segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Retrospectiva 2015

Rechonchudos das comilanças de Natal e alguns - não eu - tentando superar os etanóis consumidos, ainda pagando os custos de seu consumo. :D Fica o alerta: ano novo está aí, e numa sexta-feira que nem o Natal: segura a onda galera!

Não que 2015 tenha sido um desastre pra mim, mas nem de longe foi bom. Há louvor das coisas boas, sim, mas depois de uma certa idade, a gente separa as coisas boas, as destaca porque a memória as vezes trai, e fica por isso mesmo.

Em 2014 (e pode conferirem aqui) eu reclamei que 2014 passou depressa e nem tempo de reclamar tive. 2015 também passou depressa, mas ele foi seguramente mais chato e bem mais previsível. Inclusive na questão política. Lá no finalzinho do texto, eu reclamei do governo, e que olho torto para a galera que tinha votado no então partido do poder. Já lá, e quando anulei meu voto em outubro e novembro, sabia que estávamos cavando nossa própria cova. De novo, pelas complicações que  já passamos com nosso país, e por aquelas que ainda estão por vir, um muito obrigado à você que vota como um asno! 
Um ano se passou e não arrependi do voto nulo. Mas escutar os planos de governo antes de brigar até os dedos caírem nas redes sociais, ninguém quis. Agora aguentem.
Quisera eu que só os imbecis sofressem, mas nossos bolsos também gritam. Fazer o quê?

Houveram tragédias, das quais, a gente deixa para o Globo Repórter. Mariana, Paris, refugiados sírios... a bola de neve não pára, porque a intolerância e a soberba não é só das terras brasileiras, podem ter certeza.

Pessoalmente tive um ano simples. Entrei no mestrado, tinha créditos para serem cumpridos, num esquema de 2 disciplinas obrigatórias e 2 optativas. Sem segredos, fui com conceito A nas quatro. O suco dessas frutas de disciplinas ainda me parece só no fundo do copo. Ainda não sei muito o que fazer com pelo menos, 3 delas.
Sigo para 2016 para a fase que muita gente acha chata ou complicada. Eu acho a melhor: a parte da dissertação. É tipo frase de efeito de filme: "Tô aqui pra isso!" 

Tive duas incríveis crises alérgicas que atacaram minha garganta e meu nariz. Uma no começo do ano, que me deu infecção de garganta pela maravilha do ar abafado de uma cidade grande e ar condicionado (sujo) em sala de aula e nos ônibus. Passei uma semana mal. Depois melhorei, evitei friagem, andei nos locais de ar condicionado com lenço no rosto. Tive crises de tosse todas as noites, até que a dor de garganta voltou semanas depois, a tosse acentuou e me deu uma dor nas costelas do lado direito, digna de ida ao médico. 
Agora em dezembro peguei outra, que evoluiu para gripe, e a resistência caiu e peguei conjuntivite e fui parar no medico de novo, com inflamação de garganta e infecção de ouvido. Duas semanas a base de remédios. Ainda estou tenho tosses secas e garganta estranha. Uma semana depois as tosses voltaram, e com elas, a dor nas costelas, agora do lado esquerdo. Mais remédios. Já nem tenho paladar mais.

Infelizmente, meus entretenimentos favoritos ficaram à parte esse ano: F1 foi horrível. Abandonei minhas anotações sobre os GPs no meio da temporada de tão frustrante que tudo foi. Agora é simplesmente "tanto faz" para toda corrida que for assistir. 
A NFL estava boa, até o QB do meu time fazer um jogo desastroso e ir parar no banco por várias lesões. Os times que eu gosto, atravessaram fases ruins. Agora, boa parte deles, joga por posições boas no draft 2016 e nem sonham com playoffs.  
Porcaria! A temporada regular passou muito depressa!!! E o Super Bowl 50 tem cara e gosto de chuchu. Ainda para completar o show do intervalo vai dar ibope pelos fãs do Coldplay, inclusive os que anos atrás xingaram o SB "coisa chata que o pessoal não para de comentar"... 
A não ser que eu me engane feio, será Panthers x Patriots, com vitória dos Panthers. Mas não custa torcer para que eu erre esse palpite né? Conto com vcs! ;)
Outros dois entretenimentos que ficaram meio de lado esse ano foram livros e filmes. Li livros, mas só aqueles que são necessários para os estudos, ou os mandados pelos professores das disciplinas. Os de "recreação" só lotam a prateleira. Haja tempo para todos...
Vi muitos filmes, mas poucos no cinema, lugar onde eles pertencem. Assisti a bons filmes que se não fosse pelos sites escusos que a dona Polícia Federal começou a caçar agora - deixando pedófilos, preconceituosos e criminosos outros à solta na web, decidiram pegar os mais fáceis, os que rouba m direitos autorais. Na sua maioria baixei - sim, fazer o quê? - filmes que não iria vir nos cinemas da região (por serem muito pouco comerciais) ou que não teriam distribuição nem em DVD por ser filme estrangeiro e meio independente. Agora José, já era! É esperar cinema e quando não der, que uma distribuidora seja benevolente e mande para nós.
Cinemas ficaram em segundo plano, ou por falta de tempo de pegar estrada ou porque os amiguinhos das redes de cinemas agora socam filme dublado até na casa do chapéu, se lá tiver sala. Dublado, eu não pago, bonecas!
Séries ficaram ok, mas agora encaro a batalha dos hiatos. 

Mas, coisas boas: fui ao show do Pearl Jam em novembro, uma coisa maravilinda. Fazia quase 5 anos que não ia em um show e valeu muitíssimo a pena. Eternamente feliz. 
Conheci amigas de internet: Ludmila e Tatiana Coimbra, Luane, Melissa, Yasmin. Amigas que a F1 e Kimi Räikkönen me deu e agora, fortaleceu. 
Terminei meu curso - finalmente - de italiano! Quase 7 anos e sou bem ruim no idioma. Fatores do prolongamento foram: mudança de livro (para um bem ruim, sem sequencia e confuso), duas festas de Halloween que começaram a ser organizadas no começo do ano e tomou tempo lascado das aulas, e duas alunas (eu uma delas) e uma professora que são amigas de muito tempo e conversam demais! :D Fora as preguiças, cada um a seu modo.

 *Enfim, 2016 deve ser produtivo, espero que seja rechonchudo para todos nós e que seja, na medida do possível, fácil de enfrentar. Grande abraço afável à todos.  Volto ano que vem. Dia 07 de janeiro o blog comemora 9 anos! :D 

Grande, grande, graaaaande abraço de ano novo, super afável a todos!!! *

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Filmes de "Todo Natal"

Rotina é algo que nem sempre agrada. Mas quando é algo feito com gosto, e é bom, que que custa fazer um repeteco?
Eis o caso do Natal aqui em casa. repete-se filmes, com a temática natalina. 
Aqui estão os nossos:

► Simplesmente Amor

Com um elenco desses que justifica ingresso, valor da locação e etc, o filme fala dos diferentes tipos de amor, numa rede de relações de pessoas que conhecem entre si. Nos extras ainda tem um casal de mulheres gays. Há amor de padrasto com enteado, amor platônico, amor de irmão com irmã, amor recente, amor antigo, amor de crise de casamento, amor que envolve poder e até amor de artista com empresário.
Há quem diga que detesta o filme. Mas não ouvi ainda justificativa plausível. Vai ver não tem nenhuma heroína para dar voz a discursos feministas, ou alguma ideia social, beirando ao comunismo... A não ser a parte em que o primeiro ministro inglês enfrenta o presidente americano... Mas fato é que, em tempos doentes como os que vivemos, um filme dessa jamais atingirá aquele que deveria achar que "Love.. actually... is... all... around"

E falando em gente insensível (ou chata mesmo), o próximo então seria literalmente, coisa de criança:

► O Grinch


Não é novidade que sou fã de Jim Carrey. Esse filme seria visto certamente, mas eu só iria repetir várias vezes só por ele.
O filme é simples e infantil. Tem aquela moral do personagem diferente que é isolado, uma comunidade mesquinha, uma criança inocente, e toda aquela moral do Natal não ser só presentes. Didático, nada mais que isso. Mas por ser fã de Carrey, tudo que eu quero é rir das coisas que ele faz como se fosse a primeira vez.
E olha, que tem muito Grinch por aí que está necessitando crescer o coraçãozinho... rsrsrsrsrs...

E vcs, tem algum filme (ou filmes) que sempre assistem no Natal? (Não necessariamente pode ser da temática das festas... )

Abraços afáveis!!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Versões boas, ruins ou melhores? "All I wanna do is make love to you"

Saracoteando no Youtube - algo que eu creio que ninguém faça como eu, que é ir para o site para assistir à entrevistas de músicos, atores e atletas que eu gosto, além de assistir à alguns videos clips de músicas boas, e/ou buscar uns stand ups de gente grande - e não ficar nesses videos de "youtubers" patéticos ou aqueles virais meio bizarros.
Mas, mudei de assunto... saracoteando no Youtube ouvi a música "All I wanna do is make love to you" da banda Heart. Lembram? Pois se não, a hora é agora!
Eis então que descobri uma versão não muito diversa desta, que posto hoje afim de discutirmos a melhor entre versão e original.


Original: Heart
Composição: Robert John "Mutt" Lange
Álbum: Brigade
Data de lançamento: 14 de março de 1990
Gênero: Pop Rock e Hard Rock

Versão: Halestorm
Álbum: ReAnimate (EP)
Data de Lançamento: 2011
Gênero: Hard Rock



Um pouquinho menos pop que a original - que beira às clássicas baladas oitentistas - Halestorm apresenta uma versão com um pouquinho mais de peso e, com uma voz muito semelhante à Ann Wilson, de Heart, Lzzy Hale vai pelo mesmo caminho, só sendo um pouco mais "rasgada". A banda esteve no Rock In Rio deste ano, no palco Sunset, no dia 25 de setembro. 
Se Heart era uma bandinha dessas em que vai direto para as coletâneas com títulos de "Love Metal", Halestorm não vai longe disso, pelo que já ouvi algumas vezes. Com um pouco de toque mais "agressivinho", Lzzy apresenta músicas que seriam facilmente cantadas por, sei lá, Vince Neil, do Motley Crue, só que numa versão feminina. 
Essa por exemplo é um versão que foi feita pela banda várias vezes ao vivo, fazendo parte depois, no EP supracitado, já com versão em estúdio. A moça usa a letra para falar claramente a que veio.  Em outro caso, citando os títulos sugestivíssimos das músicas, mostra que as letras não são romantiquinhas e com a função de serem as mais diretas possíveis: a música que rendeu Grammy em 2013, por exemplo chama-se  "Love bites (so do I)" (tradução livre: "Amor morde, e eu também"), "I am the fire" ("Eu sou o fogo") e "I like it heavy" (Eu gosto disso pesado), fora a letra de "Apocalyptic", que tem refrão pra lá de quente. Se tiverem curiosidade, só ouvir a dita cuja, aqui.

"Orelhando" as duas músicas de "All I wanna..." a original é mais a cara de quem gosta as coisas antigas, aquela nostalgia que te leva até para os tempos em que ouvia ela no rádio. Modernizada - mas nem tanto - a versão de Halestorm pouco adiciona, mas dá uma força maior e não estraga. Dá para ouvir as duas sem grandes dramas... ou não?
Fica com vcs agora.

Abraços afáveis - sem whatsapp, sem manifestação pró ou contra Dilma, mais simples, e mais verdadeiramente, afável! ;) 

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Como foi 2015?

Como foi 2015? 
Meio, ou totalmente decepcionante.
Fiquei doente e com dor de garganta 3 vezes no ano. A última, recentemente, me derrubou por quase uma semana. 
Fiz 4 disciplinas no mestrado. Se eu bater elas no liquidificador e depois se eu coar, dá pouco suco, talvez dê um copo americano pequeno. 
No campo dos esportes, F1 foi um desastre e NFL, apesar de totalmente divertida, não me trás alegrias para com meu time - embora tenhamos muitas chances de playoffs, temos zero chances de Super Bowl.

De resto, nem consegui medir. Fiquei triste porque olhei meu cadernos de anotações e todo livro de literatura comum que comecei esse ano, não terminei, devido os estudos e os trabalhos da disciplina. E o pior, nem dá para recuperar o tempo perdido, pois já deveria estar adiantando mais leituras da minha dissertação, e estou lerdeando. 
Novamente, nem consigo lembrar de mais alguma coisa. Tudo correu tão rápido que até reclamar de tédio não houve tempo.

Resumo de 2015 em um gif:


Preparem-se: Nada é ruim o suficiente que não possa piorar. Imaginem 2016?!

Abraços afáveis!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Temporada 2015 de F1: balanço final

Para finalizar o ano horroroso da F1, façamos o balanço geral, o veneno último e fechamos tudo para não voltar mais a ficar sofrendo por esse momento.

Acabou, graças à Deus - diria até o ateu. 
Conseguiu ser pior que 2014 em alguns pontos. Foi um pouco melhor para alguns pilotos do que aquele ano par, mas foi uma verdadeira miséria em termos de competitividade e emoção. Uma coisa ridícula, eu diria, pior incluisve quando Sebastian Vettel venceu antecipadamente no ano de 2013, com 4 provas de antecedência. Sim, foi seguramente muito pior.
E agora constato: não é por vencer antecipadamente que as coisas ficam chatas. É quem as vence, e como.

Por mais que falamos, discursamos e façamos nossos argumentos serem ouvidos à respeito da inutilidade em que se encontra a F1 no momento, corremos dois riscos: um, de ser aqueles intelectualizados chatos para caramba que discursam como deve ser as mudanças para que retorne a competitividade, e o outro lado é de ser os "reclamões" - que tem até razão , mas que são "reclamões" e portanto, quando abrem a boca, são sumariamente ignorados.
Eu, certamente serei ignorada. 

Sim, 90% das pistas são uma porcaria. Sim, 90% dos pilotos deixam a desejar. Sim, 90% das regras só valem pra uns. Sim, eles - FIA e afins - nos fazem de trouxas em 100% dos casos.
Fato é que, se não rolasse tanta grana, metade das coisas já teriam sido resolvidas. Mas não vai ser: GPs nos Emirados Árabes são uma porcaria, mas lá transborda dinheiro. A pista é asfaltada com dinheiro emborrachado. Eles dão festas e eles limpam em guardanapo que é - olha, só - dinheiro. Elas são chatas, mas dão dinheiro. E é fim de papo. Vai discutir contra isso? Você perde. E perdendo, você segue arrumando jeitos de ver as corridas do calendário disponível. 
O mesmo se aplica às equipes: elas tem dinheiro. Investem e "trabalham". Mercedes é o caso: gastam litros. Mandem eles colocarem o mesmo motor da Marussia, e eles fazem o mesmo "mimimi" da Ferrari e ameaçam sair da categoria. Será sempre assim, só mudará o nome da montadora.
Contrataram um palhaço para o circo: no caso, o Rosberg. Ele fez as vistas da "falsa competitividade" que se instaura no ano. Enquanto isso, eles contratam um pseudo-piloto - que nada mais é que uma celebridade à moldes anos 2000 -, no caso, Hamilton. Enchem o bolso de dinheiro e marketing. E enchem mais o bolso pois a Mercedes fornece tecnologia e inovação para vencer a competição.
Vencer campeonatos como o de Hamilton? Um robô faria o mesmo.
Mas você e eu já vimos filmes de robô. A humanidade não confia nesses seres criados por nós mesmos e mostramos uma síndrome Frankenstein, em dois tempos.
Mas isso já é viagem minha. Fato é que, Hamilton como piloto é ótimo como celebridade.
E pensar que Bernie disse que piloto tinha que ter carisma... ¬¬'

Campanha: Justin Bieber para piloto!! Vamos lá, ele até tem Ferrari!!! #sarcasmo

Desde que Hamilton venceu antecipadamente só tivemos situações risíveis esse ano: antes mesmo, ele fez cena em Mônaco. Os erros da equipe não lhe custaram uma lasquinha de seus colares de ouro, mas ele fez cena, toda vez que lhe foi propiciado falar ao microfone.
Rosberg foi dado, lá no começo, como mau perdedor. E aí que percebemos a inversão de valores. Antigamente, o cara talentoso - e mesmo que fosse o vigarista da história - era absolvido pelo talento. Agora, meia dúzia de colares e namoradas famosas o fazem mito. 
Isso se seguiu vez ou outra, com bonés arremessados e agora, joguinho de palavras na mídia - afinal, silly season já bate à porta.

Com vitória antecipada de Hamilton, restava resolver o segundo colocado. E a F1 mostrou sua fraqueza mais uma vez: Rosberg deveria ser vice, e Vettel não conseguiu se aproximar pois o esquema armado pela Mercedes foi bem costurado. Acrescentando mérito à incompetência ferrarista, Rosberg fechou o ano em segundo, com bons resultados nas últimas corridas.
Hamilton pode ter falado muito - inclusive, abobrinhas jamais antes ouvidas -, mas fato é que eles garantiram a segunda colocação e quem comprou que tinha briga interna, que sobreviva com isso. Eu não comprei essa. Nem vou.

Vettel fechou o ano em terceiro, com seu primeiro tempo na Ferrari. Ainda que soe que ele é prepotente, acho que ele deve ser e está no lugar certo para isso. Ele é tetra campeão e o único piloto descente dessa categoria, depois do Fernando Alonso, que seja novo e que possa ainda ter respeito. Dos mais velhos que ele, talvez, Button e Kimi ainda inspirem algo. Aposto ainda em mais 3: Ricciardo e Hulk - e, relutantemente - Bottas. Mas o resto ou é duvidoso, ou tem vento na cabeça. Rosberg já perdeu posto aqui, por aceitar as coisas de Lauda, Wolff e companhia... Toma tento, Rosberg!

Em quarto, Kimi. Um ano decepcionante. Melhor que 2014, mas decepcionante. Kimi sempre foi apático, e se assim é, ele não discursa por igualdade. Isso esse ano, deixou até quem gosta dele, com raiva. A sorte dele é que Vettel o respeita. Caso contrário, nem quarto lugar teria - já que Arrivabene, não liga para o que ele precisa. A Ferrari é assim, despreza um, e a exalta outro. Dessa vez a diferença entre eles é gritante, mas ao menos, estão logo ali atrás das Mercedes. Menos mal.

Em termos práticos, é de se dar gargalhada com o quinto e sextos lugares. Bottas é um bom piloto, que mostrou uma veia muito desagradável depois de se envolver com o compatriota Kimi em uma corrida na Rússia. 
Entre culpados ou não culpados, o "mimimimi" deu asa para questionar tanto sua nacionalidade, quanto o talento. A prova veio com as corridas seguintes: Kimi fechou com 150 pontos e ele em quinto, com 136. Seja finlandês, Bottas. Faça as coisas com frieza e acho que você supera essa.
A meta da Williams era bater as Ferraris, a meta da Williams falhou pelos próprios erros (de pit stop) e confiança demais em quem não deveria. 
Mandar Massa caçar outro time e pegar sangue novo e bom para o ano que vem, já poderia render frutos. O Grande Homem terminou o ano em sexto com 121 pontos. atrás novamente do Bottas.
O que eu ouvi esse ano que ele era líder da equipe, não está no gibi. Até porque surgiu uma falsa ideia de que Bottas estaria na Ferrari em 2016. A liderança do Massa não era garantida, uma vez que Bottas tinha uma corrida a menos e ainda conseguia ter pontinhos a mais. Quando os boatos ruíram, Massa ruiu junto. Massa só é líder na própria casa - e olhe lá, lembrando que tem filho pequeno...

Abaixo deles, Kvyat e Ricciardo, os dois RBR - que sofreram esse ano, mais do que no anterior. Surpresa em ano de estréia que Kvyat tenha superado o garoto sorridente Ricciardo, alguém que eu acho que deveria ter mais crédito e espaço nessa categoria, algo para ontem.

Fechando os 10 primeiros, Pérez e Hulk da Force India. Se não fosse por muitos abandonos, Hulk teria tido um ano ótimo. Outro que acho desperdiçado nessa categoria. Dispenso Pérez, mas Hulk deveria ter uma chance com um carro melhor para vermos o que pode fazer. Pérez é o Pérez, vez ou outra faz coisas que sinceramente, deveria evitar. 

Grosjean em 11º é e não é surpresa, dada a complicação que era a Lotus. Superou Maldonado, que sem dúvida, não surpreende também. Maldonado só fechou o ano com 27 pontos em 14º e nem deu tanto trabalho para comissários assim... 

Seguindo para 12º, Verstappen calou muita gente fazendo 49 pontos em ano de estréia, com tanta pouca idade. Foi acusado de imaturo por Massa e foi sagaz ao responder o que o colega brasileiro do jeito certo. O assunto morreu ali, afinal, a gente sabe que maturidade nessas horas, é fator determinante só pra mídia, porque na prática... São outros 500.

13º Nars, brasileiro, patrocinado e na Sauber. Até tentaram puxar-saco, mas não conseguiram nos irritar. Guardado das circunstancias, teve 27 pontos, mesmo tanto que Maldonado. Seu companheiro, Ericsson, fechou o ano com 9 pontos, em 18º, só perdendo para os zerados da Marussia: Merhi, Stevens e Rossi.

Sainz, companheiro de Verstappen parecia melhor que ele, mas finalizou o ano apenas em 15º, com 18 pontos, uma diferença grande para o garoto de 17-18 anos.

Por fim, as McLarens, padecidas e jogadas às traças. Button completou mais corridas que Alonso, mas unidos na desgraça, finalizaram o ano em 16º e 17º respectivamente, somando míseros 27 pontos. Maldonado e Nars fizeram esse mesmo somatório, sozinhos.
Shame on you, Honda!

Para fechar, das 19 corridas, 17 foram ruins, mas ruins mesmo, a ponto da gente escrever que cochilou no meio dela, mesmo tendo dormido bem à noite. 
Agora olhem bem: tem alguma condição de tudo isso ser resumo de temporada boa?
E pensar que 2016 pode ser tudo igual... o.O

Vai tarde, temporada de 2015!

Abraços afáveis!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Abu Dhabi em fotos

Antes tarde do que nunca.
Vamos falar de Abu Dhabi ainda, porque, não fiz meu post de fotos. A Manu aqui foi atacada por 3 "ites": otite, conjuntivite e faringite. 
Sigo meio surda, com dificuldade em enxergar e com a voz falhando vez ou outra. Mas viva.
Chega de papo, vamos ao último post de fotos de GP da temporada:

A emblemática cara de Kimi Räkkönen
Cara que as pessoas acham que é sem sentimento, mas ali está claro: "Vamos logo com essa &$@*!!!"


***

"Sou da moda!" 
Hamilton correntes grossas de ouro, boné de aba reta estiloso e brincos brilhantes. Certamente está com uma calça de marca.
Mas na hora do clique mal feito "mermão", fica esquisito como qualquer um de nós...


***

Convite de festa de criança. 
Um aceita e vai. 
O outro empolga muito e vai. 
E um vai, forçado.


***

"Querido Papai Noel:
Sei que ano passado pedi um ano mais adequado ao meu gosto. 
Sei que esse ano foi melhor pra mim que o ano passado. Mas fui um bom menino, admita.
Por favor, me traga um ano de 2016 igual ao do Hamilton!
Com carinho, 
Seb"


***

Uma bela... boa... brilhenta...
Vista.


***

Vettel verificando se sua Ferrari não está febril


***


Kimi com os bracinhos molengas... Seria uma história sobre o funcionamento de um boneco de posto meio murchinho?


***

Os dois ao lado trocando olhares feios e Kimi dançando... 
Dança do siri ou Segura o tchan?
(Essa pose deu memes, ver alguns no blog do Octeto)


***

Rosberg: "Vou olhar para você Kimi, porque se eu olhar para ele, é perigoso ele dizer que meu olhar jogou ele para fora da pista..."


***

Kimi no momento "Pilates"


***

E assobiando...
Assobiando???

(Esse só entenderá a referência se assistiu ao filme "Os Muppets")

***


Da série: cenas que jamais estamparão manchetes brasileiras
A não ser que saia briga entre os dois e eles venham defender um dos lados.
(Claro, o do Nars)


***

Eh, dois pódios esse ano e nos dois, não tinha champagne
#KimiQuebrandoRegras


***

Rosberg com cara de choro, perguntou ao Kimi se ele achava que Hamilton ia fazer comentário jocosos a respeito dele
Kimi respondei que o cheiro disso sempre está no ar. E não é bom...


***

Cenas lamentáveis pós corrida, daqui em diante: 
Essa é o seguinte: Iceman uma ova! 
Se fosse uma rocha de gelo, dava uns toque nessa muié que posta qualquer coisa deles na rede. 
Parece uma à toa. Mas né? 
Uns estudam, outros procriam filhos de gente rica e vive de sombra e água fresca.


***

Vettel chega em terceiro e Arrivabene reúne a equipe. 
Kimi é terceiro e aparece essa dúzia aí


***

Festinha com os "bródha"
Na foto só o Hamilton e uns caras. O Ego dele foi quem tirou a foto.
Afinal, se estivesse junto, os caras não caberiam


***

Fim da temporada com a turma 2015. Só dois de sorrisos abertos: Pérez e claro, Ricciardo. 
Jamais entenderei os buracos disformes dos que ficam lá atrás...

Mas essa foto não é a real. A verdadeira boa foto de fim de temporada é essa aqui:


Abraços afáveis!