí nas praias e resorts) ter um emprego é de agradecer de joelhos e mãos postas.

Que 2017 ninguém aproveite para arrumar desculpa pelas insatisfações da vida: se é culpa do governo, ou da oposição, do vizinho de mesa ou do colega de sala, não importa!... Pelo menos 95% das coisas do ano dependerão única e exclusivamente de você, lembre-se! Esse ponto nem precisa de acrescentar algo... Né?

Brinque com as coisas. Faça o que gosta, o que tem vontade. 
Comece um livro novo a cada mês. Assista um filme em um fim de semana para relaxar. Ouça o disco da sua banda favorita sozinho (e com fones de ouvido) nos dias mais tensos, daqueles que todo mundo te tirou do sério. 
Evite reclamar, isso só atrai coisas piores. 
Estude, pense, viaje, curta momentos de lazer, nem que seja um passeio num parque ou uma caminhada em uma rua pouco movimentada: Essas coisas mais simples - e até algumas, gratuitas - tornarão o que faz da rotina do dia-a-dia, pelo menos, menos caótico. 
A premissa principal foi a mesma para o ano de 2016 e ainda é para 2017: para ser um bom ano, comece por você e espalhe a boa vontade. Deixe as pessoas seguirem suas religiões, suas orientações sexuais, suas opções de escolha recaírem desde o contato com o político corrupto até o casamento com alguém da qual não se gosta - apenas, acostumou. Há coisas que não nos diz respeito. Mas respeito é algo que  precisamos ter e precisamos mostrar. 
Percebe-se que a vida é curta demais para gastar com coisas supérfluas. Deixe todos viverem da melhor forma que acharem. Só intrometa se alguém pedir conselho ou ajuda. E dê apoio, mesmo quando discordar de algo. Não adianta querer "mudar o mundo", se você não aceita que alguém queira te mudar.

Aos amigos, familiares e leitores: que vocês tenham um 2017 produtivo. Que tenhamos saúde e força para fazermos tudo que está planejado já no começo do ano que inicia. Que saibamos controlar o nosso tempo para que a gente não se atrapalhe tanto nos afazeres necessários para prosperarmos e que seja rechonchudo de coisas boas!
Feliz Ano Novo!


Abraços afáveis e (rsrsrsrsrsrs) até o ano que vem!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016

Para um ano que teve muitas coisas ruins, até que passou bem rápido.
Sentada aqui para produzir um pequeno texto de resumo do ano, não me pareceu simples, já que existe muito pouco a ser contado, mas vamos lá:

*Janeiro:

Olhando as postagens deste mês, fiz mudanças no layout do blog, comemorei 8 anos do espaço e comentei sobre NFL. Cheguei inclusive a sofrer, por antecipação (e depois descobri, que o sofrimento foi sem necessidade), sobre o Denver Broncos nos playoffs da NFL. De qualquer forma, foi no fim do mês que eles conquistaram o título da AFC no dia 24 de janeiro.

*Fevereiro:

Em fevereiro foi o mês de comemorar a vitória do time no Super Bowl 50. Coisa mais linda de se ver! Fiquei realmente feliz, como vocês podem imaginar.
Neste mês também iniciei tag diversificadas, para não passar estritamente todo ano tentando falar de uma Fórmula 1 que tinha sido particularmente ruim no ano anterior. As tags que ainda estão precisando completar são as de filmes e música, que acabei por optar fazer cada "desafio/pergunta", um post diferente.

*Março:

Este mês 3 do ano marcou com as tags musicais e cinematográficas, e meu post sobre versões de músicas "clássicas" também voltou. 
Em 2015 eu arrisquei um post sobre filmes e as músicas deles. Foi em março que dei continuidade nessa proposta da qual eu faço essa união de filmes mais trilha sonora para trocar umas ideias e dar umas dicas.
No esporte, a temporada da F1 teve seu início com o GP australiano e a razão número 1 de começar a assistir NFL e torcer para o Denver Broncos, decidiu se aposentar: Peyton Manning faria muita falta em campo - só não achei que seria tanta falta!...

*Abril:

Seguindo as postagens de filmes e músicas, segui com os comentários de F1. Dois GPs nesse mês, o de Barein e da China. Foi neste mês também que eu devo ter começado os meus "hiatus" no blog: devido ao meu último ano de mestrado, minha dissertação estava começando a tomar corpo, e entre leituras e estudos na biblioteca da faculdade, a cabeça começava a ficar cheia de outras coisas.
Em abril,postei pela primeira vez sobre a minha incapacidade de entender a postura política de uma maioria - letrada, por incrível que pareça - de amigos, colegas e conhecidos de redes e convívio sociais. E esse embate já dava indícios de não ter fim...

*Maio:

Tanto que o embate não não teria fim (como parece que não terá), como teimou em me importunar inclusive no meu ambiente de estudo. E olha, senhoras e senhores: eu trabalho com literatura de fantasia e estética da arte. Mas universidade é aquele ambiente onde esses levantes de manifestação e militância estão mais latentes. Mal sabia eu que, apesar de apelar para o "tomara que nunca mais eu volte a falar disso", eu sofreria com uma greve e paralisação  na universidade, dada uma suposta "indisposição com o governo" por parte de funcionários e a "elite intelectual" dos professores e pesquisadoras. Mas não era nada mais que incompetência generalizada de muitos indivíduos que se dizem a favor de melhorias da sociedade mais comum - ou seja - a classe baixa. Sei. No fim das contas, é exatamente a classe mais baixa, que ainda peleja por alguma bolsa ou projetos de extensão junto com trabalho e talvez até família para lidar, é que é prejudicada com esse "cruzar" de braços. 
Em maio, mês das noivas, não só insisti em comentar a F1, na esperança de algum dia assistir a algo novo e empolgante como também arrisquei mais outro post com fotos de belos homens. Até que houveram 30 visualizações, mas nenhum comentário, o que leva a crer que, se existe público feminino nesse blog, elas são bem reclusas...

*Junho:

Mês do meu aniversário, não postei nada relacionado à data, a não ser uma lista de coisas que eu queria ganhar, mas não tinha coragem de pedir. Sobre a data em si, ficou apenas, no ar...
Segui com a F1, as tags e com algum outro post extra. 
No campo dos estudos, eu já tinha terminado de ler Foucault e Levi-Strauss.

*Julho:

Mês de um bom frio, conteve apenas 7 postagens. As coisas do mestrado já começaram a sair dos rascunhos para irem para textos longos e complexos. Havia muito a ser feito e já havia começado a por em prática. Como resultado disso, apenas a F1 teve posts com datas marcada: o comentário da corrida na segunda, e as fotos do fim de semana de GP publicados entre terça e sexta.
Uma única postagem sobre versões musicais e já estávamos a caminho de agosto (quando realmente, eu comecei a perder a noção do tempo...)

*Agosto

Apesar de bem mais postagens que o mês anterior, agosto foi o mês de férias da F1 com um GP na Alemanha no começo dele e o da Bélgica no fim. Neste meio tempo, aproveitei para adiantar minhas tags de cinema e música, mais posts especiais.
Neste mês a "presidente" Dilma Roussef sofreu Impeachment e deixou o país nas mãos de seu vice Michel Temer - razão um pela qual não votei nessa mulher nem em seu antecessor é as companhias dela, além deles próprios como pessoas. (O segundo motivo era a sua proposta de mudanças na previdência social - que hoje, começando a ser colocada em prática, é "coisa do Temer"... ¬¬')

*Setembro:

Mais dois GPs comentados e a F1 soava que teria finais menos "boring" que os anos anteriores. Foi em setembro que soubemos da aposentadoria de Felipe Massa, e eu, assim como muitos, prestei o meu respeito para com ele, dada as minhas possibilidades. Eu peço que leiam a postagem - que eu não modifiquei desde aquele dia 01 de setembro - para lembrarem do que afinal de contas, aconteceu agora, no mês de dezembro: Massa se aposentando
Sabendo que eu simplesmente acertei na mosca, aviso que eu faço algumas previsões todos os anos e alguns são tão óbvios, que dá até para exigir dinheiro e me tornar uma Mãe Manu, a Profetisa.

*Outubro:

Neste mês eu deveria estar entregando minha dissertação para uma avaliação boa que me permitisse uma qualificação em algum dia dos meses seguintes. O que se deu foi um rompante de coisas "erradas" no texto que, indicadas para serem modificadas, me causou um tanto bom de raiva com o trabalho no fim do mês: uma que as mudanças tinham de ser feitas depois de um trabalho duro com leituras que não quis, mas fiz. Duas que as mudanças vieram a ser avisadas em um tom que eu, não achei legal. Os alertas foram feitas para uma pessoa alheia ao meu trabalho primeiro, para depois que "a ficha caiu" para meu professor. E o pior é que a minha ficha "estava caída e a ligação completada" - o que eu não podia fazer era contradizer a pessoa que ainda estava "na linha".
No meio tempo, no blog só se dava conta de F1. E olha que a NFL já tinha iniciado a temporada no mês anterior e meu time, de quarterback novo e simpático, estava com quatro vitórias e zero derrotas, tendendo a perder a primeira partida sob o comando de um quarterback recém draftado.
Sorte de um lado, azar no outro!

*Novembro:

Em novembro só restaria mais duas etapas da F1: Brasil e Abu Dhabi. Na iminência de ver um novo campeão mundial na categoria, Nico Rosberg, eu quase temi que a F1 e a Mercedes, costurasse um jeito de fazer o "mega-chato" Hamilton se vangloriar de um tetra campeonato. Felizmente, errei bem.
Nico foi campeão pela constância e paciência. Venceu quase que sozinho, apesar de uns loucos quase estragarem tudo nas últimas corridas.
Neste mês, pouco fiz pelo blog: um mês de trabalhos e eventos na universidade que tinha, a poucos dias, decretado greve por conta das decisões de cortes de gastos na educação e na saúde promovidas pelo vice da chapa da redentora do Brasil. Até aqui, o antecessor e ela, são acusados de inúmeros crimes, mas só o que se ouve e lê é "golpe", "ele/ela não cometeu crimes"... E assim seguimos. Com a universidade parada, a burocracia que já era lenta, ficou às moscas, completamente. Mesmo assim, o mês foi o que menos teve postagens no ano - apenas 6.

*Dezembro:

Com a dissertação colocada nos meus eixos, parei tudo, por conta do cansaço e do calendário do orientador - com outros alunos mais importantes na fila.
Mesmo assim, o blog não deu uma arrancada: em dezembro, decidi ler coisas leves, assistir uns joguinhos de futebol americano tranquila - e isso me estressou de uma forma gigante, pois, meu time, começou com um barco ajeitadinho, que veio naufragando aos poucos. Resultado: estão fora dos playoffs, na iminência de cairmos no abismo escuro em que se encontram times como San Francisco 49ers e Cleveland Browns. 
A F1 finalizou a temporada, a dança das cadeiras teve pouco arranque, mas ficamos sem dois dos pilotos brasileiros: um por aposentadoria e o outro por falta de incentivo e contrato. Uma semana depois de se sagrar campeão mundial, Nico Rosberg pegou todos de surpresa - inclusive a sua equipe - anunciando aposentadoria e mandando um salve para os fãs e um palavrão para os inimigos ous os puxa-tapetes. Assim, a vaga na equipe Mercedes ficou aberta e agora o que temos é a volta dos que não foram: Massa que decidiu em setembro aposentadoria, está faltando apenas a confirmação da Mercedes, para tomar o lugar deixado por Valtteri Bottas, na Williams (parece piada, mas eu repita várias vezes, mentalmente: "não é!").
As coisas ruins no campo social, político e do entretenimento, teimaram em acontecer: Corrupção, hipocrisia, crimes, tragédias, guerras, mortes. Para a gente, só coube pensar no caos e esperar por melhores notícias - embora a mídia saiba que a desgraça alheia e o pânico generalizado é o que vende... 

Nisso, dezembro vai para o sétimo post do mês: este. Virá um com as perspectivas de 2017 e um desejo de bom ano. 
Mas isso, fica para o oitavo post. ;)

Abraços afáveis!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Drops pós Natal


Drop 1: No último drops antes do Natal eu falei sobre a possibilidade de retorno de Felipe Massa à F1, depois de toda uma comoção com sua aposentadoria, "oba-oba" das demais equipes prestando respeito e uma boa e grande galera se sentindo caridoso e aplaudindo ele junto com os pachecos (que a gente já sabia que "babariam ovo").
Eu, que não duvidei que fosse apenas boato e muito menos duvidei de que ele aceitaria a proposta, prometi que falaria muito. Então, pelos drops de hoje, antes de 2017, já inicio o processo:
Mercenário, covardão, chato, caçador de holofotes!
Rótulo de corajoso e blábláblá? Não. Rótulo de "Campeão por 27 segundos e Aposentado por 3 meses". Isso sim é digno de palmas. 


Ele se precipitou, porque ficou com medinho de ter que se humilhar por carro na categoria -  um mero ex carregador de saco de batatas que é - e decidiu aposentadoria só para garantir elogios pela decisão "sábia" e para prepararem todo o esquema de "homenagens" e holofotes.
Coragem amigos, é a do Rosberg, ou até mesmo a do Button, que se pode ter suas altas ressalvas particulares com os dois - mas um veio, pegou o que queria e chutou a bunda de quem pisou na sua cabeça por muitos anos e o outro, esperou pelo menos, até o último momento, para dizer 'tchau", e sai com um título no bolso, muito bem conquistado.
Agora aguardem, porque se Massa voltar mesmo para a Williams; se segurem que ele vai tomar pau do tal Lance. Ah se vai!


Drop 2: Apesar de Massa estar com o possível contrato com a Williams, a Mercedes ainda não assinou com Bottas. Duas coisas ruins disso aí: 
a) A Williams trocar Bottas e resgatar Massa é o fim, hein? Realmente não tinha outra opção?
b) E coitado do Bottas. Será pisado como Rosberg foi por o quê, cinco anos? Os últimos 3 foram piores, com certeza. 
Bottas é um piloto de talento. Um cara que, se dado as melhores condições, pode ser grande na categoria. Mas a gente sabe que tudo depende na F1. Hulk é um destes pilotos que acho muito bom, e simplesmente não sai do meio do grid. A tendência do Bottas é essa, caso continuasse na Williams. Se a equipe não melhorar bem, pouco recurso ele poderia ter.
Nessas horas, projetaria coisas melhores para ele, com toda sinceridade. Assim como penso que Ricciardo merece mais, Bottas e Hulk são os caras que acho que deveria ter mais espaço.
Mas entre sofrer com uma equipe que comete alguns erros e ser feito de palhaço numa equipe de ponta, na idade do Bottas, era preferível ficar na Williams. A não ser que seja um piloto já de idade e que ele tenha aceitado ser feito de bobo - como é o caso do Kimi - não acho que  vale alguma coisa essa vaga na Mercedes. 

Vejam bem: eu escrevi "palhaço" em um caso e "bobo" em outro. O "bobo" do termo para Kimi é simples: por mais que revoltemos com as estratégias e as (ainda que sutis) favorecidas ao Vettel, sabemos que isso foi discutido antes entre Kimi e os chefões da Ferrari. Agora ser feito de palhaço é termo mais pesado e cruelmente verdadeiro. Bastam verificar a emoção de Toto Woff e cia após a vitoria de Rosberg. Basta ver que Rosberg simplesmente deu de ombros para eles, uma semana depois do título, dando uma resposta por tudo que "não fizeram" por ele. Basta ler as lamúrias de Lewis Hamilton de "favoritismos", "sabotagens" e decisões contratuais de seu futuro companheiro para entender com que "tipo" o futuro piloto da Mercedes poderá estar lidando.
Será que Bottas não está percebendo esses sinais? 


Drop 3: Imaginem se Bottas e a Williams não chegam num acordo com a Mercedes que acaba contratando Wehrlein por um ano - no afã só de cumprir vaga e estender o tapete para o inglês vencer seu sonhado tetra?
Quem aí quer apostar que logo em seguida, Massa virá a público para dizer que nunca houve contrato e que ele nem queria voltar?


Vamos lá, valendo uma caixa de chocolates!


Drop 4: Fiz todo um discurso primor pró Trevor Siemian para acabar vendo o time ser eliminado e ele (claro!!!) responsabilizado. As "cheerleaders" do Paxton Lynch já saíram da moita e pedem por ele como QB1 contra o Raiders. As mesmas pessoas que provavelmente acharam que deveria sentar Peyton Manning no banco enquanto Brock Osweiller fizesse o trilho para o playoffs (e não a defesa que foi a salvação...). "E não pára por aí!" (que nem aqueles comerciais de vendas) Tem gente achando que a solução é Tony Romo. Tirem. Todos. Os. Objetos. Cortantes. Próximos.
Todos temos direitos a pensar o  que for. Mas o raio da raiva é tão latente em alguns, que estimula o esfincter do cérebro em soltar porcaria pela boca, achando que "como fã/torcedor" tem o direito de achar que sabe o que é melhor para o time.

Aí eu digo o quanto é "f$#@" se encantar com jogadores: gostei do Trevor e agora, não posso sequer me dar o luxo de dizer algo para os "comentaristas" de plantão, que o cara pegou essa fogueira ligada, mas não é nada bonito jogarem ele nela, na falta da lenha. 
Mas a corda arrebenta para o mais fraco certo? Queimar ele, tá beleza né? Mas eu digo e repito: "queimar" o coitado não vai resolver, ele é o menor dos problemas. 
O discurso massivo entre alguns torcedores é "In Elway we trust". Sei. Confiamos tanto que a ideia de ter aquela OL teve dedo dele, decisão de ter Kubiac técnico é dele... e ... né?


Drop 5: Deus está vendo você aí que comeu e bebeu até virar do avesso, mas não deixou um minuto de lado para fazer umas oraçõeszinhas ou uns pensamentos positivos reais pela sua família, pela sua saúde e tudo o mais... 
Ele viu ainda mais você que se vangloriou dos presentes que deu e recebeu, mas se esqueceu daquele que só mandou mensagens sinceras e simples.
Coisa feia, viu? Muito feia... 
Mas precisamos bater palmas para duas coisas: o tanto de casal que se formou por esse "espírito natalino" - que não seja só modinha de mudança de status nas redes sociais - e que dure! \o/
Outra coisa é que tivemos pouca música barulhenta e nenhum foguete! (Pelo menos, aqui) Vivas!


Drop 6: Acabou o Natal e com ele, acaba a boa vontade com a família, os parentes e tudo o mais. 
Saí a "uva passa" para dar início à problemática corrente de reclamações por causa dos quilinhos a mais. Ninguém gosta de agir como Grinch no Natal, evitando toda aquela comilança, falando em dieta, numa hora super inadequada; mas agem como Grinchs pós natal, reclamando do peso, da barriga, da ressaca... Seres racionais? Então assumam as comilanças e sejam felizes! 


Drop 7: Mais um que 2016 leva para outro lado: George Michael faleceu no Natal e completa a lista dos grandes que partiram esse ano (ou esperamos que seja até aí a lista, por favor). 2016 começou bem tenso , perdendo perdemos Lemmy Kilmister, David Bowie, Prince... Do outro lado, a galera tá fazendo o seu som, e a gente aqui, cada dia mais sem tantas boas opções para agraciar nossos ouvidinhos. 
But let them rest in peace... 


Abraços afáveis!

PS: Novamente, esse blog aqui vai completar no próximo dia 7, 9 anos no ar. Estou aceitando dicas de coisas legais para fazer aqui no blog então, mandem as dicas, do post-comemoração!!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Feliz Natal!!!

Em virtude da correria do dia-a-dia, ainda falta dedicar um tempo para esse blog. No momento, estou tentando um descanso, já que os últimos meses foram bem ferozes, rsrsrsrsrs...
Mas, voltarei a publicar mais a partir de segunda próxima.
Então, deixo aqui a todos, um feliz Natal, boas festança, juízo (rsrsrsrs...), e muita alegria para todos as famílias e amigos que passarão a ceia de Natal juntos.




Já deixo aqui, um "avisinho": dia 7 de Janeiro esse blog fará 9 anos. Estou pensando e tentando tirar ideias da "cartola" para fazer a postagem de comemoração, mas ainda não concluí anda. Então, até o dia 4 de Janeiro, estarei aberta à dicas e sugestões de postagem de vocês, ok?

Abraços afáveis! E HO HO HO HO! 

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Drops pré Natal


Drop 1: Surgiu na semana passada um indício da volta dos que não foram. 
Anunciando uma "corajosa" aposentadoria em meados de setembro, Felipe Massa foi não só aclamado pelos pachecos, como até muito bem respeitado pelos demais. Em Interlagos, houve quem derramasse umas lágrimas com a homenagem bonita e sincera das demais equipes, nos boxes, enquanto ele passava por ali. 
Eu, mais que nunca, cheguei a comentar, tanto a aposentadoria, quanto a homenagem. Vocês tem aí a chance de reler essas postagens para confirmarem que, apesar de fazer umas brincadeiras, eu mantive um respeito que - baseada na minha genuína implicância para com o piloto, foi muito, foi bastante, o máximo que eu pude, dentro do bom senso e dentro da "educação" de não sair xingando os outros à esmo, realçando uma opinião vazia e sem noção como um hater - troll - babaca da web, só porque quis.
Semana passada veio à tona que, possivelmente, a Williams estaria desenvolvendo um contrato com Massa no afã de substituir Valtteri Bottas e colocá-lo como mentor de Lance Stroll. Bottas estaria fazendo a burrada de ir ser trouxa na Mercedes, substituindo Nico Rosberg. 
Mas mais trouxa que ele, somos nós, os mecânicos das equipes e os que se emocionaram com a despedida de Massa. Voltar a ocupar um cockpit que nem esfriou, é mais uma vez, mais uma razão para eu ter arrependido de não ter sido mais fria com esse cara. A primeira vez, foi lá quando foi campeão por 20 segundos, que eu cheguei a ficar com dó. Depois, quando ele saiu do hospital, acusando um certo companheiro de não ter ido vê-lo quando "machucado", me deu apenas raiva da sua infantilidade. Tudo só piorou com as inúmeras vezes em que soltou pérolas com relação à companheiros que só tiveram duas únicas funções, (as vezes as duas juntas, numa mesma declaração): mostrar incompetência e dor de cotovelo.
Se isso é mais isso que nos espera para a temporada de 2017, podem esperar que eu não vou ser boazinha mais com esse cara, nem a p@#!



Drop 2: O chororô das redes sociais é mais uma gota d'água nesse copinho de 2016 já cheio. 
O pessoal anda reclamando de tudo, mas usa um bizarro cabresto super sem noção. Votaram na senhora lá e agora reclamam quando o vice coloca tudo de mais absurdo dos planos de governo DELA, em prática. E atribuem isso à maré das porcarias do ano, em atos suplicantes acompanhados de frases "acaba logo 2016". 
Parece que todo mundo esqueceu que 2015 também foi uma porcariona: Samarcos e atentados europeus então, tudo chuchu beleza? Ninguém liga? Oriente Médio pegando fogo todos os anos, e de repente, isso é coisa só de 2016?  E o janeiro desse ano em que perdemos grandes personalidades e o pessoal não falou que era resquício de 2015? 
Todo ano tem coisa horrível, minha gente. A gente perde parentes queridos, tem um grande desastre que mata um punhado de gente que esteve no lugar errado e na hora errada, e sabem, parece que todo fim de ano tem que ter esse tipo de coisa, só para lembrarmos do programa "Retrospectiva". Todo ano - mais marcado que show do Roberto Carlos na Globo - é que esse o programa em que todo mundo lamenta porque "tem muita desgraça para contar". E adivinhem? Se tivesse só coisa boa, vocês parariam para assistir e comentar? Duvido. Desgraças, tragédias, vendem mais. 
Nestes últimos dias, eu postei 2 coisas sérias em meio a piadinhas no Facebook; um vídeo falando de corrupção e um link com as fotos mais "fofas" de 2016. As duas, só teve uma curtida cada, da minha irmã. Viram? E vocês aí preocupados com o que é melhor: se é biscoito ou bolacha? Se é Toddy ou Nescau? Ou ainda, se você vai conseguir vencer a batalha do "separar as passas do arroz" da festa de Natal?! E de repente acontece uma coisa ruim, *puff*: "acaba logo, ano dos infernos". 
Só porque o Brasil teve Impeachment e os EUA elegeu um "pulha" tudo é razão para dramas além da conta e uns: "ah, dá licença que esse é o pior ano de todos os tempos"? Give me break. PLEASE.
Respirem, lamentem, mas não surtem.



Drop 3: Do triunfo da felicidade à tristeza da derrota.
Em fevereiro deste ano, meu time de futebol americano, da liga americana, Denver Broncos, venceu o Super Bowl 50, depois de ir aos playoffs toda vez, desde que optei por torcer por eles, pouco antes do SB 47. 
Presenciei a sofrência da má escolha técnica contra o Baltimore Ravens e perdia a chance de vê-los no SB deste ano. No ano seguinte, sofri com um jogo apático e bizarro, recheado de drops dos recebedores, no SB 48, contra os carrascos do Seattle Seahawks. No SB 49, a gente se perdeu no caminho e o ano seguinte seria complicado em termos de uma impropriedade de equilíbrio do time como um todo. Pelo menos, contaram com a força e empenho de alguns, e a experiência do grande Peyton Manning - razão pela qual me apaixonei de vez pelo esporte (a segunda razão chama-se Drew Brees) - chegaram ao SB 50, e venceram em cima do overrated time do Carolina Panthers. 
Alegria de um mês, a gratidão no mês seguinte: Peyton decidiu se aposentar logo no mês seguinte e assim, o futuro do time escolhido ficou meio que entre nuvens.
Offseasons dos esportes deixam a gente com minhocas na cabeça; pelo lado de que o Broncos perdeu um QB backup que não me agradava, eles tendiam a manter na liderança um que pouca serventia teve em outros times da NFL. Com Mark Sanchez dispensado e com um QB draftado e amadinho por John Elway no banco, o Broncos decidiu por Trevor Siemian como QB1, que era reserva de Brock Osweiler que migrou para o Houston Texans por uma grana muito boa para ele.
O primeiro jogo contra o Panthers não me empolgou, mas também não me fez querer jogar tudo para cima. Para mim, seria mais do que bom 8 vitórias e 8 derrotas no ano, dada a inexperiência do QB, apenas em seu segundo ano no time. Porém, os jogos seguintes mostraram um grande potencial para Siemian, e ele inclusive fez um jogo excelente contra o Cincinnati Bengals na semana 3. 
Comparações são não só ruins como também podem ser injustas, mas eu, senti um pouco de Peyton Manning nele, e ousei pensar que estaria bem satisfeita que ele continuasse como QB1 do time, mantendo uma boa reação com ele e achando muito mais boa coisa que Osweiler. Depois disso, algumas lesões fizeram com que ele mostrasse algumas inabilidades, a OL do time também foi deixando ele cada vez mais frágil, e as derrotas começaram a surgir. A primeira derrota foi contra o Chargers, o pior jogo que vi dele. Alguns críticos começaram a colocar na conta dele a maioria do erros, mas eu senti que havia algo a mais naquele cara que parecia tudo, menos displicente. Todas as entrevistas dele pré jogo mostravam um cara que prometia coisas, prometia empenhos: sair mais do pocket, ter mais consistência nos passes, tentar encontrar o balanço, chamar as responsabilidades pelos sacks que tomou - e gerou lesões à longo prazo... E de repente as coisas funcionavam bem, ele tinha mais frieza boa de levar adiante as coisas que propôs resolver. Mas nos últimos jogos, Siemian experimentou números ótimos, porcentagens excelentes. Vi evolução no processo. As derrotas vinham de inconsistência da OL, drops de recebedores ou faltas juvenis. O Broncos quase venceu o Chiefs, com números muito, mas muito bons de Trevor. E assim foi. Todas as derrotas até agora, com lesão ou sem lesão, mostrou um QB da qual eu fiquei satisfeita. Poxa, como fazer o cara com 20 e poucos anos, que não foi draftado, era a terceira opção do time, possivelmente mal pegou na bola em treinos no ano passado ser assim uma maravilha de herói? Ainda mais, tentando substituir Peyton Manning pós um SB vencido. 
Quando Peyton Manning esteve em campo, e as bolas saiam erradas, as pessoas vinham com frases em alto e bons sons de "ele está velho, seu braço não é o mesmo". E quando as bolas vem fáceis, limpas e os recebedores dropam? Continua sendo culpa do QB? Engraçado que quando Siemian saiu para tratar das lesões, esse ataque firmou tudo para que Paxton Lynch jogasse, inclusive, ganhando do Jaguars recentemente, num jogo feio, com números ruins, mas bem, o cara é bom e QB da franquia e tal... Pouco caso dos recebedores com o QB titular?
Ora, o tal no negócio da justiça nos esportes é difícil mesmo de fazer-se presente, hein? 

Ontem, o time enfrentou o Patriots, o Tom Brady, o marido da Gisele, o "greates of the all time"... *ai,ai...o.O * A defesa do Broncos segurou o jogo no mais ou menos, e resultado final: 16 x 3. Nem Brady jogou direito contra o time (por ser tão bom, devia ter atropelado, não é mesmo?) e Trevor não teve seu melhor jogo, mas ele não foi a causa da derrota. O que eram aqueles drops? O que o técnico quer afinal? Que Trevor se transforme em dois da noite para o dia e faça um festejo com a defesa alheia? 
Não sei o que pensar. O pior é ler uns maluquetes querendo as trocas de jogador, de técnico... Ninguém usa a razão nessas horas e mais "p" da vida a gente fica com o fato de colocar a cabeça para tentar entender, deixando o clubismo e a emoção de lado, é que dá para ser melhor que isso. Sinceramente, é de tirar a nossa empolgação.



Mas né...?!
Sejamos coesos? Não há dúvidas, para mim, de que a escolha de sétimo round de Northwestern, Trevor Siemian, seja a melhor escolha para o time e ainda é até o fim da temporada. E digo mais: seria também, a minha opção da temporada que vem, também. Tenho plena confiança que ele vai melhorar ainda mais e se o time tiver uma OL mais decente e recebedores (principalmente Tight Ends) menos displicentes, a gente pode finalizar aqui essa discussão (a meu ver, infundada, mas dada as críticas que ando lendo por aí...)
Trevor é novato, ecom tantas pedras no caminho, tem 16 touchdowns, apenas 7 interceptações (algo que muito rookie extrapola) e 2,700 jardas. Tá ótimo. Com aquela OL e com um jogo corrido inexistente, criticar desse tanto o cara, além de não vai levar a nada, parece coisa de gente presunçosa/pentelha.
De novo, mas, né?! Fazer o quê?

Abraços afáveis!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Talvez a última postagem esse ano sobre F1

Dada a ainda expectativa de quem vai substituir Nico Rosberg que deixou a Mercedes a ver navios - que ainda, acho, sinceramente, sem sombra de dúvidas, a melhor coisa que ele já fez na F1, inclusive, antes mesmo, de ter, vencido, um campeonato, em cima, do master-chato, Lewis Hamilton. (Sim, as virgulas são para dar ênfase em todo o esquema da frase.)

Na Mercedes então, o posto está vago e apesar de Toto e Lauda encherem as bocas para exemplificarem que 90% do grid atual andou sondando eles por telefone. Isso parece só ter sido uma jogada de marketing daquelas bem safadas, a ponto de dizerem que todo mundo ligou exceto Raikkonen e Kvyat. 
Hum. Sei. 
Vettel com certeza ligou. Alonso também. E certo, a Mercedes espera que a gente compre essa ideia? 
Eu, já aviso, que estou sem grana.

O grande lance é o seguinte: contratos tem cláusulas de rompimento. Pilotos que não honram seus contratos, são mau vistos (pelo menos penso que sim) uma vez que se eles abandonam uma equipe porque viram chances melhores em outra, pode fazer o mesmo quando aquela escolhida entrar em decadência. Isso me parece coisa que Lewis Hamilton faria, pois, sejamos pragmáticos, de certa forma, ele já fez.
Contrato podem ser rasgados. As equipes também não são ingênuas. Elas tem os seus esquemas. Mas lembrando de um caso bem recente: para ter Alonso, a Ferrari teve duas escolhas - ou mandar o Massa embora ou mandar o Kimi embora. A escolha foi Kimi, afinal, Massa era "a funcionária grávida da empresa" - com recuperação pelo acidente da molada na cabeça, mandar o cara passear em outra equipe seria um tanto covardia. Não que eles não fossem capazes, mas certamente, a cláusula de rompimento de contrato com o Kimi não custaria tanto quanto um processo por conta da demissão do Massa. Só de bolsos cheios é que Kimi foi fazer 2 anos de felizes estripulias no WRC. E nós fãs choramos com a injustiça, mas hoje, eu pelo menos, sei que a Ferrari soube bem o que fazia assim como Kimi também não era ingênuo.
E se tratando de ingenuidade, se alguém achou que a Ferrari optou por Kimi ao invés de Massa porque não queria brigas internas, me expliquem como, em 2014, Alonso e Kimi coexistiram amigavelmente, sem farpas?
Me expliquem também essa pataquada de "tem que saber qual vai ser o segundo piloto, porque dependendo do primeiro, pode ser que saia confusão" se, quando os envolvidos são dois pilotos sem frescuras, as coisas fluem bem, como é o caso da Ferrari, hoje?

Então, na boa? A Mercedes só precisa de um capacho muito tapado para acompanhar Lewis Hamilton, pois ele é o motivo da rasteira do Nico Rsoberg, que foi desmerecido esse tempo todo e até ele, sabendo falar 5 idiomas e criado em berço de ouro, chegar no seu limite e incendiar o "f*d@-se" em um momento muito bom para mostrar um básico: "se sou substituível, tomem essa!"
Agora, jogando com as poucas opções que restam no tabuleiro, adivinhem? Tenho certeza que não estão achando um piloto que sirva de capacho tapado, que aceita tudo calado (não, a rima não foi proposital) e que seja ainda assim, um piloto. Resta saber se eles querem um capacho tapado, um capacho piloto.

A HAAS já tem Romain Grosjean e Kevin Magnussen. A equipe parecia promissora no começo da temporada, mas depois, foi minando as boas expectativas.
A Renault decidiu por alguma bizarrice interna, manter Jolyon Palmer e contratar Nico Hulkenberg. É uma equipe  muito abaixo do esperado então, sinto pena por Hulk ter caído lá. Ele é o piloto mais injustiçado desse grid.
A McLaren ainda está inconstante, mas ainda tem promessas na gaveta, só falta elas começarem a se realizar. Com a saída de Button, eles ficam ainda sugando - a já quase no fim paciência - de Fernando Alonso e botam para trabalhar Stoffel Vandoorne.
A Ferrari mantém Kimi Raikkonen e Sebastian Vettel sem razões (ainda) para mudar. Embora eu achasse que Kimi pudesse ir cuidar dos filhos e ter uma vidinha mais tranquila, ele parece ver ainda algo de emocionante em tentar tirar leite de pedra na equipe - que tende a querer algo mais de Vettel que algo dele.
A Red Bull sabiamente também segura os dois melhores pilotos da nova geração, Daniel Ricciardo e Max Verstappen. Acho que seria de bom grado que alguém desse ao Verstappen um pouco mais de peito para fazer as coisas. Não no sentido de "coragem" porque a gente sabe que ele tem, mas no sentido de fazer as coisas e assumir tudo, além de ensinar o conceito de hipocrisia, para evitar que ele acuse os outros de "imprudência".
A Force India, ao perder Hulk, poderia muito bem ter ido buscar algo mais descente do que Esteban Ocon... Mas enfim, cada qual, com seus cada quais. Eles mantém o Sérgio Pérez, que depois que saiu da McLaren e quase foi forçado a entrar na equipe, parece ter conquistado um pessoal lá.
A Toro Rosso manterá Carlos Sainz Jr. e o "retorno do não ido" Daniil Kvyat que parece que mesmo ao ter sido "rebaixado" por um motivo bobo (o que a mídia conheceu e divulgou), se sente confortável na tal STR.
Na Williams, permanece Vatteri Bottas, e com a saída do Massa, colocaram lá um tal de Lance Stroll e tudo que sabemos é que ele parece o ator Taylor Lautner e é canadense.
A Sauber parece estar mesmo mal pra caramba porque não renovou com Felipe Nars e mantem na lista apenas Marcus Ericsson.
E a Manor, bem... A Manor não tem nada avisado. Ninguém está muito preocupado, também.

Os rumores dão conta de que dos caras que supostamente teriam ligado para Toto Wolff, Vettel já manifestou que ele tem um contrato e achava que isso estava claro. Ao pensarem que Alonso era uma dessas pessoas dessas desesperadas - e certamente, imaginaram também que ele tem perda de memória recente, e que tenha se esquecido de 2007 completamente - Briattore reiterou que ele tem um contrato com a McLaren e que ele vai honrá-lo. Básico como Vettel. Outros rumores pontam Bottas tbm, na vaga de Rosberg. Nada ainda parece se caminhar para confirmações.
Nenhum destes se configura como capachos tapados. Mas muito me espanta que não tenha surgido  um Felipe Massa arrependido, ou mesmo pequeníssimos boatos de assinar mais um contrato com agora, em uma equipe que "daria chances para ele vencer".
Até o fechamento dessa postagem, acabo de ver em um tuíte pouco confiável que a Mercedes teria "achado" seu capacho tapado: Pascal Werhlein, faltando apenas, uma definição mais concreta.
É esperar para ver, mas sinceramente... Que ano nos aguarda 2017, hein? Ai, ai...

Abraços afáveis!

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Versões boas, ruins ou melhores? Still Loving You

"Still Loving You" é uma das baladas hard rock mais conhecidas até por aquela pessoinha que só compra cd pirata da banda Calipso (se é que ainda isso existe).

Essa música teve uma situação engraçada que presenciei. Estive em um bar, certa vez e o estabelecimento tinha um cômodo lateral em que cabia umas 50 pessoas para bandas ao vivo. Uma bandinha de hard rock se apresentou nesse bar quando fui. Era uma banda de hard rock oitentista bem antiquada já para os anos 2000 e bem estranha para uma cidade pequena de interior. Os caras andavam sem nenhuma preocupação de calças de lycra/legging brilhentas na faculdade - de onde conhecia de vista alguns membros. Eles tinham composições próprias e não só podiam usar essas coisas, como também tinham talento.

Curtindo o showzinho da banda, vi um casal discutindo. O abestado do namorado era meu conhecido - meu amigo, na verdade, que depois que começou a namorar, deixou a vida social de lado e parecia viver apenas para ela. Ele se afastou de mim, que era amiga recente, mas também de seus amigos mais antigos. Coisas da vida. Eu não soube o motivo da discussão, sei que ela saiu de perto dele, se juntou à uma mocinha que estava próxima a mim com um casaco sobretudo e um vestido quase transparente por baixo que tinha me chamado atenção pela atitude. Não estava calor, mas o frio não pedia um sobretudo. Ela era bem nova, menor de idade, com uns 13 anos na época. Eu conhecia sua irmã e já tinha estudado na mesma escola que ela. Sabia que era bem novinha. A mocinha, vestida como uma groupie de interior, se oferecia para um cabeludo que estava acompanhando a banda. O cara, devia ter minha idade, cerca de 21 anos, na época. A cena era feia as vezes, e por isso, eu achei desagradável a situação, mas piorou quando a namorada do tal cara deixou de discutir com ele e se juntou com a novinha. As duas decidiram beber uma cerveja e foi juntando outras meninas, outras mini-groupies de interior... Elas riam e davam olhadinhas de lado e o trouxa lá no canto, de braços cruzados. Digo trouxa porque o que me pareceu era que ele - que não bebe - teve de ver a namorada ficar entre as "empolgadinhas", se nutrindo de um fermentado alcoólico.
Até que ele veio ao palco, num intervalo e conversou com o vocalista que fez uma cara estranha e disse no microfone: "O amigo aqui quer que toquemos uma música para a namorada dele. Fera, a gente não ensaiou ela, na verdade não me lembro de já termos tocado, mas vamos fazer o refrão só para não passar em branco, pode ser?"
E tocaram o refrão de "Still Loving You"...

Na hora achei uma infeliz reação e uma situação deveras brega. Mas, quem era eu para julgar? Além disso, os caras da banda fizeram uma expressão como se alguém tivesse pedido para tocar "Raul". Felizmente acho que depois eles pensaram bem e que poderia ser pior: poderiam ter pedido "Faroeste Caboclo", rsrsrsrsrs... Enfim, a moça ficou sem jeito, mesmo assim ela terminou a cerveja e se sentou perto dele. Ela passou o resto do show ouvindo ele falar com ela, e olhando para as meninas com quem ela estava, se dando melhor (ou pior, vai saber...) na noite do que ela.

Essa música ficou com a imagemzinha na minha cabeça como "algo para nuca se fazer num show de banda de garagem, nem com o companheiro(a)". Fica a dica para quem entendeu minha reação diante do fato, hehehehe...

Vamos à música e a versão!
A versão original cantada pelo Scorpions não é péssima. Mas basta uma repetição de mais de três vezes e ouso dizer que é possível arremessar o aparelho que está tocando a música na parede com você esbravejando umas maldições à Klaus Meine. À não ser que você esteja em profunda paixão (e mesmo assim, acho que há outras melhores músicas para ouvir à pensar pelo amado-amada) não vejo outro motivo por colocar a música no modo "repeat".
Já a versão, abriu ouvidos para uma coisa diferente: metal melódico, com um toque de speed metal e uma voz menos "gemida" que a de Meine - que por sinal, é um paradoxo: Ele é todo pimpão na cantoria, meio erotizado naquela lamuria cantante, mas ao mesmo tempo é tão feio que dá até dó. Não se pode ter tudo na vida mesmo...

Original: Scorpions
Compositores: Rudolf Schenker e Klaus Meine
Álbum: Love at First Sting
Lançamento: Junho de 1984
Estilo: Power Ballad, Hard rock


Versão: Sonata Arctica
Álbum: Talkatavi (EP)
Lançamento: 21 de novembro de 2003
Estilo: Power Metal, Speed Metal


Um pouco de agitação numa balada as vezes pode ser necessária. 
E vocês, o que acharam da mudança?

Abraços afáveis! 

PS: Como sempre, outras versões já passaram por aqui, se você ainda não viu todas, clique na aba Especial 1: Versões/Covers.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Abu Dhabi em Fotos e sobre Nico Rsoberg

Vamos às fotos de Abu Dhabi, comentadas:

Já na coletiva de imprensa Kimi Raikkonen foi interpelado (eu acho que propositalmente, afinal Verstappen e Nars ainda são verdinhos na F1) pelo repórter se ele sentiria falta do Button e do Massa.
Observem as reações dos 5.


Eu detesto o Massa. Mas na boa? Eu achei a imitação excelente, kkkkk...
E olha, apesar do Kimi ter falado que a decisão deles ele compreendia e sabe que os dois terão sucesso no que irão fazer dali adiante, eu acho que ele estava tendendo a concordar com o "noooo" do Massa hahahahaha...

Esse sorriso significa: "Maldição, ele sabe!!" 
Hahahahahaha...
Mas sejamos pragmáticos, ele não respondeu a pergunta. Tudo que ficou foi aquele silêncio e esse sorriso hahahahaha... 


***

Toto: Eu tenho que dar um jeito no Rosberg... fazer ele chegar bem longe do LH...
Arrivabene: Deixa eu pensar...

Arrivabene: Quer um carro reserva da gente? Vou lá pegar em um instantinho...
Toto: Não. Não. Não quero incomodar...

Na verdade, Toto não queria dar tanto na cara com um carro mais lento... 


***

Gangue do Kimão
Uai. 
"Arrivamale" junto?


***

Houveram algumas demonstrações de carinho entre mecânicos, equipe e pilotos...
Mas essa aqui:

Assustadora 


***

Ali temos outra - no antebraço de Alonso -, uma homenagem ao Button que tem uma tatuagem de um botão bem ali.
Essa não é assustadora, viram?


***

Alonso: - JB, como tá o coraçãozinho?


***

Nos braços da galera


***

Vettel deu uma canseira no Rosberg, mas no fim, foi muito mais amistoso que o Hamilton


***

Olha só!


E ainda teve selfie:

Genuinamente, legal. Sem a cara de tacho do Lewis, que estava desse tipo, para pior:


***

A manguaça instaurada



Só vcs?  E o resto? Cadê?


***

A última classe de 2017. Os centrais estão fazendo bye-bye de vez. Nars também, por falta de contrato. E eu já não sei muita coisa, porque eu estou um pouco perdida para onde cada um vai e quem vai chegar.
Mas isso fica para próxima. 

Abraços afáveis!

ATUALIZAÇÃO:

Fiz uma pausa do blog. Essa postagem estava aberta para ser postada na terça feira, mas, devido a tragédia do avião com o time de futebol Chapecoense (que levou à morte 75 pessoas de 81 pessoas que estavam no avião, entre eles maioria jogadores, jornalistas e comissão técnica do time) não havia clima para brincar com qualquer que fosse o assunto. Muita gente se mobilizou nas redes sociais. A tristeza era grande para torcedores e não torcedores. Vidas se foram, e a gente ficou desde então em orações e vibrações positivas à amigos e familiares das vítimas, bem como aos sobreviventes - 6 ao todo. 

Logo as obrigações também estiveram à vista e precisei dar conta de um trabalho antes da sexta feira. Com isso feito, a postagem caiu para esse sábado com uma "novidade": 
Nico Rosberg anunciou, ontem, em coletiva ao vivo via rede social, que estava se aposentando. Nem a Mercedes sabia da sua decisão. 
Pensando por alguns minutos, eu percebi que foi uma sábia decisão, difícil, muito precipitada, mas sábia. Apesar de ter visto postagens de loucos e loucas dizendo que Nico no caso, sabia que era um verdadeiro piloto mediano, tirava time de campo por não ser nem "competitivo" ou não querer tomar "pau de novo do Hamilton". Esses loucos e loucas não disseram o mesmo do Massa, mesmo contando que o Massa, não tem título em seu nome. Jenson Button tem, e mesmo assim, ninguém ligou muito.
A gente sabe que, depois criação dos comentários de blogs, desites de entretenimento, redes sociais com perfis onde se pode dar a opinião como e quando quisermos, as coisas saíram do controle. Ao mesmo tempo que a gente sempre podeter sido favorável ao direito de todos expressarem opiniões, corremos o risco de ouvir e ler tanta "m" que é até difícil de mensurar.
Quando eu disse que não confiava que a Mercedes deixaria que Rosberg fizesse sua corrida de forma tranquila, eu pude ser bem idiota nesse pensamento. Mas as caras dos amiguinhos e do prórpio  Toto Wolff mostram claramente que ele - se pudesse - teria parado o alemão.
A Mercedes tem Rosberg como seu piloto desde que começou na F1. E desde então também, esperava até quase não poder mais, a renovar com ele. Primeiro, trouxeram o heptacampeão Michael Schumacher para ser seu companheiro. Superando o Schumi, que mais parecia estar ali para se divertir, eles deram a rasteira mor em Rosberg trazendo Lewis Hamilton, ganhando muito mais e como claro primeiro piloto na equipe.
Rosberg agora vai cuidar da vida. Chegou ao ponto de realizar o sonho: vencer um campeonato. Se ele acha que não vai ganhar mais, ele pode estar certo. Eu confio apenas que se as coisas melhorassem, só Alonso poderia tentar mais um título. 
Não, eu não vejo que Kimi ou Vettel ganhe mais nada na F1 agor, nem nos próximos anos.  
E esse papo de competitividade não existe mais à pelo menos 5 anos. Acabou gente. Agora é carro e um pouco de coragem, ou um carro e um pouco de politicagem. Nos últimos 2 anos, foram carros e um pouco de barbeiragem, embebido de politicagem. Então, fica complicado para Kimi ou Vettel voltarem a vencer. A Ferrari está cada vez pior. Caminha para seu décimo ano sem títulos. Vettel é o reclamão chato da pista, enquanto Kimi é "véio" bebum que dorme no meio do grid. 
Podem querer me jogar na brasa, mas eu, se pudesse, chamaria o Kimi no canto e diria para ele deixar 2017 para trás, decidindo por si só, uma aposentadoria. Periga ele ficar ano que vem sem contrato, sendo forçado à escolha de se retirar, por ser "desprezado" pelos demais. Um cara como o Raikkonen, nem de longe , muito menos de brincadeira, merece esse fim. Mas é o que tende a acontecer e isso arrebenta com a gente que torce pelo cara e quer o seu melhor. Justo ele, que sempre disse que filhos era só quando ele se aposentasse, para ver a criança crescer. O seu filho (escapulido) já vai para dois ou três anos e a moça já está grávida de outro. Poderia decidir como o Rosberg né?...
Vettel vai pelo mesmo caminho, com o começo diferente. Ele "alonsou". Depois de 2007, aquele bom e velho Alonso foi minando como se "dementadores" fossem sugando aos poucos seu talento. Hoje, ele brinca com a própria desgraça na McLaren, mas está até certo ponto, certo. Vettel teve um ano ruim em 2014, saiu da equipe e foi para a dementadora Ferrari. Está lá há dois anos, fazendo apenas o trivial. Alonso pelo menos chegou a disputar campeonato no ano em que chegou na equipe. Vettel, nem isso...
Infelizmente, foi 2007 o ano que eu acho que mostra que de LH, ainda temos muito a fazer acontecer. Em 2007 ele perdeu o campeonato por burrice (eu até achei que fosse por justiça), em 2008 ele ganhou pela incompetência do seu oponente e por uma sorte maldita. Os cinco anos seguintes, ele ficou com um carro mediano e aparentou a todos o quão meia boca ele é como piloto. Sem um carro potente, ele chegou a cogitar aposentadoria também. Com uma chance de ser rabudo de novo, fez contrato com outra equipe e venceu dois anos seguintes sem soltar uma gota de suor. Ele foi o cara que havia cutucado Vettel a dizer que vencer campeonatos com facilidade matava o esporte, quando o tal, comemorava seu quarto título antecipado. Hamilton mesmo quase matou o esporte em 2014, e desligou os aparelhos na pior temporada que já acompanhei - em 2015 - fazendo a gente perder a vontade de assistir a corridas.
Eu queria, queria mesmo que equipe Mercedes decidisse colocar um Verstappen lá para brigar com ele de igual para igual. Só assim para eu dizer que LH não ganha mais nada na F1. Quero ver ele começar com os chiliques dele, antes mesmo da temporada começar.
Mas fato é que a Mercedes vai arrumar um capacho, pois eles já tiveram um pouco de trabalho com o Rosberg. Imaginem se arrumarem um novinho insaciável por vitórias?

Rosberg disse que nasceu e cresceu com esse sonho: ser campeão da F1. Hoje - rico pra caramba - ele vai sair dos holofotes e curtir a família, com uma filhinha novinha e acompanhar o crescimento dela e quem sabe trazer irmãos e irmãs. Dinheiro tem, fome não vai passar. Ele está realizado. Quisera que todos do esporte pudessem fechar as suas carreiras no ápice como ele, e depois, viver feliz, fazendo umas coisas aqui, outras ali. 
Genuína e bela atitude de Nico Rosberg, sem soberba, sem ser mercenário... Honesto.
Obrigada Rosberg. Ganhou muito, mas muito mais crédito do que eu imaginaria depois de vencer um campeonato em cima de um cara nada humilde. Esse tipo de coisa, a gente aplaude mesmo.


Desta vez sim: abraços afáveis!