quinta-feira, 22 de junho de 2017

Corrente Musical de A a Z: Duran Duran

Mais uma boa edição da Corrente de Aa Z!

Banda ou artista mais bem votado


♫ Música que mais gosto:


♫ Música que eu não gosto:




♫ Música para dançar:


♫ Música "romântica":



♫ Música que me define:





♫ Clipe favorito:


♫ Melhor álbum:

Duran Duran, o sétimo álbum. Banda de formação, Simon Le Bon no vocal, Nick Rhodes nos teclados - fundamentais para o estilo new wave - John Taylor no baixo e Warren Cuccurullo na guitarra. 
As faixas são as mais conhecidas da banda, certamente:

1 - "Too Much Information" 
2 - "Ordinary World" 
3 - "Love Voodoo" 
4 - "Drowning Man"
5 - "Shotgun" 
6 - "Come Undone" 
7 - "Breath After Breath" 
8 - "UMF" 
9 - "Femme Fatale" 
10 - "None of the Above" 
11 - "Shelter"
12 - "To Whom It May Concern" 
13 - "Sin of the City" 

♫ Pior álbum:

O décimo álbum de estúdio, "Pop Trash" meio que me fez perder o interesse no Duran Duran mais maduro, embora vez ou outra alguma música nova atraia meu interesse, via youtube ou outro site de música...  Com a mesma formação, e as faixas são as seguintes:

1 - "Someone Else, Not Me" 
2 - "Lava Lamp" – 3:54
3 - "Playing with Uranium" 
4 - "Hallucinating Elvis" 
5 - "Starting to Remember" 
6 - "Pop Trash Movie" 
7 - "Fragment" 
8 - "Mars Meets Venus"  
9 - "Lady Xanax" – 4:53
10 -"The Sun Doesn't Shine Forever"
11 - "Kiss Goodbye" 
12 "Last Day on Earth"  

Menções honrosas: 10 músicas que não se encaixaram na brincadeira

Rio;
Serious;

Do post passado, Duran Duran teve 3 votos, Elvis Presley e Ensiferum tiveram 1 voto cada (indo para a "repescagem") e Edguy e Eurythmics, nenhum. 
Repetirei - na cara de pau - Eurythmics, pois de bandas com F que dê para fazer toda essa postagem, eu quase não tenho opções. Firehouse, Fall Out Boy, Florence and the Machine são dessas que conheço uma ou duas músicas. Foo Fighters eu acho enfadonho, portanto, fazer post críticando, é meio desgastante. Resgatei Eurythmics pois gosto da banda e cabe uma segunda chance.

Opções para a nova votação:



ou 



A Corrente já teve: AngraAC/DC e A-HaBlack SabbathBon Jovi e Deep Purple. Agora, Duran Duran. Comentem as suas escolhas sobre o Duran Duran e votem na próxima! Semana que vem, volto com a nova postagem. 

Abraços mega afáveis e até sábado!

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Aniversário de 30 anos

Cheguei aos 30. É assustador, mas a gente se acostuma mais rápido do que se imagina.

Me faltam muitas conquistas ainda, mas me sinto um tanto realizada: tenho saúde, faço o que gosto, e neste mesmo mês serei mestre em História. É um bom jeito de chegar à uma idade como essa. 
Ainda falta muito a conquistar: aprender e passar o que sei,  fazendo aquela boa troca de conhecimento, sendo professora. Os estudos fazem com que a gente sempre queira mais: já planejo minha segunda pós, um doutorado, e uma nova graduação, talvez também, quem sabe, aprender um novo idioma, e claro, leio meus livros - uma das melhores atividades da vida.
Por falar em atividades, espero poder logo, retornar às minhas favoritas: fazer um curso de música e voltar a costurar - pois a prática leva ao aperfeiçoamento.

E como todos os anos, eu coloco tirinhas do Garfield, meu companheiro de data de aniversário - para trazer o humor da comemoração:



E a tirinha do dia de hoje: 19/06:


Boa segunda para todos nós!
Abraços sempre afáveis!

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Corrente Musical de A a Z: Deep Purple

Depois da edição com Bon Jovi, deixei para votação: Alice in Chains, Deep Purple, Def Leppard e Duran Duran. Alice in Chains teve um voto, Duran Duran obteve dois votos (e vai para a segunda chance) e Def Leppard, nenhum voto. Deep Purple obteve quatro votos.


Banda ou artista mais bem votado



♫ Música que eu mais gosto:




♫ Música que eu não gosto: Não veio nenhuma à mente.

♫ Música para dançar:




♫ Música "romântica":




♫ Música que me define:


Tenho uma coisa com essa música, que não tem outra forma de não aparecer como favorita e também como a que me define. De toda a brincadeira, independente de banda*, se perguntasse no geral: música que me define, responderia essa. Já fiz até redação de inglês sobre música e escrevi na época sobre essa música como "trilha sonora particular".




♫ Clipe Favorito:


♫ Melhor álbum:

Gosto bastante da pegada de Fireball, quinto álbum da banda, com formação de Ian Gillian no vocal, Richie Blackmore na guitarra, Roger Glover no baixo, Jon Lord no teclado e Ian Paice na bateria. 
As faixas, me agradam muito, tanto que a maioria das menções honrosas serão deste álbum:

1 - "Fireball";
2 - "No No No"; 
3 - "Demon's Eye"; 
4 - "Anyone's Daughter";
5 - "The Mule"; 
6 - "Fools"; 
7 - "No One Came"

"Some Kind of Woman" é faixa bônus e de alguns países. 


♫ Pior álbum: Não tenho uma resposta para esse tópico, até porque ouço os mais antigos, e não há nenhum que se encaixe como "pior álbum". Os recentes, de 1998 para cá, eu não conheço para  poder opinar. 

Menções honrosas: 10 músicas boas que não se encaixaram na brincadeira


Burn;
Fireball e ♫ Speed King

Opinem com as suas respostas que já quero saber! E já podem escolher a próxima banda/músico, do próximo post:






ou


Votem por aqui ou pela página do blog no Facebook
Abraços afáveis e bom fim de semana à todos!

* Bandas que já passaram pelo Corrente de A a Z: Angra, AC/DC e A-Ha, Black Sabbath e Bon Jovi.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

GP do Canadá com fotos comentadas sarcasticamente (ou não)

Ric sorri. Kimi esboça um.


***

Todt: - Tá bom o suco?
Kimi: - Sem açúcar...


***

Verstappen como um bom menino aprendendo que algumas pessoas são dadas a cara boa e outra à cara feia


***

Recordista, bateu as poles de Ayrton Senna...
Mas precisava de "evento"?


***

Porque estão dividindo o carro? 


***

De novo: porque Vettel está dividindo carro com Verstappen? 


***

Aí, depois Verstappen dá esse salto absurdo do quinto ao segundo lugar na largada, com direito à toque na asa do... Vettel. 


***

Guardem essas caretas


***

Alonso fazendo Master Class com mecânicos da Honda:

"Virando aqui...
Virando ali, fazendo as curvas..."

"Mas para ficar fazendo isso, todas as voltas, eu preciso de um motor! "

***

Queriam ver o Ocon, e ele veio que veio


***

Comemoração daquilo que nem fez suar...


***

Sir Patrick Stewart se prestando à uma porqueira... 


Abraços afáveis!

segunda-feira, 12 de junho de 2017

GP do Canadá: Poderia ter sido...

Sétima etapa da temporada de F1 e pelo menos em quatro delas, os 4 primeiros do grid de largada eram: Hamilton, Vettel, Bottas e Raikkonen. Em quatro delas, a sequencia foi essa. Nas outras, um ou outro decidiu vir mais à frente, ou lá no fundão. Fato é que o campeonato não está tão imprevisível como deveria. Ou é Hamilton ou é Vettel (o líder em vantagem) que vencerá tudo. E sendo assim, logo entraremos no modo morno de qualquer pista.

Surpresa em pole já não veio para esse GP e ficou só lá em Mônaco. Hamilton fez a bendita e se igualou ao número de poles do seu ídolo, Ayrton Senna. O feito era já tão esperado que até capacete da família já estava preparado para a entrega ao inglês - Deviam estar carregando o dito cujo para todo lado, desde que ele se aproximou da marca. Ou, sabe-se lá,os conspiradores poderiam dizer, que já sabiam que seria logo agora, neste GP, que ele conseguiria.

No sábado, Kimi deu uma deixa em uma das entrevistas: tudo pode acontecer. Ele poderia estar falando da largada, que é sempre onde as situações podem mudar, já que o engate antes da segunda curva, tem que ter seu máximo do carro. Isso pode ser desastroso, dentro de um erro ou um arrojo maior, e pode também, no excesso de prudência, perder contato ou dianteiras. Fora isso, era normal que, sem incidentes de largada, tudo poderia continuar na mesma, ou piorar para alguns.
E é aí que começa as ideias do "poderia ter sido".

Hamilton, mesmo com uma largada reta (e sempre acho meio lenta/meio morna), teve seu momento irrelevante por dois fatos, um muito importante: o salto de Verstappen para a segunda colocação. Com o famoso "fecha os olhos e vai", Verstappen chegou a encostar em Vettel e danificar a asa dianteira de sua Ferrari, mas ele queria fazer isso, e mesmo que tivesse dado ainda mais confusão, é assim que é Verstappen e é assim que são corridas agora - uns podem, outros não, só basta ter coragem ou ser um covardão. Ambos precisam contar com a sorte: o primeiro que, por tocar em alguém torce para não ser punido, e o segundo, para não ser tocado pelo "corajoso", torce para não tocar em alguém e ser punido. 

Sorte é para Hamiton (que sempre teve esse fato ao seu lado) que Verstappen teve um certo momento de dar sossego, já que ao ser tocado, Sainz perdeu o controle do traçado, bateu em Massa e depois num muro, lá atrás. 
Esse foi o segundo fato, que a transmissão da SporTV deu uma ênfase, e que não era assim tão importante. Não do jeito que tratavam: a saída prematura do Massa, que Deus nos ajude! Pior é que esse chororô chato, é também, em nada surpreendente. Massa não tem jeito com GP do Canadá, já "tretou" com Pérez nesse circuito... E, ah, tá fazendo um campeonato de "m", merece é ser esquecido.
Poderia ter sido um acidente muito mais cabível de tanta reclamação. Poderia ter sido o próprio Massa que tivesse tocado no Sainz que eu iria querer ouvir a desculpa do brasileiro, aposentado inútil.

"Graças" ao Verstappen, Vettel teve de fazer uma parada extra, trocar bico, e remar contra o prejuízo. Fez uma boa corrida de recuperação, mas infelizmente, não chegou mais longe do que um quarto lugar. Já Raikkonen, não conseguir avançar muito, não se sabe se por falta de vontade, potência ou por ter à frente, depois de algumas paradas, duas Force India muito bem na brincadeira, terminou em sétimo.

Poderia ter sido um pódio de um carro rosa, de um Esteban Ocon, se não fosse claro, por umas Mercedes, sobrando. Dado que Verstappen, pouco tempo depois da primeira parada de Vettel, estava estacionando o carro e abandonando a corrida, o segundo lugar caiu no colo de Bottas, que pode defender o espaço como um fiel cordeirinho escudeiro. 
Com esse movimento lá na frente, sendo seguido por Ricciardo, restou aquela fase de corrida que estamos de cabelos brancos de tanto ver: ficaram mostrando meio de grid - e no caso, protagonizado por Ocon e Pérez, os dois "CarroRosa" da pista. Mérito da boa estratégia e consistentes investidas, os dois só tiveram mais trabalho quando Vettel veio fazendo sua corrida de recuperação, passou Kimi que estava relativamente bem para atacar Pérez por exemplo - até perder o traçado e deixar espaço para Vettel tentar - e perderem na disputa. A briga entre os 3 carros, os rosas e a Ferrari de Vettel, foi interessante de ver. Pouco vemos campeões mundiais fazer as ultrapassagens como Vettel tem feito. Eu tenho toda vez, uma sensação de que as do Hamilton são muito fáceis e escancaram muitas vezes, uma falta de habilidade em forçar o erro do outro. Mas...

Poderia ter sido uma corrida boa para o Verstappen, que poderia ter tentado passar Hamilton, dando uma emoção extra à corrida;
Poderia ter sido uma largada da qual Vettel ainda continuasse em terceiro, na espera de Max atacar Hamilton e Vettel se aproveitar disso;
Poderia ter sido melhor a posição final de Kimi, do que um sétimo lugar, depois do fatídico segundo de Mônaco;
Poderia ter sido uma corrida de dois carros diferentes do costume disputando um pódio - o que justificaria a transmissão dar o enfoque nas Force India;
Poderia ter sido um pódio diferente, com um Verstappen, um Ricciardo e um Ocon, por exemplo; 
Poderia ter sido uma coisa diferente, mas na real só acalorou a coisa de sempre;

Poderia ter sido uma corrida boa, mas... não foi.


Abraços afáveis!

sábado, 10 de junho de 2017

Wishlist dos 30 anos

Coisas que eu queria ter ou ter feito, nos meus 30 anos

Farei uma listinha de coisas, antes, que eu gostaria de ter. Como sou uma pessoa que gosta de algumas coisas que me deixam feliz em receber:

► Cartas/Cartões

Sempre gostei de escrever cartas e tenho amigos que se iniciaram pela troca de endereços.  Alguns, permaneço no contato até hoje. Ultimamente não tenho recebido nenhuma (pela falta de tempo e a vida adulta minha e dos outros) e seria legal receber uma carta/cartão de aniversário. É uma coisa que a gente gosta de receber pelo significado da dedicação de tempo e registro de sentimento pela amizade e carinho.

► Abraços e telefonemas

Nem sempre a gente pode ir abraçar alguém que está aniversariando. Mas tem gente que vai na casa da pessoa sem compromisso, comer o bolo e ainda tumultuar a festa, esperando um banquete e depois sair reclamando. Esse tipo de situação, eu realmente ainda não presenciei, mas penso que certamente não valerá o presente, que dirá a presença dela. As vezes, a melhor coisa é o abraço sincero e o "tudo de bom". Comprou algo de mau grado? Nem traga.
Detesto telefone, mas se alguém não pode vir "quebrar meus ossos" que ligue. Mensagem em Whatsapp também não vale. Mensagens assim não transmitem contato: é frio e distante. 
As duas coisas são exemplos do cotidiano: as pessoas determinam suas prioridades e diz aos outros uma descarada "falta de tempo" para dar presentes triviais - que nem sempre combinam com os aniversariantes - pois "qualquer coisa vale". A mesma coisa vale para o Whatsapp - manda uma "pocilga" de uma mensagem mequetrefe e diz que fez a parte. Será?

► CDs/DVDs

Tenho muitas bandas favoritas, mas as pessoas ainda ganham CDs? Faz eras que não vejo alguém presenteando outros com isso. Eu ganhei alguns quando fui cara-de-pau e pedi para minhas irmãs ou meu pai. O osso de ter um gosto "diferenciado" é que nem sempre são discos baratos.
DVDs de filme são também complicados. Aqui em caso, ganho muitos, mas eu sempre preciso ter mais alguém na casa que goste do longa, pois a tendência, é não ganhar caso só eu goste do tal. DVDs de filme tem de ser primeiro comunitário...

► Livros

Livro é bom. Mesmo quando é ruim, do Augusto Cury (rsrsrsrsrs...) é bom. Incentivo à leitura é simplesmente, excelente.

► Coisas relacionadas à Harry Potter, Tolkien e etc.

Camisetas, canecas, chaveiros, quadrinhos, bonecos... São tudo uma maravilha que sempre adoro receber, pois é algo que coleciono desde pré-adolescente. 
Gosto de coisas relacionadas à super-heróis (expressamente dos filmes, e a maioria da Marvel), coisas relacionadas à vikings também são coisas que adoro. Gosto também de dragões e pinguins - tanto que tenho 4 pelúcias de pinguins (rsrsrsrs...)
Bonequinhos, ursinhos, chaveiros e objetos geek, carrinhos, coisas relacionado à F1.

► Chocolate

Precisa explicar? (rsrsrsrs...)

► Tecidos

Tentei aprender a costurar. E para costurar bem preciso de prática. Os tecidos sempre estimulam a criatividade de costureiras.

Aos 30 anos, muita coisa que a gente quis ter feito até essa idade, saiu dos trilhos: 

► Queria estar formada na faculdade de Engenharia Mecânica. Passei em Matemática em 2006, e em 2007 fiz vestibular para História e tranquei Matemática. Formei em História e agora tenho pós, Mestrado na área; 

► Queria ter aprendido a tocar guitarra. Toco mal para caramba, sem coordenação nenhuma;

► Queria aprender costurar. Costuro coisas simples, mas arrisco umas peças; 

► Aprender alemão. Só cheguei a me inscrever no curso e nunca deu turma. Foi duas vezes nessa peleja e meu dinheiro da matrícula voltava para o bolso;

► Queria estar empregada e estável... Bem, perdendo oportunidades pequenas e não tendo o QI (Quem Indica) estou aí, numa situação bem complicada agora, a partir do meio do ano, sem doutorado na agulha, sem emprego, só esperando ver no que dá;

► Queria estar com doutorado engatilhado, fazendo altas pesquisas... Mas pedregulhos montanhosos  surgiram e esse processo vai ser atrasado. 

Mas é assim. Chego aos 30 meio realizada e com perspectiva futuras. Quero muito fazer coisas que nunca fiz: como viajar sozinha, ir no cinema sozinha, fazer cursos, ter tempo para aprender coisas diferentes... Só cheguei aos 30. Ainda dá tempo de fazer muita coisa, não é não?

E vocês, o que gostam de ganhar e como foi a chegada aos 30 anos? Contem-me!
Abraços afáveis!

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Tag Cinematográfica: Desafio dos 30 filmes (# 14)

Desafio dos 30 filmes - Dia 14: Um filme da sessão da tarde

Boa parte dos meus filmes favoritos são aqueles em que via na infância, e claro, a maioria deles assisti na sessão da tarde. Em tempos de tv paga, Netflix e celulares, a criançada não sabe o que é fazer as tarefas da escola e correr para a tv para ver um filme - ainda que fosse dublado, cortado e com pausas chatas para mais de três minutos de comerciais. 
Quando estudava à tarde, eu aproveitava os filmes nas férias. Depois que passei a levantar cedo, se tivesse filme na tv, as tarefas já estavam feitas para que eu pudesse assistir.
Um filme que eu gostava muito era "Edward - Mãos de Tesoura", mas esse fez parte da tag já no primeiro dia: Um filme que lembre a infância. Outro também que era do meu tempo de sessão da tarde, era Elvira. E esse já foi respondido no dia 10: Um filme que tem vergonha de dizer que gosta.
Outro que é de sessão da tarde e adoro é "De volta para o futuro", filme que veio na tag: Um filme que você considera um clássico.

Existem muitos da época em que eu passei a ver filmes além dos desenhos, filmes infantis, na faixa dos meus 5 anos (1992), dos mais adultos, quando tinha uns 7-9, até mais ou menos meus 15 anos, que eram além de repetidos, simples, mas muito bons. "Quero ser Grande" e "Meus vizinhos são um terror" com Tom Hanks eram verdadeiramente divertidos e ótimos. Não tão difícil admitir, a cena do piano é clássica até hoje. 


"Meus vizinhos são um terror" é bem divertido. Esses dias procurei o filme nas locadoras (sim, isso ainda existe) mas não encontrei, baixei o filme e relembrei. 
Tínhamos vizinhos estranhos quase iguais aos do filme, por isso ele é uma lenda no imaginário das pessoas daqui de casa, rsrsrsrs... Moravam numa casa de esquina, do outro lado da minha, um senhor e seus filhos, quatro homens, todos muito parecidos uns com os outros, um deles usava colete da Polícia Federal e se dizia policial mesmo - o que obviamente era mentira, já que ele não fazia nada e vivia em casa. Eles tinham um carro velho, tipo camburão, azul e branco e eles saiam de casa como se fossem verdadeiros policiais, maciosos ou seja lá o que eram, com os braços para fora e encarando as pessoas na rua. Quando vieram morar na casa, cercaram a calçada com blocos de ferro pitados de amarelo e preto, que dava mais ou menos meio metro de altura e a distância de um para outro de não mais do que 30 cm. Eles não queriam que ninguém se aproximasse muito do muro. Ouvíamos à noite, que nem no filme, barulhos de gente cavando buracos. Vizinhos de lado contavam aos outros que ouviam bebês chorando na casa. Mais tarde descobriu-se também que o senhor tinha também filhas, nem lembro quantas eram. Elas não saiam, e foram vistas uma única vez no carro com os irmãos. Fora esse episódio, elas não eram vistas por ninguém.
Anos mais tarde, uma dessas moças morreu: foi encontrada afogada numa caixa d'água, com indícios de suicídio. A polícia (agora, a de verdade) levou os irmãos e o pai, presos sob a suspeita de assassinato. Não me lembro como se deu a resolução do caso. Parece que só os filhos foram soltos, logo eles se mudaram do local para sabe Deus onde. Na casa, os vizinhos comentavam que não tinha quase nenhum móvel, e muitos colchões espelhados. 
A vida "imitando" a arte hehehehe...

Outros bons filmes, eram super legais: "Sem Licença para Dirigir", "Conta Comigo", "Os Garotos Perdidos", "Quase Igual Aos Outros", "O Anjo Malvado" - Com Macauley Culkin e Elijah Wood! 
A gente reclama da repetição exaustiva de "A Lagoa Azul", mas toda vez que passa, alguém assiste. "Ghost" foi outro que gastou a "fita", assim como "Dirty Dancing", "Footloose" e "Flashdance". Todos com tramas simples e interpretações canastronas. Mas era muito melhor do que muita porcaria de hoje em dia, tipo os filmes do Adam Sandler. Os filmes de sessão da tarde eram marcados também pelos filmes bobinhos de John Hughes - "Clube dos Cinco", "Alguém Muito Especial", "Garota Rosa Shocking" e outros. Os únicos dele que eu realmente gosto e bato palmas são "Mulher Nota 1000", "Gatinhas e Gatões" e "Curtindo a Vida Adoidado". Esse último em especial, é deveras excelente, um dos meus filmes favoritos. 

Citei ali acima, "Quase Igual aos Outros". Não sei se alguém já viu ou vai se lembrar dele (vejam o trailer aqui). Era filme com um tom feminista, mas na realidade, bem leve e pouco radical como seria se fosse feito hoje. Uma moça perde a chance de um estágio de verão e convencida que foi vítima de machismo, se veste de homem para tentar o cargo por outra escola. No fim das contas o que sobressai é que o professor diz que o texto dela é bom, mas é chato. Como homem ela continua com a mesma crítica. Só por conta de uma experiência com um novo amigo da qual ela se apaixona, é que ela melhora a sua escrita. 
Fiz o destaque desse filme pois, certamente não terei outra oportunidade de comentar sobre ele. Ele é bom, Terry - a personagem - tem um irmão muito engraçado, um adolescente tarado, que ensina ela como se portar como homem e tudo o mais. Mas, apesar de tudo, a trama tosca e tal, não era filme para mim, no meu auge dos 7 anos mais ou menos, em meados de 1994, ver um filme destes. 
Na realidade, praticamente nenhum destes que já citei eram adequados para crianças. "Quero ser grande" é um menino que fica adulto por conta de um desejo feito à uma máquina num parque, e se relaciona intimamente com uma mulher mais velha. "Sem Licença para Dirigir", é um adolescente sem noção, que mente para os pais sobre a carteira, leva uma moça para sair no carro do avô e carrega ela bêbada e arrebentando o carro noite adentro. "O Anjo Malvado" é um menino psicopata e sádico. Os outros, tem temáticas adultas e insinuações ou temas de morte, drogas ou sexo. Hoje, as senhorinhas do politicamente correto fariam muitos textões... Mas lá em 1994 e até mesmo antes dos anos 2000 e pouco, "Quase igual aos outros" era filme de sessão da tarde mesmo que no desfecho, Terry ao provar ao amigo que ela é uma mulher ela decide o prático: Abrir a blusa e mostrar os peitos, nada pequenos e discretos. 
Depois que eu me atentei à esse fato - depois dos 15 anos, sempre depois dessa idade- a Globo passou a cortar a cena, mostrando ela de costas com a blusa aberta e o cara olhando, chocado. E enfim, também, depois de 2000, o filme já tinha 15 anos e foi miando cada vez mais a sua exibição.

Felizmente (ou não) meu filme de sessão da tarde é para qualquer idade e é ainda, depois de 32 anos, bem divertido: "Os Goonies".


Dirigido por Richard Donner, produzido por Steven Spielberg e escrito por Chris Columbus, "Os Goonies" é de 1985. Acho que é o filme que salta na mente quando se fala em sessão da tarde para mim. Alguns produtores e até Sean Astin - o Mickey Walsh no filme - estariam por trás de uma continuação ou reboot, uma coisa que, se não tiver todo mundo junto, além de achar desnecessário, pode ser desastroso. Mas sabendo que Sean não faz besteira, se ele souber que há uma história boa, talvez seja uma ideia legal a ser colocada em prática.
(Embora eu seja contra reboots só porque "fez sucesso antes, vamos tentar repetir com os atores do momento". Pataquada: certas coisas pertencem aos tempos e aos envolvidos daquele período. Bobagem querer revitalizar na esperança de trazer algo novo, se no máximo que for adquirido de resultado é uma nostalgia dos que viveram a época, ou uma "homenagem" mimética da coisa - vide "La La Land", uma bobagem com áurea de Oscar só copiando e copiando os passos dos clássicos musicais. Novidade? Maravilha? Nenhuma. É preferível os antigos? Certamente).

E vocês, qual filme de Sessão da Tarde que gostavam e assistiam toda vez que era exibido?

Posts anteriores da tag:

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Corrente Musical de A a Z: Bon Jovi

Vamos com mais um post da Corrente Musical de A a Z. As bandas do post anterior que ficaram para a escolha: Alice in Chains - vindo de repescagem de 3 votos anteriores, Candlebox, Children of Bodom e Creedence Clearwater, todos com zero votos. Bon Jovi, que veio de repescagem também, veio a ser a banda escolhida, com 2 votos para essa edição:

Banda ou artista mais bem votado


♫ Música que eu mais gosto:


♫ Música que eu não gosto:


Tocou em alguma novela. Achei que encheu.



♫ Música para dançar:


♫ Música romântica:

Escolha óbvia.



♫ Música que me define:


♫ Clipe Favorito:


Todos da era anos 80/90. Cabelos, as roupas com muito tecido, calças e jaquetas e... Gente, glam rock era supremo!
Mas gosto de um clipe que nem é da banda, mas sim, do Jon em carreira solo (que também tem música boa!)


♫ Melhor álbum: 

O quinto álbum de estúdio da banda, que apesar de não ter a fase da banda mais glam, já mudando um pouco, tem as músicas que mais gosto como "Keep the Faith", faixa título do álbum de 1992 e "I'll sleep when I'm dead". A formação da banda: Jon Bon Jovi nos vocais e guitarra base, Richie Sambora na guitarra solo e vocal de apoio, Alec John Such no baixo e vocal de apoio, David Bryan no teclado e vocal de apoio e Tico Torres na bateria. 
Faixas: 1 - "I believe"
2 -  "Keep the Faith"
3 -  "I'll sleep when I'm dead"
4 - "In These Arms"
5 - "Bed of Roses"
6 - "If I Was Your Mother"  
7 - "Dry County"  
8 - "Woman in Love"  
9 - "Fear"  
10 - "I Want You"  
11 - "Blame It on the Love of Rock & Roll"  
12 - "Little Bit of Soul"  

Certamente não me considero fã de Bon Jovi, pois logo depois de "These Days" (1995), álbum seguinte ao "Keep The Faith", as coisas debandaram mais para músicas mais acessíveis e meio a cara dos anos 2000, que até o Aerosmith entrou na jogada, buscando também para aquele pop-rock mais grudento dessa época. Foi nesse tempo que veio aquelas músicas do The Calling... Lembram? Então...
Era uma tempo em que eu era adolescente, então, achava tudo muito ótimo, inclusive "It's My Life" do sétimo álbum do Bon Jovi, intitulado "Crush". "One Wild Night" é bem boa, a melhor do álbum e talvez melhor que "It's My Life", e até Thank You for Loving Me... Essa última, latejava o que menos gosto da banda: muito melosa e Jon passou a gemer mais do que cantar hehehehe... Eu nunca fui fã do Bon Jovi, exatamente porque não curtia muito o oba-oba em cima de Jon. Ele sempre me soou arrogante, e a mulherada derretia por um cara meio esnobe. Pode ser que seja sensação, mas sempre achei ele muito fresco para cantar, mas era um dado do glam rock que por mais que irritasse um ou outro mais headbanger, era uma coisa que poucos atingiam a meta com propriedade e eram bem sucedidos. Por mais enjoado que fosse, Jon conseguiu se firmar, tanto que permanece aí na ativa. Hoje, mais maduro certamente.

♫ Pior álbum:

Com "Bounce", oitavo álbum de 2002 e eu confesso que já perdi o interesse. "Misunderstood" tocou em uma novela da Globo e fui procurar no tio Google qual era. Não sou noveleira e descobri que fazia parte da trilha de "Mulheres Apaixonadas". 
Apenas 15 anos atrás e as músicas que tocavam à exaustão nas rádios não era de uma dupla sertaneja de mulheres cantando como bezerras desmamadas, ou homens malhados com topetes gigantes, cantando igualmente mal ou pior que Zezé de Camargo ou Leonardo nos anos 80/90. 
Apesar da perspectiva ser melhor que os sucessos de hoje, não agradava tanto, não sei se era porque eu estava começando a ficar seletiva, ou apenas pois percebi que preferia a fase anos 80/90 do Bon Jovi. 
Sei que nesse tempo, "Misunderstood" tocava tanto e o clipe passava em um programa de vídeos da Band (Clipmania) com a Sabrina Parlatore toda vez. A MTV também passava o tal direto e reto. 
Nesse tempo eu aplaudia de pé o Youtube, que possibilitava assistir um clipe da sua banda favorita a hora que quisesse, sem depender de sucesso ou propaganda da indústria fonográfica. 
Correndo o risco de ser injusta, pois não ouvi o disco seguinte "Have a Nice Day" a não ser uma ou duas faixas, e consequentemente, não tomei nem conhecimento da existência dos seguintes, escolho Bounce como pior álbum. Pode até ser que tenha música boa nos discos posteriores e estou sendo ignorante. Mas é a verdade, foi o último que ouvi e não me interessei mais.
"Bounce" manteve os mesmos integrantes, menos o baixista que é Hugh McDonald. 
Faixas:
1. "Undivided"  
2. "Everyday"  
3. "The Distance"  
4. "Joey"  
5. "Misunderstood"  
6. "All About Lovin' You"  
7. "Hook Me Up"  
8. "Right Side of Wrong"  
9. "Love Me Back to Life"  
10. "You Had Me From Hello"  
11. "Bounce"  
12. "Open All Night"  

► Menções honrosas: 10 músicas boas que não se encaixam na brincadeira

Runaway;
Lie To Me;

Boa música da carreira solo de Jon Bon Jovi que preciso mencionar: ♫ Blaze of Glory.

*Essa, Meu-Deus, Jon parece que está com uma senhora dor... kkkkk...

Quero saber as escolhas de vocês!!!
As novas opções de votos serão básicas: como não houve segunda mais votada, vou carregar Alice in Chains aqui na votação mais uma vez. Com eles, acrescento as bandas da letra D. 
O sistema de votos continua sendo os mesmos: pelos comentários ou na página do blog no Facebook
Qual é a próxima?




ou


Abraços afáveis à todos!