sexta-feira, 22 de junho de 2018

Já diria o Roberto Carlos...

... São tantas emoções!

Embora divida data de aniversário com o gato das tirinhas, Garfield, e no campo da música, compartilho o 19 de junho com Chico Buarque e Sidney Magal, acabei usando uma frase do Roberto Carlos, o tal do 19 de abril... 
Mas vá lá, tentei, e de fato, foram "muitas emoções" e de todos os jeitos. As semanas estão cheias. Espero poder colher bons frutos delas, logo, logo. Uma delas, já colhi. A dedicação com um livro de histórias da família, chegou da gráfica. Eu e minha irmã, fizemos um livro sobre nossos bisavós até nossos pais. Foram quase 5 anos de trabalho. 
Nesta mesma, também recebi ótimos parabéns e muito carinho. ^^ 

Uma coisa que descobri é que, mesmo que vocêsqueira fazer tudo que precisa, nem tudo pode ser considerado prioridade. Com apenas duas disciplinas cursadas, estou à voltas com os afazeres delas. Não que fossem muita coisa, mas a questão é: eu sou aluna especial. Escolhi cursá-las. De qualquer maneira, empurrando com a barriga, não ia, nem vou fazê-las. A dedicação em dois dias de aulas, deveria ser feita. 
Acabou que meus estudos extras, nas duas semanas que se passaram, ficou para escanteio, no melhor termo "copístico". Será retomado só na semana que vem. Nesta, nem de longe poderia cogitar.

Comecei esta segunda, terminando um trabalho. Depois de uma correção, reorganizei escritas e comecei outras pesquisas. O que era, lá no fim de maio, um plano de metas, foi tudo por água abaixo: aceitar convites "novos" e desafiantes ficarão para depois. Em um caso específico, a situação paira em três questões: uma que a insegurança me impede de encarar de frente. Duas, que envolve gente que não me conhece e não quero comprometê-los com minha (suposta) soberba. Três, que minha vida acadêmica não se restringe apenas às disciplinas de aluna especial. Envolve trabalhos, publicações, e insights que precisam ser aproveitados, pois eu preciso de "notão" no currículo para tentar uma bolsa. Eu não posso parar e desviar o foco, eu não devo parar só para agradar uma possibilidade tentadora. Infelizmente, essa chance veio em um mau momento em que meu espírito clama para que eu aja com rapidez e exatidão caso eu queira ser bem sucedida no que venho fazendo desde 2015.
Quem conhece a realidade, sabe: se deixar para depois, não posso reclamar se não tiver emprego, ou ocupação que continue a edificar minha formação. Sofri tombos demais em 2017 para ficar esperando as coisas caírem do céu. E mesmo tentando, tem escorregão que está perturbando a cada passo. 
Se ficar ainda contando para os outros os meus planos... Aí que a coisa tem complicado mesmo.
A vida não é justa, só as calças das funkeiras. 

Então, o que vem ao lado, só é resgatado para que a gente não pire na batatinha. Música, filmes, séries, livros (de entretenimento) são necessidades de corpo e alma. Me desculpem se acham futilidade, mas cada um arruma a terapia que pode. Já arrumei a minha. Meus horários estão apertados: tenho hora para ouvir música, hora para estar na internet, para treinar guitarra, para estar na aula de música, para ver filmes e séries (à noite quando não rendo mais e aos domingos), e estudar. Sim, escapo da trilha as vezes, mas volto ao caminho certo, assim que encontro espinhos.

A semana dos 31 não me propiciou nada disso: não ouvi música, não estudei guitarra, principalmente pois encostei na greve dos professores da rede estadual e não estou aproveitando o tempo de pausa deles para melhorar minha técnica. Por isso digo: fazer planos dos afazeres é falhar miseravelmente. Desculpe quem depende de mim para algo, mas a real é essa. Essa semana, a única brincadeira (boba, para alguns) que me permiti, foi terminar a autobiografia do Bruce Dickinson (livro por sinal que não tem detalhe de vida pessoal praticamente nenhuma, mas é deveras bem escrito). O resto, foi coisa de faculdade, de vida acadêmica.

Se estou reclamando? Não, de forma alguma. Tô ocupando minha cabeça e estou bem, embora meio perdida porque o tempo é ditador. Se estou justificando? Talvez. A justificativa acontece quando alguém te cobra algo. Ninguém me cobrou. Mas eu sei que tem gente que pensa que estou a toa, caso eu tuíte umas coisinhas no meio da tarde. "Estudando uma ova", devem pensar.
Se alguém vai achar ruim o fato de eu ter prometido alguma coisa, e não ter feito, é de se rever prioridades e relações. Eu mesma, recebi parabéns de pessoas que tiveram problemas e cabeça cheia. Dedicaram, em plena terça feira, a mandar recados depois do trabalho, ou em uma horinha de intervalo. São essas que eu deveria justificar, mas sei que elas não me cobrariam nada. Na verdade, sou muito grata por aqueles que tiraram um tempo para mim.
Tenho amigos de muito tempo, de mais de 15 anos de companheirismo que acessou internet o dia todo, publicou textão sobre babacas machistas na Rússia, xingou esbravejou em 17 publicações sobre o assunto no Instagram, mas não disse um nada para mim. Esse tipo, no caso, me decepciona, e me faz ficar triste. Mas também não vou remoer. É como escrevi: é razão para rever as relações. Se algum dia me cobrarem algo, vou dar de ombros. A gente tem que saber a quem dedicar atenção. Passar dos 30 mostra muita coisa; uma delas é que, perder tempo com o que tira o sossego, nunca valeu a pena...

Ainda que não tenha sido o aniversário dos deuses, foi tranquilo e sem preocupações. Ainda não me presenteei com o que estou almejando, mas será para logo. Até o Natal, tenho fé que terei meu mimos. #segredo rsrsrsrsrsrsrs...
Mas me justifico um pouco, pois é necessário. Promessa é dívida. O Faixa a Faixa para essa semana não virá. Esqueci que tem GP da França nesse fim de semana, tanto o quanto as atividades acadêmicas ocuparam meus pensamentos. O álbum vencedor está decidido desde segunda, mas fechei a enquete só na quarta. Eu tinha tempo de formular o texto para a publicação, mas não o fiz pelo seguinte: Dá trabalho fazer o Faixa a Faixa, gosto de escrever sobre música e não vou deixar 3 dias apenas para a publicação, contando hoje, sábado e domingo. Segunda, terei de publicar o texto do GP da França e na terça, o de fotos do fim de semana na F1. O Faixa a Faixa vai ficar para quinta-feira, para passar dos 4 dias de publicação, dando o tempo de todo mundo que se interesse, ler meus devaneios.
Mas entrego o doce antes da hora para saberem o resultado e firmo compromisso: quinta feira que vem publico sobre "Perfect Strangers":


Para não ficarmos só nisso, proponho: sugiram um disco para entrar no lugar do Depp Purple na próxima enquete!
Abraço afáveis, até segunda, boa Copa e bom GP!


Nenhum comentário: