terça-feira, 26 de março de 2013

Sobre as "polêmicas" da F1

Felizmente (ou infelizmente - depende do ponto de vista) decidi fazer uma postagem específica sobre a agora inventada polêmica a respeito da Red Bull e da Mercedes, e a relação equipe e suas duplas de pilotos, na Malásia, segunda etapa da F1 2013.
Tentei ao máximo não ler colunas que não são de hábito antes de construir meu próprio texto. Tentarei ser clara e objetiva a respeito de toda essa novelinha montada já no começo dessa temporada (o que agita nossos dedinhos a escrever opiniões - furadas ou não - nos blogs e redes sociais da vida).
Se é novela, vou dividir entre vilões e mocinhos. Quanto a isso, me desejem sorte!



O núcleo da dona Mercedes, subdivide opiniões daqueles que assistiram a novela "O Dono do Mundo" no capítulo de domingo. Os que gostam do personagem Hamilton obviamente vibram com a proteção da dona Mercedes em deixá-lo em situação mais confortável e com pontos de pódio. Este é um lado do Ibope. O outro são daqueles que leram as críticas e sabem que Rosberg é o verdadeiro "filho" da Mercedes.
Mas o lance não é de brincadeira, de novela, nem entretenimento. O lance era para ser sério, mas pelo visto, não é assim que é encarado pelos frequentadores da F1, nem mesmo seus fãs e admiradores.

Você tem dois pilotos em uma equipe. Dois corpos não ocupam o mesmo lugar. O máximo e mais lógico que uma equipe pode fazer é dar carros iguais para cada um, e estratégias de paradas e ajustes de carros discutidos individualmente. Na pista é o famoso: se vira, você não é quadrado. 
Sutilmente, Rosberg requisitou ultrapassagem sob o colega via rádio. Na famosa categoria de Ross, o chefe, era para manter a linha e lhe foi negado que ele fizesse exatamente aquilo pela qual é pago: ultrapassar.
Estava instaurada a proteção, por mais que digam que tratam ambos os pilotos de forma igual.
Se é igual, me expliquem porque quando Hamilton mal chegou e veio com a pompa de salvador da pátria? 
"Ah, mas ele tem um título mundial..."
Porque que existe, então, equipes tipo a Ferrari que dispensa serviços de piloto campeão mundial, quando o melhor é que tivessem dois? Explique mais ainda o porque que certas equipes não defenderem o campeão mundial, e sim o mais novo, como é o caso da Lotus?
Algumas respostas não fazem sentido, outras são discrepantes. Na verdade, nada tem lógica, conforme o mundo todo parece caminhar neste sentido.

Minha opinião é que sim, Hamilton é o meio vilão da vez, assim como também era um pouco naquele grande caso da McLaren. 
Recebe mais e quis estar na frente. Por isso saiu da equipe que passava a mão na cabeça, e não mais, depois de alguma coisa estranha ter rolado. Provavelmente, uma delas foi ser superado pelo companheiro, outra seria a queda de rendimento do carro. Talvez algumas razões pessoais e comportamento inadequado,  fez com que o ambiente e as pessoas perdessem a fé e o encanto nele. Daí a Mercedes parece ter comprado a ideia da (ainda que falsa) liderança do piloto inglês, que ainda precisa muito para se estabilizar e ser considerado grande piloto. 
Ser rápido não basta, falta inteligência.

E é exatamente por isso que Alonso é e será por um bom tempo considerado um dos melhores pilotos do grid, o melhor desse tempo. Ele anda com carros ruins ou bons, é inteligente pois além de arquitetar estratégias antes das corridas ele as faz funcionar na pista. "Sou mais rápido, tenho que passar" e passa, em pelo menos 90% das circunstâncias.
Neste caso, sim, com toda certeza, apoiaria Rosberg ultrapassando Hamilton. É pra isso que esses caras são pagos são pagos. É por isso que eu (e acredito que muitos), assistem às corridas de F1. Queremos um jogo limpo de ultrapassagens incríveis e/ou bem feitas. Rosberg não seria imprudente, já Hamilton não se sabe. Se estava mesmo poupando combustível e pneus, duvido que teriam problemas. Até porque reclamar dramaticamente depois da ultrapassagem do companheiro, seria muito mais a tônica do inglês do que causar acidentes logo na segunda corrida da nova equipe.
O supremo vilão aqui é ela, a Mercedes. Que bobagem é essa de travar as ultrapassagens? Impedir que façam aquilo pelas quais os pilotos são pagos? 
Sério, com essas equipes assim tão hipócritas, que depois discursam igualdade, que pensaram no campeonato ou que os carros venham inteiros para os boxes e com pontos, ao invés de nenhum, é simplesmente uma babaquice. 
Querem menos problemas? Estipulem um piloto por equipe, porque assim você pode deixar que os seus pilotos passem em cima dos outros, só porque são de equipes rivais. Simples.

Nesse caso, a outra vilã da outra polêmica é também a Red Bull. Mancada dizer que eram para trazer os carrinhos de volta. Meu, a Ferrari pouco se lixa pra isso. Tudo bem que não rende muito bem, mas esse lance, de carros nos boxes bonitinhos, cansa. O campeonato está no começo. Não há necessidade de jogos de equipe. RBR, vilã como a Mercedes. E claro, o meio vilão aqui é o Webber. 
Qualquer um dirá, "como assim?"
Explico: mesmo que por um milagre Webber tenha feito uma boa largada, mesmo que ele tenha feito tudo certo em 70% da corrida, nada tira de Vettel o direito de não ultrapassá-lo. Apenas substituam Webber por Alonso, o cara pela qual é possível que Vettel volte a travar batalhas nas próximas corridas. Ele hesitaria? Ele deveria hesitar? É claro que não!! Ele não hesitaria com nenhum outro, sendo pragmática.
Os pontos garantidos por Vettel podem lhe custar um tetra. Com Alonso, seu principal rival, (como tem sido nos dois últimos anos, pelo menos) fora da corrida, chegar em primeiro abre a vantagem que pode ser importante lá no somatório final. Porque arriscar deixar um Webber, mesmo sendo companheiro de equipe, na frente de cara pro vento, quando a chance é de ultrapassar, garantir vantagem?
Mais ainda: quantas vezes Webber largou mal, classificou mal? Ano passado mesmo, foi deveras inconstante. Por mais que muitos ainda não gostem de Vettel, ele ainda é mais constante que o australiano. Sim, afoito muitas vezes, esperto outras tantas. Assim todo e qualquer ponto que ele garantir pode ser arma contra o espanhol, e consequentemente, contra qualquer outro do grid, inclusive Webber.
Mas o Webber assim como Hamilton é meio vilão. Da mesma forma que Hamilton manteve a frente, fazendo-se de bom moço depois com desculpas, Webber não facilitou para Vettel a ultrapassagem. Ali teve  um certo profissionalismo. Ambos querem o primeiro lugar, ambos que se virem para conseguir ou para manter.
Além disso, ao contrário de Rosberg, Vettel não foi cordeirinho. Porém, enquanto na Mercedes, Rosberg não esquecerá fácil, Vettel foi desobediente e egoísta, deixando um ar de "não preciso de vcs" na equipe. O egoísmo dele, seria a coragem que falta em muitos de mostrar o valor que tem independente de o quanto recebem ou o quanto pagam. 
Se na Mercedes, Rosberg ouviu uma falsa desculpa de Hamilton e provavelmente não engoliu bem, mas a boa educação lhe deu crédito ao velado "forgive and forget". Rosberg fez bem. Obedeceu e escancarou o problema. Agora as críticas caem mais violentas no companheiro. Pode ser que, para amenizar, a equipe faça com que ele tenha prioridade em um próxima oportunidade. No que depender dele, virá logo.
Essa é a vantagem do Rosberg, o fala pouco, mas fala certo. Ele fará, sem que deem empurrões falsos a ele. E se não vier, ele não ficará omisso. E nem deve. De bundão, já bastam os brasileiros segundões.
Agora Webber realmente não precisava receber bem as desculpas de Vettel, mas apontar a proteção dentro da equipe foi ridícula. Quem não sabe que é assim? E meus queridos, porque teria assinado  o contrato novamente, depois de três anos de proteção ao Vettel? Já houveram brigas assim, quase iguais antes, ele contra Vettel, e nada foi feito pela equipe para ajudar a ele. Em tese, pareciam não proteger, mas o não ajudar dava uma clara ideia de quem confiavam mais. 
A equipe diz que Vettel foi errado, e deixa que Webber fale tudo que pode na imprensa, transparecendo uma infantilidade tamanha que nem parece ele ser o mais velho do grid. Idade realmente não significa maturidade.

O que mais ainda intriga, não é necessariamente a confusão montada. Me intriga perceber que muitos fãs da F1, entre críticos, jornalistas e esporádicos comentaristas parecem comprar a polêmica. Ainda não vi reportagem que não dissesse as aspas de cada um, botando fogo na lenha. 
Se põe fogo na lenha há quem queria se esquentar na lareira. Assim, penso que, se tratássemos melhor como algo natural, diria: "eles que são brancos que se entendam".
Mas não. Há pessoas pelo visto julgando a atitude de Vettel e tratando-o como ele mesmo se definiu: uma ovelha negra. 
Eu pergunto: porque assistimos a corrida, se não queremos que as posições mudem? Quantas vezes me revoltei com um certo cara que se diz grande piloto tirar gente boa da briga por mera barbeiragem e ser tratado como gênio? Não esqueço jamais Spa 2008, nem Canadá do mesmo ano. 
Quantas vezes houveram discursos inflamados sobre o pobre Massa subordinado pelo maldoso Alonso. Porque muita gente arrumou desculpa para que ele não negasse a ordem da equipe de "deixar passar" e lutasse para que mantivesse à frente? Porque mesmo sabendo que ele tem um possível contrato que deixa claro que ele deve ser o segundo, ainda há fãs por todos os lados babando ovo?!
Porque, quando um cara é corajoso em fazer alguma coisa mostrando a hipocrisia das suas equipes, de uma forma ou outra, ele é o egoísta ou o chorão?!
Apesar de achar que Rosberg deveria ter ultrapassado Hamilton, acho que deixar a situação como estava seria melhor, pois agora, pelo visto, todos estão questionando mais e acarinhando menos Hamilton. 
Se isso mudará em algo, pouco acredito. Ele já fez muita bobagem e falou muita porcaria na imprensa, duvido que cada vez mais ele não se supere. 
O acontecido em pista foi limpo, entre Webber e Vettel. Se o australiano não se conforma e até charme faz em dizer que reavaliará sua carreira, eu só lamento. Isso me parece muito "mimimi", ao meu ver.
Daí vem todos aqueles textos enormes sobre ética e blábláblá... 
Mas, sério, será que depois de tanto tempo, ainda dá para considerar ética na Fórmula 1?
Ninguém é dono do mundo.

É o que posso pensar de tudo isso. Se discordam, concordam, sabem que os comentários estão sempre às ordens!
Abraços afáveis!

3 comentários:

Ron Groo disse...

Na verdade, Manu, esta polemica vazia veio a calhar para a mídia esportiva especializada em automobilismo e F1 principalmente.
Lembra que daqui até o próximo gp são exatas três semanas. É bastante tempo sem noticia relevante, então, uma polemicazinha qualquer já dá pauta para um monte de dias.

Daniel Machado disse...

Bom Manu. Eu concordo. Acho que Webber é mais vilão que Vettel na história. Não que o alemão seja inocente rs, mas Webber ja aprontou dessas e ninguém criticou. Ao contrário. Como eu disse, o veneno é bom ate que o próprio dono beba dele.

Manu disse...

Sim Groo, uma das justificativas é a falta de assunto, mesmo...

E claro, Daniel, o Webber tbm não é santo, da mesma forma que Vettel tbm não é, mas ao menos tem coragem de fazer certas coisas...

Abs!