segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Mon...Za

Título piegas para uma boa e rápida pista, eu sei.
Eu imaginava que fosse mais eletrizante, pois o que se espera de uma pista como essa é que sua empolgação fique à mais de 300 km/h. 
Uma morníssima vitória de um piloto mediano estava por vir. 
E como Spa, Monza reserva boas coisas, sempre, independente de como. 



E ainda assim como Spa, Monza não teve o primeiro como nome da corrida.
Se tivéssemos um troféu "I Love It Loud de Monza", ele seria disputado pau a pau entre dois caras, um espanhol e outro mexicano. 
Por sair da décima e da décima segunda posição, e chegar em terceiro e segundo respectivamente, Alonso e Perez mostraram serviço. 
O espanhol, a ponto de contar com muito a seu favor,  não ficou apenas no aguardo de que tudo acontecesse e um pódio caísse em seu colo: ele veio passando todos, estava a fim mesmo de estar próximo da disputa com os grandes - contou com o abandono de seus rivais, uma ajuda daquele que nunca pode-se esperar muito, e muita força de vontade.
O impulso? Os tifosi, com certeza.
Sei que deve ter surgido altas e inflamadas mediocridades sobre duas possíveis polêmicas: O lance com o Vettel e a abertura de Massa.
Não li e nem quero ler essas coisas. 
Gosto muito do Vettel. Tenho lá minhas dúvidas com esse regulamento mal escrito, que sinceramente, me dá nos nervos. É como estudar em escola de freiras - eu estudei, sei como é. Mas não vamos entrar nessa área espinhosa...
Vettel foi considerado culpado? Foi, pagou a punição e pronto, beleza! Não vão voltar atrás caso estejam errados. Se reclamar ajudasse em alguma coisa, eu não estaria, por exemplo, a três meses de greve, sem aula, esperando para finalizar minha vida acadêmica, ter um diploma e por em prática meus planos de futuro. 
Em todo caso, acho ainda que esse regulamento deve ser bem escrito: um para mecânicos e equipes, outro para pilotos. Vamos fazer auto-escola nos danados! Digo isso não porque acho que tem coisa estranha nessa ação Vettel x Alonso. Digo porque Senna saiu fora da pista em disputa com Rosberg e depois por Di Resta e não houve nenhuma investigação. Os comissários precisam se decidir ou eu preciso de aulas porque pelo visto, eu não sei porcaria nenhuma em certo e errado na F1.

Sobre o Massa, depois de uma boa classificação, tudo o necessário da parte dele foi feito. Deixou o Button para trás na largada, quase infernizou a vida de Hamilton, mas embora eu ache que ele deveria não ter deixado o inglês distanciar, ainda assim foi sua melhor corrida depois de tanto tempo.
Não vou ser idiota em dizer que não foi, porque foi. Mesmo que minha opinião nada sirva, Massa para mim não fez nada mais que a obrigação, nada mais do que é pago, nada mais do que é possível pensando em quem ele é. 
Ele fez exatamente o que prometeu, em ajudar a equipe e Alonso, pois ambos precisavam dele. E o discurso se cumpriu na terra das maravilhas ferraristas. 
Quando Alonso já tinha deixado Vettel para trás (antes mesmo de uma punição - que poderia não vir) ele abriu para o espanhol passar. Não que precisasse, pois Alonso passaria de qualquer jeito. Mas não fazer joguinhos de pressão foi fundamental, para não desgastar o companheiro, e não botar a confiabilidade dele na equipe a perder. Isso, senhoras e senhores, é equipe. Que abandonem o circo, se não concordam.
O serviço, pela primeira vez neste ano, do Massa foi tão bem feito que, por mais que não segurasse Perez )que estava como um foguetinho) ele ainda não afetaria Alonso. O que afetaria, era Kimi, que se passasse por Massa, estaria hoje com 143 pontos, um ponto a mais do Hamilton, vencedor da prova. Kimi assumiria a segunda posição no campeonato atrás do Alonso. Perigo? Não muito, pois o que separaria os dois seria 36 pontos. Porém qualquer coisa que possa ser tirado dos principais adversários agora, é lucro para Alonso. 
E Massa fez. Aproveitou inclusive que a Lotus estaria mais fragilizada, com Dambrosio sem muito jeito ainda com o carro, para fazer a Ferrari ultrapassar a Lotus no campeonato de construtores.

Agora daqui a duas semanas, teremos Cingapura, que por mim poderia ser substituída facilmente por uma dose extra de Spa. 
Corrida boa, que pode garantir boas emoções agora só em Suzuka e depois talvez, em Interlagos. Em sete corridas, duas podem ser boas? Só digo uma coisa: Eita calendário safado!
O que conforta é que esse ano, até as corridas tediosas, se mostraram disputadas. É esperar que essa premissa continue.

Enquanto a Ferrari considera Kimi um dos grandes perigos em termos de campeonato (além de Hamilton, remotamente Button, Vettel e Webber) a Lotus quer que Kimi faça milagres domingo após domingo. De fato, a Lotus tem um lucro jamais imaginado por eles, refletido no trabalho do Iceman. Ele pontou em 12 das 13 etapas até agora disputadas, e terminou todas as corridas, sendo a única não pontuada, um erro de estratégia. Está em terceiro no campeonato, atrás apenas de Hamilton por 1 ponto. Hamilton assumiu ontem a segunda colocação devido aos abandonos de Vettel e Webber. 
Lucrando a Lotus está. Quem não lucra é quem torce por ele, e espera depois de tanta gente vencendo, uma corrida em que ele esteja no mais alto posto. 
A impressão que tenho, a cada corrida é que, Alonso não espera que joguem a bola no pé dele, para que marque o gol. Ele vai correndo todo o campo, fazendo papel de zagueiro, lateral, atacante... A Lotus ainda me parece querer o gol do Kimi, mas esquece jogar a bola em campo.

Abraços afáveis!

2 comentários:

Ron Groo disse...

Os holofotes caíram todos em cima do Alonso, mesmo com o Perez mandando muito bem.
Tem estrela demais este rapaz.

Manu disse...

Verdade!