segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Abu Dhabi fechando 2016

Chegamos ao fim de outra temporada.
Não foi a melhor das temporadas, mas foi muito mais agradável que a anterior de 2015 - que me fez, pessoalmente, parar de anotar tudo o que acontecia em cada GP, detalhadamente, em cadernos. 
Este ano, fiz tabelas em Excel com as pontuações a cada etapa de piloto mais equipe. Mas assim que a NFL começou e as obrigações acadêmicas começaram a exercer as suas funções primordiais (as de aparecer todas de uma vez, tomar um tempo grande e te deixar exausta para qualquer outra coisa) eu não atualizei a tabela ainda. 
Isso é de menos. Importante é ter acompanhado pelo menos, a maioria das etapas. 17, das 19 para ser mais exata e as outras duas, pelo menos, em resumos. 
Tivemos ontem um fim eletrizante para uma pista bem morna: Nico Rosberg deve ter ficado na liderança do campeonato pelo menos, 16 das 19 corridas. Por estes termos, ele já era merecedor do título. Ainda na última corrida, ele precisava de pelo menos um terceiro lugar para se sagrar campeão. Hamilton poderia até se virar na frente que nada mudaria para ele. Nico acabou por fazer o trabalho no momento que deveria ter feito, deixando que o acaso e a pressão se recaísse no companheiro.
Para quem chamou a disputa dos dois de disputa psicológica, e que o LH era mais "evoluído" nesse ponto, aqui vai: não, não era. A gente fala em teorias da conspiração, mas somos torcedores e figuras passionais de fora do esquema. Hamilton, e só ele, é que levantou esse tipo de argumento quando tudo deu errado... Mente mais forte? Não acho.

Apesar de ter achado que a Mercedes arquitetaria alguma coisa para arrumar a vidinha do LH, felizmente isso ficou de lado ou alguém não aceitou fazer essa bobagem por eles. 
No meio tempo, Rosberg teve sim, com o que se preocupar. A abertura do "faça o que quiser e seja feliz" para Max Verstappen quase colocou  FIA em outros maus lençóis por ter deixado isso acontecer. Atrás de Rosberg, ele decidiu passar. Depois de um tempo, a estratégia da Mercedes pedia que Rosberg voltasse à segunda colocação. De certa forma, eles não se sentiram tão doloridos em pedir para que ele atacasse Verstappen. Dali, podia ter um toque entre os dois que tiraria Rosberg da pista e Toto riria tanto que sua barriga ia doer. Mas felizmente alguma boa luz veio a Verstappen e ele não facilitou, mas também não sujou com a tentativa de ultrapassagem do Rosberg.

Sim, Verstappen é um moleque danado. Sim, ele é desmedido e seguramente, muito bocudo. Mas tem talento. E pode dar muito trabalho ainda. Mas a defesa dele neste momento, nessa última corrida, não coube e creio que ainda não caberá. Galvão Bueno bateu boca com Reginaldo Leme, uma das poucas vezes em que teve razão. Simplesmente, porque não era hora de mostrar serviço. E eu digo o porquê  com um nome e um ano: Timo Glock, 2008.
Naquele último GP em 2008, Felipe Massa estava cruzando a linha de largada em Interlagos como campeão mundial, quando o pneu de Glock furou e ele foi ultrapassado por LH. Depois disso, os pachecos choraram por semanas a fio (e choram até hoje). Eu conheci gente que disse que Glock tinha feito de propósito, afinal "era costumeiro que alemães ferrassem com a carreira de brasileiros" desde Schumacher. Uma bizarra afirmação, mas vocês sabem que dá para ouvir de tudo desse pessoal.
Depois disso, as mesmas figuras nacionalistas (e hipócritas), deram risada por Vitaly Petrov segurar Fernando Alonso em 2010. 
O russo segurou tanto que depois assumiu a palhaçada de que estava lá para marcar pontos e não ajudar os colegas. Seu egocentrismo pode ter facilitado contratos naquela época, mas também fechou portas. Hoje eu não sei onde ele está e o que faz da vida, de tão relevante que foi.
Enfim, ficaria um tanto feio para Verstappen. Egocentrismo cobra preços altos, cedo ou tarde, mas cobra. Ele iria se arrepender de ter feito isso quando ele estivesse calçando os sapatos de Rosberg no futuro. Além de feio, fato é que ele não ganharia nada agindo assim. E a gente também não, afinal, seria o segundo campeonato que Hamilton venceria por forças maiores e não por talento puro. Para quê?

Rosberg ainda teve um trabalhinho no final proporcionado por Vettel. Fazendo uma boa corrida e uma boa estratégia, Vettel conseguiu até largar Verstappen para trás. Chegou em terceiro e logo, por estar em bom ritmo, forçava bastante atrás de Rosberg. Cheguei a ler comentários de haters do Vettel dizendo que o mesmo não tinha feito nada o ano todo, e decidiu encher o saco do compatriota no fim. 
Aí sim cabe defesa ao Vettel, se me permitem. Rosberg teve problemas com Verstappen, mas se tivesse mais espaço para avançar, teria se afastado do menino maluquinho. Mas Hamilton usou da pior tática pensável para quem é "tão talentoso e mentalmente equilibrado", "um mito", "uma divindade": escolheu ter um ritmo ridículo, segurando todo mundo para forçarem erros do Rosberg. Isso que pouco antes a Globo mostrou entrevistas dos "rivais" e LH disse que ia fazer a parte dele, ia procurar o bom ritmo e não ia segurar ninguém... 
Ora, que bom deve ser, ser torcedor de um tipo destes... #sarcasmo
Então, a pressão que o Vettel proporcionou mais me pareceu vindo de ritmo bom. No fundo, arriscaria dizer que Vettel empurrava Rosberg a tomar uma atitude a atacar Hamilton e vencer o negócio de forma bastante triunfal. Os haters, assim como os fanáticos, são cegos. Porque raios Vettel seria o egocêntrico da vez, por ventura, jogando Rosberg para terceiro, diminuindo a possibilidade de vencer o campeonato, sabendo que em terceiro, eles estaria no limite, e com chances de acabar perdendo a posição consagrando LH campeão? Esqueceram que Vettel tem 4 títulos e se assim fosse, LH empataria com ele? Ora... Acho que momentaneamente, Vettel quis vencer a corrida e passar os dois de uma só vez, mas ele percebeu isso e só manteve o ritmo pouco antes do fim. 
E se fosse essa apoteose toda, ele não teria tirado fotos e sorrido tanto ao Rosberg com a vitória depois.

Por fim, acho que já me extrapolei bastante, mas foram esses o sentimentos.
Fiquei bem nervosa em alguns pontos da corrida. A insistência de Arrivabene conversando com Toto desde quinta-feira, levantou suspeitas de que alguma coisa estava rolando, mas em tese, Kimi não se rebaixou à isso, nem Vettel. Mesmo que Verstappen tenha "causado" foi relativamente ok. E convenhamos, que corridinha comprida essa. Poxa.
No geral, a temporada foi boa. Ressalvas para os momentos tristes, tais como a despedida de Jenson Button de um jeito nada legal, na última etapa. Jenson é um dos caras mais legais da F1 e por mais ameno que muitos possam considerá-lo, ele é um bom piloto. 
Kimi fez muito no campeonato, mas os números acabaram por não mostrar isso. Por um tempo, no começo da temporada, Kimi chegou a ser segundo/terceiro. Ontem, terminou tudo em sexto e até Vettel acabou o superando, mesmo não tendo protagonizado grandes corridas. A Ferrari está indo de mal a pior e a gente nem sofre mais, só lamenta. Ano que vem farão 10 anos sem um título de piloto. 70% disso é culpa deles mesmos.
Outro sentimento ruim é o de mau perdedor estampado na cara de Hamilton. Eu poderia escrever o quanto inconveniente esse cara é, mas... Tudo isso aqui está bem longo, já.

Para 2017 ficam perguntas ainda sem respostas e algumas constatações: 
- Button deveria ficar na F1 apenas de enfeite, porque aos poucos, estamos ficando com menos opções de pilotos munidos de atrativos físicos descentes;
- A F1 é um ambiente masculino, mas o que saltou aos olhos ontem foi a presença massiva das mães emotivas, das esposas e as convidadas/aparecidas naquele Abu Dhabi;
- Por falar nas aparecidas, que tanto de mulher estranha ali, não? Tudo  "profissionais" que estariam na festinha depois? Inclusive, porque raios Paris Hilton estava lá com aquela cara de que não sabia onde estava, mas sabia que logo serviriam as bebidas?;
- Bernie Ecclestone está vivo depois do Rosberg ter pegado ele no colo?;
- Rosberg precisava mesmo pegar esse véio chato no colo? (O que a emoção não faz, hein?);
- O que fará agora Dudu Massa? Onde ele vai aparecer? O que ele faz? Como se alimenta?...;
- Sentiremos falta das reclamações infundadas do Felipe Massa? Ou dos seus comentários toscos a respeito de colegas e ex companheiros? (Tenho certeza de que eu, não!);
- Ou sentiremos mais falta do Reginaldo Leme que já estava meio gagá?;
- Sem contrato, Felipe Nars fora da F1 mais a aposentadoria de Reginaldo pode levar a F1 não ter transmissão em tv aberta no Brasil?;
-  O creme que o LH deve ter usado nos cotovelos, depois de sair do holofote como "o perdedor", fez efeito?

Essas e outras coisas, virão talvez a se resolver só em 2017. Até lá, se pudermos e se o tempo permitir!

Abraços afáveis!


2 comentários:

Carlos de paula junior disse...

Foi uma atitude de PILANTRA do Lewis Hamilton para prejudicar o Roseberg mas também atingiu todo o ambiente da Mercedes.

Manu disse...

Certamente Carlos; não foi uma boa atitude de campeão.

Abraços e obrigada pelo comentário!