segunda-feira, 31 de julho de 2017

GP da Hungria: "Fazendo a Egípcia"

Enfim, chegamos ao fim da primeira parte da temporada de F1 em 2017. 
Cabe inclusive alguns de ponderamentos, até aqui, bons e satisfatórios, para quem tem a razão à favor e manifestando boa saúde. 

Logo nos treinos, os indícios de que a corrida poderia ser promissora se desenhou.
No treino oficial, a coisa não foi nova: as ferraris fizeram uma dobradinha, seguidos pela Mercedes, algo corriqueiro deste ano de 2017. Estar na segunda fila para mim, não é nada demais. Mas para a Mercedes e especialmente para Hamilton, foi o "start" para as manifestações de recalque.
Em tempo, quando Hamilton alcança a pole position, ou mesmo quando vence corridas, ele não fala em aposentadoria ou em outras ideias para a carreira. Basta estar abaixo do segundo lugar que ele recorre à futuros alternativos. Desta vez, no GP da Hungria - verdade ou não - foi comentado pelos "narradores" de que Hamilton teria vontade, um sonho de correr na Williams. 
O assunto foi abordado sem a intenção de exaltar o piloto que idolatra Senna como muitos de nossa terra, mas sim, em mencionar, talvez pela terceira ou quarta vez (mesmo com umas 10 voltas completadas) a ausência de Felipe Massa na pista.

O "piloto" se sentiu mal na sexta-feira, com uma tontura que chegou a levá-lo ao hospital para exames. Informado como "virose" e mesmo que eu não tenha nenhuma especialização na área da saúde - mas entendo um pouco de humanidades - já dou um diagnóstico mais exato e menos técnico: virose uma ova, isso é idade! A criatura idosa, esteve traumatizada em ambiente inóspito. 
Sacaram? Foi na Hungria que Massa foi atingido pela mola do carro da Brawn em julho de 2009. Fazendo 8 anos, o cérebro estava conformado com a situação de aposentadoria - tanto que suas corridas esse ano tem sido muito mais abaixo do que logo depois do acidente (a desculpa máxima da falta de desempenho e competitividade depois da recuperação, era essa, inclusive). 
O mesmo condicionamento mental de "aposentadoria" levou ele a se sentir propenso a absorver a sensação negativa do lugar que antes, foi cenário de um momento que poderia ter sido fatal, mas que ainda bem não foi. Ele deve agradecer todos os dias por não ter nenhuma sequela. Porém, o psicológico, crianças, as vezes nos trai bastante. E por isso, tonturas e febre foi apenas um aviso de "você deveria estar em casa à muito tempo"... Mas quanto mais velho, mais teimoso.
Massa foi substituído por Paul di Resta, mas, mesmo assim, a transmissão mencionou seu nome, pelo menos, uma vez a cada 5 voltas, para nosso "delírio".

Como disse, a temporada cabe alguns ponderamentos: porque que, para muitos entendedores, Räikkönen por exemplo, é um aposentado, e Massa, não?
Outro ponderamento importante é: porque que, quando Verstappen crescia para cima de alguma Ferrari, especialmente a do Vettel, ele era gênio, se agora, ele tem feito corridas que sempre prejudica alguém de forma irreversível, mas ninguém o julga pelos excessos?
Incidente de corrida em todos os casos. 
Mas no fundo do meu ser, eu pergunto e não tenho resposta: porque Verstappen ainda não pegou Hamilton para cristo? Já perturbou Vettel, Kimi, e até Rosberg no Brasil, ano passado. Na Hungria, tirou o sorriso de Ricciardo com um toque bem desnecessário na largada. Mas à Hamilton ele só deu uma canseirinha logo à frente, assim que deram a relargada após o Safety Car. 

Canseira essa que chego no meu grande questionamento: como Hamilton pode ser considerado um bom piloto, se as corridas que são ruins para ele, ele não faz muita coisa? Especialmente se não tiver o coach de rádio, que estava com problemas desta vez. Vejam bem, Verstappen segurou e em muitos momentos, achei que Hamilton estava titubeando em investir mais. Piloto bom, com carro bom, arrisca. "A pista não é favorável..." Ora! Faça ser favorável! Piloto se desdobra para fazer valer. Vide Verstappen. Ele pode até saber que aquilo lá vai ser passível de punição. E ele exita? Não. Esse é o espírito. 
E lá vou eu defender o Vettel (e deixar uma galera que me acompanha, "p" da vida): Vettel tem esse espírito, ele não pensa duas vezes: ou dá certo, ou dá errado. Para saber qual dos dois, tenta. 

Eu, já na volta 3 mais ou menos, projetei as contas. Com Hamilton em quinto, a diferença de pontos seria 16 em relação à Vettel. Assim que Verstappen foi punido pelo toque em Ricciardo, a coisa amornou: esperamos pelas paradas no afã de projetar umas ideias. Em quarto, Vettel ficaria à 14 pontos. Estava bom para entrar nas férias e deixar Hamilton com muita minhoca na cabeça.
E assim fomos, poucas coisas aconteceram até a volta 30. Na verdade, quase nada. Largada boa de Kimi, que fez uma excelente manobra para deixar Vettel avançar: ponto 1 de que ele é escudeiro e o gosto é amargo, mas o remédio faz efeito. Logo, Bottas mostrou a que veio, avançando e não se preocupando em deixar Hamilton passar e se defendendo de ferozes Red Bulls. Porém, será que Bottas agiria sempre assim?
Alguns toques, farpas entre Force India, Sainz e Alonso...

As paradas se deram a partir da volta 30, e quando todos fizeram suas escolhas, nada mudou a não ser Verstappen, que teve de permanecer 10 segundos nos boxes, pagando por ter atingido o companheiro na largada. 
Sem rádio só muito depois o ajuste da equipe foi feito, Hamilton fez uma mega reunião com seu engenheiro sobre condições de pista e pneus. Já informado do que deveria, veio a frase após questionar a ultrapassagem sob Bottas: "fique tranquilo". Nem meia volta depois, Bottas abriu a curva largamente e Hamilton passou, numa cena bem feia. 
Kimi já dava indícios de querer passar Vettel, informando a equipe que tinha mais condições de vencer. Deixou às claras que qualquer decisão cabia à eles e não à ele. Seu comprometimento era seguir ordens, mas não sem avisos. 
Pouco antes de fazer as paradas, Vettel indicou que o volante estava se voltando muito para a esquerda. Por essa razão, a Ferrari passou a avisar ao alemão que mantivesse ritmo e evitasse as zebras. Para isso, nenhum erro era passável, de forma alguma. 
Informado dos problemas, Kimi foi o "falador" do rádio. A transmissão achava que Kimi deveria passar. A Ferrari visivelmente confiava que Kimi fizesse um grande trabalho, mais rápido que Vettel, sim, mas em maiores condições de travar Hamilton no ritmo de Vettel. 
Kimi entendeu, e resolveu fazer assim. Vettel não abriu a boca: concentrou. 
Ponto 2 e final de que Kimi é o segundo piloto.

Uma coisa é certa: Assim que Kimi disse que as Mercedes estavam chegando, eu pensei que a melhor forma era que ele ficasse onde estava. Passando à frente, Vettel não seguraria nenhuma Mercedes. Talvez nem Verstappen. Diante disso, eu já entregaria o caneco para Hamilton. A segunda metade da temporada seria à moldes 2015. À essa altura, eu confiava mais que Kimi era o homem em pista certo para segurar tudo por Vettel. Infelizmente é assim. Não tem pontos suficientes para botar banca e exigir coisas na equipe. E ele é tudo, menos trouxa. Sabe, mais que nós, que um dia, ele teria de sentar e fazer o que mandam. 
Como fã sei que se ele está incomodado, ele cai fora. Mas ele não está tão desconfortável assim, pois se estivesse, já teria largado tudo. Só na Itália, saberemos se ele se cansou do joguinho, ou se está de acordo com as novas propostas. Se ele estiver, mesmo sendo segundo piloto de novo, quem sou eu para dizer que ele é cego, bobo, burro e tudo o mais?

Bottas, o outro finlandês, deixou Hamilton passar. Mas logo que o inglês chegou em Kimi, tentando induzi-lo ao erro e não sendo capaz nem disso, muito menos de arriscar, Bottas ouviu que em 5 voltas, se Hamilton não conseguisse passar Kimi, ele devolveria a posição.
Ri muito. Acharam que Bottas e quem assistia a corrida, que fossemos trouxas? Isso era muito novidade. A Mercedes iria jogar fora, a chance de estar à 11 pontos, e não 14 de diferença para Vettel? Isso me parecia papo de político.

Pois felizmente, Kimi fez uma corridaça para Vettel. Quando o alemão tomou a bandeirada, Kimi respirou: Hamilton deixou Bottas passar, devolvendo a posição. 
Minha boca e a de muitos, caiu. Não imaginaria que fariam isso. Jogaram mesmo, com a possibilidade de perder 3 pontos para fazer "justiça". Mas uma coisa é bem certa: Bottas não assinou para ser escudeiro. Uma pena que Rosberg tenha tomado tanto na cara. Sorte dele que ele pode fazer eles "pastarem" no fim do ano passado. 
O padeiro da Mercedes tem chances de vencer o campeonato, ao contrário do compatriota da Ferrari. Assim, ser escudeiro cabe só à Kimi. Bottas ainda pode ser a moeda de ouro da Mercedes contra Vettel. A pergunta é: Bottas é segundo? Ainda não. E ainda bem que não. Só espero que esse não tenha sido um docinho para ele achar que tem poder. Cuidado ao Bottas, e que ele não confie muito nessa "benevolência" repentina.

Cruzando em primeiro e com 14 pontos à frente, Vettel dançou como egípcio. A expressão "fazendo a egípcia" é uma forma de dizer que finge que não viu, que não se interessa.
De certa forma, Vettel não se interessa por quem fala mal de suas corridas. Bottas parece não se interessar muito por campeonatos de Hamilton, desde que ele ainda conquiste os seus próprios feitos.
Kimi não interessa em dar detalhes de suas emoções e expectativas futuras para os outros e não vai mudar de atitude.
E a gente? Faz o mesmo, "faz a egípcia" por quem ainda diz que a F1 não está melhor que nos outros anos.

PS: Adendo ótimo - Alonso posando para a foto/meme tomando sol na pista. Sexto lugar, melhor colocação dele na temporada. Dá-lhe Alonso!!

Abraços afáveis!

segunda-feira, 17 de julho de 2017

GP da Grã-Bretanha com fotos comentadas sarcasticamente (ou não)

"Vinte pontos é muita coisa"


Guardem bem, Silverstone será o divisor de águas caso Vettel perca o campeonato. Graças ao "amadorismo" da Ferrari em gerir corridas. Os dois pilotos com o mesmo tipo de problema, não é da conta deles, pelo visto, é só "reclamação"...


***

Perez acordado de um olho só. O outro tá "pescando"


***

Fingindo gostar dos fãs 1


***

Mergulho do peixinho Magnussen


***

Cumprimentando amistosamente pois estamos em frente as câmeras
Fingindo gostar dos fãs 2, o retorno


***

Momento raro: Ricciardo sem sorriso


***

Kimi parece que tá fazendo pose
Vettel parece que não tá gostando
Hamilton fazendo cosplay de cristo redentor
Mais sem resposta que a indagação "é biscoito ou bolacha" fica a pergunta: 
Hamilton é brasileiro ou inglês?
  
Nova pergunta: Puxaram tanto o saco dele que doeu na bexiga e adjacentes ou são apenas gases?


***

Vettel explicando todo seu plano de corrida.
Kimi só esperou ele terminar para dizer que a equipe pode fazer tudo dar errado...


***

Outro momento raro: Alonso com um carro de verdade


***

Quem quer o autógrafo do cara que mais detona campeonatos de alemães aê, levanta os bracinhos


***

- "Foi você?" 


***

Plano de carreira: aposenta e logo volta para fazer a pior temporada dele, o que é bem desastroso.
Meu, a Williams não merece isso.


***

- "Eu vou lá para frente infernizar as Ferraris"


***

Kimi sou eu em qualquer lugar: chega, estaciona, pega uma água e procura um lugar para sentar.
Tá insatisfeito com a alegria da falsiane, coça a orelha, o nariz, contempla o céu...

Agora o Bottas, tá me saindo um puxa de marca maior. 
Shame on you, padeiro


***

E eu, ao contrário do Kimi, tive de ver essa cena. 
Confesso que torci para o troféu espatifar no chão. 


Imaginem só!!!


E Bottas, em momento "baba-ovo"


***

Depois de passar a corrida alertando a equipe dos problemas, ele viu a si mesmo e o companheiro tomarem um prejuízo dos grandes
Não é de se esperar outra cara


***

Mesmo com pódio, ele estava de saco cheio


***

Registrado em cartório, Bottas, o padeiro puxa-saco

Mesmo assim, o melhor piloto da corrida

***

Bottas pensando na bobagem que tá fazendo
Hamilton fingindo interesse
E Kimi pensando na janta


***

Final de GP, chegamos ao meio da temporada
E claro: Hamilton fingindo gostar dos fãs parte 3, a missão



Abraços afáveis!

P.S.: Voltarei às postagens dia 29, com a classificação do GP da Hungria.
P.S. 2: A postagem de Corrente Musical volta na semana do dia 1 de agosto.

domingo, 16 de julho de 2017

GP da Grã-Bretanha: Deus salve o Hamilton

Para a satisfação de uma galera que defende o Hamilton, ele venceu o GP de Silverstone. Novidade? Nenhuma? Dificuldade? Nenhuma.
O cara é assim, é daqueles que faz a festa na casa e só chega na hora que estão servindo as comidas. Fala com meia dúzia de convidados e festeja com eles antes de irem embora.

Vettel foi atrapalhado pelo menino Verstappen, ávido por um pódio, logo na largada. Ainda que o quarto lugar não fosse ruim, era necessário mais para o alemão. Houve a tentativa de uma ultrapassagem, uma espalhada e os detratores de Vettel bateram palmas.
Eu gostaria de entender. Porque tanta raiva de um piloto que faz o melhor dessa categoria: Disputa posições com afinco, não tem sorte de fazer apenas o trivial e deixar cair no colo as posições, provoca, age por impulso, é arrojado... Não. Acham que ele é uma farsa! Mantém a liderança no campeonato por circunstância.
Diante disso sou uma burra. Passei anos vendo a F1 sem entender uma vírgula. Pois, para mim, é o cara que soa, que custa, que sofre é o piloto.

Nesta corrida, Bottas foi o nome. Saiu de nono para segundo. No braço, na estratégia, na sutileza.
Kimi em terceiro, sofreu as consequências da má gestão de corrida da equipe. Ele reclama bastante, mas eles não ouvem. Por conta disso, na volta 49, foi para os boxes com pneu rechaçado. Menos mal, Vettel ia ao pódio e teria 10 pontos de vantagem contra o Hamilton. O mesmo pneu começou a rasgar. Igual a Räikkönen. Nos boxes, Vettel caiu para sétimo. A diferença agora é de um ponto.

Quase ninguém chorou por Vettel. Muitos comemoraram. Eu ainda acho não só estranho, como difícil de entender.
Esse GP costumava ser bom. Mas hoje foi apenas um GP da qual guardou da sua resolução para as voltas finais. A Liberty deve gostar disso. Sempre detestei essas coisas estranhas que acontecem na volta final. Porque nunca o que merece, sofre as consequências da imprevisibilidade, da má sorte ou do erro de terceiros.
Deus salve a Rainha? Não. Deus salve o Hamilton.

Abraços afáveis!

sábado, 15 de julho de 2017

Décima etapa F1 2017: GP da Grã-Bretanha

Finalmente, chegamos à metade da temporada. 
Recapitulamos? 
Na Austrália, os três primeiros do grid foram: Hamilton Vettel e Bottas. Na corrida: Vettel Hamilton e Bottas. 
Na China, foram Hamilton, Vettel e Bottas. Na corrida, uma mudança: Hamilton, Vettel, mas Verstappen. 
No Barein Bottas foi quem fez a pole seguido de Hamilton e Vettel. Na corrida, Vettel superou a todos os dois da Mercedes. Hamilton permaneceu em segundo e Bottas finalizou a corrida em terceiro.
O GP russo marcou a saída do Hamilton dos 3 primeiros, com uma pole de Vettel, seguido de dois finlandeses Räikkönen e Bottas. Na corrida, Bottas deu um troco à Vettel pela corrida passada e venceu a corrida seguido do alemão e do outro finlandês da Ferrari.
Na Espanha, o grid foi: Hamilton, Vettel e Bottas. Na corrida: Hamilton, Vettel, mas Ricciardo ao invés de Bottas. 
Em Mônaco, Räikkönen fez as pazes com a pole, seguido por Vettel e Bottas. Na corrida, Vettel tomou a primeira posição, Räikkönen amargou o segundo lugar e Ricciardo sorriu com o terceiro posto.
Canadá, o pior GP do ano até agora, teve no grid: Hamilton, Vettel e Bottas (DE NOVO!) e na corrida, Hamilton, Bottas e Ricciardo. 
O GP da discórdia, no Azerbaidjão, se deu com o seguinte grid: Hamilton, Bottas e Räikkönen. Na corrida maluca, foi finalizada com Ricciardo, Bottas e Stroll. 
No GP ameno da Áustria, Bottas fez a pole, seguido de Vettel e Räikkönen. Na corrida o lance foi uma nova vitória de Bottas, seguido de Vettel, mas não de Räikkönen e sim, Ricciardo em terceiro. 

Até aqui, a pontuação que se segue dos 5 primeiros é a seguinte:
Sebastian Vettel em primeiro, não tendo perdido a liderança até agora e fazendo um campeonato consistente - digam o que quiserem os detratores, mas não há como dizer o contrário - está com 171 pontos. 
Atrás dele por 20 pontos, Lewis Hamilton, que tem feito GPs fáceis e até o momento, sem grandes esforços máximos para fazer mágica quando larga fora da pole ou do segundo lugar. Até agora, merece estar com 151, se não menos.
Em terceiro, e fazendo o simples mas livre de críticas, Valtteri Bottas, com 136 pontos. Já está com chances de botar banca contra o companheiro, se tiver vontade e coragem (coragem pois, Nico teve uma batalha de Hércules contra os protetores do inglês dentro da equipe). Pela justeza do campeonato, 15 pontos é bem pouco para ficar só na proteção do companheiro. 
Em quarto, Daniel Ricciardo, com 107 pontos, chegando aos poucos e levando sorte em alguns momentos e computando mais pontos que a "promessa" Max Verstappen, apenas em sétimo com 45 pontos. É bastante coisa. 
Por fim, Kimi Räikkönen. Apesar de melhor que nos anos anteriores, desde que assinou retorno à Ferrari, o finlandês está longe daquele que conhecemos em 2007, 2008 e 2009 na mesma equipe. Está com 83 pontos, muito pelas corridas que terminou em quarto e não esteve no pódio. Justifica-se sua proteção à Vettel, caso seja necessário, pois está à 88 pontos do companheiro, com larguíssimas chances de vencer o campeonato sob Hamilton. 

Enfim, o GP que muitos chamam de GP da Inglaterra, outros traduzem do jeito que manda no dicionário e no Google tradutor, e usam GP da Grã-Bretanha, vai se iniciar assim, amanhã quando as luzes apagarem:
Depois de sumir durante as apresentações de mídia do GP e ser o único piloto a não aparecer no evento que teve na quarta-feira, mostrando uma sutil esnobada aos compatriotas que babam ovo por ele, mais ainda uma ingratidão aos fãs nativos, Lewis Hamilton fez a pole. Num dia molhado e marcado pela liderança de Fernando Alonso no Q1, está lá, Hamilton jogando palavras do tipo: "guardo o melhor para o final". Pode até ser, mas não dá a mínima para quem vai lá assistir ele, isso é fato. Mas e daí?  
Com mais e mais vontade de ver Sebastian Vettel vencendo esse campeonato, soube também que Romain Grosjean se queixou de bloqueio do inglês arrogante na parte final do Q3, fazendo com que perdesse tempo. Comissários analisaram a questão e disseram o mesmo que disseram à respeito da frenagem de relargada no Baku: "o piloto da Mercedes não teve a intenção".
Blindado, Hamilton tem a chance de vencer sem maiores problemas amanhã e poder diminuir a diferença para Vettel em 10 pontos, caso o alemão fique com a terceira colocação. Blindado pela F1 e perdoado pela torcida, dois pilotos que estão sendo figuras carimbadas na disputa por vitórias e pódios, Bottas e Ricciardo, já estão fora do páreo, ambos trocaram o câmbio. Ricciardo não passou para o Q3 e larga na 19ª poisção, enquanto Bottas larga em 9º... Está fácil.  

Boa corrida a todos e volto a escrever sobre a corrida, talvez no domingo. 
Abraços afáveis!

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Corrente Musical de A a Z: Guns N' Roses e Helloween

Computando votos para o nova Corrente: dois votos para o Helloween aqui no blog, mais dois votos no Facebook - Quatro votos para o Helloween. 
Dois votos para Guns N' Roses, mais 2 para "repescagem" - então, farei das duas bandas, beleza? HIM e Genesis, tiveram um voto cada. Vão ficar para a próxima escolha. 

Banda ou Artista mais bem votado:



♫ Música que eu mais gosto:



♫ Música que menos gosto:


Não que seja ruim, mas é que se você perguntar aleatoriamente para alguém uma música do Guns (sem ser fã) vai dizer "Sweet Child O'Mine". Talvez, mais remotamente, alguém diga "November Rain". Mas creio que Sweet Child O'Mine encheu mais. O vídeo é legal, tem todo aquele visu mara do hard rock, mas, me soa à modinha. 

Já o Helloween, eu não fui muito à favor da saída de Michael Kiske. Questão de gosto. Em tempos de Andi Derris, "If I Could Fly" mostrou mais claro para mim que a banda não é a mesma coisa claro, constatando que não gosto de Andi pois ele é mais "enjoado" para cantar... E essa "If I Could Fly" eu tenho uma certa falta de paciência em ouvir.

♫ Música para dançar:

Gosto demais de "Mr. Brownstone".

Para o Helloween escolho "Dr. Stein".

♫ Música romântica:



Helloween é "Hold Me in Your Arms"

♫ Música que me define:





♫ Clipe favorito:



Para o Helloween, apesar de sem pé nem cabeça, gosto de "Kids of the Century"

♫ Melhor álbum:

Minha escolha de melhor álbum do Guns N' Roses é "Use Your Illusion II" de 1991, o quarto álbum de estúdio da banda. As duas partes foram lançadas simultaneamente, mas escolho a segunda parte de forma separada.
A banda era formada por: W. Axl Rose no vocal, Slash na guitarra solo, Izzy Stradlin na guitarra base, Duff McKagan no baixo, Matt Sorum na bateria e Dizzy Reed nos teclados.  
Faixas: 1. "Civil War"  
2. "14 Years"  
3. "Yesterdays"  
4. "Knockin' on Heaven's Door"  
5. "Get in the Ring"  
6. "Shotgun Blues"  
7. "Breakdown"  
8. "Pretty Tied Up"  
9. "Locomotive"  
10. "So Fine"  
11. "Estranged"  
12. "You Could Be Mine"  
13. "Don't Cry"
14. "My World"  


Para o Helloween escolho "Keeper of the Seven Keys" um clássico. A parte 1 foi lançada em 1987 e é o segundo álbum da banda. O disco é uma referência ao subgênero do power metal. Já a segunda parte é o terceiro álbum deles, e lançado no ano seguinte ao primeiro, em 1988. 
Os integrantes, são os membros de formação: Michael Kiske nos vocais, Kai Hansen na guitarra, Michael Weikath na guitarra, Marcus Grooskopf no baixo e Ingo Schwichtenberg na bateria. 
As faixas, do primeiro disco: 1. "Initiation"  
2. "I'm Alive"  
3. "A Little Time"  
4. "Twilight of the Gods"  
5. "A Tale That Wasn't Right"  
6. "Future World"  
7. "Halloween"  
8. "Follow the Sign"  

As faixas do segundo disco: 1."Invitation"  
2. "Eagle Fly Free"  
3. "You Always Walk Alone"  
4. "Rise and Fall"  
5. "Dr. Stein"   Weikath
6. "We Got the Right"  
7. "Save Us" 
8. "March of Time"  
9. "I Want Out"  
10. "Keeper of the Seven Keys"  

♫ Pior álbum:


Bem, lá vai: "The Spaghetti Incident?" de 1993. Álbum antecessor ao tão demorado "Chinese Democracy". Para o Guns me pareceu um álbum menos interessante que os anteriores, não só porque não há inéditas como são apenas covers, em sua maioria de bandas punk dos anos 70 e 80. Só consegui gostar e apreciar "Since I Don't Have You" e "Hair of the Dog" . O álbum marca a saída de Izzy (que saiu 1991) e foi substituído por Gilby Clarke. 
As faixas: 1. "Since I Don't Have You" (The Skyliners)
2. "New Rose" (The Damned)
3. "Down on the Farm" (U.K. Subs)
4. "Human Being" (New York Dolls)
5. "Raw Power" (The Stooges)
6. "Ain't It Fun" (Dead Boys)
7. "Buick Mackane (Big Dumb Sex)" (T. Rex & Soundgarden)
8. "Hair of the Dog" (Nazareth)
9. "Attitude" (Misfits)
10. "Black Leather" (Sex Pistols)
11. "You Can't Put Your Arms Around a Memory" (Johnny Thunders)
12. "I Don't Care About You" (Fear)
13. "Look at Your Game, Girl" (Charles Manson)

Do Helloween, se o melhor são os discos do "Keeper of the Seven Keys", é batata que o pior é "Keeper of the Seven Keys - The Legacy"... Lançado 18 anos depois da primeira parte, ainda com Kiske e Hansen, decidiram ser "produtivo" fazer uma "terceira" parte, com o nome de "Legado" fortemente influenciados pela aproximação dos 20 anos do álbum referência no gênero das quais se não "inventaram", ajudaram a consolidar. 
Tá, tudo bem, era preciso mesmo uma "comemoração". Mas, obviamente, não supera e talvez nem chegue perto do que foi os discos de 87/88. Para mim, não funcionou tanto assim...
A banda contava com a formação modificada: sem Kiske nos vocais e sim Andi Deris, sem Hansen na guitarra e sim Sascha Gerstner e sem Schwichtenberg na bateria, substituído por Dani Loeble. 
As faixas do disco (também duplo ¬¬'): Disco 1 - 1. "The King for a 1000 Years" 
2. "The Invisible Man" 
3. "Born on Judgment Day" 
4 . "Pleasure Drone" 
5. "Mrs. God" 
6. "Silent Rain" 
Disco 2 - 1. "Occasion Avenue" 
2. "Light the Universe" (com Candice Night) 
3. "Do You Know What You're Fighting For?" 
4. "Come Alive" 
5. "The Shade in the Shadow" 
6. "Get It Up" 
7. "My Life For One More Day" 

► Menções honrosas:


Guns N' Roses: ♫ It's So Easy;

Patience;
Welcome to the Jungle;
Paradise City;   
Civil War;
Coma
Since I Don't Have You (Cover The Skyliners); 
Used to Love Her;
Nightrain e ♫ Rocket Queen

Helloween: ♫ I Want Out;
Eagle Fly Free
Halloween;
Sole Survivor;
Future World;
Keeper of the Seven Keys;
A Tale That Wasn't Right ;
Perfect Gentleman;
Victim of Fate e ♫ Blue Sued Shoes (Cover do Elvis)


Está lançado o desafio: Comentem as suas escolhas de cada banda que quero saber. 
Deixo as bandas/artistas para a votação, mas já aviso que farei uma pausa de mais ou menos 10 dias. A minha última postagem no blog semana que vem será dia 18, terça-feira, na postagem de fotos do GP inglês da F1. Depois disso, retorno à minha rotina blogueira só dia 29 com a classificação da 11ª etapa da temporada, na Hungria. Só na semana do dia 1º de agosto retomo a Corrente Musical e lançarei  um post para lembrá-los da votação, caso seja necessário. 

Da votação passada, o Genesis teve um voto. Houve um pedido extra-voto para a banda H.I.M.. Dessa forma, as duas retornam para a "repescagem" (mesmo sabendo que a votação vai ser unânime para uma em específico, ainda tenho de tentar, hehehehe...):



ou


Votem, por aqui nos comentários ou em na página do blog no Facebook. Nestes 10 dias fora do acesso ao blog, vocês podem conferir as antigas listas e inclusive pedir alguma das bandas que já foram cogitadas, para uma postagem futura. Já passaram por aqui:

Angra

Abraços afáveis e até sábado!