segunda-feira, 28 de março de 2016

Tag Cinematográfica: Desafio dos 30 filmes (#4)

Desafio dos 30 filmes: Dia 4 - Um filme que te faz chorar

Deveria ser uma escolha fácil. Mas não é. Porque filme que eu choro, não é o que a maioria escolheria para responder essa tag.
Lembro-me de um tempo em que todo mundo se dizia comovido com o filme "PS: Eu te amo". Assisti e "bam" não fiquei sequer engasgada. Não me sinto comovida com filme romântico. Muito raramente. Nem com finais trágicos. "Romeu e Julieta"? Não. "Titanic"?? Caraca, que filme chaaaaato!!! PeloamordeDeus!
Trágico não necessariamente é para morrer de chorar. Sou romântica, mas à um tom diferente do simples centro de uma narrativa com romance amoroso. Explico.

Um bom filme para ficarmos comovidos de fato: "A Vida é Bela". Sacrifício humano pelo amor à família em tempos de guerra e opressão racial/religiosa. Olhamos à volta, hoje: isso realmente deixou, por um minuto, de acontecer nos 4 cantos do mundo? 
"O menino e o pijama listrado", "A menina que roubava livros". Ponto: lá vem as lágrimas.
Outros: "Up - Nas Alturas", "Toy Story", "Rei Leão" ou até "Wall-E". Valores humanos são muito bem explorados pela maioria dos desenhos clássicos. "ET - o Extra Terrestre", "Meu Primeiro Amor" , "AI - Inteligência Artificial", "À Procura da Felicidade", e tantos outros com temáticas de guerras, sofrimentos, lutas pelos direitos do negros, gays... Ponto de novo: lá vem água.

Raramente alguém comentaria sobre este: "Peixe Grande e suas histórias maravilhosas"
Edward (Albert Finney/Ewan McGregor) é um sonhador, que vive contando histórias fantásticas sobre sua vida, com personagens mágicos e situações impossíveis. A única pessoa que não gosta de ouvir seus contos é seu filho, que se afastou dele com o passar dos anos, mas volta a visitá-lo quando Edward fica muito doente.
Filme de 2003, dirigido por Tim Burton, talvez seu filme mais emotivo e dramático. Mais simples, apesar das fantasias que o envolvem, tem um apelo mais trágico que paira não relação amorosa de casais, mas de pai e filho. O desfecho é um grande spoiler.

Muitos podem até citar esses filmes, mas meu caso é talvez muito claro: "O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei" foi de muita lágrima gasta. #fato Confesso que é andar em círculos, certamente algum filme da trilogia iriá aparecer em outra tag, então, deixa para quando for necessariamente inevitável, rsrsrsrsrs...

A minha escolha recai por filmes que eu choro, ou choraria se não tivesse acostumada com a história. "À Espera de um Milagre": Esse é o tipo de filme que me comoveu para valer.
Baseado no livro homônimo de Stephen King de 1996, o filme de 1999 é bem fiel à narrativa das páginas. Dirigido por Frank Darabont, conta a história em um presídio americano, chamado "The Green Mile", em forma de flashback na visão do agente penitenciário Paul Edgecomb (Tom Hanks) em um asilo, já velho e aposentado da sua função. O recorte da trama é no presídio de Lousiana, na época da Grande Depressão americana, quando Paul e outros policiais entram em contato com um preso que faz a diferença na vida deles e de outros detentos: John Coffey. Coffey é condenado à morte pelo assassinato de duas garotas brancas. O personagem, negro e de proporções gigantescas, revela, ao longo da trama um dom mágico/misterioso e também milagroso.
É nó na garganta o tempo todo, certamente, à pensar inclusive no desfecho.



E assim, começamos a semana. Passo a pergunta do filme que fizeram vocês chorarem, para que respondam nos comentários.
Bom segunda a todos!

Abraços afáveis!

PS: Para acompanhar as outras escolhas 1, 2 e 3:  Dia 1: Um filme que lembre a sua infância , Dia 2: Um filme que você considera um clássico , Dia 3: Um filme com final surpreendente.

quinta-feira, 24 de março de 2016

Tag Musical: Músicas que vocês escolheria para (#4)

♫ Música que você escolheria para

♫ Dia 4 - Ouvir em um dia de sol


A nossa mente trabalha em cadeia; por tal, ao ler "dia de sol" já cantarolei:


Here comes the sun *tchurururu*
Here comes the sun and I say
It's all right...



E então, além de pensamento encadeado, meu pensamento foi de uma infeliz sinapse muito óbvia. Putz! (Reflexos e resquícios de uma cria de fã dos Beatles, sem dúvida).

Mas não pude ir longe no segundo pensamento."Sun" ecoou na minha cabeça e não pude mais fugir. A segunda escolha ainda respondia à tag, então era melhor que eu parasse nela antes de sair fazendo uma lista quilométrica.
Aqui vai, música para ouvir em um dia de sol:



A letra pode ser meio deprê, mas tem uma sonoridade boa pra caramba. (Ah, anos 80...) 
Ironia, hoje em Araguari o dia amanheceu nublado :S

Comentários abertos, como sempre. 

terça-feira, 22 de março de 2016

GP australiano em fotos comentadas

Classe 2016: uns comportados, outros, sapecas.
Coitado do Kimi que teve de ficar perto do Massa. 
Será que sairia "fight" entre ele e Bottas de novo?


***

Os tomatinhos que podem virar caquis maduros caso a Ferrari apronte das suas
Estaremos vigiando, Ferrari...

 Vigiando...

***

Jolyon Palmer para quem não conhece. 
Fazendo cara que está entendendo tudo né? Bom, garoto!


***

Maldonado saiu mas tem asiático* para dar sombra do medinho


*Tudo bem, Indonésia é entre Ásia e Oceania... Eu sei, não fugi da escola

***

Vettel passando o boné...

... para o Ricciardo. 
Um ano atrasado, não? E além disso é o boné errado.


***

Cara da esquerda: - Ali, naquele pontinho...
Magnussem: - "aaaah, o Batman?
- Não, o Superman, seu besta! (E sai emburrado por ser #TeamSuperman)
- Cara da direita pensa: "Sou mais Civil War..."


***

Olhar 43, Ericsson? 


Não convenceu.


***

Ric: 


***

Pode ter diamante na orelha, ter um IPhone na mão, vestir roupas caras e de grife.
Mas esse óculos é antiquado 


***

A sobrancelha monstro de México!! 
Se vivesse na época dos Astecas, Guti seria o imperador de Tenochtitlán


***

Certamente pai já está acostumado, mas eu acho esse seu filho muito esquisito. Parece que o rosto dele foi "colado" com diferentes partes "recortadas" de uma revista...


***

A criança: - Pai, o cara é gelado. Me tira de perto!


***

Já, Button?
A gente não julga pela capa, mas as vestimentas da moça me faz pensar que você não mudou o gosto por novas sereias de água doce, né?


***

Não sei quem é, mas se está ameaçando enforcar ele se não for penta, continua, em meu nome


***

Santa mãe, Kevin. Cadê seus olhos??


***

A reação é sempre a mesma com a 1ª experiência das pessoas normais com um pau-de-selfie: desconfiança #TamuJuntoRosberg


***

Hulk, que com esse braço, fez o verdadeiro dar risada


***

Kvyat representando todos nós com o novo sistema de classificação: complicado para confundir e dar na mesma coisa de antes

Somos bobos: sim ou com certeza?

***

Espero que os olhares não sejam porque ele tem um "kick me" nas costas


***

Quem piscar primeiro, tem que dar entrevista
Kimi ficou com os olhos vermelhos no esforço 


***

Toda boyband tem um estragado, um que não sabe os limites das coisas ou simplesmente não se encaixa. Mas em grande maioria tem o mais velho, o fechadão, o estiloso e o novinho.
Eliminem e vcs acham o estragado.


***

Há esperanças na humanidade. Guiterrez ficou ali no apoio o tempo todo. 
Ainda bem que ambos estão mais que ok. 


Abraços afáveis!!!

segunda-feira, 21 de março de 2016

GP da Austrália: "Era..."

Já faz quase um dia e meio que passou a primeira corrida da temporada 2016 de F1, madrugada adentro. Eu que não sou mais boba - pelo menos, não para isso - não fiquei acordada para acompanhar a corrida ao vivo, e deixei gravando, para caso prestasse, eu assitiria na manhã seguinte. Seria uma questão de cortar em duas horas o meu sono contínuo. A F1 do jeito que está não vale esse descaso com meu sono REM.

O GP da Austrália ficou no "Era" - verbo ser, no pretérito imperfeito. Além de pretérito - indicando passado - ainda é imperfeito! Nada mais adequado à categoria não?

Era para ser um fim de semana de novas coisas:

- Era para conhecermos melhor os novatos e não conhecemos praticamente nada deles;
- Era para ser uma classificação empolgante - já que uma "inovadora" ideia - mas o que tivemos foi mais uma falha e frustrante tentativa, tão previsível quanto quanto o resultado de sentar num bolo coberto de muito glacê;
- Era para ser uma corrida em que tudo fosse tranquilo, mas não foi em dois momentos;
- Era para ser uma corrida legal e ao menos, diferente das últimas, já que tivemos uma largada magnífica do Vettel e do Räkkönen, mas a Ferrari sabe como jogar tudo no lixo sem se preocupar;
- Era para ser, finalmente, uma corrida em que os erros cometidos por Hamilton não o deixasse com a possibilidade de se recuperar dado um carro infinitamente superior aos demais, ou incompetência dos  colegas da frente;
- Era para ser uma corrida que não tivesse os avisos estratégicos e rádios que "ensinassem" os bonitões a resolverem seus abacaxis;

A classificação foi uma mesmice, e dizem ter se comprovado ridiculamente complicada para nada.
Não sei, não vi. Eu assisti à F1 tempo suficiente para saber que só uma mudança muito radical e de igualdade para todos renderia algum tipo de classificação mais condizente com a palavra "desafio". Mas eles não querem isso, se não já teria colocado muita coisa para funcionar.
A corrida deu esperança para mim, que ao ver meus pilotos favoritos saltarem a frente, algo bom poderia vir. Ledo engano. Sou mesmo uma trouxa.
Como muitos, fiquei extremamente assustada com o acidente de Alonso. Mas muito satisfeita em saber que ele saiu ileso e que Gutierrez teve o bom coração de esquecer tudo e correr para saber como ele se sentia e ampará-lo. Por uma boa sorte, tudo bem com os dois. Alonso deus entrevistas depois e isentou Gutierrez de qualquer acusação e agradeceu por estar ali, dando entrevistas. O profissionalismo de ambos é algo que não deveria, mas nos surpreende, nos tempos em que vivemos: o primeiro por assumir que errou a freada e o segundo, por correr em seu socorro.
Se os nervos estavam começando a estabilizar, lá foi Kimi para a troca de pneus e chegou lá pegando fogo - literalmente. Extintor meio demorado e o desespero para sair do carro. Sabemos que o cara é frio, mas ninguém se importou com ele e meio que parado, meio andando, parecia que nem estava ali. Rumou para dentro dos boxes e foi esse o fim da corrida para ele. Parece que para a equipe, ele não era um daqueles que comporia o pódio... À contento, se a Ferrari não responsabilizá-lo pelo fogo - o que não duvido - ele deve ser responsável também nas escolhas dos pneus para Vettel. No meio do blábláblá infernal do trio global, Hamilton se aproximou, dado ao carro e não à habilidade, e Vettel perdeu a segunda posição, ficando apenas em terceiro. Dada a carinha até amistosa no pódio de Hamilton, significa que nem suou. Ele sabe que está tudo garantido e ele pode errar o quanto for. Tudo se ajeitará, afinal sempre tem alguém para isso, e outros para errarem mais que ele.
E é fato, que depois do acidente de Alonso e do fogo no carro do Kimi (embora a transmissão não tenha dado tanta importância pois foi controlado) a corrida chegou à sua metade naquele modo opaco de 2/3 das corridas do ano passado: lá na frente não acontece nada, ficamos no meio da pista filmando investiduras de ultrapassagens de equipes médias, com pneus desgastados ou braços molengas. Dessa vez, Verstappen brigando com Sainz, rádios raivosos com a equipe e o Bottas no meio dessa mini-confusão. Uau, super empolgante! #sóquenão
As mais de 2 horas que a maioria de vocês gastaram na madrugada, eu gastei em pouco mais de 50 minutos, passando muita firula para frente. Não arrependo! (E vou reprimir o desejo de reclamar a ponto de escrever #SaudadesNFL)

Em suma:

- Era para ser uma corrida que aniquilasse a  nossa saudade de fãs de corridas, mas no do meio em diante, foi um repeteco bem sem sal ou açúcar. E Barein é daqui a duas semanas,então esse repeteco pode ser altamente amargo, dada a tradição da corrida ser bem ruim.

Que os deuses dos pneus e da aerodinâmica nos ajudem.

Abraços afáveis!

sábado, 19 de março de 2016

Treino Classificatório do GP da Austrália

The season 2016 in Formula 1 is upon us!
Aaaaaaaand... Nothing has change, my great friends!

Tradução: A Temporada 2016 da F1 está sobre nós, mas *olha só que incríível!#sarcarmo* não mudou NADA, meus grandes amigos!

A nova classificação só comprovou que nada é complicado para as Mercedes, e Hamilton não teve nem um pingo de esforço. Era por isso que ele não estava preocupado com a "nova" classificação.
É como disse já aqui: não ia dar em nada, e a gente ia continuar nessa de trouxas que somos. 
Há também a restrição de rádios, nada de avisos de como está o carro, como está o do companheiro, nem esqueminhas de decisões para poder ultrapassar alguém ou paradas ajustadas. Apenas avisos de segurança da pista, chamando para os boxes, ou se o carro está com algum problema mais grave que foce alguma medida para ou deixar a corrida, ou se assegurar. Certas coisas, o piloto vai ter que se virar, tipo, pensar pela sua estratégia programada o que deve ser feito para chegar em x posição. Hamilton é do tipo que não vive sem um rádio, mas vocês acham mesmo que não terá uns rádios que parecem que são avisos de segurança que na realidade, são rádios/coaches? Vai sim, podem ter certeza. 
A classificação está desta forma para o domingo:


Me enganaram. Achei que a temporada 2015 já tinha terminado.


Em finlandês, o equivalente em inglês:


Em português há um monte de equivalentes: "droga", "maldição", "caramba" e derivativos mais pesados, com "C" e com "P" que remetem a órgão sexual masculino. 

Abraços afáveis (voltando à meiguice) e desejo - se é que é possível - boa corrida para vocês!

quarta-feira, 16 de março de 2016

F1 2016: "Caretas e Carroças"

No fim de semana que se aproxima começa de vez a temporada de 2016 da Fórmula 1.
Temos mudanças na classificação - que foi aprovado apesar do desagrado dos pilotos -, mudanças sutis nos cockpits e mudanças inclusive na alcunha das equipes - ainda que seja tudo a mesma coisa, no fim das contas.
Animados (as)? Pois é bom estarem, porque agora mesmo é pra valer - mesmo que saibamos que pode ser novamente uma porcaria como no ano anterior.

Escreverei brevemente sobre as equipes, e o que espero das duplas - sendo mais sincera possível e a mais positiva pessoa dessa terrinha de meu Deus.

Ali, no título, coloquei propositalmente, os termos "caretas" e "carroças". Alguns carros nem são carroças e nós, que estamos já de cabelos brancos com essas equipes, sabemos quais são as verdadeiras carroças e quais não. Não valerá a pena mencionar isso. Mas pensei: "Caretas é sacanagem da minha parte". Olhando as fotos do site oficial da categoria, das quais virão abaixo (de uma forma didática para quem ainda não decorou os figurões novos e não tão novos) eu acho que não errei tanto assim em manter a expressão "caretas". 
Vocês entenderão; vendo por vocês mesmos:

Duplas e Equipes 2016:


Líderes das duas últimas temporadas; responsáveis por nos deixar de cara virada para as corridas, afinal demoraram muito tempo para se ajustarem e quando se ajustaram, não deixaram que ninguém mais pronunciasse a palavra "competitividade" a não ser em desejos, pedidos, súplicas. 
Competitividade não teve, a não ser entre Hamilton e Rosberg. Talvez no primeiro ano (2014), mas destruíram - em poucos minutos - todas as chances de Rosberg ser bem sucedido. Paga-se mais pelo celebridade Hamilton, é ele que vence as corridas, todas (eu reitero: TODAS) muito chatas. Pagamos o pato por ver um piloto "desumilde" ser bicampeão destes dois últimos anos (2014 e 2015). Somando mais um de 2008, ele é o atual tricampeão, quando nem de longe merece algum dos títulos.
Se assim continuar, temos chances de ver afundar ainda mais a categoria, num poço de areia movediça fresca. Para resgatar a F1 dessa, vai ser preciso mudanças rápidas e radicais. 

O que eu espero dessa dupla: Espero que Hamilton sofra para conquistar corridas. É muito fácil ser bicampeão com esse carro e com os outros patinando sem sair do lugar. Pelo bem da competição, certo? Nada contra Rosberg, mas me irritou saber que ele compactua com ações da equipe que prioriza Hamilton ao invés dele, mais antigo (e mais amigável) na equipe. E espero que a Mercedes pare de se fazer de santa, afinal, nenhuma é.
Se assim for, não teremos o papo de disputa  entre Vettel e Hamilton, porque em pé de igualdade (que não há), Vettel é superior.


Essa é minha dupla, certamente. Poucos ainda acham vantajoso a dupla Vettel+Kimi, mas eu ainda acho, então, é isso.
A Ferrari ainda continua prodigiosamente maldosa em termos administrativos (italianos, pfff...). Arrivabene se esquece do seu segundo piloto com uma facilidade magnifica. É falso com uma maestria divina. Essa é a Ferrari. Não pode-se esperar menos. 
Kimi terá de travar outra batalha esse ano: a de se firmar ao menos, como segundo piloto. Quem conhece Kimi sabe que ele não baixa a orelha facilmente. Então, não me surpreenderá se novamente - para que ele se "aquiete" - todos os defeitos previstos no carro, acontecerão no dele.

O que eu espero dessa dupla: O mesmo que esperei do ano passado, e por mais que tenha sido custoso, fiquei satisfeita com o resultado pessoal. Kimi e Vettel continuam bem, amigos dentro dos limites e se respeitando. Espero de Vettel uma possibilidade de ser penta (sim, eu espero isso) e que Kimi tenha legitimidade de poder ganhar umas corridas e ser também bem sucedido ao lado do Vettel. Não dá para pedir que ele supere o alemão, embora vocês saibam que meu lado fã-defensora-mor clama por isso.


A Williams vem sofrendo com estratégias. Isso é o que todos reportam e o que os fãs reclamam. Justo.
Eu acho ela que sofre mais é com os seus pilotos. É mais do que necessário que Bottas tenha um companheiro à altura, um home de ação e menos falastrão. Williams, porque não ter ido atrás de Hulkenberg, por exemplo? Trazer o cara de volta, poderia ser uma opção valiosa para a equipe com sangue jovem e talentoso.
Bottas deve ter o posto de primeiro piloto. Espero que eles não "zerem" a contagem depois de 2 anos em que ele foi massivamente (irônico não?!) mais consistente que o Massa (ôe!). 
Mas quem disse que inteligência é para todos?

O que eu espero dessa equipe: Que Bottas perca o medo de algumas coisas. Ele perdeu o medo de arriscar ultrapassagens com a pessoa errada, bem sabemos. Mas agora são águas passadas. Sem rancor no peito e tirando tudo que pode do carro, vamos esperar o terceiro ano dele, batendo sem dó no nosso amiguinho, para quem sabe, em 2017 Massa ser só uma lembrança? Hein?


Red Bull deve voltar bem depois de um ano quase trágico. Perder a sua principal estrela enfraqueceu bastante a equipe que já não vinha bem desde 2014. Kvyat surpreendeu no ano de 2015, na nova equipe. Ricciardo é bom e gosto dele. O primeiro só precisa ser mais constante e o segundo, mais sortudo. Assim, meu povo, fica bom de assistir.

O que eu espero dessa equipe: que ela volte com o ar de equipe mais legal do grid.



Eu acho que a Force India nada muito e morre na praia. Parece que ela pede ao gênio da lâmpada digital para que as coisas funcionem para ela, mas o sinal do wi-fi fica fraco e cai faltando pouco para concluir o download. 
Gosto do Hulkenberg, mas confesso não ser muito fã do Pérez. Queria mais espaço para o alemão, ele poderia muito mais nessa categoria se não fosse a falta das fichas para apostarem nele.

O que eu espero dessa equipe: que ela desencante. E com Hulk. 


A nova equipe - americana - com uma dupla de personagem de animação - americana. Nosso já conhecido Linguini/Grosjean e Gutierrez, o menino da cara engraçada - um muppet, talvez. 
Resta sabermos se eles serão uma piada na pista, ou não.
Que Grosjean é "odiado" por muitos, isso ocorre. Odiado por fãs xiitas do Kimi, odiado por outros xiitas, os fãs do Alonso. Odiado porque quem detesta piloto médio para ruim... Eu não desgosto tanto dele assim. Vários Grosjeans não me incomoda tanto quanto um Hamilton ou um Massa. E o que dizer de Gutierrez se não "nada"? Não dá para falar dele sendo o tal de um mexicano que esteve por um ano numa equipe, praticamente caindo aos pedaços que foi a Sauber de 2014?

O que eu espero dessa dupla: Que eles não sejam a piada da pista.



Enquanto um se mostrou mais maduro que a maioria velhinha e caquética da pista (Oi, Massa!) o outro foi meio decepcionante. Verstappen, ao menos em seu ano de estréia, minou com as expectativas de muitos que esperavam um grave e absurdo acidente para justificar a sua idade e imaturidade. Até houve incidentes que levaram à essa discussão, mas nem fez cosquinha. 
Já Sainz parecia promessa na primeira corrida, mas não foi a lugar nenhum, nas seguintes.

O que eu espero dessa dupla: não muito, para falar a verdade. O que se pode esperar deles?


Se o trio global optasse por puxar o saco do Nasr eu até que ficaria melhor. Ano passado, achei que eu ia arrumar um novo desafeto, mas pela sua firmeza em dar entrevistas realistas à Globo, sem se expor à "mimimis" chatos e lamúrias injustificadas, ele é o "outro Felipe" quase nunca lembrado nas transmissões. 
Ericsson continua sendo uma boa marca de telefones. O piloto sueco não é tempero relevante nesse grid, algo que acredito, não vai mudar tão cedo, que dirá neste ano.

O que eu espero dessa dupla: que Nars possa tentar evoluir como um piloto da categoria - embora com essa equipe, é como matar um leão por dia - e amadureça a ponto de, no futuro, termos um piloto centrado para chamar de compatriota. Como disse acima, Ericsson não atrai nenhum interesse em termos de análise. 


Dados à promessas de evolução, a McLaren tem aquilo que falta em metade das equipes do grid: uma dupla de pilotos mais que confiável. Mas ficam, como no começo desse parágrafo, só na promessa. É ridículo o que Button e Alonso passaram ano passado, sendo ambos campeões do mundo. Mas eles se dão bem, e isso, nas horas difíceis é muito bom. Garanto que depois disso, se algum dia forem disputar algo relevante na pista, serão mais ainda respeitosos entre si.

O que eu espero dessa dupla: Eles são bem competentes. Só espero que essa McLaren deixe de ser essa piada, afinal, é isso que todo mundo quer. Tenho a minha que com Alonso fora das competições de campeonato e de pódio, abre espaço para pseudo pilotos disputarem títulos e vencerem campeonatos ou a maioria das corridas (exemplo: 2008 e 2015).


A Renault voltou. Largou de ser Lotus, dispensou Grosjean e mandou o Maldonado catar coquinho. Mudou não só de nome, inclusive "roubou" Magnussen que era só piloto de testes da McLaren. Ele, que não é bobo, já soltou as manguinhas e falou acidamente da antiga equipe e aquela que te deu espaço. Mas como "cuspir no prato que comeu" é ação do dia-a-dia de muitos, por muito tempo na F1, isso não nos garante surpresa ou novidade. Jolyon Palmer é a primeira novidade atrás de um volante deste ano. 

O que eu espero dessa dupla: Magnussen não é ruim, mas o retrospecto da Renault não trás tantas boas lembranças depois do último ano em que Alonso esteve lá, vencendo campeonatos. Depois de 2006, foi ladeira abaixo para a equipe. Não acho que Kevin fará muito ou tudo para que a fênix ressurja assim... E Jolyon não tem nada além de sobrenome para que a gente pense. É improvável que surpreenda positivamente.


Marussia? Não, Manor! Quem se importa? Só a documentação de razão social e de inscrição na categoria, porque no fim das contas é ainda a última equipe do grid, a que fica normalmente zerada no fim da tabela. E tende, a olhar para esses figurões aí acima, a permanecer assim, sinceramente.

O que eu espero dessa dupla: Uma única coisa; que não sejam duas bombas relógio do grid 2016.

Quero que comentem suas expectativas na caixinha de comentários. O que esperam desse ano?

Ah, antes de me despedir: percebem que eu não sacaneei quando usei o termo "caretas"? Convenhamos, se são ricos e tiram fotos 3/4 assim, o que resta para nós?!? #medo

Abraços afáveis!