segunda-feira, 13 de julho de 2015

Dia Mundial do Rock

Esta aí uma data que pode ser balela para a grande maioria (principalmente se for uma maioria brasileira) mas de forma alguma é deixada de lado por mim. Porém, é preciso convir: eu não preciso de dia para ouvir rock.
Sim, é o estilo que mais ouço e sim, passar um dia sem ouvir música para mim,significa dia improdutivo ou "xoxo". 

A data, 13 de julho, acabou virando dia do rock a partir do festival Live Aid, em 1985. Se você como eu, não era um ser vivo ainda, nesse tempo, aqui vai um resumo: foi um festival com grandes bandas de rock (mesmo, as de verdade) organizado por Bob Geldof, que tinha como intuito uma causa humanitária: fazer com que o mundo, através do festival, voltasse os olhos para a fome na Etiópia.
E isso, senhoras e senhores, fazem 30 anos. 

Hoje, esse tipo de coisa não daria muito certo. Primeiro que restringir à bandas de rock, faria uma porrada de galera chata dizer que não se representa pois não tem uma cantora pop que faz vídeos recheado dos closes nas curvas de seus 'corpitchos' ou um cantor cheio de colares, carros e boné de aba reta. Ou ainda "que aquela banda ali é rock", mas a gente sabe que não é, nem sob decreto. 
Acho que certas coisas, pertencem àquele momento e revivê-lo , ainda mais 30 anos depois, seria uma pataquada sem fim. Já vejo daqui e tenho úlceras:
Lice Aid 2015: Miley Cyrus fazendo caretas em uma apresentação semi-erótica, digna de MTV Awards, Justin Bieber  pelado no telão, justificando a falta por estar preso ou bêbado, via Instagram, Nicki Minaj discursando com a bunda, Beyonce dando aqueles espasmos que chamam de dança, Kate Perry e os seus tubarões dançantes (quem viu o show de intervalo Super Bowl 2015, sabe do que eu falo xD) e talvez, talvez uma banda tipo Red Hot Chilli Peppers, Foo Fighters, ou qualquer coisa assim só para relembrar Live Aid de 1985, deixando com cara de 2015.
O resultado não seria o mesmo, e em tempo, jamais sugeriria algo de significativo para os países africanos que passam por problemas sociais e econômicos. Percebem porque não vale a pena pensar em uma reedição?

A dica de sempre para 13 de julho é que curtamos com as nossas bandas do coração, aqueles verdadeiros hinos da alma, afinal, o que queremos mesmo é: 
Vida sempre longa ao Rock 'n' Roll!!



Abraços afáveis!

Um comentário:

Ron Groo disse...

A escolha da música foi muito boa.