sábado, 8 de julho de 2017

Nona Etapa F1 2017: GP da Áustria

Nona etapa e os fatores no grid são os mesmos. Altera a soma? Só na corrida.
Tudo que a "nova" F1 ainda fornece é a mudança na ordem dos fatores. 
Hamilton, Vettel, Bottas e Räikkönen, nesta sequencia se repetiu no grid de largada quatro das nove vezes esse ano: Austrália, China, Espanha e Canadá. Os mesmos quatro caras, com a mudança de posições, se deu em duas delas: na Rússia (Vettel, Räikkönen, Bottas e Hamilton) e no Azerbaidjão (Hamilton, Bottas, Räikkönen e Vettel). Apenas no Barein e em Mônaco que faltou um dos quatro na sequência: Bottas, Hamilton e Vettel - com Räikkönen apenas em quinto. Mônaco foi Räikkönen, Vettel e Bottas - com Hamilton apenas na 14ª posição. 
E a nona etapa? Os mesmos quatro: Bottas, Vettel, Hamilton e Räikkönen. Essa sequencia é nova!!!!


Mas desde ontem, se não me engano, era sabido que Hamilton perderia 5 posições em virtude de uma troca de câmbio. Uma pole era necessária. E ele veio em terceiro, atrás de Vettel - justamente o seu rival mor da temporada, também é líder do campeonato e claro, inimigo público desde o incidente em Baku. Acaba largando em oitavo. Aprendi com o tempo que comemorar com um piloto, como o Hamilton, largando fora dos três primeiro não é sinônimo de risada. No máximo, uma expressão que nem essa:


Logo, ele está disputando posição entre os três com ajuda de rádios e paradas "estrategicamente" boas. Sabendo disso, Bottas e não Vettel, fez a pole. Bottas e não Hamilton. Mesmo largando na oitava posição, bem sabemos o quão bom cordeirinho Bottas, em primeiro, pode ser. Com duas Ferraris vindo atrás, não duvidaria de uma balbúrdia logo na largada: Vettel larga melhor, mas Räikkönen pode também querer ajudar na proteção do salto de Vettel e isso deixaria Bottas com a opção de defender "ofensivamente". Dependendo de sua ação, será altamente contraproducente, uma vez que pode perder a ponta. Mas pensando com a cabeça dos dirigentes da Mercedes, se Bottas prejudicar algum dos carros da Ferrari, em especial o do Vettel, garantiria uma estátua de bronze na equipe para o Bichinho de Goiaba. Hamilton teria livre acesso com rádio coach em todo o momento que quisesse, até para tomar o isotônico, e seguramente, entraria na corrida com um plano já formado de paradas para estar no pódio e em primeiro, mais ou menos ao meio dia de amanhã. 
E é assim que é.
Há outra possibilidade? Sim, há: de que o Bottas erre e Vettel salte como primeiro colocado, talvez com Räikkönen de retaguarda. E é para isso que estamos aqui. Por mim, Bottas pode ficar "sussu" em terceiro, completando o pódio. Prometo não reclamar do aspecto morno da prova, caso venha a acontecer. Na realidade, qualquer um pode completar o pódio, desde que Vettel esteja nele, e que Hamilton não o acompanhe. Eu excluiria Massa, mas ele tem feito corridas tão "monumentais", que acho que nem preciso "zicar" seu desempenho.
Eis o grid:

Fonte: Grande Prêmio
Vale lembrar que os cinco primeiros colocados da temporada são: Sebastian Vettel com 153 pontos, Lewis Hamilton com 139, Valtteri Bottas com 111 (e vale dizer que como escudeiro, tá que nem galinha, de grão em grão... Cuidado, Hammy!), Daniel Ricciardo com 92 e Kimi Räikkönen com 73 pontos. 
Por isso, com a pole de Bottas e já à quase metade do campeonato, reflete que em nenhuma vez, Hamilton foi líder do campeonato. Está nesse instante apenas 14 pontos atrás de Sebastian.
Vettel em décimo e Hamilton em terceiro, ainda deixa Vettel à frente. Dada as declarações depois do incidente no último GP, Hamilton não deve estar tão feliz com a situação do momento. ...

Esperando por uma boa corrida, volto a escrever na segunda-feira. 
Abraços afáveis e bom fim de semana a todos!

Nenhum comentário: