segunda-feira, 29 de junho de 2015

Versões boas, ruins ou melhores? Enjoy The Silence

Enjoy the Silence é uma música que foi muitas vezes cantada e gravadas por outros artistas.
Originalmente, a música é o 24º single da banda inglesa de new wave, Depeche Mode. Há duas versões da mesma música e da mesma banda: a de 1990 original e a versão remasterizada por Mike Shinoda, com uma batida ainda mais eletrônica, em 2004, sob o título "Enjoy the Silence 04".

Começamos pela original e partimos para as versões mais recentes?

Original: Depeche Mode
Compositor: Martin L. Gore
Álbum: Violator
Data de Lançamento: 16 de janeiro de 1990
Estilo: Synthpop, Dancepop ou New wave 



Versão 1: Depeche Mode
Álbum: Remixes 81-04
Data de Lançamento: 18 de outubro de 2004
Gênero: Rock alternativo, Synth rock



Versão 2: Lacuna Coil
Álbum: Karmacode
Data de Lançamento: junho de 2006
Gênero: Metal Gótico ou New Metal



Versão 3: Breaking Benjamin
Álbum: So Cold
Data de Lançamento: 2004
Gênero: Rock alternativo



Versão 4: Tori Amos
Álbum: Strange Little Girls
Data de Lançamento: 2001
Gênero: Metal alternativo


Versão 5: It Dies Today

Álbum: The Caitiff Choir
Data de Lançamento: 2004
Gênero: Metalcore



Versão 6: H.I.M.
Álbum: Live & Undercover
Data de Lançamento: ?
Gênero: Love Metal
(não é o vídeo oficial)



Versão 7: Keane
Álbum: -
Data de Lançamento: -
Gênero: Rock alternativo



Bom, as versões originais são boas, sendo a melhor a de 2004, mas em termos de versões de outras bandas a melhor fica para Lacuna Coil. As demais eu realmente não conhecia, e a audição de Breaking Benjamin não foi de todo ruim, nem de Tori Amos apesar da diferença da original - cuja versão se afasta bem das duas originais, com ela apenas no piado. As demais são descartáveis. Não fazia e nem faço ideia do que seja a banda It Dies Today, mas não é tão diferente e apreciável o que fizeram com Enjoy the Silence.  Apesar de gostar de H.I.M. muitas vezes me pego sem muita paciência com a performance de Ville Valo (o vocalista). De todas as versões, a de Keane foi a que não tive a menor vontade de chegar até o fim.
Há outras, também, só procurarem, pois coloquei as principais. 
Agora é com vocês, escolham a que gostaram, e comentem. ;)
Outras listas de versões, aqui.
Abraços mega afáveis e boa semana a todos!

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Legendando UMA foto da Áustria

O tempo anda curto e a criatividade está canalizada para outros fins. Mesmo assim salvei uma foto da Áustria, e para não dizer que não falei sobre, publico, comentando:

Eis os 4 fundamentais para aquela corrida de domingo passado, sem contar as Mercedes. 
Hulk, que fez uma excelente prova, depois do trunfo da Le Mans.
Vettel que foi vitima do erro de pitstop e também do carro sem potência para retomar posições perdidas (não, não há mérito em Massa, poderia ser diferente se aquela Williams fosse a de Bottas, admito).
Kimi e Alonso, por fim. A dupla que sempre sonhei ver na mesma equipe e quando tive a oportunidade tive apenas o fiasco que foi. Felizmente os dois se saíram ilesos apesar do assustador acidente, que foi forte e arrebentou ambos os carros, mas bobo que só vendo.
Vamos esquecer a frieza com a qual a Ferrari tratou o momento. Kimi é o Iceman e o tratamento dado é comum para ele e ele, ao contrário de quem que ainda pode torcer por ele, deve ter pensado ou sentido. A preocupação do Alonso foi genuína, mal saiu do carro e foi verificar se Kimi estava ok. Isso só me fez pensar porque será que ele tem fama de egoísta. 

Outro destaque sem aparecer na foto, mas fazer lembrar e de Nars. Aparentemente ele segue seu caminho sem precisar da tv fazer que agente enjoe do nome e da cara. 
Vamos ignorar aquela cara feliz do Ericsson ali entre Kimi e Alonso. 
#medo

Abraços afáveis!

segunda-feira, 22 de junho de 2015

GP da Áustria: "eeeh?!"

A corrida começou tranquila. Para facilitar a nossa vida, o narrador era alguém tranquilo e que dita ritmo minimamente consciente de uma narração. Cléber Machado pode não ser o melhor narrador do universo (longe disso), mas seus comentários mais lisos que não protegiam de forma nojenta um dos Felipes, ou os dois, nem forçava para que os outros dois papagaios dessem as suas opiniões toscas a respeito de coisas e pessoas que não conhecem, foi positivo. Se houveram comentários críticos não afetou a minha irritação pois nem guardei atenção. Nada como na última corrida, cujo o narrador explorou toda a falta de noção e nada como o outro "narrador" mor que se dedica a uma selecinha aí. Ficamos bem.

A largada foi boa até certo ponto. Até ali nos quatro primeiros carros. Ainda esteve longe de ser o ideal mas depois de erro duplo dos dois carros da Mercedes no treino e ainda assim eles permanecerem largando na frente, só mostrou o quanto a F1 está "russa". Até nos erros ainda não são superados por mais ninguém e se são, é sempre o coitado do Rosberg que se ferra. 
Mas eu gostei que Hamilton tivesse jogado o seu carro fortemente contra o companheiro de forma tão descarada e doentia. Tem necessidade daquilo? Claro que não, mas ele gosta de provocar rompantes de raiva nos outros e se condói quando a maré vira contra ele. Porém Rosberg foi bem em se livrar e soube aproveitar as chances das curvas e deu de ombros para Hamilton, tomando a ponta e só lutando para permanecer. Isso na primeira volta. Pouco atrás, Vettel fazia o mesmo com Massa. Quase idêntico movimento... E eu esperei que Vettel pudesse fazer o serviço melhor. E fez. O lugar do Massa é quarto, e quarto deveria ser.
Apesar da razoável largada, houve um momento ruim e até assustador. A imagem cortou rapidamente e um carro sob o outro em acidente e identifiquei o capacete de Kimi. O acidente tinha sido forte e feio. Nada grave havia acontecido, o carro de cima era o de Alonso, que saltou rápido do carro visivelmente atento a saber como Kimi estava. Os dois apertaram as mãos e estavam plenamente inteiros: olharam para trás para verem o estrago. Ali sem replay dava para imaginar muita coisa. Quando mostraram, pouco dava para saber o que tinha acontecido, mas paira que Kimi perdeu o controle mesmo e tinha pouco espaço para isso. Após a corrida sabe-se que não há culpa de nenhum dos dois envolvidos, apenas incidente de corrida. Alonso e Kimi, que já foram companheiros de equipe, mas gera muito comentários, foram cordiais um com o outro, pois à anos competem na mesma categoria, e à anos se respeitam. Mas nem chegaram na Áustria e já não tinha muito o que fazer por lá. 
E então mais um personagem na pista: o Safety Car,  até volta 7 por aí. 
Logo que a Ferrari só tinha um carro na pista, a McLaren fazia o Button abandonar. O que Ron Dennis e sua trupe querem provar com esse esquema vergonhoso ainda resta entender... 

SC fora e voltamos mesmo à mesmice da F1. A monotonia bateu ponto na pista da Áustria com aquele ar campestre se dó nem piedade. Vai ser assim todo ano, podem crer. 
De fato desde 2009 a F1 está ruim, mas até ano passado haviam coisas que ainda nos seguravam, queriam saber no que ia dar, mesmo tendo desconfianças. Ora, sabemos que está tudo arquitetado para o tricampeonato de Lewis e o ego dele vai reproduzir-se por bipartição. O Ego 1 cresceu de tal forma que já tem até conta corrente individual em banco. Com o tri, ele expandirá e o pedaço que escapar dará forma a um novo indivíduo: o Ego 2. 

Se essa monotonia chatinha veio fazer a sua visita de sempre, não resolveu colocar uma vassoura atrás da porta. O máximo que aconteceu é a dona Ferrari aprontar na parada do Vettel e ele perder o terceiro lugar para aquela criatura de nome Felipe Massa. E aí Arrivabene? Corrida passada foi o Kimi que ficou em quarto... Coméquefica seu discurso agora?

E se corrida passada nos privaram do pódio com o Bottas, na Áustria nos deixaram ver aquele pouca-telha. Desastroso, hein?!

Corrida ruim, mas não das piores. Se alguém perguntasse: " E aí, como foi a corrida?", a resposta seria tal qual a resposta do Billy Cristal no Oscar 2012, entre os segundos 20 a 23.



E foi. 
Abraços afáveis!!! Boa semana de trabalho para nós!

sábado, 20 de junho de 2015

Treino Classificatório da Áustria

Com tranquilidade da narração sem pessoas sob efeito de alguma droga (lícita ou ilícita), deu para assistir parte do treino sem dramas.
Viram só? Dá para ser feliz sem influências externas à corrida.

E aí, de repente, apesar das mancadas da Ferrari, tudo muito tranquilo... Uma cena:


É aquela coisa: mesmo cometendo deslizes desses que você não dá nem conta de explicar os caras ainda ficaram na frente. A expressão "Circo da F1" nunca fez tanto sentido...

Abraços afáveis e excelente corrida a todos!

sexta-feira, 19 de junho de 2015

2.8

Enfim, chegou mas vou admitir: podia ter demorado um pouco mais, hehehehe...

Hoje já fiz muita coisa e só no dia 19 de junho algumas delas acontecem:

- Levantar e ser cumprimentada pelo pessoal de casa;
- Olhar a cara amassada no espelho e mentalizar algumas vezes a nova idade;
- Se arrumar para não assustar mais ninguém da casa com seu desleixo e sorri a perceber que quando acostumei com essa idade já tenho que responder outra para quem perguntar;
- Verificar os cabelos brancos que eu tentei camuflar com henna essa semana e ver que não surtiu muito efeito. Eles estão lá, levemente cobres, mas brilhando arregalados como nunca;
- Passar o café da manhã comendo pão de queijo com requeijão e pensando em um discurso bem humorado para publicar no Facebook;
- Passar o banho inteiro cantarolando "Tenho" do Sidney Magal que também aniversaria hoje;
- Desistir do discurso no Facebook pois isso forçaria a barra para quem não estivesse afim de dar felicitações sinceras e amplas e acabariam por escrever um parabéns seco como comentário;
- Tirar a mesa do café e pensar em meia dúzia de piadinhas com relação à idade avançada;
- Rir sozinha das próprias piadas (ainda que bem toscas).

Agora vivo o dilema de agradecer os recados que vão surgindo no Facebook e Whatsapp porque mais tarde tomarei chá de cadeira em um retorno ao médico. Coisa que só com a idade passa a ser frequente: idas à médico e intolerância às esperas.

O que ainda devo fazer:

- Vou acabar fazendo algum discurso no fim da tarde sobre a data. Ou não. Espero que não;
- Agradecerei todos os recados e felicitações ainda que rápidos e descompromissados , no Facebook;
- Lembrar de algum amigo voado que ignorou a data - sempre tem um e ainda pensar "sabia, kkkkkk...";
Esperar pelas surpresinhas que minhas irmãs estão aprontando para mim (e já estou com medo delas);
E claro, vou agradecer saúde, amigos, família e estudos, nos conformes dia a pós dia. 

Queria recados: 
► que me fizessem sorrir;
Queria lembranças que: 
► me surpreendessem;
► e que valessem mais que qualquer presente;
E quero mais que nunca que:
► eu jamais perca meu bom humor para as coisas.

E para finalizar:


Abraços mega afáveis e excelente sexta a todos!

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Tirinhas de aniversário

Estou carente.
Ontem me neguei prontamente a ter uma aula de reposição dia 19 próximo porque é meu aniversário. 
De fato, tenho consulta médica também, mas a primeira coisa que me passou na cabeça foi: "Eu?! Ficar aqui ouvindo esse pessoal se exibir no seu alto grau de soberba intelectual, no dia em que completo mais um ano?! No way, José!" Perderia meu dia 19 inteiro, basicamente. Posso perder boa parte do dia na consulta também, uma vez que é por ordem de chegada, o médico acha que estamos por conta e demora a chegar, mas ainda assim, volto direto para casa em cinco-dez minutos. Em caso de aula, demoro cerca de uma hora e meia para chegar lá e voltar para casa, engulo o almoço e o jantar e quando percebo já devo desacelerar um pouco para ir dormir - já cansada - poucas horas depois.
Isso não é carência? E ficar com vontade de contar pra todo mundo que sexta é meu aniversário? 
Só não fiz isso porque a Manu Racional condenaria a Manu Impulsiva hoje, por exemplo. E eu ficaria com medo até de olhar no espelho, pela manhã. Ainda bem que a "Racional" prevalece. Momento vergonha alheia aos 28 anos não é mais justificável.

Enfim, partamos para o que interessa. 
Figuras ilustres aniversariam junto comigo. 
Para quem é chique, vai preferir que eu lembre de um tal de Chico Buarque.
Para quem não se liga com essas e prefere coisas mais divertidas, vai gostar de saber que faço anos no mesmo dia que Sidney Magal.
Teria até figura fictícia, para talvez, nerds de plantão, que dos três, é o que mais se parece comigo em termos de personalidade - salvo exceções mínimas e quase imperceptíveis: não sou laranja, nem felina -, o Garfield.

E de praxe, sempre publico as tirinhas de pesadelo de aniversário do gato gordo e comilão por aqui, salvas do próprio site oficial. A primeira, publiquei no postagem passada, com uma dentadura ambulante. As de ontem e de hoje mostram um cérebro e uma barriga saliente. 

Essa circunstância a seguir me assusta. Meus reflexos quando estou cansada tem sido exatamente como a da tirinha de ontem. Meu cérebro tem me "trollado" quando mais preciso dele.


Agora essa foi só para dar risada na manhã de hoje. A barriga saliente ainda não me assusta :D


Desejo a todos uma quarta-feira produtiva. ;)
Abraços sempre afáveis!!

segunda-feira, 15 de junho de 2015

O inevitável aniversário...

Talvez vocês me entenderão no que pretendo publicar hoje. Ou não. xD
Mais do que ficar pensativo no que presentear uma pessoa querida no aniversário, é a angústia do receber algo no seu próprio.
Nem todo aniversário eu presenteio. Muitas pessoas eu adoraria poder presentear, mas por razões de distância - e raiva dos correios que nunca me acalmam o suficiente sobre se os presentes chegarão ilesos e à tempo para essas pessoas -; ou por razões mais específicas como: a pessoa já tem tudo e a pessoa tem gostos tão peculiares que não se abre para as possibilidades que eu encontro de presentes.  ou seja, ou está fora do meu orçamento, ou mesmo que seja perfeito ela vai ter algo a reclamar dele, depois. Nesses três casos é que me rendem à duas opções: um recado de parabéns cheio de carinho ou um abraço. 
Nunca telefonema. Até porque eu não curto telefone. Há de se pensar que eu não sei até hoje porque tenho celular. Minha maior alegria é poder responder a um chamado, por mensagem.
No meu caso, recebo telefonemas, mas eles são sempre muito frios da minha parte. Bem que tento melhorar. E quanto a presentes, temo em receber algo que não usarei. Bate aquela dor na consciência que a pessoa gastou tempo e dinheiro com aquilo e você não poder fazer nada. Quando digo "não precisava" eu realmente quis dizer isso. Se uso, fico mais tranquila, mas e quando não?

Daqui exatos 4 dias chego ao número 28. Não há muito o que comemorar, a não ser saúde e o poder fazer coisas com a tranquilidade necessária, tais como o mestrado. Depois de uma visita ao médico e ele ter falado umas 3 vezes que estou velha, e os fios brancos que as pessoas insistem em perguntar se é "luzes" é impossível assentir quando as pessoas falam que tenho "carinha de nova".
A gente desconfia mais que está ficando velho não só quando o tipo de presente muda, mas quando a quantidade diminui.
O que não deveria ter diminuir é a quantidade de abraços e recados de felicitações, especificamente  os sinceros. Quando se chega a idade adulta, é natural que se tenha mais amigos, ou pelo menos, um círculo de relações maiores que quando se tinha 10 anos de idade por exemplo, onde sua festa era recheada só com primos e parentes e - quando muito - os colegas mais próximos da escola. 

No meu caso, são só parentes, desde a infância até agora. Diminuiu a festa também. Agora, no máximo um lanche à tarde para quem vier. 
E aí chego no lance dos presentes. Agradeço até balinha e fico mesmo feliz com quem se lembra da data, mesmo com elas vazias, mas braços abertos para abraços. Algumas criaturas eu tenho convicção que só cumprimentam porque existe os avisos do Facebook e aplicativos. É ali que transborda um pouco menos da sinceridade.
Quando entrei no curso de Matemática na Federal da região, uma colega falou que era meu aniversário, que caiu numa sexta feira perto de todos da turma. Lembro de ter que dar abraços em tanta gente que hoje sequer lembro seus nomes. Na época fiquei bem feliz, se estavam sendo sinceros ou não, mal posso afirmar, mas sei que foi a única vez que vários semi-desconhecidos foram afáveis. Metade poderia ter ignorado.
Depois disso, raras as vezes recebi cumprimentos legais de alguém que de certa forma surpreendeu. E foi aí que cheguei a pensar a postagem de hoje.
Passarei a data em si, em casa, provavelmente trabalhando em algum artigo. No sábado, terá alguma coisa para quem vier. Fiquei pensando nas formas mais meigas de fazer uma "no-whishlist" - coisas que eu não quero receber. Foi-se o tempo em que se ganhava meias... Agora a toada da vez é maquiagem ou cremes/sabonetes. A sensação de significado está na entrelinhas:
Maquiagem? Você está feia e precisa dar uma melhorada nesse visual;
Creme e sabonetes? Você não toma banho.
Na realidade não é nada tão radical: é só que você não teve tempo algum e conhece uma vendedora da Avon, Natura ou qualquer coisa do tipo e foi escolher um produto qualquer de pronta entrega, ou correu na lojinha desses produtos e comprou qualquer coisa cheirosinha, ou um batonzinho de 20 reais. 

Pensei até em escrever no Facebook algo do tipo descontraído, pedindo sutilmente por recadinhos criativos, ou que concedessem algo de graça - além de tempo para escrever - tipo uma música. Era só escolher uma no youtube e colar o link no mural. 
Mas aí seria forçar que as pessoas sejam amistosas. Forçar inclusive que elas se importem. É dar asa para os sabichões de plantão que refletem sobre a exposição do privado nessas redes como sendo tudo fruto de carência. Postar foto na rede social ultimamente rende comentários de amigos próximos e curtidas daqueles que você divide em dois: parentes, amigos e pessoas que estão retribuindo curtidas. Todos os três grupos se vêem em uma obrigação de agradar na maior parte da sua intenção. 
Ninguém é obrigado a nada, isso que o pessoal tem que entender. É por isso que se as vezes tenho poucas curtidas, por vezes tenho convicção que aquelas foram as que deveriam ser para aquele momento, ou ninguém viu mesmo e tudo bem. Nada mais além. 

E é como deveria ser uma data como essa, de completar mais um ano de vida (afinal é inevitável): nada mais além. Porém, sempre temos umas paranoias que parecem sem solução... Com o passar dos anos, essas coisas deveriam diminuir assim como diminuem-se os presentes :D


Abraços afáveis!

quinta-feira, 11 de junho de 2015

R.I.P. Chritopher Lee

É comum que eu faça postagens bem humoradas sobre os GPs da F1 com fotos, mas apesar de ter preparado, alguma coisa me deixava desmotivada para fazer. Não sei se é por uma incômoda dor do peito agravada por uma tosse alérgica ou pela quantidade de coisas que devo fazer para finalizar com competência meus afazeres do semestre no mestrado.

Fato é que nem vi clima para agora. A notícia da manhã diz que mais um se vai e é mais um que sentiremos falta: Christopher Lee, o eterno Drácula, Sith Conde Dookan, Saruman, e tantos outros personagem se foi.Nasceu em 27 de maio de 1922 e aos 93 anos faleceu no último domingo (dia 7) Já internado à umas 3 semanas com insuficiência respiratória, resolveu deixar-nos.


Pelo blog, comentei que Lee - além de excelente ator, e um dos que conheceu outro velhinho que gosto "pouco", J.R.R. Tolkien; coisas que combinadas já garantiam minha total admiração - se aventurou com propriedade no Heavy Metal, não só fazendo participações em álbuns do Rhapsody of Fire ou Manowar, como teve seu próprio projeto: Christopher Lee e sua veia metálica

Que ele descanse em paz. É certo que fará uma tremenda falta.
De consolo, ficamos com a memória de seus icônicos personagens.

Abraços afáveis!

segunda-feira, 8 de junho de 2015

GP do Canadá: 'Tá ruim? A Globo trata de piorar

Conforme era de se esperar a corrida do Canadá que deveria ter alguns atrativos, algumas chances de emoção, não teve tantos. Infelizmente, o pouco de ultrapassagens que teve, acabou segundo plano pelas coisas ruins.

Acham que exagerei? Vamos aos tópicos sutis, primeiro os relacionados à  corrida em si:  

- Largada com o Hamilton jogando carro e Rosberg na fria contra a Ferrari de Räikkönen. Largar com tranquilidade sem se preocupar com o companheiro? Necas.
- Expectativa das Lotus fazerem bobagem (a que ponto chegamos!);
- McLata fazendo seus pilotos e seus torcedores de bobos com as tais promessas que não chegam;
- Rádios épicos (e cobertos de razão) de Alonso;
- Mercedes achando que somos todos débeis ao não perceber que protegem o número 44 - "para Rosberg não comentamos nada, mas para Hamilton ensinamos ele a pilotar", deveria ser o lema se tivessem um brasão;
- Nenhum mísero acidente: um toque leve de Vettel com Hulk cujos comissários entenderam bem que foi uma lance de susto e outro toque entre Grosjean e Merhi que aí rendeu punição porque com Grosjean ou Maldonado, ou Pérez, ou qualquer um que não Massa ou Hamilton, toma punição em quase 99% dos casos. Uns recebem punição se tiverem mesmo errados - o que acontece raramente, outros recebem, porque são apenas outros. 
- Kimi fazendo lambança. O zerinho poderia até ter dado alegria na corrida, se não soubéssemos que perdeu posição para o Bottas com essa, e que depois nem adianta brigarmos que Arrivabene falou duramente sobre ele na imprensa italiana;
- Desagradável, chato e cínico (vide sorriso de Toto para Lauda na última volta) dobradinha de Hamilton e Rosberg;

Agora os tópicos da transmissão:

- Não assisto ao treino no canal fechado por motivos de "saúde";
- Treino classificatório de menos de 10 minutos no canal aberto, com um narrador mais que empolgado falando dos Felipes. (Nars por sinal não está puxando o saco do jeito certo, caso contrário o comentário sobre sua batida não teria sido "Foi a primeira vez que ele cometeu um erro na temporada" seguido de um "Até que demorou!" - Pobre Nars...);
- Largada e mais de uma hora com transmissão sem o som ambiente para os infelizes de tv normal e parabólica;
- Festival de asneiras de um narrador se não bêbado, tão bobo a ponto de gerar vergonha alheia no mais sem-vergonha do mundo. Galvão é chato e fala do que não sabe para puxar-saco dos outros. Esse Luis Roberto vai na mesma escola, mas de agravante, não filtra nem comentários sobre os protegidos;
- Torcida para o Massa (e por vezes, para o Hamilton) de embrulhar o estômago;
- Esquecimento puro e completo do terceiro lugar de Bottas;
- Narrador e comentaristas "ovulando" com a corrida de recuperação do Massa, que por sinal não fez nada mais que a obrigação: Palavras repugnantes de Reginaldo Leme: "É certo que Massa é o piloto da corrida". Só ele, não Vettel, nem mesmo Bottas...
- Falta do pódio para vermos o diferente da mesmice, o Bottas - Bichinho de Goiaba -, porque alguns míseros bobões fariam um amistoso com o México e isso, senhoras e senhoras era de suma importância.

Únicas boas coisas do GP:

 Presenças ilustres de algumas pessoas afáveis: Michael Fassbender, James McAvoy <3 comment-3--="" nbsp="">
E até Al Pacino! 
Algumas ultrapassagens, mas a maioria sem som e com a voz irritante daquele débil narrador.

Para finalizar, o momento mais tenso: O quase atropelamento de uma marmota. Coitada. 
Quase atropelada por quem??? ¬¬' 

Já que tinha uma TV sem som, com um babaca falando muito e nada que prestasse, pensei duas vezes em continuar a ver um filme que estava vendo. Com a conclusão, arrependi de não ter feito isso.



Sejam sinceros comigo: como podemos ainda continuar nessa?

Abraços afáveis!

sábado, 6 de junho de 2015

Treino Classificatório GP do Canadá

Ei vocês aí que assim como eu perderam minutos preciosos com um treino que pairou no ar uma mudança, mas no fim foi a mesmice de sempre: Massa com probleminhas no motor, que na minha linguagem lê-se como "grave defeito na peça entre volante e cockpit"; Ferrari tendo um momento ferrado, e nesse caso foi com Vettel, que em tese parece que será pai pela segunda vez... e por fim, duas Mercedes na ponta, pole de Hamilton o que garante o momento sem beicinho, nem carinha de emburradinho, e as Lotus fazendo coisas que dão medo. 
Por menos de 10 minutos já ouvimos bastante bobagem do narrador substituto do chato-mor do Galvão. É para preparar a jarra de suco de maracujá porque amanhã vai rolar mais bizarrices vindo da boca desse cara, já que o véio estará fazendo graça agora mesmo com o jogo da Champions e amanhã naquele amistosinho tosco.

Grid de Largada GP do Canadá 2015:

1º L. Hamilton (Mercedes), 2º N. Rosberg (Mercedes), 3º K. Räikkönen (Ferrari), 4º V. Bottas (Williams), 5º R. Grosjean (Lotus), 6º P. Maldonado (Lotus), 7º N. Hulkenberg (Force India), 8º D. Kvyat (RBR), 9º D. Ricciardo (RBR), 10º S. Pérez (Force India), 11º C. Sainz Jr. (STR), 12º M. Ericsson (Sauber), 13º F. Alonso (McLaren), 14º F. Nars (Sauber), 15º S. Vettel (Ferrari) 16º F. Massa (Williams), 17º R. Merhi (Marussia), 18º W. Stevens (Marussia), 19º J. Button (McLaren) e 20º M. Verstappen (STR) *

* Punido com 15 posições pelo acidente com Grosjean no GP de Mônaco.

Como estou? Igualzinho alguém da foto:


Depois perguntam porque eu sou fã do cara...

Abraços afáveis!!! Excelente corrida!!

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Temporada de F1 no Passado: GP do Canadá

E olha que o Verstappen mirim deu uma cutucada excelente no bocudo do Massa ontem, na coletiva. 
Assim como ele, acho que o culpado do acidente entre Massa e Pérez ano passado foi culpa do Massa. De qualquer forma, ele esbravejou periculosidade dos companheiros e dessa vez, acusou a idade como fator para abrir a boca e comentar sobre o acidente de Max com Grosjean. Falante do que não sabe, achei satisfatório que pela primeira vez alguém teve peito de falar na cara algo que adoraria dizer para ele. Acho que Max não tem pouca maturidade nesse ponto, respondeu sem se alterar, coisa que o Massinha já gaguejou um bom tantinho com sua vozinha mínima na coletiva. Verstappen foi sagaz, apontando que opinião sobre o que fez é o que mais tem, e colocou Massa no lugar devido. E eu só acho que devem falar em punição, os caras que raramente se envolvem em acidentes. E olhe lá, pois mesmo assim pouco resulta em comentar sobre as corridas dos outros que não a sua própria. Já diria sábio Kimi: "I don't care".

É que nem o trio da Globo. Falou "bem" do Kimi na corrida da Espanha porque queriam que ele passasse o Bottas a fim de que o companheiro do Massa não o ultrapassasse no campeonato. Em Mônaco decidiram falar mal do Kimi, pedindo para aposentar inclusive, assunto que perdurou até na corrida. Deu para entender livremente: Räikkönen, mesmo fazendo corridas amenas, já está na frente até do Bottas no campeonato. Enquanto o Massa ficou sem empreguinho chinfrim da Ferrari, eles não tem porque atacar mais o Alonso lá penando na McLaren porque ele também já "pinicou" de Maranello e foi (e é) bem mais maltratado pela antiga equipe que o protegido. Agora é a vez de falar daquele que substituiu o nosso amado. Aí os rumores pouco fortes do Bottas na Ferrari se concretizam e pobre coitado do Bottas...
Que povo chato. 
E olha que estou alheia a F1 esses dias... Mas volta e meia, lembro dessas absurdidades e volto a ficar incomodada. 

Chega de papo, vamos aos antigos casos do GP do Canadá, em resumo.

GP do Canadá no Passado:



2007 no Canadá foi marcado por forte batida de Robert Kubica (BMW). Foi tão tenso que desde então não como mais brigadeiro enquanto assisto corrida. Simplesmente, naquele dia, não digeri bem de nervoso. Mas, apesar do susto, Kubica ficou bem.
Foi a primeira vitória de Lewis Hamilton na categoria. O estreante começava a mostrar suas asas e na sexta corrida do ano acabou vencedor. No ano seguinte ele mostraria seu verdadeiro lado de piloto fenomenal. 

Pole Position 2007: Lewis Hamilton (McLaren)
Vencedores de 2007: 1º Lewis Hamilton (McLaren), 2º Fernando Alonso (McLaren) e 3º Nick Heidfeld (BMW)

Céu e inferno para dois pilotos: em 2007 Hamilton teve seu trunfo maior e Kubica se acidentou de forma muito violenta - céu para um, inferno para outro. Em 2008 os papéis se inverteriam: Hamilton procurou o inferno, batendo na traseira de Räikkönen quando o sinal dos boxes estava vermelho e o finlandês parado por conta do Safety Car. Ali ele mostrou que não é atento a nada que acontece na corrida - se não fazem por ele, danou-se. Já Kubica alcançou o céu que com isso, venceu a corrida de forma fácil. 
O GP de 2008 foi marcado também pelo último pódio de David Coulthard (RBR) que ao fim da temporada se aposentou. 

Pole Position de 2008: Lewis Hamilton (McLaren)
Vencedores de 2008: 1º Robert Kubica (BMW), 2º Nick Heidfeld (BMW) e 3º David Coulthard (RBR)

- Não houve GP do Canadá em 2009.


Nada de relevante em 2010...

Pole Position de 2010: Lewis Hamilton (McLaren)

Vencedores de 2010:  1º Lewis Hamilton (McLaren), 2º Jenson Button (McLaren) e 3º Fernando Alonso (Ferrari)
 GP do Canadá foi marcado por várias pausas por conta da chuva e que durou mais de quatro horas no total. Tanto que nós, brasileiros não vimos o final da corrida por conta daquele campeonatinho que chamam de Brasileirão.

Pole Position de 2011: Sebastian Vettel (RBR)
Vencedores de 2011: 1º Jenson Button (McLaren), 2º  Sebastian Vettel (RBR) e 3º Mark Webber (RBR)


GP marcado pela disputa estratégica entre Vettel e Hamilton e Hamilton teve só o trabalho de administrar a corrida assim que obteve vantagem. Pérez completou o pódio e pareceu talento do piloto mexicano, mas não só isso; a Sauber sempre se deu bem no Canadá - vide a vitória e os pódios dos pilotos de Peter Saubr: Heidfeld e Kubica.

Pole Postion de 2012Sebastian Vettel (RBR)

Vencedores de 2012: 1º  Lewis Hamilton (McLaren), 2º Romain Grosjean (Lotus) e 3º Sérgio Pérez (Sauber)

 Nada seguramente relevante em 2013.

Pole Position de 2013Sebastian Vettel (RBR)

Vencedores de 2013: 1º Sebastian Vettel (RBR), 2º Fernando Alonso (Ferrari) e 3º Lewis Hamilton (Mercedes)

GP marcado pela primeira oficial (já que na Austrália foi desclassificado) vitória de Daniel Ricciardo, superando até o tetra campeão e companheiro, Vettel. Primeira vitória de um carro que não era da Mercedes nesse ano. Hamilton teve problemas de freios e não marcou pontos e Nico continuou bem no topo da grade.
Massa, que era o campeão de 2014, acabou  se envolvendo com um acidente com Pérez. 

Pole Postion de 2014: Nico Rosberg (Mercedes)

Vencedores de 2014: 1º  Daniel Ricciardo (RBR), 2º Nico Rosberg (Mercedes) e 3º Sebastian Vettel (RBR)

2015 está aí. Aguardaremos!
Abraços afáveis!!

terça-feira, 2 de junho de 2015

Música do dia: So damn cool

Apesar de hoje eu ter uma folga forçada - o professor avisou que não iria dar aulas devido uma gripe forte - só empolguei em partes. Em primeira instância pensei "Maravilha, isso é totalmente ótimo!!" Mas depois a gente pesa as coisas e vê que não é bem assim. Uma folga na terça que tenho aula, só significaria duas coisas: poderia usar meu tempo para adiantar minhas escritas e estudos e a segunda é que não tem aula hoje, mas ela vai ser reposta. Essa reposição acontecerá quando a Manu aqui não puder e todo os outro 9 alunos poderão. Só por isso, já começo a ter uma raiva descomunal. ¬¬' Detalhe: as aulas eram para começar dia 3 de março e ele só começou no dia 24. 3 semanas inteiras sem aula e agora um tanto enorme de textos acumulados. 
Falta de planejamento também acontece numa universidade federal e no programa de pós, galera. 

De qualquer forma, amanhã tem aula normal e eu preciso de vida depois do feriado.

Boa semana a todos!


Abraços afáveis!