segunda-feira, 20 de abril de 2015

GP do Bahrein: ruim ainda, mas nem tanto

O que dizer não é mesmo?
Uma corrida que tem Lewis Hamilton sendo defendido de todas as possibilidades possíveis de ameaças (até com relação à seu "talento" - Lauda está lá na Mercedes para esse fim, e sempre esteve), só poderíamos esperar que o motor explodisse ou ele achasse o botão do ponto morto de novo.
Mas não. Infelizmente - se é verdade que ele frequenta a Cientologia - proponho que todos nós irmos para lá, porque resolve muito mais que banho de sal grosso.
O circuito - foi afirmado inúmeras vezes *inúmeras e sem exagero* pelo Galvão - que é lindo, maravilhoso, blábláblá... É chato. Tanto é que, por mais que Vettel, Rosberg e mais ao fim, Räikkönen, dessem alguma sombra de emoção na corrida, nenhum deles foram capazes de vencer a corrida ganha do Hamilton.

Mas ao que importa: Rosberg quis mesmo provar uma fibra de piloto e por hora, dou-me por satisfeita. Ele é bom e não é só porque o carro é. O lance é que ele tem um negócio que a gente chama de ética, que o restou ou perdeu, ou guarda em casa. Vettel também, apesar dos erros que lhe custaram o terceiro e segundos lugares, quis provar vontade de vencer novamente. Se Rosberg não estava de brincadeira, ele meio que seguiu o conselho de não falar na imprensa suas insatisfações - totalmente justificadas - e respondeu na pista. Uma pena que a aproximação foi sua glória e sua derrota: estar perto do Vettel fez com que ele pudesse pegar a segunda posição nas duas vezes possíveis. Quando Vettel teve seu erro, Rosberg teve o momento de se defender de Kimi. E se não fosse por exatamente a mesma proximidade, e pela estratégia de pneus diferente do Kimi ele teria mantido o segundo lugar.
Kimi à tempos não chega ao pódio. Por isso espero que Rosberg não fique mal com o finlandês, embora ambos merecessem suas colocações. A situação propiciou que pensássemos "fazer o quê? corridas são assim mesmo..."
Corridas são assim mesmo. Uma sombra de evolução da McLaren dada ao talento de Alonso, RBRs mornas, mas andando por perto e melhores que as Force India. (Afinal, onde foi que eu dormi que o Hulk estava melhor que o Pérez e, de repente, é o mexicano quem marca pontos? (Isso que dá uma transmissão que fala tanta coisa inútil... Você que já está na preguiça do domingo + barriguinha cheia de almoço delícia = resulta e pouca atividade do seu cérebro. Ainda mais com estúpidos caras tais na narração.)  E continuando: Maldonado causando de forma leve, mas causando. Briga dos Felipes por meio de grid e apesar do Massa ter marcado pontos e o Nars não, achei que o Nars foi deveras melhor nas disputas de colocação. O que não minto, torci mesmo para que passasse sem tomar conhecimento do "Maffinha".

Depois da barriguinha cheia do almoço bom, eu tratei de pensar na corrida assim: vitória do Kimi, seguido de Rosberg, Bottas (que olha, eu li esses dias um pessoal falando que Bottas não é melhor do que o Massa, queria ver a cara destes agora que ele segurou por muitas voltas e muito bem, um tal de Vettel... Olê!), Vettel e Ricciardo, como cinco primeiros. A corrida só aconteceu do Hamilton para trás. E assim, pode até ser ruim, mas não foi tanto. A próxima, será deveras pior. Aguardem...

Abraços afáveis! 

2 comentários:

Ron Groo disse...

eu só não achei ruim porque a corrida foi acompanhada do almoço dominical, que geralmente vale muito a pena, mas se fosse de madrugada, estaria xingando até a última geração.

Manu disse...

Seríamos dois, Groo!

=*