quarta-feira, 21 de março de 2018

Versões Boas, Ruins ou Melhores? Wild World

"Wild world" é uma expressão que, apesar de ser real ("mundo selvagem" - literal, e "mundo cruel" - simbólico) não é muito usado no nosso dia a dia. Talvez alguns digam "ó mundo cruel", mas sinceramente, é raro.
Mas essa expressão lembra uma canção, datada de 1970. E desde então, o mundo continua cada vez mais cruel: seja por violência, seja por inconsequência, seja por atos de imbecilidade de desencadeiam uma das duas primeiras...

Essa canção, é original de Cat Stevens - ainda com esse nome (não como Yusuf Islam). Em tese, a letra retrata um relacionamento amoroso de noção protetora, tanto que diz: "Because I never want to see you sad girl, don't be a bad girl". (Hoje, talvez, essa letra inflamaria alguns discursos feministas... )
Para a maioria das pessoas talvez essa canção tenha chegado a ser conhecida através de uma das versões dela, da década de 90. Mas, existem muitas e muitas versões e covers da mesma.
Depois de minha mãe ter tocado, semana passada, a canção original repedidas vezes na hora do almoço, decidi relembrar dela no post. Vamos?

Original: Cat Stevens
Composição: Cat Stevens
Álbum: Tea For The Tillerman
Lançamento: 1970
Estilo: Folk


Oito anos depois dessa canção, Cat Stevens se converteu ao islamismo e adotou o nome de Yusuf Islam e abandonou a música sob o nome artístico anterior, dedicando-se fortemente à atividades beneficentes e educacionais em prol da "nova" religião. Deixou, de certa forma, de fazer sucesso no cenário folk, mas continuou a ser um artista da música.

No wikipédia há uma lista de covers notáveis, que escolhi algumas das quais conheço para ilustrar o post.

Versão 1: Jimmy Cliff
Álbum: Wild World
Lançamento: 1971



Essa "Wild World" foi lançada poucos meses após a original. Cliff deu à canção uma pegada mais "reggae" e chegou a ficar na 8ª posição da parada UK Singles Chart.

Versão 2: Jonathan King

Álbum: (Single) Wild World
Lançamento: 1987


Essa versão eletro pop rendeu muito mais do que deveria, já que King acusou a dupla contemporânea Pet Shop Boys pelo plágio na melodia em "It's a Sin" (ouça aqui). A música da dupla foi lançada exatamente no mesmo ano, o que não nos dá brechas para saber quem copiou quem à primeira informação. Tirando uma conclusão bem rasa (se todo mundo faz, porque não?), acredito que o Pet Shop Boys saiu em vantagem, uma vez que tem uma interpretação menos "xoxa" e contém uma letra diferente, com temática voltada a questão do pecado. Isso torna a canção deles original e não uma tentativa animadinha de uma música folk já bem formulada antes, sem necessidade de sintetizadores para melhorá-la. Certamente é esquisito acusar alguém de plágio de melodia de uma música da qual você fez uma versão... 
Numa busca rápida percebi um copia e cola muito sutil do caso. Alguns sites chegaram a informar que a banda foi processada por plágio da canção de Stevens, o que é um erro. Stevens não processou os caras, o que pelo visto foi feito por King. A dupla ganhou o processo (provavelmente pois o uso do sampler semelhante à versão não condizia com a original, o que não dava ganho de causa para ele). A indenização recebida pelos Pet Shop Boys foi revertida em caridade.

Versão 3: James Blunt
Álbum: Não há. James fez covers dela em apresentações ao vivo em 2007.



Versão simples, melodia idêntica à original, interpretada com a voz de Blunt. A próxima?

Versão 4: Ronan Keating feat. Marvin Priest
Álbum: Duet
Lançamento: 2010



Como o nome do álbum sugere, Ronan (ex Boyzone) fez um álbum bem legal: pegou músicas famosas e fez duetos com outros intérpretes. As participações mais interessantes são o próprio Cat Stevens - só que na canção "Father & Son" - e Elton John em "Your Song". A versão de "Wild World" de Ronan e Marvin tem uma pegada de balada pop que remete ainda a original, sem estragar.

Por fim a que provavelmente todos conhecem mais, e a que eu fui apresentada primeiro, quando era apenas uma menininha infantil, com 6 anos rsrsrs...

Versão 5: Mr. Big
Álbum: Bump Ahead
Lançamento: 1993
Estilo: Hard Rock


Eric Martin, o vocalista do Mr. Big, era um diferencial nos fins dos anos 80 e começo do 90, uma vez que o glam e hard rock batia fortemente nas nossas casas. Havia um sem número de baladas românticas em cada banda dos estilos, que tiveram seu ápice nessas décadas, mas por coincidência a voz meio andrógina e rouca de Martin, e o estilo mais voltado ao quase acústico, dava identidade a banda. 

É a minha favorita. E a de vocês? Comentem!

Abraços afáveis!

PS: Especial Versões/Covers na aba ou no link disponível para conferir as anteriores. 
E não se esqueçam de votar na enquete do Faixa a Faixa!

Nenhum comentário: