segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Abu Dhabi 2012


Eu não gosto de Abu Dhabi.
Ou pelo menos não gostava.
Quando esse circuito estreou na F1, em 2009, não me carregou boa impressão. Foi um ano muito difícil para quem viu seu piloto favorito ser jogado na lata do lixo. Literalmente.
Abu Dhabi se revelou o reflexo do ano.
Era com poucas boas expectativas que encararia a F1 pela primeira vez sem torcer para alguém especificamente no ano seguinte em 2010. Mas confesso que fez que eu crescesse mentalmente, então houve uma vantagem ficar à par 2010, 2011 um pouco mais apática.
Eu não digo que sou fã, sou torcedora. 
Fã não é uma figura muito bem vista por aí. Confesso que apesar de ponderada, se algo vai mal com Kimi, sim, meu domingo não fica no melhor dos humores.
Aquele dia em 1 de novembro de 2009 eu fiquei triste. Como podia um lugar tão bonito ser o quadro de uma era que se acabava sem muita lógica, com pouca justiça? Mas era assim em qualquer lugar, e F1 não tinha cara de conto de fadas.

Eu não botava fé na corrida ontem. Sempre achei bonita e só. Haveria algumas cenas interessantes, alguns Safety Car e nada mais talvez. 
Mas felizmente Kimi e mais dois caras fizeram de Abu Dhabi um lugar bem suportável.
Sebastian Vettel, líder do campeonato tinha uma tarefa difícil: largar dos boxes depois de uma desclassificação.
Alonso tinha de tirar leite de pedra, o que não seria tão grave para ele.
Queimando a língua de narradores, Kimi largou em quarto, e logo estava em segundo, como se ele quisesse avisar: "cala a boca, Galvão".
Cabia a Vettel correr atrás do prejuízo - sem trocadilhos - e à Alonso ficar o mais à frente possível do rival.
Com uma batida extrema entre Rosberg e Karthikeyan, só podíamos ter Safety Car e pensar que estava tudo bem entre os pilotos dada a gravidade da situação. O Safety Car ajudava Vettel, que vinha ganhando posições e se ajustando no grid depois de uma asa quebrada. Asa trocada, era rezar para os pneus durarem e trabalhar. E ele trabalhou.
Logo, uma das ameaças de Kimi a perder o terceiro lugar no campeonato era o ponteiro da corrida. Com Safety Car fora, em poucas voltas, Hamilton não tinha potência no motor e abandonava a corrida. Kimi era o primeiro, e aí começava uma certa tensão dessa que vos escreve: um turbilhão de pensamentos ocorreram. E as voltas começaram a se arrastar...
As figuras mais desastrosas da corrida não foram Grosjean ou Maldonado. Por sinal os dois foram vítimas pela primeira vez em corridas. Maldonado sentiu o que é um Webber (que larga mal pra caramba hein?) perturbar sua corrida e não conseguir uma ultrapassagem . O mesmo quase bateu em Massa, o que deixou o pobrezinho nervosinho. 
Perez fez o favor de acabar com as lambancinhas de Webber - a segunda criatura que a ameaçaria o terceiro lugar de Kimi. De quebra, o mexicano levou Grosjean junto. Punido, não voltou mais a incomodar, e o Safety Car ajudou Vettel mais uma vez, que precisava de pneus novos. E ele precisava trabalhar mais para conseguir algo.
A esta altura ele se aproximava do pódio, enquanto Alonso garantia um segundo lugar. 
Logo nas voltas finais mais tensas de todo o ano, Vettel conseguiu o terceiro lugar de Button e fechava o pódio. 

Ficamos então, de frente aos três melhores caras dessa corrida. Kimi por tudo que fez no ano, e pela largada que lhe garantia uma força incrível para estar na disputa do primeiro lugar. Alonso, que mesmo com uma Ferrari de dar dó, ainda permanece carregando ela nas costas e acreditando, com otimismo que será Tri (e quem pode duvidar?). E Vettel, que por mais as pessoas torçam o nariz, a Red Bull errou com ele, mas lhe deram um carro potente, e apesar do Safety Car, ele fez o trabalho de passar a todos no momento que precisava. Ainda se mantém líder e se torna um cara que pode, apesar de tudo, se tornar um Tri também.

Por mais que vcs me cobrem uma justificativa do porque Kimi estar entre os gigantes, eu digo que qualquer resposta será levada pela emoção e conseqüentemente contestada por alguns.
Porém encontrei sim uma coisa para gostar de Abu Dhabi: 
Os 3 caras do ano mostraram muita maestria em 4 de novembro de 2012.
Dou-me por satisfeita!


Abraços afáveis!

2 comentários:

Ron Groo disse...

Foi a melhor queimada de língua que já tive.
Adorei a corrida.

E que sorriso é aquele no jeito largado do Kimi na foto?

Manu disse...

Esse é Kimi hehehehehe...
Ele estava entre amigos, por isso, o sorriso mais espontâneo. ^^

Abs!