sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

MP4 - 28 e F138

Depois da apresentação do carro da Lotus, que por alguma razão foi a primeira a exibir carro esse ano de 2013 a McLaren apresentou o dela ontem pela manhã.





A novidade no dito cujo do MP4-28 não é visível. Muita gente (e com razão) crê que seja o mesmo carro de sempre. E ao contrário da Lotus, está sem o tal bico feio. 
Absolutamente nada no evento foi de fato novo, a não ser a falta de Lewis Hamilton posando para a foto com a sua máquina presenteada todo ano pelos seus pais fundadores, desde 2007. 
2013 é diferente. A McLaren, depois de hipóteses sobre ter um latino sangue quente na equipe era complicadinho de resolver (na mesma ocasião de chegada do master Hamilton), levanta a saia da hipocrisia e traz o mexicano Sergio Perez para o lugar da cria que abandonou o refúgio da asa da mãe.
Fato é que Perez poderia ser um carinha muito bom de serviço, se não fosse o fermento que o contrato deu ao garoto. Agora cresceu e alguém precisa tratar de assá-lo, antes que perca a reação química e não  faça mais efeito à receita. 
Button se transformou ano passado. Em alguns momentos deixou de ser o gentleman que era, para falar algumas coisinhas dignas de pessoal da McLata. Depois de ser superior à Lewis em 2011, com razão, destreza e sutil talento, ele também se viu no direito de crescer para alguns comentários que o antigo Button jamais arriscaria dizer. 
O que a maldita faz com a cabeça de seus pilotos, só Deus sabe. E pode ser que seja outra razão para achar que poderia falar besteira também. Pode ser que ele como metade da população do mundo tenha perdido o filtro daquilo que se pensa e aquilo que se fala. 

A psicologia manda que mesmo que você não esteja preparado, jamais deverá aceitar um desafio, caso assuma uma postura negativa. Assim, tanto Button, quanto Perez elogiaram o carro e puxaram cada um meio quilo de sardinha para sua brasa.
Button arregalou um "o carro parece igual, mas a carenagem é diferente", e mostra empolgação, inclusive afirmando com a cabeça, quando algum dirigente promete ser competitivo e que disputarão título.
Poucas vezes na F1 pode-se descartar facilmente McLaren (e Ferrari) de disputas. Portanto, nisso, também não há novidade.

Em linhas gerais, já que no post da Lotus comentei da dupla de pilotos - com aquela imparcialidade que mesmo que eu queira, nunca cabe - aqui traço perfis básicos de Button e Perez.
Se o carro é o mesmo igual ao do ano passado, Button colocará Perez no lugar dele, caso não cometa a imbecilidade de falar demais antes de agir. Mas duvido muito que cheguem a fazer algo mais significativo do que vencer algumas corridas, fazer no máximos umas duas dobradinhas e ser apenas uma pedra no sapato de Red Bull e Ferrari. Nada além, como ano passado.
Equipes grandes para mim, não tem obrigação de surpreender, tem obrigação de fazer o que se espera delas. Ou seja, caso um dos dois chegue com muitas chances de vencer o campeonato, será normal, nada surpreendente. 
E se assim for, creio que será Button mais vitorioso. Perez é e continuará verde. 
Mas ainda tenho um pé atrás com a McLaren. E porquê? Esperaremos o lançamento da Mercedes para dizer minha outra tese.

F138:


Lançado nessa sexta-feira, o carro da Ferrari empolga os tifosi e os doidos pela vermelhinha.
Foi-se o tempo que eu achava Ferrari bonita. Eu gostei das fases em que a pintura era de um vermelho mais forte e meio metalizado. Talvez o meu modelo favorito dela seja o de 2008, pela cor, embora aquele ano não tenha sido o melhor pra mim. 
Mas enfim, nesse ano, também não está ruim. O bico feio está só na conta da Lotus, e o carro da Ferrari, apresenta um bico normal,  com mais preto na pintura, e traseira mais estreita.

O Massa fala em título e confiança. 
Eu acho graça de piloto de equipe grande: na Ferrari ambos querem título, mesmo que na prática, só um tem chance. Só um sabe trabalhar com carro ruim, o outro opta por "mimimi", apertando o cerco, quando tem contrato acabando. Precisa de nomes aos bois?
Daí a gente vai na amiga McLaren e Button é o campeão com pompa para dizer-se líder, depois de chegar, desbancar o queridinho e inclusive, se moldar à eles. Já Perez, pode ser um coitado, mas está querendo aparecer e pode ser que esse "aparecer", dê certo.
Na Lotus, as coisas não são de status de pompa e glamour como nas duas anteriores, mas eles tem um campeão mundial, que não prometeu mundos e fundos. Ficou com o pé no chão e só pediu para esperar pra ver, além de assumir que trabalhará melhor que ano passado. Com isso, a equipe coloca o companheiro franco-suíço no mesmo patamar que ele e prega harmonia, mas muito trabalho. Quando tudo está bom demais para ser verdade, a administração e dirigentes vem e fazem alguma m*rd*. Perfeito, só que não.

Se o F138 vai proporcionar competitividade, isso é outros quinhentos. Como nada se pode afirmar antes dos testes, ficamos com a dúvida.
Acho provável título sim. Se com o carro mais ou menos, Alonso só perdeu por 3 fatídicos pontos ano passado, então sim, Newey pode se preocupar.
Escrevo pode, pois essa é a palavra. Não usaria deve, afinal tenho minha postura em relação a Ferrari desde 2008 pra cá. 
A má fase da Ferrari em termos administrativos, pra mim é pura falta de senso. Me parece preguiça tentar fazer um carro superior. Antes o problema era McLaren. Agora é Red Bull. Seja o qual for que a equipe do energético tem como filosofia, uma coisa eu percebo: eles não esperam que façam o trabalho por eles. Não esperam que estendam um tapete vermelho e façam desfile. Pode ser que estejam metidinhos e cheio de falar baboseiras por aí. Mas e aí? Pelo visto estão entrando no jogo corriqueiro das grandes.
Eu acho ainda que o pessoal da Ferrari pensa que todos vão pelo resto da vida, temê-la e desejá-la. E é por isso que desde 2008 ela é pega de calças curtas. Se suassem para trabalhar e esquecessem os adversários mesmo, em termos de provocação, garanto: não teria para ninguém. Eles tem o melhor piloto de pista e o cara mais certo para ser frontman enquanto a banda toca a música.

Falar de dupla de pilotos da Ferrari é dar murro em ponta de faca. Se o carro for ruim, Alonso será mágico e Massa vai sofrer e só mantendo o emprego porque foi dominado. Se o carro for bom, Alonso será Alonso e Massa será o escudeiro perfeito. 

Resta agora ver os outros carrinhos.
Enquanto isso, os comentários fica a cargo de vossas magnânimas pessoas :D
Abraços afáveis!

PS: Sobre a Force India comento depois, quando for possível falar do carro e dos pilotos. Ver aqui.

Um comentário:

Ron Groo disse...

O carro da Ferrari, quem diria, é bonito. Mesmo.
Já o da Mclata... Já vi há um monte de temporadas. Cansou.