quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Filme + Trilha: The Wonders (#1)

Tenho um livro legal, o "Almanaque da Música Pop no Cinema" de Rodrigo Rodrigues que, como diz na capa, conta história e curiosidade das trilhas que marcaram gerações.


Roubando a ideia inicial - claro, que sem o entendimento e a crítica do Rodrigo - decidi fazer aqui a junção de filmes espetaculares que tem músicas excelentes em uma das cenas, ou mesmo, que toda a trilha seja igualmente boa quanto o longa. A primeira escolha: "The Wonders - O Sonho Não Acabou". Coincidentemente, The Wonders aparece ali à esquerda, na parte inferior da capa.

O filme, de título original "That Thing You Do" - nome da música que mais toca no filme e é o primeiro sucesso da banda - é de 1996, sendo dirigido e escrito pelo ator Tom Hanks (ele também atua no filme, como o empresário). Tom foi extremamente bem sucedido, tanto na ideia quanto na execução. O roteiro conta a história de 4 garotos em 1960 que resolvem montar uma banda de rock e passam a fazer suas apresentações em locais pequenos na cidade quando então são descobertos por um empresário e emplacam rapidamente na parada de sucessos da época e fazem aparições na TV com terninhos e cabelos impecáveis. Parece uma história que já aconteceu? Pois bem, a semelhança com The Beatles é proposital no que diz respeito a fazer lembrar: o visual, o sucesso, as fãs, as referências, a sonoridade e também a figura do empresário, o Mr. White, só aparecem dando força à semelhança entre as histórias, só que no longa, The Wonders é uma banda fictícia de Eire, Pensilvânia - ou seja, americana - e tem um desenrolar de conflitos diverso do que se passou com os Beatles. No filme, Guy Patterson, o baterista, é apenas um ajudante do pai em uma loja de eletrodomésticos, que passa a integrar a banda quando o membro original quebra o braço.  Guy, que tem um apresso pelo jazz e na apresentação em que substitui o original baterista,  dá uma batida mais ritmada à uma música que era para ser uma balada - e essa é "That Thing You Do". É dessa forma que o som dos caras acaba chamando atenção de uma produtora/gravadora, também fictícia, a Play-tone. Os conflitos se dão pois, com cada um tomando um rumo na vida: Jimmy - o vocalista/perfeccionista - entra em conflitos com os outros membros, o baixista pensa em se alistar para lutar pelo país na Guerra do Vietnã e o Leonard, o outro guitarrista, acaba se casando e não comparecendo a gravação do disco. Sobra Guy, o personagem que se dá melhor em praticamente todo o longa, desde que começou a fazer parte do grupo.

Sobre a trilha, farei um resumo do que li no livro do Rodrigues.
Tom Hanks mais 6 caras - incluindo Howard Shore, um compositor de trilhas que eu particularmente gosto - assinam a trilha. De acordo com o livro, o principal compositor trata-se de Adam Achlesinger, baixista do Fountains of Wayne e da banda Ivy.
That Thing You Do - apesar de ter sido de uma banda fictícia - ficou na posição 41 das 100 da Billboard e obviamente concorreu a Globo de Ouro e Oscar como canção Original em 1996. Naquela época talvez, esse tipos de sucessos não garantiam essas premiações. Talvez só hoje, com o conhecimento da maioria eles andem distribuindo melhor, mas nem sempre.
Apesar dos atores que vivem os 4 músicos terem ensaiado arduamente para serem "The Wonders" eles foram na sua maioria dublados. Mike Viola, do The Candy Butchers foi quem dublou a voz de Jimmy, interpretado por Johnathon Schaech, inclusive conduzindo a música em estúdio, para a trilha original. Pelo livro de Rodrigo consta que até hoje, Viola toca em seus show That Thing You Do para os fãs do filme.
A música é de fato bem divertida e boa. Tenho ela em mp3 no aparelhinho de mp4 que carrego sempre que vou para a faculdade e sempre ouço com satisfação apesar da simplicidade dela.
Não reproduzirei toda a escrita do Rodrigues aqui, mas ele comenta de outras músicas e referências ao longo do que escreve especificamente sobre essa trilha e filme, explicando o que foi o disco que eles lançam no filme com as músicas de lado A e B do vinil - você aí que nunca pegou em um vinil a não ser por decoração, tenho dó de você rsrsrsrsrs... - e depois comenta do single que foi parar nas lojas, com uma canção chamada Dance With Me Tonight que é particularmente excelente. Há um trecho dela no filme, quando eles estão em um programa de TV já famosos. Esta, tem um vocal diferente e de fato é cantada pelo personagem Lenny Haise - o guitarrista, o ator Steve Zahn na vida real. Excelente execução.
Ao todo, o disco da trilha oficial tem 15 músicas, algumas inclusive não são da banda, mas outras que tocam ao longo dom filme, inclusive em um festival da qual o The Wonders participam com outros grupos.
A trilha foi lançada pela Epic Records, mas tem uma parceria com a gravadora fake, a Play-Tone. O disco chegou a ser o 21º lugar na Billboard e no encarte do CD tudo promulga para fazer acreditar que a banda existiu e que as situações do filme foram baseados em fatos reais. Tom brincou tanto com a situação que na vida real mudou o nome da sua produtora para Play-Tone.

Abaixo, a trilha completa:


E o trailer do filme:


Parênteses que em lugar algum encontrei alguém comentar sobre: Tom Everett Scott, o baterista aficionado por jazz, se parece muito com Tom Hanks, e não achei isso só fisicamente, como também no jeito de interpretar, muito semelhante ao tempo de começo da carreira, quando Hanks curtia estrelar umas comédias leves. Umas caras e expressões muito parecidas que talvez, tenham acontecido também, propositalmente. #vaisaber
Além disso, Faye Dolan, a namorada de Jimmy - o vocalista - é interpretada por Liv Tyler - que bem sabemos que sabe mais do que muitos de nós o que é ter envolvimento com uma banda de rock e música é dom que possivelmente se ela não tem, música ao menos corre em suas veias. Ela é filha de Steven Tyler e seu primeiro marido, Royston Longdon, é vocalista de uma banda inglesa chamada Spacehog. E eles se conheceram 2 anos depois da estréia de The Wonder - O Sonho não Acabou e o relacionamento rendeu um filho. 

Fico por aqui, aguardo suas opiniões sobre. 
Abraços afáveis!!

2 comentários:

Ron Groo disse...

Durante muito tempo este filme e o The Commitments foram os meus prediletos sobre música.
mas ai conheci Almost Famous, Cadilac Records...
Que bom que agora podemos ver grandes filmes sempre.

Manu disse...

Almoust Famous assisti faz tempo. Mas de fato são filmes sobre música que preenche toda nossa necessidade de ver filmes bons do começo ao fim. =D

Abs!