terça-feira, 2 de outubro de 2012

Hamilton na Mercedes e futuro da Ferrari

Pareceu premonição. No post passado, escrevi que talvez o abandono de Hamilton apagaria (de certa forma), o fogo sobre sua saída da MãeLaren. Decididamente na semana seguinte o assunto foi colocado como confirmado. 
A MãeLaren foi abandonada, agora Lewis é da Mercedes a partir de 2013. Sem pestanejar, a equipe abandonada já adotou outro, Sergio Perez. 
Fogo apagado, a fumaça até já dissipou de tanto que demorei a chegar aqui.
Nem tudo na minha vida funciona bem como na vida de Lewis, o que é uma grande pena.

Mas o assunto ainda não está enterrado.
A minha reação primeira com a entrada de Hamilton na F1 lá em 2007 foi muito estranha. Não, eu não fui indiferente como sou com a maioria. A sensação de ter Kimi na Ferrari não era das melhores, então um novato chegando assim quase do nada em uma equipe grande para mim parecia uma coisa muito bem arquitetada. 
Eu não tinha nada com isso, mas confiei na dupla Alonso e esse tal de Hamilton, desconfiando.
Logo eu percebi que daria confusão. Apesar de muitos negarem na época, que havia uma repugnante proteção. ¬¬'
Inúmeras discussões travei com os defensores (e porque não, ignorantes) que não entendiam que eu detestava a proteção de Ron Dennis para com Hamilton, pelo simples fato de assim, nem eu nem muitos, poderiam afirmar com certeza e leveza que Lewis era um cara muito talentoso. No início era visível que ele aprendia rápido, afinal, quem ralava ali era o experiente Fernando Alonso.
Defendo o Alonso sim, depois de tudo. No lugar dele, meu sangue espanhol se compadece.
Naquele ano fui muito bem representada pelo meu piloto favorito, e apesar da falta de reconhecimento tenho  teoria: a frieza de Kimi fez o papel perfeito para o momento - no "I don't care" típico, todos viam só o que acontecia na flecha de prata. Ele, estava pouco se lixando e fazendo a coisa mais e certa do momento.

Com a saída de Alonso da McLaren pensei que jamais Hamilton largaria a boa vida do local. 
Ao mesmo tempo que e surpreendente a notícia de saída, não surpreende.
Primeiro porque é agora a chance dele fazer aquilo que deveria em 2007: provar o potencial. Sem manhas e proteção, agora a pipoca estoura porque a panela pode esquentar.
Segundo, me surpreende porque a arrogância aparente em querer ser superior aos outros e nunca tentar fazer o mínimo para disfarçar, pouco foi comentado. Parece que em 6 anos, os boatos que correm é que nem o pessoal da equipe suportava mais. 
E eu que ouvi tanto que o cara era um gênio, e li tantas acusações ferrenhas que beiravam tantas vezes às ofensas pessoais à mim - que tinha opinião diferente que achei que precisava um pouco mais da amostra do talento - tenho agora muitas das ferramentas para dizer que sim, ele parece arrogante, cabeçudo, teimoso e mercenário. Pelo menos é o que esse "deixe ele ir" da McLaren parece deixar ver. 
Mas como não sou assim tão cruel acho que agora ele tem a chance de vir a ser. Em uma equipe que afirma que não terá proteção, e parece fazer jogo livre (fez isso inclusive com um heptacampeão) será para Lewis a chance master.
Agora irmão, é mostrar porque você está na melhor categoria de automobilismo e é tão amado por muitos.

A novela fecha o capítulo, mas promete mais histórias esse ano. Inclusive lá na rival Ferrari, parece que ainda não querem manter aquele confiante ser que eles conhecem a tanto tempo. Se até a casa caiu para Hamilton, o que esperar para Massa?


Abraços afáveis!

2 comentários:

Ron Groo disse...

Tenho comigo que agora ele some. Vira um Jacques Deusmelivre da vida.

Manu disse...

Tbm acho Groo. Pior que tbm acho...

Abs!