segunda-feira, 16 de maio de 2016

GP da Espanha: Mercado

Já se passaram as 24 horas do começo do GP espanhol. Se eu decidi não escrever na hora em que ele terminou, melhor para mim. Posso ser breve.

Tudo, hoje em dia, virou mercado. Se brincar, até a mais remota amizade, surgiu - de uma das partes, pelo menos - baseada em interesse. Um trabalho de escola em que um fez dupla com o inteligente, o colega que optou por dividir sala do escritório com aquele mais ligado ao chefe, ou aquele que simplesmente só conversa com o vizinho que limpa a calçada tão bem que as vezes, limpa até a sua. E desses simples comportamentos de relações, visam tirar vantagens com elas.

Decidi não escrever na sexta feira sobre F1, mas sobre a situação política no país. 
O assunto da semana era a troca entre Kvyat (na Red Bull para a subsidiária Toro Rosso) e Verstappen (na Toro Rosso, rumo a Red Bull).
A mudança levantou uma polêmica pois todos compravam a ideia de que Kvyat estava sendo "rebaixado" como castigo pelas duas vezes em que se envolveu em acidente com Vettel. 
Houve até xingamentos. Vettel era o chorão, agora o idiota poderoso. Só porque ele reclamou diretamente com os dirigentes da ex equipe e "deu certo".
Eu assisto F1 desde meus 7 anos. Contando desde os 10, fazem 18 anos que eu assisto as temporadas. 18 anos é tempo suficiente para não ser tão ingênua assim.
Uma que Kvyat foi arrojado na primeira investidura contra Vettel,  e deu certo: ele teve um pódio e a Red Bull comemorou bastante o feito. Deu errado para Vettel que pelo toque, perdeu o carro e atingiu Kimi. Pedidos de desculpas feitas incansavelmente e sem necessidade, a vida seguiu. Na Rússia, Kvyat foi sacana: bater por trás duas vezes é coisa de Mad Max ou filme de perseguição. Dessa vez, o resultado foi Vettel fulo da vida e com a cara no muro. Kvyat, punido com "stop and go". Se fosse o seu piloto, nervoso e xingando colado no muro, você ainda defenderia Kvyat?
Como a maioria já estava com raiva do alemão, a maioria se doeu por Kvyat. Poucos sensatos souberam o que estava realmente acontecendo, poucos olharam de fora o que pode ser mais favorável.

Jos Verstappen cansou de falar que o filho, Max, estaria em breve em uma equipe maior, mostrando tudo que podia. Duas coisas mercadológicas: talvez os trâmites de mudanças nas equipes que tem o mesmo dono, Helmut Marko, já estivesse acontecendo antes mesmo dos incidentes. Acredito que Kvyat foi mantido até a Rússia por ser... olha só... Russo. E dado as suas pequenas confusões, só facilitou a situação de cifrões na cabecinha de Helmut. Chamou Verstappen, lá na outra equipe também subsidiada por ele. 
A Red Bull dispensou Kimi quando ele corria de rali, sob a perspectiva de que ele não rendia mais como piloto da equipe Citröen. No ano de 2011 ele correu em outra equipe, a própria. Helmut não é bobo. Sabe bem o que estava fazendo e não quer "perder" grana.
Se Vettel era assim tão poderoso, me pergunto porque ele ainda não botou tudo abaixo na Ferrari, porque né? Poderoso assim, ele está brigando com o pessoal errado. Tem gente aí mais perigosa para ele tirar da frente (ou das costas) dele.

Comecei o assunto do fim para o começo: Helmut esteve certo. Trocou exatamente no momento em que o Verstappen venceu uma corrida. 18 anos. A quantidade de tempo em que eu assisto F1. Novo recorde. Ano passado: um moleque inexperiente; este ano: um gêniozinho muito melhor que seu pai. 

Torci para o Kimi. Ao passo que Verstappen ainda tem muita corrida pela frente, o finlandês está se esgotando. A equipe, não comemora mais seus troféus, batem palmas com pouco caso. Ele vencendo, Arrivabene respiraria aliviado, as coisas melhorariam em seu tratamento. Não que Kimi se importa: ele não está mesmo, nem aí. Mas é ruim dado o desprezo que acontece por ali a olhos vistos. A gente que não tem sangue de barata, protesta um pouco.
Li ontem que Max será o próximo campeão da Ferrari. Já estão fazendo contrato dele no Twitter! E sejamos pragmáticos: até o Maldonado já venceu o GP espanhol. Onde está Maldô hoje? Todas as promessas (lembram do Pérez? Até agora, só algumas corridas bem feitas e só), inclusive o pai Jos, foi superestimado demais. Isso só fará mal ao garoto. muita calma ainda.

A justiça também é mercado, e em todo lugar. A justiça foi feita para a decisão da Red Bull, mas não foi se olharmos o lado de Kvyat. A justiça não está sendo feita com o Ricciardo, que labuta tanto e teve tão bons resultados até agora, mas se vê em segundo plano com a chegada do novato.

A justiça não é feita na F1 como um todo, a não ser que ela signifique 'mercado'.
Volta 1: Hamilton na frente, contando pompa de estar voltando à boa fase. Rosberg larga em segundo e vê o companheiro avançar. Numa boa ultrapassagem, ele toma a ponta e mantém o traçado com a porta fechada. Hamilton vem por fora, passa pela grama e bate em Rosberg por trás. Os dois fora da pista.
Eu dei risada. Até o trio global, puxa-saco do Hamilton disseram que o ato foi inconsequente. Muito inconsequente. Burro, desde 2007, seu ano de estréia.

O Vettel com o Kvyat: erro do alemão. Entre Rosberg e Hamilton, os ingênuos diziam ser incidente de corrida e não proposital. Eu ri. 
A equipe colocou panos quentes. Lauda disse a verdade: Hamilton foi o errado. 
Ninguém pontuou. Saiu que haveria investigação, e o resultado não veio. Não iriam punir o Rosberg porque não era culpa dele. Era visível. Não poderiam punir o Hamilton porque... bem, eu sei bem porquê. Os comissários fizeram reunião pós corrida não para definir a punição, mas sim para fazer que nem escola: "não façam mais isso, ai, ai ai..." 
Ridículo. E a gente ainda assiste isso.

Sem punição. Ei sabia que não teria. Duvidam? Abram meu Twitter. Verão que eu não fui ingênua e soube bem que nada aconteceria. Aaaaah, se fosse Rosberg o cara que passou pela grama... Estava careca e esfolado agora. A figura celebridade do Hamilton não pode ser atingida. Ele tem pedestal, lá no topinho olha para todos com o nariz empinado. Anda fora da pista, ganha 6 posições por fora, chega no pódio, finge que sorri. Tenta de novo, fora da pista, e dá "m". Se desse certo, eles jamais mandariam ele devolver a posição. JA-MAIS.

Eu falo em ingenuidade dos que acompanham a F1, mas alguns podem ver: Rubens Barrichello disse no Twitter que Rosberg tinha mais culpa que Hamilton. E quando Schumi deu uma exprimidinha nele na mureta aí, no último ano de corrida do Schumi, o alemão era o sacana. Sob sua visão, Rubim, faz sentido. Vc e Hamilton vieram por fora. Os dois alemães forçaram para não ter espaço: vc e Hamilton arriscaram, eles não entregaram. Isso é errado?
Eu acho que não. Mas vc vai dizer que sim. E sua vontade é que , vai que eles mandam Rosberg embora e abrem a vaga e vc voltar a F1 como aquele que comentou algo favorável ao inglês? Não duvidaria disso. O seu nome já esteve envolvido com a Mercedes mesmo...

À FIA cabe a pergunta: para quê regras se elas não valem?
E pergunto mais: de que adianta enchermos os olhos com novatos ganhando corridas, se no fundo, a desonestidade rola solto? 

Abraços afáveis!

2 comentários:

mário Paz disse...

Quanto ao acidente entre Hamilton e Rosberg, acidente de corrida, mas que foi provocado pela afoiteza do Hamilton, não há dúvidas. Para mim, sem punição da FIA, mas caberia uma dura no Hamilton dentro da equipe.
A vitória do Max, legal o cara fez história, mas, sem querer desmerecer, não tá muito fácil ? Barcelona já parece uma pista feita sob medida pro carro não sofrer, aí você tem 66 voltas e ninguém sai da pista, roda, trava pneus, a zebra é suave...Max não errou, mas nem os pilotos das piores equipes erram !!! Eu ainda acho que essa adaptação mágica dos novos pilotos se deva em certo grau à perfeição tecnológica de carros criados em softwares de computador, somada à pistas que não desafiam os carros e os pilotos. Max tem talento, mas o que ele fez não tem paralelo na história da F1.
Mario Paz

Manu disse...

Certamente Mário, mas acredito que não haverá nem uma dura da equipe. Ele faz e acontece desde 2007 e tudo que surge são mãos na cabeça. Saiu da McLaren por birrinha e não sofreu absolutamente nenhuma represália por ter sido desonesto na antiga equipe. A Mercedes tem agora, o que ele é capaz de fazer para ganhar. Mesmo assim, tá tudo bem para eles. Escreva aí: próxima corrida ele vence sem nenhuma interrupção ou pressão. Será como se nada tivesse acontecido.
Se isso acontecer mesmo, eu ficarei bem fula da vida.

Quanto ao Verstappen, é como disse: até Maldonado venceu neste traçado em um tempo que todo mundo teve chance de vencer uma vez. E reclamaram; disseram que o fã não queria ver isso. Eu como fã também não quero ver o de sempre. Então se foi por tecnologia ou não, pelo menos, mudou um pouco e a gente se contenta. Embora, não seja o ideal. Verstappen ainda tem um longo caminho à frente, mesmo com carros projetados para levar os novos pilotos a grandes feitos.

Abraços à vc! ;)