segunda-feira, 28 de março de 2016

Tag Cinematográfica: Desafio dos 30 filmes (#4)

Desafio dos 30 filmes: Dia 4 - Um filme que te faz chorar

Deveria ser uma escolha fácil. Mas não é. Porque filme que eu choro, não é o que a maioria escolheria para responder essa tag.
Lembro-me de um tempo em que todo mundo se dizia comovido com o filme "PS: Eu te amo". Assisti e "bam" não fiquei sequer engasgada. Não me sinto comovida com filme romântico. Muito raramente. Nem com finais trágicos. "Romeu e Julieta"? Não. "Titanic"?? Caraca, que filme chaaaaato!!! PeloamordeDeus!
Trágico não necessariamente é para morrer de chorar. Sou romântica, mas à um tom diferente do simples centro de uma narrativa com romance amoroso. Explico.

Um bom filme para ficarmos comovidos de fato: "A Vida é Bela". Sacrifício humano pelo amor à família em tempos de guerra e opressão racial/religiosa. Olhamos à volta, hoje: isso realmente deixou, por um minuto, de acontecer nos 4 cantos do mundo? 
"O menino e o pijama listrado", "A menina que roubava livros". Ponto: lá vem as lágrimas.
Outros: "Up - Nas Alturas", "Toy Story", "Rei Leão" ou até "Wall-E". Valores humanos são muito bem explorados pela maioria dos desenhos clássicos. "ET - o Extra Terrestre", "Meu Primeiro Amor" , "AI - Inteligência Artificial", "À Procura da Felicidade", e tantos outros com temáticas de guerras, sofrimentos, lutas pelos direitos do negros, gays... Ponto de novo: lá vem água.

Raramente alguém comentaria sobre este: "Peixe Grande e suas histórias maravilhosas"
Edward (Albert Finney/Ewan McGregor) é um sonhador, que vive contando histórias fantásticas sobre sua vida, com personagens mágicos e situações impossíveis. A única pessoa que não gosta de ouvir seus contos é seu filho, que se afastou dele com o passar dos anos, mas volta a visitá-lo quando Edward fica muito doente.
Filme de 2003, dirigido por Tim Burton, talvez seu filme mais emotivo e dramático. Mais simples, apesar das fantasias que o envolvem, tem um apelo mais trágico que paira não relação amorosa de casais, mas de pai e filho. O desfecho é um grande spoiler.

Muitos podem até citar esses filmes, mas meu caso é talvez muito claro: "O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei" foi de muita lágrima gasta. #fato Confesso que é andar em círculos, certamente algum filme da trilogia iriá aparecer em outra tag, então, deixa para quando for necessariamente inevitável, rsrsrsrsrs...

A minha escolha recai por filmes que eu choro, ou choraria se não tivesse acostumada com a história. "À Espera de um Milagre": Esse é o tipo de filme que me comoveu para valer.
Baseado no livro homônimo de Stephen King de 1996, o filme de 1999 é bem fiel à narrativa das páginas. Dirigido por Frank Darabont, conta a história em um presídio americano, chamado "The Green Mile", em forma de flashback na visão do agente penitenciário Paul Edgecomb (Tom Hanks) em um asilo, já velho e aposentado da sua função. O recorte da trama é no presídio de Lousiana, na época da Grande Depressão americana, quando Paul e outros policiais entram em contato com um preso que faz a diferença na vida deles e de outros detentos: John Coffey. Coffey é condenado à morte pelo assassinato de duas garotas brancas. O personagem, negro e de proporções gigantescas, revela, ao longo da trama um dom mágico/misterioso e também milagroso.
É nó na garganta o tempo todo, certamente, à pensar inclusive no desfecho.



E assim, começamos a semana. Passo a pergunta do filme que fizeram vocês chorarem, para que respondam nos comentários.
Bom segunda a todos!

Abraços afáveis!

PS: Para acompanhar as outras escolhas 1, 2 e 3:  Dia 1: Um filme que lembre a sua infância , Dia 2: Um filme que você considera um clássico , Dia 3: Um filme com final surpreendente.

2 comentários:

Ron Groo disse...

A espera de um milagre é um filme muito bom!

Vou contar uma besteira... Mas eu fiquei emocionado assistindo Hitch, conselheiro sentimental. hehehehe

Manu disse...

Mesmo? hehehehe, mas acontece. Esse tipo de coisa surge quando a gente menos espera!
E Hitch é um filme legal :D