segunda-feira, 12 de junho de 2017

GP do Canadá: Poderia ter sido...

Sétima etapa da temporada de F1 e pelo menos em quatro delas, os 4 primeiros do grid de largada eram: Hamilton, Vettel, Bottas e Raikkonen. Em quatro delas, a sequencia foi essa. Nas outras, um ou outro decidiu vir mais à frente, ou lá no fundão. Fato é que o campeonato não está tão imprevisível como deveria. Ou é Hamilton ou é Vettel (o líder em vantagem) que vencerá tudo. E sendo assim, logo entraremos no modo morno de qualquer pista.

Surpresa em pole já não veio para esse GP e ficou só lá em Mônaco. Hamilton fez a bendita e se igualou ao número de poles do seu ídolo, Ayrton Senna. O feito era já tão esperado que até capacete da família já estava preparado para a entrega ao inglês - Deviam estar carregando o dito cujo para todo lado, desde que ele se aproximou da marca. Ou, sabe-se lá,os conspiradores poderiam dizer, que já sabiam que seria logo agora, neste GP, que ele conseguiria.

No sábado, Kimi deu uma deixa em uma das entrevistas: tudo pode acontecer. Ele poderia estar falando da largada, que é sempre onde as situações podem mudar, já que o engate antes da segunda curva, tem que ter seu máximo do carro. Isso pode ser desastroso, dentro de um erro ou um arrojo maior, e pode também, no excesso de prudência, perder contato ou dianteiras. Fora isso, era normal que, sem incidentes de largada, tudo poderia continuar na mesma, ou piorar para alguns.
E é aí que começa as ideias do "poderia ter sido".

Hamilton, mesmo com uma largada reta (e sempre acho meio lenta/meio morna), teve seu momento irrelevante por dois fatos, um muito importante: o salto de Verstappen para a segunda colocação. Com o famoso "fecha os olhos e vai", Verstappen chegou a encostar em Vettel e danificar a asa dianteira de sua Ferrari, mas ele queria fazer isso, e mesmo que tivesse dado ainda mais confusão, é assim que é Verstappen e é assim que são corridas agora - uns podem, outros não, só basta ter coragem ou ser um covardão. Ambos precisam contar com a sorte: o primeiro que, por tocar em alguém torce para não ser punido, e o segundo, para não ser tocado pelo "corajoso", torce para não tocar em alguém e ser punido. 

Sorte é para Hamiton (que sempre teve esse fato ao seu lado) que Verstappen teve um certo momento de dar sossego, já que ao ser tocado, Sainz perdeu o controle do traçado, bateu em Massa e depois num muro, lá atrás. 
Esse foi o segundo fato, que a transmissão da SporTV deu uma ênfase, e que não era assim tão importante. Não do jeito que tratavam: a saída prematura do Massa, que Deus nos ajude! Pior é que esse chororô chato, é também, em nada surpreendente. Massa não tem jeito com GP do Canadá, já "tretou" com Pérez nesse circuito... E, ah, tá fazendo um campeonato de "m", merece é ser esquecido.
Poderia ter sido um acidente muito mais cabível de tanta reclamação. Poderia ter sido o próprio Massa que tivesse tocado no Sainz que eu iria querer ouvir a desculpa do brasileiro, aposentado inútil.

"Graças" ao Verstappen, Vettel teve de fazer uma parada extra, trocar bico, e remar contra o prejuízo. Fez uma boa corrida de recuperação, mas infelizmente, não chegou mais longe do que um quarto lugar. Já Raikkonen, não conseguir avançar muito, não se sabe se por falta de vontade, potência ou por ter à frente, depois de algumas paradas, duas Force India muito bem na brincadeira, terminou em sétimo.

Poderia ter sido um pódio de um carro rosa, de um Esteban Ocon, se não fosse claro, por umas Mercedes, sobrando. Dado que Verstappen, pouco tempo depois da primeira parada de Vettel, estava estacionando o carro e abandonando a corrida, o segundo lugar caiu no colo de Bottas, que pode defender o espaço como um fiel cordeirinho escudeiro. 
Com esse movimento lá na frente, sendo seguido por Ricciardo, restou aquela fase de corrida que estamos de cabelos brancos de tanto ver: ficaram mostrando meio de grid - e no caso, protagonizado por Ocon e Pérez, os dois "CarroRosa" da pista. Mérito da boa estratégia e consistentes investidas, os dois só tiveram mais trabalho quando Vettel veio fazendo sua corrida de recuperação, passou Kimi que estava relativamente bem para atacar Pérez por exemplo - até perder o traçado e deixar espaço para Vettel tentar - e perderem na disputa. A briga entre os 3 carros, os rosas e a Ferrari de Vettel, foi interessante de ver. Pouco vemos campeões mundiais fazer as ultrapassagens como Vettel tem feito. Eu tenho toda vez, uma sensação de que as do Hamilton são muito fáceis e escancaram muitas vezes, uma falta de habilidade em forçar o erro do outro. Mas...

Poderia ter sido uma corrida boa para o Verstappen, que poderia ter tentado passar Hamilton, dando uma emoção extra à corrida;
Poderia ter sido uma largada da qual Vettel ainda continuasse em terceiro, na espera de Max atacar Hamilton e Vettel se aproveitar disso;
Poderia ter sido melhor a posição final de Kimi, do que um sétimo lugar, depois do fatídico segundo de Mônaco;
Poderia ter sido uma corrida de dois carros diferentes do costume disputando um pódio - o que justificaria a transmissão dar o enfoque nas Force India;
Poderia ter sido um pódio diferente, com um Verstappen, um Ricciardo e um Ocon, por exemplo; 
Poderia ter sido uma coisa diferente, mas na real só acalorou a coisa de sempre;

Poderia ter sido uma corrida boa, mas... não foi.


Abraços afáveis!

Nenhum comentário: