segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Abu Dhabi fechando 2016

Chegamos ao fim de outra temporada.
Não foi a melhor das temporadas, mas foi muito mais agradável que a anterior de 2015 - que me fez, pessoalmente, parar de anotar tudo o que acontecia em cada GP, detalhadamente, em cadernos. 
Este ano, fiz tabelas em Excel com as pontuações a cada etapa de piloto mais equipe. Mas assim que a NFL começou e as obrigações acadêmicas começaram a exercer as suas funções primordiais (as de aparecer todas de uma vez, tomar um tempo grande e te deixar exausta para qualquer outra coisa) eu não atualizei a tabela ainda. 
Isso é de menos. Importante é ter acompanhado pelo menos, a maioria das etapas. 17, das 19 para ser mais exata e as outras duas, pelo menos, em resumos. 
Tivemos ontem um fim eletrizante para uma pista bem morna: Nico Rosberg deve ter ficado na liderança do campeonato pelo menos, 16 das 19 corridas. Por estes termos, ele já era merecedor do título. Ainda na última corrida, ele precisava de pelo menos um terceiro lugar para se sagrar campeão. Hamilton poderia até se virar na frente que nada mudaria para ele. Nico acabou por fazer o trabalho no momento que deveria ter feito, deixando que o acaso e a pressão se recaísse no companheiro.
Para quem chamou a disputa dos dois de disputa psicológica, e que o LH era mais "evoluído" nesse ponto, aqui vai: não, não era. A gente fala em teorias da conspiração, mas somos torcedores e figuras passionais de fora do esquema. Hamilton, e só ele, é que levantou esse tipo de argumento quando tudo deu errado... Mente mais forte? Não acho.

Apesar de ter achado que a Mercedes arquitetaria alguma coisa para arrumar a vidinha do LH, felizmente isso ficou de lado ou alguém não aceitou fazer essa bobagem por eles. 
No meio tempo, Rosberg teve sim, com o que se preocupar. A abertura do "faça o que quiser e seja feliz" para Max Verstappen quase colocou  FIA em outros maus lençóis por ter deixado isso acontecer. Atrás de Rosberg, ele decidiu passar. Depois de um tempo, a estratégia da Mercedes pedia que Rosberg voltasse à segunda colocação. De certa forma, eles não se sentiram tão doloridos em pedir para que ele atacasse Verstappen. Dali, podia ter um toque entre os dois que tiraria Rosberg da pista e Toto riria tanto que sua barriga ia doer. Mas felizmente alguma boa luz veio a Verstappen e ele não facilitou, mas também não sujou com a tentativa de ultrapassagem do Rosberg.

Sim, Verstappen é um moleque danado. Sim, ele é desmedido e seguramente, muito bocudo. Mas tem talento. E pode dar muito trabalho ainda. Mas a defesa dele neste momento, nessa última corrida, não coube e creio que ainda não caberá. Galvão Bueno bateu boca com Reginaldo Leme, uma das poucas vezes em que teve razão. Simplesmente, porque não era hora de mostrar serviço. E eu digo o porquê  com um nome e um ano: Timo Glock, 2008.
Naquele último GP em 2008, Felipe Massa estava cruzando a linha de largada em Interlagos como campeão mundial, quando o pneu de Glock furou e ele foi ultrapassado por LH. Depois disso, os pachecos choraram por semanas a fio (e choram até hoje). Eu conheci gente que disse que Glock tinha feito de propósito, afinal "era costumeiro que alemães ferrassem com a carreira de brasileiros" desde Schumacher. Uma bizarra afirmação, mas vocês sabem que dá para ouvir de tudo desse pessoal.
Depois disso, as mesmas figuras nacionalistas (e hipócritas), deram risada por Vitaly Petrov segurar Fernando Alonso em 2010. 
O russo segurou tanto que depois assumiu a palhaçada de que estava lá para marcar pontos e não ajudar os colegas. Seu egocentrismo pode ter facilitado contratos naquela época, mas também fechou portas. Hoje eu não sei onde ele está e o que faz da vida, de tão relevante que foi.
Enfim, ficaria um tanto feio para Verstappen. Egocentrismo cobra preços altos, cedo ou tarde, mas cobra. Ele iria se arrepender de ter feito isso quando ele estivesse calçando os sapatos de Rosberg no futuro. Além de feio, fato é que ele não ganharia nada agindo assim. E a gente também não, afinal, seria o segundo campeonato que Hamilton venceria por forças maiores e não por talento puro. Para quê?

Rosberg ainda teve um trabalhinho no final proporcionado por Vettel. Fazendo uma boa corrida e uma boa estratégia, Vettel conseguiu até largar Verstappen para trás. Chegou em terceiro e logo, por estar em bom ritmo, forçava bastante atrás de Rosberg. Cheguei a ler comentários de haters do Vettel dizendo que o mesmo não tinha feito nada o ano todo, e decidiu encher o saco do compatriota no fim. 
Aí sim cabe defesa ao Vettel, se me permitem. Rosberg teve problemas com Verstappen, mas se tivesse mais espaço para avançar, teria se afastado do menino maluquinho. Mas Hamilton usou da pior tática pensável para quem é "tão talentoso e mentalmente equilibrado", "um mito", "uma divindade": escolheu ter um ritmo ridículo, segurando todo mundo para forçarem erros do Rosberg. Isso que pouco antes a Globo mostrou entrevistas dos "rivais" e LH disse que ia fazer a parte dele, ia procurar o bom ritmo e não ia segurar ninguém... 
Ora, que bom deve ser, ser torcedor de um tipo destes... #sarcasmo
Então, a pressão que o Vettel proporcionou mais me pareceu vindo de ritmo bom. No fundo, arriscaria dizer que Vettel empurrava Rosberg a tomar uma atitude a atacar Hamilton e vencer o negócio de forma bastante triunfal. Os haters, assim como os fanáticos, são cegos. Porque raios Vettel seria o egocêntrico da vez, por ventura, jogando Rosberg para terceiro, diminuindo a possibilidade de vencer o campeonato, sabendo que em terceiro, eles estaria no limite, e com chances de acabar perdendo a posição consagrando LH campeão? Esqueceram que Vettel tem 4 títulos e se assim fosse, LH empataria com ele? Ora... Acho que momentaneamente, Vettel quis vencer a corrida e passar os dois de uma só vez, mas ele percebeu isso e só manteve o ritmo pouco antes do fim. 
E se fosse essa apoteose toda, ele não teria tirado fotos e sorrido tanto ao Rosberg com a vitória depois.

Por fim, acho que já me extrapolei bastante, mas foram esses o sentimentos.
Fiquei bem nervosa em alguns pontos da corrida. A insistência de Arrivabene conversando com Toto desde quinta-feira, levantou suspeitas de que alguma coisa estava rolando, mas em tese, Kimi não se rebaixou à isso, nem Vettel. Mesmo que Verstappen tenha "causado" foi relativamente ok. E convenhamos, que corridinha comprida essa. Poxa.
No geral, a temporada foi boa. Ressalvas para os momentos tristes, tais como a despedida de Jenson Button de um jeito nada legal, na última etapa. Jenson é um dos caras mais legais da F1 e por mais ameno que muitos possam considerá-lo, ele é um bom piloto. 
Kimi fez muito no campeonato, mas os números acabaram por não mostrar isso. Por um tempo, no começo da temporada, Kimi chegou a ser segundo/terceiro. Ontem, terminou tudo em sexto e até Vettel acabou o superando, mesmo não tendo protagonizado grandes corridas. A Ferrari está indo de mal a pior e a gente nem sofre mais, só lamenta. Ano que vem farão 10 anos sem um título de piloto. 70% disso é culpa deles mesmos.
Outro sentimento ruim é o de mau perdedor estampado na cara de Hamilton. Eu poderia escrever o quanto inconveniente esse cara é, mas... Tudo isso aqui está bem longo, já.

Para 2017 ficam perguntas ainda sem respostas e algumas constatações: 
- Button deveria ficar na F1 apenas de enfeite, porque aos poucos, estamos ficando com menos opções de pilotos munidos de atrativos físicos descentes;
- A F1 é um ambiente masculino, mas o que saltou aos olhos ontem foi a presença massiva das mães emotivas, das esposas e as convidadas/aparecidas naquele Abu Dhabi;
- Por falar nas aparecidas, que tanto de mulher estranha ali, não? Tudo  "profissionais" que estariam na festinha depois? Inclusive, porque raios Paris Hilton estava lá com aquela cara de que não sabia onde estava, mas sabia que logo serviriam as bebidas?;
- Bernie Ecclestone está vivo depois do Rosberg ter pegado ele no colo?;
- Rosberg precisava mesmo pegar esse véio chato no colo? (O que a emoção não faz, hein?);
- O que fará agora Dudu Massa? Onde ele vai aparecer? O que ele faz? Como se alimenta?...;
- Sentiremos falta das reclamações infundadas do Felipe Massa? Ou dos seus comentários toscos a respeito de colegas e ex companheiros? (Tenho certeza de que eu, não!);
- Ou sentiremos mais falta do Reginaldo Leme que já estava meio gagá?;
- Sem contrato, Felipe Nars fora da F1 mais a aposentadoria de Reginaldo pode levar a F1 não ter transmissão em tv aberta no Brasil?;
-  O creme que o LH deve ter usado nos cotovelos, depois de sair do holofote como "o perdedor", fez efeito?

Essas e outras coisas, virão talvez a se resolver só em 2017. Até lá, se pudermos e se o tempo permitir!

Abraços afáveis!


terça-feira, 22 de novembro de 2016

Tag Musical: Músicas que você escolheria para (#12)

♫ Música que você escolheria para

♫ Dia 12 - Ouvir num carro a caminho de uma festa, balada ou show


Já aviso por antecipação que não tenho música para ir em "balada". Uma que balada pressupõe muito barulho e músicas dance/techno e qualquer coisa desse tipo. Duas que, essas coisas mais gente bêbada (ou doidona por outros meios) realmente não é ambiente em que eu me sinta confortável. Talvez um barzinho, com música ao vivo de uma banda de rock, seja muito mais legal. Mesmo com gente bêbada (ou doidona por outros meios), parece ser ambiente mais propício para mim. 
Mesmo assim, imaginando uma festa da qual tenha qualidade musical, vamos ao que interessa da tag 12: uma música para ouvir a caminho de uma festa ou um show.

Estar a caminho de shows depende totalmente de quem é o show - ou seja, a banda ou o cantor em si já pede que aqueçamos os "tamborins" para o que está por vir, no caminho de "ida" - e provavelmente, o da "volta".

Agora, para uma festa, pode ser algo dançante, mas não chato ou pop lixo. 
Hoje, por coincidência, acordei com as músicas do The Pointed Sisters na cabeça. A tag caiu como uma luva!


Deixo para vocês comentarem. 
Peço desculpas pela pouca dedicação ao blog, mas o fim do semestre tem corrido bastante e muito ainda há de ser feito antes que se comece a falar em ceia de Natal. 

Bom resto de semana a todos. 
Abraços afáveis!

♫ Outras escolhas:
Número 1- (Música que escolheria para usar como despertador);
2 - (Música que escolheria para ajudar a dormir);
3 - (Música que você escolheria para ler um livro); 
4 - (Música que você escolheria para um dia de sol);
5 - (Música para ouvir num dia de chuva);
6 - (Música para malhar em casa ou na academia);
7 - (Música para cantar no chuveiro);
8 - (Música para ouvir numa viagem de carro);
9 - (Música para beijar a pessoa amada);
10 - (Música para fazer um trabalho manual ou no computador);
11 - (Música para arrumar um quarto bagunçado)

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

GP do Brasil em Fotos

Alguns cliques do fim de semana e do domingo "Xou da Xuva":


Alonso sempre tem visões privilegiadas do GP brasileiro agora. Aqui ele toma sol, filma os carros... 
Pura diversão


***

Eu não vi isso, mas foi o Massa que escolheu?
Nossa, mãe!



***

E você aí achando que só você se estica  para tirar foto né? 


***

Rosberg: - Que esse cara tá fazendo aqui?
Kimi: - Sei lá. Cheguei agora.


***

Botaram os 4 de castigo na chuva!


***
Kimi, você sabia que a chuva vem da represa? 


Se o Galvão não fala, a gente se encarrega de repetir...


***

Se os pilotos nunca souberam como é estar em fila de banco ou loteria no Brasil, eles sentiram a sensação na pele no domingo


***

"Olha a alface, fresquinha, recém tirada do pééééééé!!"
"Olha os 'melão', olha os 'melão'..."


***

Hey, Tem chuva em novembro?

Yes: November Rain



Pergunta 1: Slash não tem cabelos brancos?
Pergunta 2: Primeira celebridade no paddock que pelo visto, não tirou foto com o Hamilton?
(e que ninguém disse que o Hamilton é fã, ou amigo íntimo?...)
Pergunta 3: Bastou o Kimi bater e ele foi embora?


***

Todo mundo chorou com a despedida do Massa, da cena dos mecênicos das equipes batendo palma pra ele nos boxes. Sim,  foi bonito.
Eu não chorei. Eu não costumo chorar por coisas que eu sei que depois vou arrepender de ter gastado lágrima. Mas foi bonito, reconhecimento que ouso dizer que ninguém mais terá, do jeito que foi: espontâneo (pelo menos, na aparência). 
Mas que é engraçado as pessoas passarem a carreira do cara odiando ele e depois mudarem, isso é. 
Eu não vi ainda aquele papo de que brasileiro quando acha alguém "uma porcaria" continua achando "uma porcaria". Basta meia dúzia de gringo dizerem o contrário para um bom tanto voltar atrás. 

Mas como aqui é espaço para uma leve e despretensiosa zueira, peço licença:

As pessoas choraram pela homenagem e respeito prestado.
Eu choraria de ver essa careca ali ... 


***

Olha, ele flutua... Huuuuum...


***

A selfie dessa vez foi com a torcida animada, muita gente, mas pelo visto nem tudo é brasileiro. Claro, porque brasileiro é de uma educação maravilhosa... Numa dessas ainda iam xingar o Nico


***

E aí, ainda detesta o Verstappen?
Olha o que ele tem para você:



Abraços afáveis!

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

GP do Brasil: Sempre damos um jeitinho

Façamos as contas: são 19 etapas de F1 todo ano, geralmente. 19 fins de semana comentando e buscando notícias das corridas. Ultimamente, desde que Kimi voltou à Ferrari e desde que Hamilton passou a vencer seguidamente sem esforço, eu tenho contado pelo menos 15 etapas com sextas, sábados e domingos quase que totalmente descartáveis. 
Esse ano foi mais ou menos isso. Até Spa, não foi do pleno agrado, como era antes.
Aos poucos a gente se torna velhos e chatos de tanto reclamar da mesmice e das corridas mornas de resultados sempre previsivelmente xoxos.
Mas eis que chega o GP brasileiro e a gente chega numa constatação que eu peço que vocês confirmem comigo: O GP não pode sair do calendário. Há uma chance de que em 2017 nem tenha corrida da F1 por aqui, e mesmo com a bagunça, as chuvas e a torcida desbocada e mal educada, ele precisa permanecer.
Em qual etapa desse ano a gente se empolgou tanto, até mesmo com os carros parados ou atrás de um Safety Car? Nenhuma. E eu não tenho medo de estar errando essa afirmação.

Essa "ode" à Interlagos não significa que estou dizendo que tudo foi mil maravilhas e não teve a sombra da rotina. Tivemos homenagens ao Senna, ao Massa, vislumbres de nostalgia, chuva, tivemos Safety Car demais, tivemos rodos nos boxes, uma certa bagunça, tivemos um Piquet fazendo umas mal criações e tivemos mesmo, mais de duas horas de Galvão Bueno falando, falando e falando - muitas vezes contando umas mentiras brancas, como é normal. Fora o resultado xoxo e previsível.

Tivemos personagens importantes na corrida em si: Chuva, marcando presença mais que qualquer piloto. Se ela é motivo para tirar a corrida do calendário, eu pergunto porque é que Bernie sempre reitera que quer mais chuvas nas etapas para dar emoção... ¬¬'
As pessoas reclamaram "o para e começa" por conta das condições da pista. Não me venham dizer que chuva emociona e é bom porque da última vez que continuaram a corrida, por conta de visibilidades, perdemos um piloto que poderia ter um futuro interessante na categoria. 
E sejamos pragmáticos, se não fosse um piloto, a corrida de Interlagos de 2016 estaria chatinha nos moldes de qualquer outra.

Tivemos também outro personagem: os escorregões e acidentes. Os causados por "escorregões", apenas Vettel continuou na corrida até o final. Grosjean foi o primeiro "a escorregar" antes mesmo da volta de apresentação. Quase choroso, saiu do carro deprimido. 
Em seguida, com a corrida atrás de um Safety Car, Verstappen "zambetava" de um lado para o outro fazendo Kimi ficar provavelmente tenso. Verstappen avançava mais que Raikkonen e voltava à quarta posição. Se eu não conhecesse Kimi, poderia jurar que não poderia passar um fio de cabelo vocês sabem onde.  
Vettel rodou depois de passar em parte da tinta da zebra. Levou muita sorte, pois alguns carros vinham logo depois, e por conta do spray de água, estavam sem visão definida.
Quando SC saiu, Kimi abriu para Verstappen que estava quase babando no pescoço de Kimi como um vampiro faminto. Nesse tempo, foi a vez de Ericsson rodar onde Grosjean tinha deixado sua marquinha. Ericsson acabou inclusive fechando a entrada dos boxes, deixando o carro lá, no meio do caminho.
Isso propiciou novo SC para retirarem o carro e os pedaços que ele deixou na pista. Com a "relargada" Kimi perdeu o controle do carro e bateu feio, novamente numa situação de perigo um pouco mais grave que Vettel. Ali, sem escape, Kimi poderia ter batido com outro que vinha depois, sem enxergar bem. 
O susto deu margem para que Galvão gritasse que ele bateu sozinho, que muita gente achasse que fosse a pressão do Verstappen de novo atrás dele. Mas na verdade, pelo estado do pneu esquerdo traseiro, imagino que tenha sido pneu furado, provavelmente por alguma coisinh ainda restada do carro do Ericsson. 
O descontentamento de Kimi com o fim da corrida foi refletido no seu andar de ombros caídos e bunda recolhida. Depois disso, o convidado dele - e não do Hamilton, olha só!!! - o guitarrista Slash, foi também embora, ou saiu para bater um papo fora das câmeras com o finlandês - amigo pessoal de Axl Rose.

Dali, a única coisa que não poderia acontecer era Verstappen passar Rosberg. Mas depois de uma pausa completa, ele fez isso no retorno à pista e depois do SC. E eu me exaltei no twitter exigindo que ele chegasse em Hamilton e mostrasse mais homem do que apenas um menino impossível e pentelho.
Lá na volta 40 e tantas ele trocou de pneus e caiu para 16º. O seu show foi pouco visto pois Massa bateu, Galvão não gritou que "foi sozinho" e eu não vi a reprise da batida (nesse tempo eu via na tv a corrida e no notebook, o jogo da NFL). Massa saiu do carro e foi pelos boxes com uma bandeira nas costas. Ali, todos os mecânicos fizeram uma homenagem muito bonita para um cara de pouco currículo: saíram e aplaudiram toda a caminhada de Felipe por ali. 
Chorando mais que as nuvens de São Paulo, Massa abraçou conhecidos e deixou pelas câmeras que a sua mulher protagonizasse um senhor "papelão" visivelmente emburrada e com cara de "vamos sair logo daqui" e a Globo largou de mostrar a corrida. Não sei porque nenhum outro piloto que aposentou-se recentemente teve despedidas iguais a essa. Ouso dizer que nenhum terá (e isso cresce o ego do Massa e de seus fãs).

Ainda tinha corrida acontecendo, e muita gente que xinga até virar do avesso os seus desafetos, mostram o quão "mimimi" são. Sobrou para o Vettel, ao atacar Alonso, ser novamente alvo de críticas. De repente, Verstappen vingou os fãs do Alonso. E Vettel reclamou e eles também reclamaram dele reclamando. Juro: isso me dá uma preguiiiiiça...

E Interlagos é tão mágico, que mesmo com a bagunça que São Pedro proporciona - hehehehehehe -Verstappen foi dando show. Chegamos ao ponto de que, quem criticou a prepotência dele o ano todo, admitiu que ele é bom pra caramba (justificando a troca dele da Toro Rosso para Red Bull, dando a ele mais chances de competitividade). 
Uma tônica de todo piloto maluco é ser bom na chuva: eles aproveitam da prudência dos outros para fazer das suas. Vejam bem - quando ele chegou no terceiro colocado quase no fim da corrida - Sérgio Pérez - ele experimentou o que é um cara "carne de pescoço". Diferente de Vettel, que chegou a dar uma fechadinha para ver se ele espalhava, Pérez foi frio no traçado. Com um carro semelhante poderia até que Pérez fizesse o holandezinho suar mais, mas ele passou e subiu ao pódio, mais feliz que o primeiro colocado.
Eu nunca disse que ele era ruim. Só acho que ele precisa ser menos bocudo. 
E olha só F1: dá para ser chato e pretensioso, tendo talento! Quem diria hein?
Mesmo assim, a gente viu mais uma vitória de um aguado como Interlagos em dia de chuva: Hamilton. 
Rosberg, que poderia vencer se não fosse as circunstâncias, administra os pontos com calma. Falta só o dedinho mindinho das duas mãos para pegar a taça. (E justiça seja feita, que Toto e cia. não arquitetem problemas para ele em Abu Dhabi, lhe basta apenas o terceiro lugar, caso LH vença).
Ainda bem que Rosberg não foi campeão aqui. Porque ninguém ia dar moral para o pai da Alaia - enquanto os mais normais se interessavam pelo show de Verstappen, a mídia local deixava de lado o pódio para falar do Nars (que pontuou, viva!) e reprisar as cenas chorosas de Massa.

Nem tudo é perfeito, mas é bom assim. A gente se diverte.

Abraços afáveis!

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Versões Boas, ruins ou melhores? "Missionary Man"

Sou grande fã da voz de Annie Lennox. Não é fácil ter 0 de talento e amar música. Essa é a minha grande frustração. Recorri à guitarra pela minha falta de voz... Mas se pudesse escolher, teria feito um pedido à Deus para que me desse uma voz tipo da Annie ou da Tina Turner. Ia estudar muito a técnica do canto e deixar a boa voz fazer o resto. Afinal, uma das coisas na música que não se aprende na marra é cantar bem se não tiver uma boa voz. Duvidam? Liguem o rádio ou façam uma busca rápida na internet sobre as 10 músicas que estão "bombando" hoje. Dessa 10, podem me trazer aqui um mísero nome de alguém que tem voz boa e é competente artisticamente. Eu tenho praticamente certeza de que vou ter argumentos para discordar.
Mas isso é outra coisa. Já é juízo de gosto, muito provavelmente. Tem gente achando a maravilha das maravilhas, uma Lady Gaga cantando com uma cantora indie. Eu acho que o som de uma fatia de bacon fritando não só mais gostoso, como muito mais maravilha do que isso.

Mas o papo aqui é Eurythmics, banda da qual Annie era vocalista e tem uma extraordinária música que a gente ouve e pensa: "uau, excelente!Não dá para ficar melhor..." Pasmem. Dá sim. E se dá. 

Agradecendo ao Ron Groo do Blog do Groo, por ter me incentivado a ouvir a música e o EP da banda que figurará aqui na postagem como a versão cover. 
Deixo que vocês ouçam e comparem original e versão. Ambas "excelentíssimas" na minha opinião, mas a seus estilos, o trabalho da versão foi uma agradável surpresa.

Original: Missionary Man
Intérprete: Eurythmics
Composição: David A. Stewart
Álbum: Revenge
Lançamento: fevereiro de 1987
Estilo: pop rock com um misto de soul



Curiosidade: O vídeo se assemelha ao Sledeghammer de Peter Gabriel de 1986, vídeo com técnicas de stop-motion muito usada em animações.

Versão: Ghost
Álbum: EP Popstar
Lançamento: 2016
Estilo: Heavy Metal ou Doom Metal


Deixem suas impressões!
Abraços afáveis!

PS: Outras versões na aba "Especial 1: Versões/Covers"

terça-feira, 1 de novembro de 2016

GP Mexicano

Maquiagem bem legal. Mas Ric, com essa make, você poderia desconsiderar mostrar os dentes pq ká tinha no desenho.
Mas quem disse que ele se segura?


***

I...
Love...

F1...
?????





***

Valorizava muito mais se fosse a luta Nacho Libre


***

Fones? Ignorando todos os gritos dos mexicanos?
Não aprendeu nada depois do incidente Snapchat né?


E aquele dedo ali embaixo? Ficou bem estranho hein?


***

Emerson chocou-se com os palavrões do Vettel mais tarde.
Eu não. 
Acho mó engraçado a pessoa escrever, por exemplo, "pqp" nas redes sociais e depois vir dizendo que Vettel xingando é feio e desrespeitoso. 


Gente, xingar com motivo a gente atura, agora xingamento como se fosse pontuação da frase, aí sim, é não só desnecessário, como feio, em algumas circunstâncias.
O cara tinha motivo. Achou ruim, é só assistir programa da Disney!


***

GP passado era a irmã Venus, agora Serena Williams
Se o Brasil fosse mais perto, Hamilton aparecia com a mãe das irmãs Williams


***

Que coisa linda, hein?


***

Que pena que o Massa vai aposentar. 
Vou sentir falta de rir dele, das caras de decepção do pai dele, dos aparecimentos nada-a-ver do irmão dele...


***

A animação é meio mequetrefe, mas experimenta ver se nas próximas corridas alguma coisa ruim acontece à Rosberg...
Vai ter até gente pelada nas fotos


Abraços afáveis!