segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Suzuka: Louvável

Suzuka sempre foi uma excelente pista.
A minha segunda favorita, talvez. Ela já teve bons momentos e, nos últimos anos, também foi palco de mesmices, chatices e procissão. Também foi palco de coisas muito ruins à dois anos atrás. Coisas, eu lembro e me aperta o coração. Fatalidades assim fazem parte do automobilismo. Mas a gente sofre e isso é inevitável.

Mas as boas coisas dos circuitos, apesar do modo sempre chato de todo evento, teve as surpresas e os momentos de encher os olhos, que compensam você gastar seu tempo em assistir.

Um deles foi a largada.
Lewis marcou mais um ponto na tabela das atitudes infantis de seu histórico essa semana. Tabela essa que deve estar mais cheia que aquela de vacinas que a gente pega ao sair do hospital com um recém nascido. E essa "nova" atitude (mas não surpreendente), comentarei em um outro momento.
Mas que a birrinha que ele fez deve ter arrumado uma dor na barriga de alguns jornalistas, de darem risada com a largada dele, isso pode ser fato comprovado.
Ou não. Afinal, o cara é um semi-deus até quando ele faz "m".

A largada contou com Rosberg fazendo seu trabalho: largando na frente e largando bem. Lewis parece que esqueceu de olhar o sinal se apagando para verificar seu Snapchat. Perdendo posições, caiu para oitavo. E pela segunda corrida seguida, eu ri.
Sorte a de Rosberg, que pode continuar o seu trabalho sem mais problemas e a sorte de Hamilton é que tem um carro que poderia fazer desaparecer de vista os carros que vinham à frente.

Dos pontos altos, certamente o destaque foram as ultrapassagens: Kimi Raikkonen fazem uma majestosa ultrapassagem dupla e até Hulkenberg passando a Williams de Bottas fez com que a gente se lembrasse ainda do porquê assiste esse tipo de atração - quase sádica, quando se não tem motivação, nem novidade.

Logo, Hamilton, por ultrapassagem ou estratégia, chegou em Verstappen, segundo colocado. Tentou ultrapassar. Finalmente o molecote fez por merecer o título de arrojado. Fez o inglês tentar, errar a freada e passar direto. Quisera eu que desse mais problemas. Queria muito ver a FIA e a Mercedes possessa com o menino que podia fazer tudo, mexendo com o rei das undercuts. Ah se queria ver também, mais um sinal de infantilidade do inglês. Porque só o chato da parada é o Vettel, porque ele reclama demais das blue-flags. Ora, ora...

À quatro corridas para o fim, Rosberg tem ativado o lado finlandês e feito jus a ter passado mais tempo líder na tabela de pontos neste ano, abrindo agora 33 pontos para Hamilton. Quem sabe essa colcha de retalhos agora finaliza os arremates com um título inédito de quem merece já algum tempo, pelas maracutaias que já sofreu? Hã, hã?
Acho que está na hora da gente ver isso acontecer.

Abraços afáveis! (Volto com post de fotos da Malásia e do Japão, no meio da semana...)

Nenhum comentário: